Em João Pessoa, festival psicodélico terá Boogarins, Glue Trip e Anjo Gabriel

Hacienda2015

Headlines: Boogarins, Glue Trip e Anjo Gabriel são algumas das atrações do Hacienda Festival (Fotos: Mídia Ninja-Alessandro Potter-Pedro Matallo/divulgação)

Foi divulgada nesta terça-feira (7) a escalação completa para a primeira edição do Hacienda Festival, que toma conta do Centro Cultural Piollin, em João Pessoa, no dia 26 de abril, com muita psicodelia indie pautada por alguns dos bons nomes da cena do Nordeste, com direito a um convidado especial vindo de Goiás.

A partir das 15 horas, passarão pelo palco do centro cultural localizado ao lado do parque Arruda Câmara, nossa popular ‘Bica’,  as bandas Boogarins (GO), Glue Trip (PB), Anjo Gabriel (PE), Mahmed (RN), Gauche (PB), Banda-fôrra (PB) e Red Butcher (PB).

Os ingressos promocionais podem ser encontrados (em quantidade limitada) ao preço promocional de R$ 15,00 no site Eventick, podendo ser adquiridos com cartão de crédito, débito e boleto bancário.

Em breve, os ingressos antecipados também serão comercializados em pontos de venda pelo valor de R$ 20,00, apenas em dinheiro, como informa a produção. Na hora dos shows, os ingressos sairão por R$ 30,00.

Produzido pelo Atividade FM com apoio da Skol, o Hacienda surge para promover e criar um terreno fértil para a expressão artística através da música e das artes visuais, além de apoiar projetos e lojas caseiras de João Pessoa em uma feira criativa – o festival ainda funcionará de uma forma ambientalmente responsável. Clique aqui para saber mai detalhes.

Confira as bandas que participam do 1º Hacienda Festival:

Boogarins (GO)
Boogarins é a banda brasileira de rock psicodélico que mais circulou no circuito independente em 2014. Formada em 2012, o grupo decolou com o lançamento do álbum ‘As Plantas que Curam’. Canções como ‘Lucifernandis’ e ‘Doce’, além de suas apresentações energéticas e consistentes, foram requisitos importantes para abrir várias portas pra eles, nos quais se apresentaram em festivais como o Primavera Sound, Lollapalooza Brasil e Austin Psych Fest (Levitation), também saíram em turnê ao lado de nomes de peso do universo indie como os veteranos do Neutral Milk Hotel e Guided By Voices.

Glue Trip (PB)
O Glue Trip é composto pelos paraibanos Felipe Augusto e Lucas Moura, surgiu em 2012 como um projeto de fuga dos excessos e libertação, um sentimento curioso na estética que define sua obra. Uma das mais criativas e inusitadas apostas do cenário musical nacional, o som orgânico experimental da banda é influenciado pelo soul e pela batida hip-hop americana pegando carona com o som marcante dos seus violões em cadência voltada para a bossa nova, sendo a banda a maior expoente do Dream Pop no Brasil.

Anjo Gabriel (PE)

Psicodelia e krautrock dão o tom do som da Anjo Gabriel, banda pernambucana formada em 2005. Com uma forte influência do udigrudi pernambucano dos anos 1970, principalmente o som do disco Paêbiru – O Caminho da Montanha do Sol (1975), de Lula Côrtes e Zé Ramalho, a banda lançou dois discos, O Culto Secreto do Anjo Gabriel e Lucifer Rising pelo selo Ripohlandya, este último por sinal foi considerado o melhor disco de 2013 para Fabio Massari, Bento Araujo (Poeira Zine), entre vários outros blogs e sites especializados em música. A Anjo Gabriel já se apresentou em várias partes do Brasil com passagens por importantes festivais como Abril Pro Rock (PE) e Virada Cultural (SP). A formação atual conta com CH Malves (Bateria), André Sette (Teclados, Theremin, Flauta e Voz), Cris Ras (Guitarra e Voz) e Shanti (Baixo e Voz).

Mahmed (RN)
Mahmed é uma banda instrumental de Natal, nordeste do Brasil, com influências que vão da música eletrônica/experimental ao rock barulhento. O som é muito intrigante e cria uma ambiência tranquila que te deixa calmo, como uma boa brisa. Talvez seja pela forte conexão de seus integrantes com o mar e a linda cidade que vivem. O primeiro material do grupo é de maio de 2013, o EP “Domínio das Águas e dos Céus”. O lançamento foi responsável por colocar o Mahmed no mapa dos melhores lançamentos daquele ano, seguido de uma série de shows em importantes festivais pelo país, como DoSol, Natal Instrumental e Campus Festival. Em 2014, o quarteto tirou o ano para preparar seu primeiro disco cheio, que foi gravado e produzido pela própria banda em seus estúdios móveis e caseiros. “Sobre A Vida Em Comunidade” soa como se John Frusciante tivesse passado semanas descansando em praias brasileiras, surfando e ouvindo muito dream pop e Tortoise. Os temas desenvolvidos neste registro são viciantes e fáceis de gostar, com ricos timbres de guitarra e um baixo cheio de groove que dança junto com a bateria, dando sempre a quantidade certa de espaço para os silêncios. Os vocais distantes e interlúdios trazem um sabor especial ao material. É definitivamente um som que representa bem as boas vibrações vindas de Dimetrius, Walter, Leandro e Ian, ainda mais transparente nos shows.

Gauche (PB)

À parte qualquer referência poética, o som da banda Gauche transita entre a Psicodelia dos anos 60, Secos & Molhados, Os Mutantes, Clube da Esquina, Violeta de Outono, além do Britpop dos anos 90.Após nove anos de existência, shows, festivais dentro e fora do estado e três EPs gravados, a banda, composta por Bruno Guimarães (vocal, teclado, guitarra base), Berg Ferreira (baixo), Luís Venceslau (guitarra solo) e Paulo Alvez (bateria), lança no final de 2014 o seu primeiro álbum, intitulado “Teatro de Serafins”. Em 2013, a banda foi contemplada com a gravação do disco através do FIC Augusto dos Anjos, fundo de incentivo cultural do Governo do Estado da Paraíba.

Banda-fôrra (PB)
Banda-fôrra é um encontro de águas, vontades e referências. Voltam a se reunir no palco Ernani Sá, Lue Maia e Gustavo Limeira, mais Matteo Ciacchi e Hugo Limeira, para dar forma a um som assimétrico. Sonoridades estrangeiras dialogam com a essência de nossa música em pé de igualdade – música brasileira sem estereótipos geográficos. Para explicar o nome da banda podemos usar o dicionário: diz-se de quem nasceu de mãe escrava e pai branco.

Red Butcher (PB)
Red Butcher é um trio rock instrumental pessoense surgiu em 2009 com Neto Londres (guitarra), Magno Benevides (bateria) e Bruno Alves (contrabaixo). A proposta sonora da banda vem do doom/stoner rock na sua essência e alguns outros elementos como ambientações e efeitos. A partir dessas referências, abastados de baixas frequências, afinação abertas e delays, o Red Butcher tenta trazer uma atmosfera densa e psicodélica para suas apresentações, proporcionando uma experiência concentrada de lisergia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *