Pandemia 11:29

João Pessoa está quilômetros à frente de Campina Grande na vacinação da covid-19 e MP pede auditoria à CGU

Foto: SES-PB

João Pessoa hoje é uma das cidades brasileiras onde o processo de imunização contra a covid-19 está mais acelerado. A Capital paraibana já vacina, atualmente, pessoas com comorbidades que tenham mais de 18 anos –  o que é muito bom, claro. Mas por que outras cidades da Paraíba não seguem o mesmo ritmo?

Campina Grande, por exemplo, vacina hoje pessoas com comorbidades que tenham 54 anos. Uma disparidade gritante.

A Saúde de Campina Grande reclama da falta de recomposição de doses. O município recebeu pouco mais de 10 mil para aplicar a D2, mês passado, quando deveria ter recebido mais de 19 mil – segundo a secretaria. A Capital teria recebido 56 mil doses com a mesma finalidade.

“A gente fica até sem entender como João Pessoa tem conseguido avançar de forma tão intensa na vacinação. O que a gente pede é que haja equidade na distribuição das vacinas”, argumenta o secretário de saúde de Campina Grande, Filipe Reul.

O secretário de saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, explica que cabe ao Estado apenas distribuir as doses e recomendar que os municípios sigam o plano nacional de imunização.

“A quem aplica e o ato de aplicar é responsabilidade dos municípios. Esperamos que sábado próximo possamos receber mais doses da coronavac e encaminharemos aos municípios”, assinalou, em entrevista à CBN.

MP pediu auditoria 

Com o cenário conturbado, o Ministério Público pediu que a Controladoria Geral da União (CGU) faça uma auditoria nos quantitativos.

“Estamos aguardando o relatório ser concluído, para tomarmos algum posicionamento”, comentou a promotora da Saúde em Campina Grande, Adriana Amorim.

“A CGU esteve aqui e foi aberta a planilha de distribuição das vacinas. E eles concluíram que seguimos o plano nacional de imunização”, adiantou Geraldo Medeiros.

Pelo visto, o pleito de doses D2 (mais de 9 mil) feito por Campina Grande pode ser transformado em demanda judicial nos próximos dias.

Mais Notícias

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *