Juíza não acata parecer do MP, mas manda processo de Ricardo Coutinho para PRE

PRE deve enviar caso para 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

Foto: Francisco França/Secom

A decisão da juíza da 1ª Zona Eleitoral, Cláudia Evangelina Chianca Ferreira de França – publicada hoje – não acata o parecer apresentado pelo Ministério Público Eleitoral. O MPE havia pedido o arquivamento ao considerar não existir crime eleitoral a ser apurado em uma das ações da Operação Calvário, que tem como alvo o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB).
Ao decidir sobre o caso, a magistrada levou em consideração o entendimento do ministro do STF, Gilmar Mendes, que declarou a incompetência da Justiça Criminal e determinou o envio do processo à Justiça Eleitoral.

Mas a decisão de hoje trouxe também um outro encaminhamento.

Ela determinou, com base no artigo 28 do CPP, que o processo seja encaminhado para a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE). De lá o caso deverá ser encaminhado para a 2ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF, que vai reavaliar o processo.

Veja também  João Pessoa vacina contra a Covid-19 nesta quarta (15) gestantes entre 12 e 17 anos

Confira a decisão de hoje na íntegra
Se a Câmara entender que há crime eleitoral no caso, um outro promotor eleitoral deverá ser designado para dar continuidade ao processo. Mas se a decisão concordar com o parecer do MP, entendendo que não existiu ilícito eleitoral, não haverá continuidade do feito – por não existir manifestação do Ministério Público nesse sentido.
Nessa segunda hipótese o processo retornaria à Justiça Comum.
Ou seja: a decisão de Cláudia Evangelina Chianca indeferiu o pedido feito pelo MP em 1º Grau, mas não há um desfecho para o imbróglio.