Judiciário 13:07

Justiça determina sequestro de bens de Ricardo, Ney e mais sete investigados na Calvário

Ex-governador é apontado em investigação como líder de suposta organização criminosa

Ricardo Coutinho é acusado de ter cometido abuso do poder econômico nas eleições de 2014. Foto: Francisco França

O ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) e mais oito pessoas denunciadas pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba, tiveram bens bloqueados por decisão da Justiça. Eles são acusados de integrarem uma suposta organização criminosa que teria atuado no Estado durante os mandatos de Coutinho.

Além do ex-governador, foram alvos da decisão Waldson de Souza, Ney Suassuna, Fabrício Suassuna, Aracilba Rocha, Edmon Gomes da Silva Filho, Saulo de Avelar Esteves, Gilberto Carneiro da Gama e Sidney da Silva Schmid. A decisão foi proferida pelo juiz José Guedes Cavalcanti Neto.

Veja os valores que deverão ser bloqueados:

Reprodução

A acusação diz respeito à chegada da Cruz Vermelha à Paraíba para administrar o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em 2011. O caso foi delatado pelo mandatário da entidade, Daniel Gomes da Silva. Ele informou ter pago propinas regularmente para os suspeitos de envolvimento no esquema.

“No caso concreto, o grupo atuava de forma organizada e em colaboração. Passaram vários anos na gestão do governo do Estado da Paraíba, havendo fortes indícios de que os contratos indicados nos autos foram realizados de forma fraudulenta, beneficiando os indigitados em aporte financeiro milionário, consoante demonstrado na cautelar”, diz a denúncia.

Mais Notícias

COMENTÁRIOS

  1. Avatar for Suetoni
    Lucila Bavot Cillleri

    Ah Jesus! Como pode acontecer esse mal tão extremo contra um estado em dificuldade financeira como a Paraíba. Logo o Mago de Jaguaribe – o ex arauto da moralidade pública – que governou 8 (oito) anos nossa Província com a chibata na mão ameaçando os Poderes e Órgãos constituídos, humilhando-os com o rebaixamento de seus sagrados e constitucionais duodécimos, decisão inclusive autoritária, criminosa e unilateral sob o falso pretexto de que não podia mais cumprir o que a Lei determinara. A Justiça tem de punir exemplarmente esse sujeito. Os assaltos nos duodécimos sob a gerência governamental do dito cujo, são de valores quase bilionário, com tantos meses e anos surrupiados criminosamente. E ainda, o tal sujeito imagina colocar nesse ano eleitoral sua consorte para governar a terra das Acácias. Era só o que faltava para fechar de vez o firo. Isso, sem contar com o alcance já confirmado e processado criminalmente e com fulcro numa vasta e robusta Denúncia do Parquet, aceita na sua integralidade pela nossa respeitável Justiça sobre o milionário furto na Saúde e Educação, etc etc, etc.

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *