Mercado em Movimento

Camila Esposte
Láuriston Pinheiro

Terceira idade na mira das marcas

Cada vez mais ativos, exigentes e conectados, os idosos representam uma oportunidade valiosa para o mercado de consumo.

A população brasileira corresponde a mais de 200 milhões de pessoas, sendo 28 milhões de idosos, o que corresponde a 13% da população do total, de acordo com dados do IBGE. O Instituto prevê que, em 2030, a população seja composta de mais de  32,5 milhões de pessoas idosas, o que tem atraído a atenção das marcas.

Cada vez mais ativos, exigentes e conectados, os idosos representam uma oportunidade valiosa para o mercado de consumo, chamando a atenção de empresas de diversas categorias, como vestuário, alimentação, turismo, cursos, soluções de adaptação, produtos de beleza e higiene pessoal e aulas de idiomas e intercâmbio.

 

Idosos estão cada vez mais conectados. Foto: Georg Arthur Pflueger / Unsplash

 

Pensando nisso, empresa de estratégia e inteligência digital, ZAHG, lançou dois estudos: “A Terceira Idade na Era Digital” e “Os Idosos, a Pandemia e a Inclusão Digital”, que abordam, respectivamente, o consumo desse público por meio da tecnologia e o que a pandemia mudou na vida desses consumidores.

O primeiro analisou os desejos e necessidades destes consumidores antes da pandemia e indicou que já havia um aumento do hábito de buscar  e comprar produtos online.  No entanto, 72% dos entrevistados achavam que as lojas não estavam preparadas para lidar com a longevidade. Além disso, mais da metade (52%)  afirmaram ter dificuldade em encontrar produtos e 40% concordaram que faltam produtos e serviços para sua idade.

Veja também  Anúncios em vídeo movimentaram R$ 8,6 bilhões e predominaram nas redes sociais em 2020

O segundo estudo apontou que, com o isolamento social, os consumidores mais velhos se viram na necessidade de aprender a lidar com as novas tecnologias, o que fez com que o consumo online se tornasse uma atividade recorrente. Além disso, para se aproximarem de suas famílias e amigos, eles passaram a aceitar as novas formas de comunicação por meio de grupos de chamadas dos aplicativos de mensagens instantâneas, plataformas de vídeo conferências, entre outros.

As pesquisas desenham um cenário  de grandes oportunidades para as marcas. Mas, para isso, é necessário que as empresas invistam na inclusão digital desses consumidores, criando uma comunicação e oferecendo produtos ou serviços mais direcionados, além de apostar em plataformas “user-friendly”, com linguagem adequada, design e interface intuitivos.