Mais Cultura 9:16

Sórdida é a visão que o governo Bolsonaro tem da cultura

A Funarte foi criada pelo governo militar em meados da década de 1970.

Foi a Funarte que realizou o inesquecível Projeto Pixinguinha.

Quem acabou com a Funarte (mais tarde recriada) foi Collor.

O homem da cultura de Collor era o paraibano Ipojuca Pontes, que só nos envergonha.

Roberto Alvim, diretor da Funarte sob Bolsonaro, chamou Fernanda Montenegro de sórdida.

um amigo meu, bem-intencionado,
me perguntou hoje se não era hora de mudar de estratégia e chamar a classe artística pra dialogar.

não.
absolutamente não.

trata-se de uma guerra irrevogável.

a foto da sórdida Fernanda Montenegro como bruxa sendo queimada em fogueira de livros,
publicada hoje na capa de uma revista esquerdista,
mostra muito bem a canalhice abissal destas pessoas,
assim como demonstra a SEPARAÇÃO entre eles e o povo brasileiro.

temos, sim, que promover uma RENOVAÇÃO completa da classe teatral brasileira.
é o ÚNICO jeito de criarmos um RENASCIMENTO da Arte no Teatro nacional.

pq a classe teatral que aí está
é radicalmente PODRE.

e com gente hipócrita e canalha como eles,
que mentem diariamente, deturpando os valores mais nobres de nossa civilização,
propagando suas nefastas agendas progressistas,
denegrindo nossa sagrada herança judaico-cristã,
bom – com essa corja
NÃO HÁ DIÁLOGO POSSÍVEL.

Quem nos salvará dessas trevas?

Ou: que tragédia é essa que cai sobre todos nós?

Fernanda Montenegro sórdida?

Sórdida é a visão que o governo Bolsonaro demonstra ter da cultura brasileira e dos seus legítimos representantes.