Candidatos ao Senado: Luiz Couto é o quinto sabatinado pela CBN Paraíba

Parlamentar é o único do Partido dos Trabalhadores na disputa pelo Senado

Luiz Couto será o sabatinado desta segunda-feira na CBN Paraíba. Foto: Kleide Teixeira

O deputado federal Luiz Couto (PT) é o entrevistado desta segunda-feira (10) da CBN Paraíba. Ele é o quinto entre os candidatos ao Senado a ser sabatinado. O primeiro foi o senador Cássio Cunha Lima (PSDB). Ele foi seguido por Roberto Paulino (MDB), Nelson Júnior (Psol) e Nivaldo Mangueira (Psol). A ordem dos entrevistados foi definida por meio de sorteio, com a presença de representantes de todos os partidos. Será uma grande oportunidade para que os eleitores paraibanos possam conferir as propostas dos postulantes. As entrevistas ocorrem em rede, a partir das 10h, e são transmitidas pela CBN João Pessoa e pela CBN Campina Grande, com perguntas formuladas por âncoras e colunistas. Há também a participação dos ouvintes.

Veja a ordem das entrevistas dos candidatos ao Senado:

Dia 3 – Cássio Cunha Lima (PSDB);
Dia 4 – Roberto Paulino (MDB);
Dia 5 – Nelson Júnior (Psol);
Dia 6 – Nivaldo Mangueira (Psol);
Dia 10 – Luiz Couto (PT);
Dia 11 – Veneziano Vital do Rêgo (PSB);
Dia 12 – Daniella Ribeiro (PP);

Assim como os senadores, a CBN vai sabatinar também os candidatos ao governo do Estado. Vamos saber o que cada um tem de propostas para a Paraíba, bem como questionar a viabilidade delas. Serão 40 minutos de entrevista, descontados os intervalos.

Veja a ordem das entrevistas dos candidatos ao Governo:

Dia 17 – Tárcio Teixeira (Psol)
Dia 18 – Rama Dantas (PSTU)
Dia 19 – José Maranhão (MDB)
Dia 20 – Lucélio Cartaxo (PV)
dia 24 – João Azevêdo (PSB)

 

Roberto Paulino é contra o aborto e a legalização da maconha

Durante entrevista à CBN, candidato evitou fechar questão sobre votação contra os dois temas caso seja eleito

Roberto Paulino foi o segundo entre os candidatos ao Senado a participar de sabatina da CBN. Foto: Julia Carolyne

O ex-governador Roberto Paulino (MDB) assumiu postura contra a descriminalização do aborto e a legalização da maconha. Ele foi o segundo entre os candidatos ao Senado a participar da sabatina promovida pela CBN Paraíba. O primeiro foi o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), candidato à reeleição. Durante a entrevista, no geral, o postulante emedebista exalou bom humor. O semblante mudou ao abordar os dois temas, hoje discutidos no Supremo Tribunal Federal (STF). As matérias deverão ser debatidas de forma mais incisiva no Congresso.

Sem fechar posição a respeito de voto, caso seja eleito, Paulino se mostrou contrário às duas propostas. Sobre o aborto, se disse contra, mesmo admitindo casos em que a interrupção da gravidez deveria ser permitida. Sobre uma abertura mais significativa da lei, permitindo a interrupção até o sexto mês de gestação, ele se mostrou cético. Disse que era católico, o que dificultava a sua concordância. Deixou claro que isso será tema de discussão ainda e que avaliaria as propostas.

Em relação à maconha, deixou claro que também é contra. Mesmo assim, se mostrou aberto à discussão do tema. Demonstrou preocupação com a legalização da droga por ela, nas palavras dele, ser porta de entrada para outra. Ele disse que as pessoas começam com a canábis e depois partem para coisa mais forte, como cocaína e crack.

Temer

Roberto Paulino demonstrou desconforto ao ser questionado a respeito de Michel Temer (MDB). A pergunta era se ele se sentia envergonhado por ser do partido do presidente mais impopular da história. O emedebista disse ter alertado o gestor sobre as companhias e sabia que isso ocorreria, devido à aproximação dele dos partidos do centrão. Fez críticas também ao ex-presidente da Câmara, hoje preso, Eduardo Cunha (MDB-RJ).

Pesquisa Ibope para o Senado: Cássio tem 41%, Veneziano 33% e Luiz Couto 22%

Consulta leva em consideração o primeiro e o segundo voto dos eleitores entrevistados

A primeira pesquisa realizada pelo Ibope, na Paraíba, após a formalização das candidaturas, mostrou o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) na frente dos adversários, com 41% das menções. Ele é seguido por Veneziano (PSB), com 33%. Luiz Couto (PT) tem 22% das respostas, Daniella Ribeiro (PP), 14%, e Roberto Paulino (MDB), 11%. Já o Professor Nelson Júnior e Nivaldo Mangueira, ambos do PSOL, registram 4% e 2% das intenções de voto, respectivamente. Os eleitores indecisos representam 19% do eleitorado do estado e os que têm a intenção de votar em branco ou nulo são 55%, dos quais 22% na primeira vaga e 33% na segunda.

A pesquisa também abordou as intenções de voto para as duas vagas que serão preenchidas pela Paraíba este ano no Senado Federal e, neste momento, somando-se as duas menções. Nessa pergunta, um disco com o nome dos candidatos era apresentado aos entrevistados e, considerando que nesta eleição existem duas vagas para o S39enado, a soma dos percentuais atinge 200%, uma vez que as pessoas têm a possibilidade de escolher dois nomes.

 

FICHA TÉCNICA DA PESQUISA (JOB Nº 0877-1 | 2018)
Período de campo: a pesquisa foi realizada entre os dias 21 e 23 de agosto de 2018.
Tamanho da amostra: foram entrevistados 812 votantes.
Margem de erro: a margem de erro estimada é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.
Nível de confiança: o nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral.
Solicitante: pesquisa contratada por TELEVISÃO CABO BRANCO LTDA E TELEVISÃO PARAÍBA LTDA.
Registro Eleitoral: registrada no Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba sob o protocolo Nº PB-08079/2018 e no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo Nº BR-02889/2018.

 

 

Senado aprova projeto que pune importunação e agrava crimes sexuais

Proposta já passou pela Câmara e vai agora à sanção presidencial para virar lei

Sessão no Senado debate mudanças no texto que foi aprovado nesta terça-feira. Foto: Ana Volpe/Agência Senado

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (7) a proposta que aumenta a pena para o estupro coletivo. O texto também torna crime a importunação sexual, a chamada vingança pornográfica e a divulgação de cenas de estupro. O projeto altera trechos do Código Penal e segue para a sanção presidencial.

O texto aprovado é um substitutivo da Câmara dos Deputados a um projeto de lei proposto pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). Como foi modificado na Câmara, senadores precisaram reanalisar a proposta. Com a tipificação dos crimes de divulgação de cena de estupro e de importunação sexual, as penas poderão variar de 1 a 5 anos de prisão.

No relatório, o senador Humberto Costa (PT-PE) cita episódios ocorridos no transporte público pelo país em que homens ejacularam em mulheres e o comportamento de outros criminosos que se aproveitam da aglomeração de pessoas no interior de ônibus e metrôs “para esfregar seus órgãos sexuais nas vítimas”. Atualmente, esse comportamento é classificado de contravenção penal, punido somente com multa.

A proposta também agrava penas para o crime de estupro, atualmente com pena prevista de 6 a 10 anos de prisão. Ainda pela legislação atual, nos casos em que o estupro é cometido por duas ou mais pessoas, a pena aumenta em um quarto.

A punição será aumentada em um terço se o crime for cometido em local público, aberto ao público ou com grande aglomeração de pessoas ou em meio de transporte público, durante a noite em lugar ermo, com o emprego de arma, ou por qualquer meio que dificulte a possibilidade de defesa da vítima.

Vídeo de estupro
A divulgação de cena de estupro ou de imagens de sexo, sem que haja consentimento da pessoa atingida, também passa a ser tipificada. Será punida com pena de um a cinco anos de prisão a pessoa que divulgar, publicar, oferecer, trocar ou vender fotografia ou vídeo que contenha cena de estupro ou estupro de vulnerável.

Segundo o texto, também estarão sujeitos à mesma sanção, aqueles que divulgarem cena de sexo ou nudez sem o consentimento da vítima e os que disseminarem mensagem que induza ou traga apologia ao estupro. Em situações em que o crime seja praticado por pessoa que mantém ou tenha mantido relação íntima afetiva com a vítima, como namorado, namorada, marido ou esposa, a pena é agravada em dois terços.

O texto, contudo, desconsidera a ocorrência de crime quando a situação seja divulgada em publicação jornalística, científica, cultural ou acadêmica preservando a identidade da vítima, que deve, no entanto, ter mais de 18 anos e autorizar previamente a veiculação.

A proposta aprovada também prevê que as penas fixadas para o crime de estupro de vulnerável sejam aplicadas independentemente do consentimento da vítima para o ato sexual ou do fato de ela já ter mantido relações sexuais anteriormente.

O projeto cria ainda os tipos penais de “induzimento ou instigação a crime contra a dignidade sexual” e “incitação ou apologia de crime contra a dignidade sexual”, ambos com pena de 1 a 3 anos de detenção. Admite, também, hipótese de aumento de pena nos crimes contra a dignidade sexual se a vítima engravidar (metade a dois terços); contrair doença sexualmente transmissível, for idosa ou pessoa com deficiência (um a dois terços).

Todos os crimes contra a liberdade sexual e crimes sexuais contra vulneráveis terão a ação movida pelo Ministério Público mesmo quando for maior de 18 anos. Esse tipo de ação (incondicionada) não depende do desejo da vítima de entrar com o processo contra o agressor.

Da Agência Brasil

 

Paraíba: confira os candidatos e coligações registrados nas atas entregues ao TRE

Cinco candidatos vão disputar o governo do Estado nas eleições deste ano na Paraíba

João Azevêdo, Lucélio Cartaxo, Tárcio Teixeira, José Maranhão e Rama Dantas serão os candidatos ao governo. Foto: Montagem

As atas entregues ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) pelos partidos reunidos em convenção até o último domingo revelam cinco candidaturas ao governo, na Paraíba. O número de candidatos ao Senado foi menor que o esperado, com apenas sete nomes dos dez possíveis homologados. Como era esperado, os candidatos com maior estrutura conseguiram reunir em torno de si o maior número de partidos. Veja como ficaram as coligações informadas à Justiça Eleitoral:

 

“Coligação A força do trabalho”

Partidos

PSB, PDT, PT, DEM, PPS, AVANTE, PTB, PRP, PODEMOS, PCdoB, PRB, PROS, PMN e REDE.

Governador
João Azevêdo (PSB)

Vice-governadora
Lígia Feliciano (PTB)

Senado
Veneziano Vital do Rêgo (PSB)

Suplentes
João Teodoro da Silva (DEM)
Maria Suely Santiago (PTB)

Senado
Luiz Couto (PT)

Suplentes
Edvaldo Rosas (PSB)
Alexandre Santiago (PRP)

 

“Coligação Porque o povo quer”

Partidos

MDB, PR, Patriotas

Governador
José Maranhão (MDB)

Vice-Governador
Bruno Roberto (PR)

Senador
Roberto Paulino (MDB)

Suplentes
Higor Fialho (MDB)
Celso Alves (MDB)

 

“Coligação Força da Esperança”

Partidos

PV, PSDB, PP, PSD, PSC, SD, DC, PRTB, PHS, PTC, PSL e PPL

Governador
Lucélio Cartaxo (PV)

Vice-governadora
Micheline Rodrigues (PSDB)

Senador
Cássio Cunha Lima (PSDB)

Suplentes
Eva Gouveia (PSD)
Isa Arroxelas (PSDB)

Senadora
Daniella Ribeiro (PP)

Suplentes
Diego Tavares (PV)
Nailde Panta (PP)

 

Sem coligação
PSTU

Governadora
Rama Dantas (PSTU)

Vice-governador
Hellber Emmanuel (PSTU)

 

“Coligação Construir Poder Popular”

Partidos

Psol, PCB, UP

Governador
Tárcio Teixeira (Psol)

Vice-governadora
Adjany Simplício (Psol)

Senador
Nelson Júnior (Psol)

Suplentes
Fabiano Galdino (Psol)
Leonardo Padilha (Psol)

Senador
Nivaldo Mangueira (Psol)

Suplentes
Alécio Costa (Psol)
José Marcílio (Psol)

 

Daniella Ribeiro anuncia Diego Tavares e Nailde Panta para suplentes

Deputada estadual vai disputar a vaga de senadora na chapa encabeçada por Lucélio Cartaxo

Diego Tavares foi escolhido por Daniella Ribeiro para a disputa da primeira suplência no Senado. Foto: Divulgação/PP

A deputada estadual Daniella Ribeiro (PP) revelou nesta segunda-feira (6) os nomes dos suplentes na chapa para a disputa do Senado. O primeiro suplente será Diego Tavares, um empresário de João Pessoa ligado ao prefeito Luciano Cartaxo (PV). Ele ocupou vários cargos na gestão municipal e vinha coordenando a campanha de Lucélio Cartaxo (PV) para a disputa do governo do Estado. A segunda suplência ficará com a pedagoga Nailde Panta (PP). Ela já disputou cargo de vereadora em João Pessoa e tem militância em Santa Rita. Daniella justificou a escolha com o argumento de que os nomes agregam representatividade à chapa na Região Metropolitana. “São nomes que vêm para somar com o nosso projeto”.

 

Petistas tiram pecha de golpista de Veneziano e pedem voto para socialista

Votações contra reformas e pró-investigação de Michel Temer contribuíram para fundamentar reaproximação

Veneziano e João Azevedo devem contar com a participação de Luiz Couto na majoritária. Foto: Divulgação

Nada como um dia atrás do outro, diriam os aliados do deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PSB). O parlamentar passou de golpista, ao olhos dos petistas, a companheiro e digno de voto. A moderação do discurso vem se moldando aos poucos, nos últimos dias, e ganhou impulso com a possibilidade palpável do deputado federal do PT, Luiz Couto, dividir palanque com o ex-cabeludo. Veneziano foi um dos paraibanos que votaram a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016. De lá para cá, era alvo constante dos ataques da militância petista. O clima mudou, literalmente, a ponto do presidente estadual do Partido dos Trabalhadores, Jackson Macedo, pedir voto para o parlamentar.

Jackson explica os motivos. Ele lembra que Veneziano votou contra todos os projetos apresentados por Michel Temer e que tiveram oposição do PT, a exemplo das reformas trabalhista e sindical. Também votou a favor da autorização para que o Supremo Tribunal Federal (STF) investigasse o presidente no episódio em que teria negociado pagamento de propina com a JBS, dos irmãos Joesley e Wesley Batista. Outro ponto colocado como justificativa para o apoio é fortalecer a pré-candidatura de João Azevedo para a disputa do governo nas eleições deste ano. O discurso será reafirmado durante o Encontro de Tática Eleitoral do partido, marcado para acontecer nesta quinta-feira (2), em João Pessoa.

“Temos que ter a compreensão da importância de estar unificados em nome do projeto de João Azevedo e votando na chapa completa. E Veneziano tem feito movimentos e gestos de aproximação a este campo, ao campo democrático e popular. Não só nas votações no Congresso, quando pós impeachment ele sinalizou e votou contra as reformas de Temer, quando votou duas vezes nas denúncias contra o presidente Michel Temer e também na Paraíba ele faz parte de um campo político liderado pelo PSB e que o PT também faz parte. Então, para nós é fundamental que nesta semana decisiva das convenções e no nosso Encontro de Tática Eleitoral, que está marcado para a próxima quinta-feira, às 19h, no Sindicato dos Bancários, o PT apoie a candidatura de Veneziano”, disse Macedo.

Governistas e petistas já comemoram “sim” de Luiz Couto para a disputa do Senado

Deputado federal petista deve figurar numa das vagas para a disputa do Senado na chapa de João Azevêdo

Luiz Couto é o nome mais forte para integrar segunda vaga para a disputa do Senado na chapa de João Azevêdo. Foto: Kleide Teixeira

Onde há fumaça, há fogo, diz o ditado popular. E é mais ou menos isso o que vem acontecendo em relação à pré-candidatura do deputado federal Luiz Couto (PT) para o Senado. De um lado, a postura cautelosa do parlamentar. Por outro, o otimismo da chapa encabeçada pelo socialista João Azevêdo e pelos petistas. O que era especulação e torcida, agora, ganha ares de comemoração na base governista. Tudo apesar de o parlamentar assegurar que só vai para a disputa se houve compromisso, por parte do PT, de que ele terá estrutura de campanha e a marca de “senador de Lula”. O prazo ao partido para que haja garantias termina nesta quarta-feira (31). Pessoas que conversaram com o governador Ricardo Coutinho (PSB), no entanto, garantem estar tudo fechado.

Reprodução/Twitter

O professor do curso de Jornalismo da UFPB, Edônio Alves, diz ter ouvido a garantia do próprio governador Ricardo Coutinho. A mesma expectativa foi externada nas redes sociais pelo também professor da UFPB e ex-presidente estadual do PT, Charliton Machado.

Reprodução/Facebook

O nome de Luiz Couto para a disputa da vaga para o Senado na chapa de João Azevêdo havia perdido força. Há dua semanas, a expectativa era a de que a deputada estadual Daniella Ribeiro (PP) fizesse dobradinha com Veneziano Vital do Rêgo (PSB) na disputa pelo cargo. Uma sequência de intercorrências, fogo-amigo e negociações com a chapa encabeçada por Lucélio Cartaxo (PV), no entanto, praticamente inviabilizaram a articulação. Com isso, o caminho ficou aberto para Couto. Faltava o aval nacional. Ele veio depois da visita do ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, na semana passada. Desde então, restou como condição imposta pelo parlamentar a garantia de estrutura para a disputa.

O PT cobra também do governador Ricardo Coutinho a garantia de apoio ao ex-presidente Lula. O assédio é comum em todo o Brasil, para garantir o apoio do partido ao ex-presidente, que disputará a reeleição. Lula está preso em Curitiba, por causa da condenação no caso do tríplex do Guarujá, em São Paulo. Mesmo assim, o petista mantém a pré-candidatura. O PSB está dividido em todo o Brasil. Parte apoia Ciro Gomes (PDT), outra Lula e já um grupo significativo defendendo o não fechamento de uma aliança nacional. Uma reunião será realizada nesta segunda-feira (30) em Brasília para discutir o caminho do partido.

PSD fica com Lucélio, mas não tem compromisso com toda a chapa

Partido nega especulações sobre convite de Ricardo Coutinho e, entre os senadores , só garante apoio a Cássio

O deputado estadual Manoel Ludgério nega contato de Ricardo Coutinho. Foto: Roberto Guedes

O PSD não vai deixar a base aliada do pré-candidato ao governo, Lucélio Cartaxo (PV). As garantias foram dadas pela presidente estadual da sigla, Eva Gouveia, e pelo deputado estadual Manoel Ludgério. A decisão foi anunciada em meio a especulações de que o governador Ricardo Coutinho (PSB) teria oferecido a vaga de vice, na chapa de João Azevêdo (PSB). O partido foi o primeiro a assegurar apoio a Cartaxo, que esteve filiado à sigla até os primeiros meses deste ano. A disposição de manter o apoio permanece a mesma.

A permanência na base aliada, no entanto, não quer dizer exatamente apoio a todas os integrantes da chapa. Ludgério diz que além de Lucélio, apenas Cássio Cunha Lima (PSDB) tem apoio garantido do partido. Não há compromisso com o segundo nome que eventualmente seja lançado na chapa as oposições. No radar dos nomes com quem os pessedistas dizem não ter compromisso estão Daniella Ribeiro (PP) e Manoel Júnior (PSC).