David Duchovny volta à ‘Arquivo X’ ao mesmo tempo que estreia na literatura; leia trecho

xfiles2016.jpg

Anderson (E) e Duchovny (D) estreiam nova temporada nesta segunda-feira, na Fox (divulgação)

Nesta segunda-feira (25), os fãs de Arquivo X irão reencontrar seus heróis Mulder (David Duchovny) e Scully (Gillian Anderson) em novos espisódios do seriado cult de ficção científica novinhos em folha.

O canal pago Fox exibe a nova temporada a partir das 23h59, pelo horário de Brasília – como a Paraíba está fora do Horário de Verão, o público assiste às 22h59.

Clique aqui e confira a matéria do JORNAL DA PARAÍBA sobre a volta do seriado.

Ao mesmo tempo que a nova temporada de Arquivo X chega na TV, as livrarias brasileiras recebem Holy Cow – Uma Fábula Animal (Record, 208 págs., R$ 35,00) estreia de Duchovny na literatura

Descrita como uma “fábula charmosa sobre dignidade e tolerância, repleta de jogos de palavras, de frases image005com duplo sentido e de um humor para lá de sofisticado”, o livro “pseudoinfantojuvenil” conta a história de Elsie Bovary, uma vaca que passou a vida toda muito feliz morando numa fazenda.

Elsie não entende muito bem por que sua mãe sumiu repentinamente, mas passa seus dias comendo, dormindo e fofocando com a amiga Mallory.

As coisas mudam no dia em que ela se aproxima da casa dos humanos e vê algo inesperado: a família toda reunida em volta de um “Deus Caixa” luminoso que fala (e exibe imagens horríveis) sobre uma terrível fazenda industrial.

Desesperada, Elsie decide que a melhor decisão é fugir dali. E acaba ganhando dois companheiros de viagem: Jerry, um porco que se converteu ao judaísmo e acaba de mudar seu nome para Shalom; e Tom, um peru que dá conselhos psiquiátricos, consegue usar o celular e sonha em conhecer a Turquia.

Juntos, eles viverão muitas aventuras pelo mundo.

Confira trechos de Holy Cow – Uma Fábula Animal:

“O Deus Caixa estava falando com as pessoas. Dava para saber por causa do silêncio obediente delas e da luz tremulante. Se vocês, pessoas, acham que as ovelhas são silenciosas, deviam dar uma olhada em si mesmas quando estão rezando para o Deus Caixa – todas passivas e babando. Então tive certeza de que poderia espiar pela janela, porque os humanos estavam hipnotizados, tipo em transe, como na noite dos mortos-vivos. Assistiam a algo chamado Discovery Channel. Sei disso porque saíram daquele estupor por um instante, por tempo suficiente para brigar pelos “canais”. Foi então que me dei conta de que o Deus Caixa não é um deus apenas, mas muitos deuses em uma caixa só, e, com uma varinha mágica de plástico, os humanos podem trocar de um deus para o outro.”

“Olha, eu não gosto de julgar animal nenhum, e conheci alguns ratos lá na fazenda que eram gente boa, inteligentes, esforçados, empreendedores – a família era muito importante para eles, uma espécie consistente. Mas os ratos daqui eram estranhos, e a única conclusão a que consegui chegar foi que viver numa cidade grande e sem contato com a natureza tem seu preço, pode levar você à loucura. Porque esses ratos da cidade eram verdadeiros lunáticos. Ratazanas da pior qualidade.”

Confira o teaserdo novo Arquivo X:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *