Adolescência de Bono, Ramones e Beach Boys inspiram novo disco do U2

u2large

U2 liberou ‘Songs of Innocence’ nesta terça-feira, no iTunes (reprodução)

Sem trabalhar qualquer expectativa, o U2 soltou no iTunes, do nada, o novo Songs of Innocence, o primeiro disco em cinco anos da banda irlandesa, oferecido gratuitamente nesta terça-feira (9) pela Apple Store para 500 milhões de clientes – mas em questão de minutos, o disco já estava nas redes de compartilhamento na internet.

Oficialmente, Songs of Innocence será lançado em todo o mundo somente no dia 13 de outubro.

A bomba caiu mais cedo, durante a coletiva de imprensa do iPhone 6. Ao lado do CEO da Apple, Tim Book, Bono, The Edge, Adam Clayton e Larry Mullen Jr tocaram ‘The miracle (of Joy Ramone)’, faixa que abre o repertório de 11 faixas inéditas.

‘The Miracle (of Joey Ramone)’, segundo Bono, evoca a época em que o quarteto de aspirantes a músicos ouviam Ramones, nos longínquos anos 70. A canção lembra bastante a fase October (1981) do grupo.

(vale lembrar também que no ótimo We’re a Happy Family – A Tribute To Ramones, o U2 participa com o cover de ‘Beat on the breat’)

Aliás, não é só o Ramones que é lembrado no sucessor de No Line On The Horizon (2009). Os Beach Boys ganharam homenagem em ‘California (There Is No End to Love)’, canção com o característico backing vocal dos BB, embalados em uma canção de nuances eletrônicos que poderia facilmente estar em Zooropa (1993).

Fazendo uma ponte com The Joshua Tree (1987), o U2 mostra outras fontes da música norte-americana de onde bebeu.

Mas o título – Canções da Inocência, em português – tem uma razão de ser. O disco caminha no sentido de buscar as origens mais profundas dos quatro integrantes.

Bono evoca muito sua juventude neste disco. ‘Song for someone’ parece ter a ver com a a esposa de Bono, quando eles se conheceram na adolescência e ele, aos 13, roubou um beijo dela, então com 12.

Já ‘Iris (Hold Me Close)’ tem a ver com a morte da mãe do vocalista. Ele tinha pouco mais de 14 anos a mãe passou mal durante o funeral do avô e também morreu.

Também da época em que Bono era apenas um garoto de calças curtas saiu “Cedarwood Road”, que faz referência ao endereço onde ele cresceu, em Dublin (Irlanda), e é dedicada ao amigo de infância Guggi Rowan.

(Parece que Bono gosta de exorcizar seus demônios na música. Nos primeiros discos do U2, Bono já havia cantado sobre a mãe. Em How to Dismantle an Atomic Bomb (2004), ele abordou o relacionamento com o pai (morto em decorrência de um câncer em três anos antes) na canção ‘Sometimes You Can’t Make It on Your Own’).

Em termos de som, o disco é uma mistura de várias fases do U2, da roqueira básica do inicio, retomada entre os três discos lançados entre 2004 e 2009, ao pop-eletrônico de Achtung Baby (1991), Zooropa e Pop (1997).

Meia-dúzia de produtores trabalharam em Songs of Innocence – entre eles Danger Mouse, Paul Epworth, Ryan Tedder e Flood -, dando ao álbum uma diversidade sonora.

As músicas mais eletrônicas, por exemplo, têm a assinatura de Mouse (vide ‘Sleep Like a Baby Tonight), que já produziu discos do Gorillaz, Beck e o melhor álbum de Norah Jones, Little Broken Hearts.

Confira na figura abaixo a relação das músicas de Songs of Innocence

musicas

Abaixo, confira o momento em que Tim Book e Bono lançam Songs of Innocence no iTunes, seguido da performance do U2 para ‘The Miracle (of Joey Ramone)’ durante o lançamento do iPhone 6:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *