Opinião 10:50

Advogados e Gaeco dizem que não, mas soltura de Edvaldo e Pietro deixou ‘cheiro’ de delações no ar

Foto: reprodução

Os advogados do empresário Pietro Harley e do ex-presidente estadual do PSB paraibano, Edvaldo Rosas, negam. Os promotores do Gaeco também. Mas a verdade é que a substituição das prisões preventivas dos dois por medidas cautelares deixou o ‘cheiro’ de novas delações premiadas no ar.

E eu explico. No mês passado, quando já tínhamos a pandemia da covid-19, o Ministério Público pediu que os dois fossem recolhidos numa cela convencional, por não terem diploma superior. 

Agora, o entendimento sobre a pandemia parece ter sido modificado

No parecer, enviado à Justiça e que serviu de base para a decisão de ontem, os promotores alertam para o avanço da pandemia e os riscos de contaminação com a doença.  

Além disso, outros detalhes chamam atenção: os dois têm o mesmo advogado e um terceiro investigado nas fases 11ª e 12ª, Coriolano Coutinho, não foi incluído na decisão que substituiu a preventiva por medidas cautelares.

No caso de Coriolano, ele tem um agravante. Já esteve com tornozeleiras eletrônicas mas teria descumprido as regras, conforme o MP.

Ainda assim, somando-se todos os elementos, embora as partes envolvidas não confirmem, mas a soltura dos dois deixou um ‘cheiro’ já conhecido pela Calvário no ar. Um ‘cheiro’ de colaboração…

Mais Notícias

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *