Incendiar estátuas? Vandalizar monumentos? Sou contra. E mais: estão desconstruindo a figura de João Pessoa

Nesta segunda-feira (26), faz 91 anos que o presidente João Pessoa foi assassinado, e a Paraíba – não se enganem – continua dividida entre liberais e perrepistas.

O mais curioso é que tem um monte de perrepistas na esquerda. Essa gente ficou com o lado mais atrasado da história.

Ficou com o que havia antes da Revolução de 30, que, bem ou mal, trouxe avanços significativos para o Brasil.

A desconstrução da figura de João Pessoa vai me remeter, por uma via meio torta, ao fogo que puseram na estátua de Borba Gato, sábado em São Paulo, durante a manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro.

Desde muito cedo, fui apresentado à história por dois caminhos muito distintos.

Vou resumir assim: na escola, ouvia as glórias da Revolução de 31 de Março.

Em casa, meu pai dizia: “O que houve foi um golpe militar. Depuseram um presidente eleito e vivemos sob uma ditadura”.

Borba Gato. Volto a ele. Nunca tive a menor admiração por essa figura da nossa história, mas discordo de que ponham fogo em sua estátua.

Veja também  Dom Paulo Evaristo Arns nasceu há 100 anos. Homens como ele fazem muita falta nesse Brasil desmantelado por Bolsonaro

Esse negócio de destruir monumentos é muito perigoso.

Se começarmos a queimar estátuas, a vandalizar monumentos, ficaremos ao sabor de insanos, de forças que tanto podem ser de esquerda quanto de direita.

E corremos o risco de que obras de arte sejam postas no chão por manifestantes sem a menor ideia do que estão fazendo.

Seremos, assim, levados por “ondas”, nesse país de profunda polarização e tanta ignorância.

A história não pode ser apagada. Contemos a história. Eduquemos as nossas crianças. Mas não com o método que cada governo pensa ser o melhor.

Ontem, foi Lula. Hoje é Bolsonaro. Amanhã, ninguém sabe.

No Ministério da Educação, já foi Haddad. Agora é um pastor, “profundamente evangélico”, se quisermos usar as palavras do presidente para a escolha do ministro do STF.

O melhor caminho?

Sinceramente, não sei qual é.

Não é a minha área.

Não tenho lugar de fala.

Mas sei que não podemos – nem os de esquerda nem os de direita – sair por aí incendiando estátuas, destruindo monumentos.

Não apaguemos o que resta da história de um povo que não conhece a sua história.

E parece muito pouco interessado – e nada estimulado – a conhecer.