Durante o carnaval, Rec Beat terá João Donato, Arrigo Barnabé e Emicida

Arrigo Barnabé mostra o show 'O Neurótico e as Histéricas' (divulgação/Rec Beat)

Arrigo Barnabé mostra o show ‘O Neurótico e as Histéricas’ (divulgação/Rec Beat)

O Rec Beat divulgou nesta quarta (19) a programação completa de sua 19ª edição.

Entre o sábado (1) e a terça-feira (4) de Carnaval, em meio a frevos e marchinhas, o festival oferece uma rica variedade de ritmos, sotaques e harmonias, de artistas nacionais e estrangeiros.

Ao todo, 28 atrações se revezam no palco do Cais da Alfândega, com acesso gratuito.

Confira a programação completa e, na sequência, o que cada artista vai mostrar durante o Rec Beat 2014.

SÁBADO 01.03
19h30 – DJ Cal Jader (Inglaterra)
21h – Juvenil Silva (PE)
22h – DAAU (Bélgica)
23h10 – Bruno Souto (PE)
00h30 – Mud Morganfield (EUA)

DOMINGO 02.03
16h – Recbtinho: Espetáculo “Circo de Lampezão e Maria Botina” – Caravana Tapioca (PE)
19h30 – DJ Tropicaza (México)
20h – Jonathan Doll (CE)
21h – Aninha Martins (PE)
22h – Guadalupe Plata (Espanha)
23h10 – Arrigo Barnabé (SP)
00h30 – Mundo Livre S/A (PE)

SEGUNDA 03.03
16h – Recbtinho – Fadas Magrinhas (PE)
19h30 – DJ Felipe Machado (PE)
20h – Projeto Ccoma (RS)
21h – Lulina (PE)
22h – Max Capote (Uruguai)
23h10 – Manoel Cordeiro e os Desumanos (PA)
00h30 – Maite Hontelé (Colômbia)

TERÇA 04.03
16h – Recbtinho: Espetáculo “Brincando no Picadeiro “ – Caravana Tapioca (PE)
19h30 – DJ Renato Damata
20h – Boogarins (GO)
21h – Graxa (PE)
22h – Skip&Die (Holanda / África do Sul)
23h10 – João Donato (RJ/SP)
00h30 – Emicida (SP)

Aninha Martins (PE) – Destaque dessa nova geração, Aninha Martins é a grande voz feminina de um grupo local aos quais se somam nomes como Juvenil Silva, Graxa, Matheus Mota, entre outros. Ex-vocalista da banda Sabiá Sensível, Aninha fez a estreia de seu projeto solo com composições dos parceiros musicais German Ra e Hugo Coutinho, com canções que brincam com vários imaginários da cidade, embaladas por performances hipnotizantes.

Arrigo Barnabé (SP)– O desafio imposto ao surgimento da carreira de Arrigo Barnabé não foi pequeno. Ficou com ele e seus comparsas da Vanguarda Paulista a tarefa de trazer uma nova força criativa para a música brasileira após a Tropicália. E foi isso que ele fez, ao lado de nomes como a banda Isca de Polícia, Grupo Rumo, entre outros. Para esta edição do Rec-Beat, ele traz seu novo projeto O Neurótico e as Histéricas, com uma banda formada por mulheres cantando apenas músicas do compositor Hermelino Nader.

Boogarins (GO) – Apesar do pouco tempo de vida, o Boogarins caminha a passos acelerados para se tornar uma das grandes bandas da cena independente do Brasil. Direto de Goiânia, eles trazem uma psicodelia pop que costura referências que vão de Mutantes ao contemporâneaos gringo TameImpala. Antes de fazerem o primeiro show fora de casa, as músicas que circulavam na internet chamaram a atenção da mídia internacional, tendo receptividade positiva em importantes veículos especializados, como no sitePitchfork e na MTV norte americana.

Bruno Souto (Ariel Martin/divulgação)

Bruno Souto (Ariel Martin/divulgação)

Bruno Souto (PE) – O cantor e compositor pernambucano Bruno Souto traz o show de lançamento do seu elogiadíssimo disco “Estado de Nuvem”. Esta é a primeira apresentação do músico no Recife desde que se lançou em carreira solo, tendo seu CD figurando em diversas listas de melhores do ano em publicações como Folha de S. Paulo, revista Rolling Stone, Bizz e em sites especializados como Urbanaque e ScreamandYell.

 DAAU (Bélgica) – Da Antuérpia, Bélgica, DAAU apresenta seu sétimo álbum em vinte anos de carreira, “EightDefinitions”, no Rec-Beat 2014. Formada em 1992, Die AnarchistischeAbendunterhaltung (“O entretenimento anarquista”, em alemão) mistura instrumentos clássicos com música moderna de um jeito muito particular. O resultado é um som experimental, inovador, que une estilos a uma pitada de eletrônico.

Emicida (Ênio César/divulgação)

Emicida (Ênio César/divulgação)

Emicida (SP) -O rapper paulistano Emicidatraz para o festival o show do primeiro disco “O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui”, que protagonizou diversas das listas de melhores álbuns de 2013. Nele, Emicida transcende o rap em rimas que dialogam com o samba, rock e batucada e que mostram porque ele está na linha de frente da nova música independente do Brasil. No Festival Rec-Beat Emicida se apresenta sob a chancel “Red Bull Music Academy”.

Graxa (PE) – Angelo Souza, o Graxa, é o elo perdido entre a nova cena musical que tem reunido novos artistas do Recife, com um dos pontos altos da psicodelia da música brasileira de tempos passados. Em “Molho”, seu álbum de estréia, passam ecos de Tom Zé, Lula Cortes e Cartola, embalados pelo peso de sua voz lenta e grave, letras bem elaboradas, e as melodias sujas do teclado rústico.

Guadalupe Plata (divulgação/Rec Beat)

Guadalupe Plata (divulgação/Rec Beat)

Guadalupe Plata (Espanha) – Da Europa, mais precisamente da Província de Jaén, Espanha, o Rec-Beat apresenta o trio Guadalupe Plata. Pedro de Dios, Carlos Jimena e Paco Luis trazem uma atitude punk e desinibida ao blues norte-americano, numa formação clássica de baixo artesanal, bateria, guitarra e voz. O impacto potente das músicas, em encontro com performances arrebatadoras, já renderam convites para grandes festivais, como o Primavera Sound.

João Donato toca com o Bixiga 70 (divulgação/Rec Beat)

João Donato toca com o Bixiga 70 (divulgação/Rec Beat)

João Donato (RJ/SP) – Compositor e arranjador, Donato é uma lenda da Música Popular Brasileira. Ficou conhecido na década de 50 ao romper com a linha criativa da Bossa Nova ao experimentar fusões entre o jazz, a música latina e afro-cubana. Após um hiato de quase duas décadas, João Donato retomou a carreira em meados dos anos 90 e, desde então, sempre se mostrou um criador inquieto, tendo feito parcerias musicais com figuras como Marcelo D2 e Marcelinho da Lua. No Rec-Beat, ele traz um show especial para comemorar os 50 anos do disco “Quem é Quem”, acompanhado por músicos da banda Bixiga 70.

 JonnataDoll & Os Garotos Solventes (CE) – Formada em 2009, em Fortaleza, JonnataDoll logo ganhou repercussão na cena independente do Nordeste com suas apresentações viscerais e performáticas. Suas músicas atualizam uma sonoridade pré-punk de Iggy Pop e Lou Reed, com letras em português que celebram o hedonismo livre de clichês.

Juvenil Silva (João Vicente/divulgação)

Juvenil Silva (João Vicente/divulgação)

Juvenil Silva (PE) – Juvenil Silva pode ter ressurgido como a liga principal de uma nova cena musica que surge no Recife, algo entre o pós-hippie e psicodélico em que se teria se transformado o rock local. Mas, a bem da verdade, as canções de “Desapego”, seu primeiro disco lançado em 2013, acrescentam novas cores à paleta do tropicalismo que sempre esteve presente no imaginário criativo da música de Pernambuco. Trata-se de uma expansão dos limites estéticos possíveis de um repertório que soa sempre familiar.

Lulina (PE) – Bem antes de se mudar para São Paulo, em seus projetos que serveriam de base para a carreira solo, a pernambucana Lulina sempre foi conhecida por uma pegada mais introspectiva e lo-fi, em canções embaladas apenas por seu violão. Mas em “Pantim”, segundo disco da carreira lançado no fim de 2013, ela mostra uma nova fase, com mais ênfase em sua banda e com letras que falam, de uma perspectiva bem melancolica, da complexa transição para a idade adulta.

Maite Hontelé (divulgação/Rec Beat)

Maite Hontelé (divulgação/Rec Beat)

MaiteHontelé (Colômbia) – Trompetista holandesa, naturalizada na Colombia. Maite conheceu a Salsa pela coleção de discos dos pais e, anos mais tardes, o trompete a levou direto a Medelim, onde reside hoje. Seu terceiro disco, “DéjameAsi”, foi lançado em 2013, somando a experiência de ter divido palco com grandes nomes latinos como o Buena Vista Social Club, Ruben Blades, Juan Carlos Coronel e Oscar D’León.

Manoel Cordeiro e os Desumanos (PA) – No começo da década de 90, quando começava a se moldar a atual sonoridade da música do Pará, era natural que as músicas estivessem divididas entre cúmbia e os ritmos caribenhos. Manoel Cordeiro foi o primeiro a perceber e experimentar uma fusão dessas músicas com uma sonoridade mais brasileira. Os Desumanos, nome dado pelo seu filho Felipe Cordeiro, vem da ideia de estarem livres de qualquer preconceito, prontos para misturar tudo em nome da música. Felipe acompanha o pai no projeto junto com o músico e produtor Kassin e o francês Stephane San Juan.

Max Capote (divulgação/Rec Beat)

Max Capote (divulgação/Rec Beat)

Max Capote (Uruguai) – Liderada pelo músico Fabian Acosta, Max Capote traz uma mistura de soul com bolero, programação eletrônica com rock retrô em canções simples e espontâneas. O grupo foi indicado ao Grammy Latino em 2011, na categoria Artista Revelação, e já integrou o lineup de festivais como o South bySouthwest, nos Estados Unidos. Irreverente e divertido, seus dois discos “Chicle” e “Grandes Exitos” chamaram atenção da revista norte-americana Billboard como um dos artistas para se estar atento este ano.

Mud Morganfield (Kurt Swanson/divulgação)

Mud Morganfield (Kurt Swanson/divulgação)

MudMorganfield (EUA) – Cantor de blues norte-americano, Morganfield começou a cantar no começo da década de 80 após o falecimento de seu pai, ninguém menos que o próprio rei do blues de Chicago, o lendário Muddy Waters. Segue a trilha com uma voz poderosa e carisma inconfundível que já encantou plateias da Russia ao Brasil. Seu disco mais recente, “Sonof a SeventhSon” mostra que ele carrega com orgulho o legado da família.

Mundo Livre S/A toca 'Samba Esquema Noise' (divulgação/Rec Beat)

Mundo Livre S/A toca ‘Samba Esquema Noise’ (divulgação/Rec Beat)

Mundo Livre S/A (PE) – Em 2014 o Samba Esquema Noise”, disco de estréia do Mundo Livre SA, completa 20 anos de lançamento. Não só materializou uma das bandas mais importantes do cenário musical nacional, como virou uma referência do som da década de 90. Produzido por Carlos Eduardo Miranda e mixado por Bob Mac, teve participações na época de Malu Mader, Nasi e Titãs. Para celebrar, a banda vai cantar o disco inteiro, na integra, num show mais que especial no Rec-Beat.

Projeto Ccoma (RS) – Do Rio Grande do Sul, o Projeto CComa é um duo de jazz instrumental contemporâneo, formado pelo trompetista Roberto Scopel e pelo percussionista Swami Sagara que une tambores à música eletrônica, com hangdrum e trompete, criando o que eles chamam de Future Jazz. O resultado é composto por uma música orgânica, com metais e percussão, acompanhado por programação eletrônica, com elementos de música caribenha, argentina, andina e africana.

Skip&Die(Holanda/África do Sul) – Skip& Die talvez seja a tradução viva mais literal para a expressão “música do mundo”. O quarteto é um encontro entre a Holanda e a África do Sul, mas suas músicas foram gravadas na estrada. O afrobeat dá a marcação do ritmo, que se mescla com outras músicas do folclore africano, dos balcãs e do Oriente Médio. Eles gravaram em quatro, dos 11 idiomas oficiais da África – inglês, afrikanans, xhosa e zulu – além de espanhol e português. Suas músicas são, portanto, mais que uma mistura, um diário de viagem.

 DJ’s

Carl Jader (Inglaterra) – Um dos principais militantes da chamada “New Wave Tropical” no Reino Unido, Jader organiza festas de música latina em Londres.

Tropicaza (México) – Carlos Icaza, o Tropicaza, é conhecido internacionalmente pela sua coleção de raridades em vinil da música soul mexicana da década 60.

Felipe Machado (PE)– Um dos maiores ativistas da cultura livre de Pernambuco também comanda a trilha de festas como Brega Naite e Sem Loção.

Renato Damata (PE)– Da Mata se tornou rapidamente um dos embaixadores da Black Music em Pernambuco, com seus remixes e scratches que misturam raregroove, funk e hip hop.

SERVIÇO

Festival Rec-Beat 2014 – 19ª edição
01 a 04 de março
Cais da Alfândega
Recife.PE.Brasil
Gratuito

Mais informações: +55 81 3231.3422 ou no site oficial.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *