Música 9:42

O governo errou com Zé Ramalho. Tomara que acerte com Vandré!

No dia cinco de agosto de 2016, o governo estadual promoveu um concerto inesquecível de Zé Ramalho com a Orquestra Sinfônica da Paraíba.

Foi um evento histórico no palco do teatro Pedra do Reino, em João Pessoa.

Um ano e cinco meses depois, o que se viu naquela noite foi transformado num DVD de baixa qualidade com erros grosseiros de edição.

Os erros cometidos no DVD foram assumidos pelo secretário Lau Siqueira, mas o gesto decente de Lau não justifica o primarismo da produção.

Estou voltando ao assunto por causa de um outro personagem da música paraibana: Geraldo Vandré.

Vandré, que não gosta de ser reconhecido como Vandré, está em João Pessoa, cidade onde nasceu há 82 anos.

O que já é público?

Que a Orquestra Sinfônica da Paraíba se prepara para tocar peças compostas por ele.

O que é desejo de muitos?

Que Vandré suba ao palco para cantar acompanhado pela Sinfônica.

Quem está em João Pessoa?

O mito da MPB conhecido como Geraldo Vandré ou o cidadão que prefere ser chamado apenas de Geraldo e que não gosta de falar sobre o que aconteceu há 50 anos?

Geraldo Vandré, o artista que fez Caminhando no turbulento ano de 1968, está “morto” há meio século.

Desde que voltou do exílio, ele se recusa a ter qualquer vínculo com o que produziu na era dos festivais.

O homem que, numa canção, convocou o povo para a luta armada, fez Fabiana para a Força Aérea Brasileira.

A despeito disso, continua sendo venerado pela esquerda.

E, por sua vez, parece gostar de cortejar o poder.

Na Paraíba, o fez pelo menos duas vezes. No governo de Ronaldo Cunha Lima. E, agora, no governo de Ricardo Coutinho.

Não é fácil conversar com Geraldo. A conversa dele não tem a necessária objetividade que a vida real pede.

O que surgirá, então, das conversas de Geraldo Pedrosa (ou Geraldo Vandré?) com a área de cultura do governo estadual?

Um concerto com músicas dele e um Vandré mudo no palco (como ocorreu no show de Joan Baez em São Paulo)?

Ou um concerto que faria ressurgir ao menos algo do artista de meio século atrás?

O tempo logo dirá.

Torçamos para que seja bem registrado em DVD!