Ricardo Coutinho e Carlos Lupi visitam Lula na carceragem da PF, em Curitiba

Ricardo é um dos principais defensores da liberdade do ex-presidente, preso desde o ano passado

Ricardo Coutinho integra grupo de testemunhas do ex-presidente no caso da operação Zelotes. Foto: Francisco França/Secom-PB

O ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), fará visita nesta quinta-feira (23) ao ex-presidente Lula (PT) na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba (PR). Ele estará acompanhado do presidente nacional do PDT, Carlos Lupi. A programação foi divulgada pelos integrantes da Vigília Lula Livre. O socialista viajou, também, enquanto presidente da Fundação João Mangabeira, do PSB. O encontro está programado para acontecer às 16h e, em seguida, eles devem discursar no acampamento montado em frente ao prédio sede da PF na capital paranaense.

Esta é a segunda vez que o ex-governador viaja a Curitiba para ser recebido pelo ex-presidente. Na outra, no ano passado, ainda como governador, ele integrou comitiva de gestores estaduais que foi barrada na porta da Polícia Federal. Coutinho também foi arrolado como testemunha do ex-presidente em ação que tramita na Justiça Federal no bojo da operação Zelotes. O processo apura suposta corrupção passiva no caso da edição da Medida Provisória 471, assinada em novembro de 2009, pelo então presidente Lula, que prorrogava os benefícios fiscais concedidos à indústria automobilística nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

“Eu fui arrolado como testemunha por ter sido governador durante o processo (em 2017) e porque sei da importância, por exemplo, dessa prorrogação para que a Fiat continuasse na divisa com a Paraíba, gerando empregos. Foi bom também para a indústria automobilística na Bahia, no Ceará, enfim, para o Nordeste. Eu sou testemunha em função disso. Eu, com muito prazer, aceitei a indicação da defesa do presidente Lula. Eu vou testemunhar sobre um benefício e a necessidade dos incentivos fiscais têm para o Norte e para o Nordeste”, explicou ao Portal 247.

Jampa Digital: MPF não viu ligação de Ricardo com morte de Bruno Ernesto

Manifestação de promotor paraibano, efetivamente, reproduz entendimento anterior do MPF

Familiares de Bruno Ernesto querem explicação para a morte do filho. Foto: Divulgação

O parecer do Ministério Público da Paraíba (MPPB) que pede o arquivamento de investigação contra o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) por suposto envolvimento na morte de Bruno Ernesto, proferido neste mês, não foi o primeiro com este mesmo entendimento. O blog teve acesso à manifestação proferida pelo Ministério Público Federal, datada de 11 de julho de 2017, com o mesmo entendimento: “inexiste elementos a apontar a participação do Governador de Estado, RICARDO VEIEIRA COUTINHO, no crime de que foi vítima BRUNO ERNESTO”.

O parecer atual foi proferido pelo promotor Marcus Antonius da Silva Leite e é datado do dia 2 de maio. O anterior foi assinado pelo procurador da república Rodolfo Alves Silva e é datado de 11 de julho de 2017. A investigação foi instaurada e conduzida, inicialmente, pelo Ministério Público Federal em decorrência da prerrogativa de foro do ex-governador. A ação proposta pelos pais da vítima, Ricardo Figueiredo de Morais e Inês Ernesto Rego Moraes, foi protocolada em 2015, após publicações em redes sociais da ex-primeira-dama da Paraíba, Pâmela Bório, que levantavam suspeitas sobre suposto envolvimento do ex-marido na morte.

Na manifestação do Ministério Público Federal, o procurador diz ser preciso analisar a possível participação de servidores públicos no crime. “Por fim, o único ponto pendente de aprofundamento, que refoge ao âmbito da atribuição do parquet federal, é a eventual participação de agentes estaduais na prática delituosa, vez que uma das armas utilizadas na prática do crime foi inicialmente adquirida pelo 3º sargento Marcelo Ribeiro Braga, conforme ofício nº 0252/2015, da Diretoria de Apoio Logístico da Polícia Militar da Paraíba, bem como que o lote das munições que vitimaram BRUNO ERNESTO foi adquirido pela Secretaria Estadual de Administração Penitenciária…”

A família de Bruno Ernesto, por outro lado, acredita que ele foi morto como “queima de arquivo”. A alegação contida na investigação, em relação à suspeita, é a de que o ex-servidor da prefeitura de João Pessoa tinha conhecimento sobre suposto esquema de corrupção ocorrido por meio do programa Jampa Digital. O programa começou a ser executado quando Ricardo era prefeito de João Pessoa.

Confira a íntegra da manifestação:

Arquivamento

O parecer do promotor Marcus Antonius da Silva Leite, no entanto, diz verificar-se “ausência de indícios de participação do ex-governador Ricardo Vieira Coutinho no evento delituoso”. O representante do Ministério Público diz ainda que “as provas reproduzidas não foram suficientes para a propositura da ação penal em desfavor do investigado”. “Diante do exposto, requer o Ministério Público o ARQUIVAMENTO dos presentes autos, ressaltando a hipótese de se proceder a novas investigações, caso venham a surgir elementos de prova indiciária, nos termos do art. 18 do CPP”, conclui o promotor.

A manifestação ocorre no momento em que familiares de Bruno Ernesto pedem a troca da juíza e do promotor responsáveis pelo processo em tramitação no juízo de primeiro grau. O processo corre em segredo de Justiça. A ação tramitava anteriormente no Superior Tribunal de Justiça e foi remetida em março para a Paraíba pelo ministro Félix Fischer, após a perda da prerrogativa de foro por parte de Ricardo Coutinho. A alegação dos familiares para o pedido é que o promotor Marcus Antonius da Silva Leite e a juíza Francilucy Rejane Sousa Mota têm ligação com o grupo do ex-governador e deveriam, por isso, se averbar suspeitos.

Caso Bruno Ernesto: em parecer, promotor pede arquivamento de ação contra Ricardo

Ministério Público não vê indícios da participação do ex-governador em assassinato. Veja a íntegra do parecer

Bruno Ernesto era servidor da prefeitura de João Pessoa e foi assassinado em 2012. Foto: Divulgação

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) pediu o arquivamento de ação que pede a condenação do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) por suposto envolvimento na morte de Bruno Ernesto. O crime aconteceu em 2012 e, desde então, surgiram rumores de que o ex-diretor de Suporte à Tecnologia da Prefeitura de João Pessoa teria sido alvo de “queima de arquivo”. A ação proposta pelos pais da vítima, Ricardo Figueiredo de Morais e Inês Ernesto Rego Moraes, foi protocolada em 2015, após publicações em redes sociais da ex-primeira-dama da Paraíba, Pâmela Bório, que levantavam suspeitas sobre suposto envolvimento do ex-marido na morte.

O parecer do promotor Marcus Antonius da Silva Leite, no entanto, diz verificar-se “ausência de indícios de participação do ex-governador Ricardo Vieira Coutinho no evento delituoso”. O representante do Ministério Público diz ainda que “as provas reproduzidas não foram suficientes para a propositura da ação penal em desfavor do investigado”. “Diante do exposto, requer o Ministério Público o ARQUIVAMENTO dos presentes autos, ressaltando a hipótese de se proceder a novas investigações, caso venham a surgir elementos de prova indiciária, nos termos do art. 18 do CPP”, conclui o promotor.

Confira a íntegra do parecer

A manifestação ocorre no momento em que familiares de Bruno Ernesto pedem a troca da juíza e do promotor responsáveis pelo processo em tramitação no juízo de primeiro grau. O processo corre em segredo de Justiça. A ação tramitava anteriormente no Superior Tribunal de Justiça e foi remetida em março para a Paraíba pelo ministro Félix Fischer, após a perda da prerrogativa de foro por parte de Ricardo Coutinho. A alegação dos familiares para o pedido é que o promotor Marcus Antonius da Silva Leite e a juíza Francilucy Rejane Sousa Mota têm ligação com o grupo do ex-governador e deveriam, por isso, se averbar suspeitos.

O inquérito foi aberto, inicialmente, pelo Ministério Público Federal e encaminhado para a tramitação no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Na Paraíba, a ação tramita no 2º Tribunal do Júri da Capital. A queixa surgiu após os parentes  receberem a informação do pedido de arquivamento da investigação e que o promotor seria genro do superintendente do Departamento de Estradas e Rodagens da Paraíba (DER-PB), Carlos Pereira, nomeado para o cargo ainda na gestão de Ricardo Coutinho. Com relação à juíza, os pais de Bruno dizem que Francilucy é nora da vice-prefeita de Mataraca, Emília Brandão, que é filiada ao PSB de Ricardo Coutinho.

Promotor nega impedimento

Em entrevista na semana passada à rádio CBN, o promotor Marcus Leite justificou a decisão. Segundo ele, o processo veio do STJ com um parecer muito avalizado do procuradoria federal no sentido de não encontrar nada que envolvesse Ricardo Coutinho. Leite também afirmou que não há nenhum impedimento legal para atuação dele no caso. “Essa questão de suspeição é muito íntima. Se for atrás de parente de promotor, de algum juiz, que tem gente no governo, processo nenhum contra ex-governador, contra governador, vai funcionar. Se for atrás, todo mundo tem algum parente que tem [cargo no governo], e mesmo assim, sogro não é parente”, disse.

A assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça da Paraíba confirmou que recebeu o ofício da mãe de Bruno, mas destacou que ele não tem nenhum efeito prático, pois para pedir a suspeição da juíza deve ser apresentada uma petição diretamente no processo. Essa medida é prevista no artigo 98 do Código de Processo Penal.

Denúncias contra Ricardo

As denúncias contra o ex-governador sugiram com a tese de que Bruno Ernesto teria sido morto por ter informações privilegiadas sobre supostas irregularidades no Jampa Digital. O programa gestado pela prefeitura de João Pessoa tinha o objetivo de popularizar o acesso à internet na capital. Passados anos do projeto lançado durante a gestão de Ricardo Coutinho, uma investigação da Polícia Federal apontou suposto superfaturamento nos contratos e desvio de verbas públicas. A família de Bruno Ernesto argumenta, nas denúncias, que tanto a arma quanto as munições usadas no crime foram compradas pelo governo do Estado.

O advogado responsável pela defesa do ex-governador, Sheyner Asfora, no entanto, combate esta tese. Ele assegura que a inocência de Ricardo no caso será provada. Ele reforça que os acusados de terem cometido o crime já estão presos. A defesa alega ainda que Ricardo Coutinho já prestou depoimento na Justiça Federal, que a Polícia Federal fez todas as diligências e não encontrou absolutamente nenhum indício de nada.

Colaborou Jhonathan Oliveira, do jornaldaparaiba.com.br

Ricardo, Haddad, Boulos, Dino e Sônia se reúnem para discutir oposição a Bolsonaro

Políticos de partidos de esquerda organizam discurso para fazer frente ao governo de Jair Bolsonaro

Ricardo Coutinho (D) participa em Brasília de reunião com Fernando Haddad, Guilherme Boulos, Sônia Guajajara e Flávio Dino. Foto: Divulgação

Partidos com orientação de esquerda, no país, deram início nesta terça-feira (26) às discussões sobre uma oposição mais sistemática ao presidente Jair Bolsonaro (PSL). O encontro contou com representação de pelo menos três partidos: PT, PSB e PCdoB. Da reunião resultou uma carta com críticas à Reforma da Previdência, à postura entreguista do capitão reformado do Exército em relação aos Estados Unidos e ainda à comemoração do golpe militar nos quartéis, no dia 31 de março. Estiveram presentes o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), os ex-presidenciáveis Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), e a ex-vice na chapa encabeçada por Boulos no ano passado, Sônia Guajajara (PCdoB).

O encontro foi articulado por Boulos e Haddad após a avaliação de que a falta de unidade dos partidos de esquerda tem sido um empecilho para que a oposição consiga ocupar mais espaço em à crise política no governo. “Diálogos democráticos visando derrotar o retrocesso social, ampliar a unidade em torno da Democracia e avançar com um projeto nacional”, disse Ricardo Coutinho em uma rede social.

Confira a nota à imprensa

“Reunidos nesta manhã (26 de março) em Brasília, realizamos um debate sobre o atual momento nacional, especialmente considerando o rápido e profundo desgaste do Governo Bolsonaro. Destacamos alguns pontos para reflexão de toda a sociedade:

1. Estamos atentos e mobilizados para evitar agudos retrocessos sociais, trazidos por esse projeto de Reforma da Previdência, centrado no regime de capitalização e no corte de direitos dos mais pobres.

2. Do mesmo modo, convidamos para a defesa da soberania nacional. Consideramos que por trás do suposto discurso patriótico do atual governo há, na prática, atitudes marcadamente antinacionais, como vimos na recente visita presidencial aos Estados Unidos.

3. Em face da absurda decisão do Governo Bolsonaro de “comemorar” o Golpe Militar de 1964, no próximo dia 31 de março, manifestamos nossa solidariedade aos torturados e às famílias dos desaparecidos. Sublinhamos a centralidade da questão democrática, que se manifesta na defesa do Estado de Direito, das garantias fundamentais e no repúdio a atos de violência contra populações pobres e exploradas, a exemplo das periferias, dos negros e dos índios. Não aceitamos a criminalização dos movimentos sociais, uma vez que eles são essenciais para uma vivência autenticamente democrática.

Nesse contexto, é urgente assegurar ao ex-presidente Lula seus direitos previstos em lei e tratamento isonômico, não se justificando a manutenção de sua prisão sem condenação transitada em julgado.

Por fim, essa reunião expressa o desejo de ampla unidade do campo democrático para resistir aos retrocessos e oferecer propostas progressistas para o Brasil.

Fernando Haddad

Ex-candidato a presidente da República

Guilherme Boulos

Ex-candidato a presidente da República

Flávio Dino

Governador do Maranhão

Sonia Guajajajra

Ex-candidata a vice-presidente da República

Ricardo Coutinho

Ex-governador da Paraíba”

 

 

Ricardo Coutinho se aposenta do cargo de farmacêutico da UFPB

Ex-governador pediu contagem de tempo para aposentadoria ainda no ano passado e portaria foi publicada em 1º de março

Ricardo Coutinho atuou a maior parte da vida profissional no exercício de cargos públicos. Foto: Francisco França

O ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) se aposentou do cargo de farmacêutico da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). A portaria com a confirmação do benefício foi publicada no dia 1º de março deste ano, no Diário Oficial da União (DOU). O processo se arrastava desde o ano passado, quando o socialista, com 57 anos de idade, pediu contagem de tempo para a aposentadoria. Ele ingressou no serviço público no início da década de 1980, quando foi aprovado em concurso público. A atividade foi interrompida em 1993, em decorrência da carreira política.

De forma sequenciada, Ricardo Coutinho foi vereador de João Pessoa entre janeiro de 1993 e janeiro de 1999. No mesmo ano, ele assumiu cargo de deputado estadual, função exercida até 31 de dezembro de 2004. No ano seguinte, seguiu caminho como prefeito de João Pessoa, sendo reeleito em 2008. Dois anos depois, trocou a prefeitura da capital pelo comando do governo do Estado. No comando da Paraíba, ele se manteve até o dia 31 de dezembro do ano passado, quando passou o bastão para o sucessor, João Azevêdo (PSB).

Ricardo se aposentou do cargo por tempo de serviço. A aposentadoria do socialista acontece, neste ano, no mesmo momento em que o Supremo Tribunal Federal (STF) publicou acórdão com decisão que acabou com as pensões para ex-governadores. O benefício, enquanto ex-mandatário do Estado, o socialista nem chegou a receber, já que o julgamento, ocorrido no ano passado, já sinalizava com a proibição. A UFPB não confirmou ainda quantos anos de trabalho foram cumpridos, nem o montante exato do salário a ser recebido pelo ex-governador.

Confira portaria publicada no Diário Oficial da União (DOU):

PORTARIA

Nº 239 – I – Conceder aposentadoria voluntária ao (a) servidor (a) RICARDO VIEIRA COUTINHO, matrícula SIAPE nº. 334321, ocupante do cargo de Farmacêutico-Habilitação, Nível de Classificação E, Nível de Capacitação 2, Padrão de Vencimento 12, com o adicional de tempo de serviço de 17%, pertencente ao Quadro Permanente de Pessoal desta Universidade, com lotação no Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários, de acordo com o artigo 3º, incisos I, II e III, e parágrafo único da Emenda Constitucional nº. 47/2005. (Processo nº 23074.008775/19-83).

MARGARETH DE FÁTIMA FORMIGA DE MELO DINIZ

Reitora

Ricardo diz esperar que João Azevêdo não abandone o campo popular

Gestor lembra que o campo político vitorioso é simpático aos movimentos sociais e à cultura popular

João Azevedo ao lado de Ricardo durante mobilização política em meio à campanha eleitoral. Foto: Divulgação

Agora ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB) pretende contribuir com o governo do sucessor. Essa contribuição, ele reforça, será dada sem participação formal no governo. Durante entrevista nesta segunda-feira (31), ele disse esperar que o apadrinhado político, João Azevêdo (PSB), continue no mesmo campo político. As declarações foram dadas no último dia de gestão. O socialista é o 51° mandatário a assumir o governo do Estado e o terceiro pessoense desde a redemocratização. Ele chegou ao cargo após uma votação expressiva, com vitória ainda no primeiro turno. João conquistou 58,18% dos votos (1.119.758).

“Se depender de mim, eu quero muito ajudar, para que o nosso futuro governador (João Azevêdo), a partir de amanhã (1° de janeiro), continue neste campo, porque esse é o nosso campo. É o campo dos movimentos sociais, é o campo da cultura popular, é o campo das populações mais necessitadas e anteriormente esquecidas, é o campo da democracia participativa. Esse é o nosso campo. Foi por isso que vim governar. Eu não vim governar por outra coisa”, destacou Ricardo. Ele diz que quer ser lembrado, também, como uma liderança política que tem lado na política e fez críticas aos adversários.

Azevêdo chega ao governo com grandes desafios. Em entrevista na CBN, nesta segunda-feira, disse que “nenhuma obra é acabada”. A referência é à gestão do antecessor, Ricardo Coutinho. Ressaltou que muito precisa ser feito e apontou a regionalização do desenvolvimento como um ponto. Ele disse que a economia, na Paraíba, tem apenas dois grandes polos econômicos, referência a João Pessoa e Campina Grande. O governo do Estado, por isso, trabalharia para reforçar os arranjos locais. O modelo citado por João Azevêdo se assemelha ao que já é feito em Pernambuco, onde as regiões do Estado são divididas por polos econômicos (sucroalcooleiro, gesseiro, fruticultura, automobilístico, têxtil e fruticultura).

O governador empossado nesta terça-feira precisa ainda atentar para a área da saúde, apontada como a maior preocupação dos paraibanos. Precisa ter atenção também à segurança pública e à educação, citadas pela pesquisa Ibope como as principais prioridades para os paraibanos. Os índices de letalidade, apesar de terem diminuído nos últimos anos, ainda são epidêmicos. Da mesma forma, preocupa o fato de a Paraíba ter mais de 500 mil analfabetos. Não resta outra opção a não ser arregaçar as mangas.

Ricardo e João reúnem base aliada e discutem nomes para presidente da ALPB

Café da manhã na Granja Santana reuniu integrantes da atual legislatura e os eleitos para a próxima

João Azevedo e Ricardo Coutinho ampliaram o debate com os deputados sobre a disputa pela presidência da Assembleia Legislativa. Foto: José Marques

O governador Ricardo Coutinho (PSB) e o governador eleito João Azevêdo, do mesmo partido, reuniram a base aliada nesta quarta-feira (26). O encontro ocorreu durante café da manhã, para o qual foram convidados todos os 22 integrantes da base aliada. O tema eleição para a mesa diretora era inevitável. Atualmente, o único que desponta como favorito para a presidência é o deputado Adriano Galdino (PSB). Ele deve disputar o cargo para o primeiro biênio. A intenção dos socialistas, no entanto, é eleger nome para o primeiro biênio e para o segundo, tudo no mesmo dia.

E o problema está justamente na escolha do deputado para o segundo biênio. Os nomes lançados atualmente incluem Hervázio Bezerra (PSB), Buba Germano (PSB) e Tião Gomes (Avante). Outros nomes estão sendo discutidos nos bastidores e poderá haver surpresa. O objetivo dos deputados é a construção de uma chapa eclética, com a participação de oposicionistas, bloco minoritário na Casa. Tudo vai depender das avaliações de Ricardo e João. Eles foram colocados como condutores das discussões envolvendo a base aliada na Assembleia Legislativa.

Uma série de acertos e desacertos cercou a corrida eleitoral na Casa até agora. No primeiro momento, correndo em faixa própria, o deputado estadual Adriano Galdino fez acordos que descontentaram o Palácio da Redenção. Ele acabou sendo enquadrado e, por pouco, não foi alijado da disputa. A articulação resultou na suspensão da reeleição e da antecipação das disputas. A mudança foi aprovada em Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que descontentou Ricardo Coutinho. A proposta, mesmo aprovada, acabou indo para as gavetas da Assembleia. Resultado: haverá eleição de chapa casada.

O objetivo dos socialistas é fazer com que João Azevêdo tenha um aliado sentado na presidência durante toda a legislatura.

 

“A Federação brasileira é uma farsa”, diz Ricardo Coutinho na CBN

Governador diz que a União descentralizou os serviços prestados à população, mas aumentou a concentração de recursos em Brasília

Ricardo Coutinho defende uma partilha mais justa dos recursos federais. Foto: Evelyn Karina/CBN

O governador Ricardo Coutinho (PSB) classificou como uma farsa a Federação brasileira durante entrevista à CBN Paraíba, nesta terça-feira (11). Para o gestor, tem havido a descentralização de serviços, com mais atribuições sendo repassadas a estados e municípios, porém, sem a correspondente partilha do bolo tributário. A consequência disso, ele garante, tem sido a maior dificuldade para a população. A 20 dias de deixar o governo, o socialista diz que não haverá solução para a prestação de serviços, sem que haja uma reforma que beneficie os estados e municípios. Tudo por causa do impacto trazido para as contas públicas com o arroxo nos repasses de recursos federais.

“A Federação brasileira é uma farsa. A federação brasileira, ela distribui as responsabilidades e pouco distribui os dinheiros para poder manter estas responsabilidades. Se você olhar bem nos últimos 30 anos, você municipalizou trânsito, descentralizou trânsito, descentralizou educação, descentralizou saúde, descentralizou tudo e quando você vai ver a composição dos gastos, ela continua tão concentrada como era anos atrás na esfera federal”, ressaltou Ricardo Coutinho. Ele citou a situação do atendimento de saúde no Estado. Garantiu que, proporcionalmente, a Paraíba tem a maior rede hospitalar do país. “A Paraíba, em 2010, gastava por mês R$ 13 milhões com o custeio hospitalar e dos R$ 13 milhões, R$ 8 milhões vinham do SUS”, ressaltou.

O governador diz que de 2010 para cá, os investimentos estaduais no setor aumentaram e os federais reduziram. Coutinho assegura que, hoje, a Paraíba investe R$ 85 milhões no custeio dos hospitais. Já a contrapartida do governo federal caiu de R$ 8 milhões para R$ 4 milhões. “Ou seja, nós assumimos cada vez mais (atribuições). E tínhamos que assumir. E se não assumíssemos, o que é que aconteceria aqui dentro? No meio de tudo arboviroses, o vírus da zika, enfim, uma série de coisas que nós precisamos enfrentar. E o governo federal vem reduzindo os recursos com esse grande ataque que é o teto de gastos”, criticou o gestor. Ele reclamou, também, da dificuldade de liberação dos empréstimos internacionais pelo atual governo.

“O caminho da Paraíba é lutar para que seus direitos sejam respeitados. Nós temos letra B, que quer dizer equilíbrio fiscal. Nós temos direito a financiamento. O governador João Azevêdo tem direito de contrair financiamentos. Vamos avançar com o Banco Mundial”, destacou o governador.

Jair Bolsonaro

O governador Ricardo Coutinho disse não acreditar que haverá discriminação contra o Nordeste no governo de Jair Bolsonaro (PSL). Ele diz que, apesar de ser uma farsa, o federalismo precisa ser respeitado. “Não vai poder abrir para uns e discriminar a Paraíba”, ressaltou. E continuou: “Acho que a realidade vai se impor sobre arroubos e bravatas. Qual é a realidade? Tratar de problemas comuns”. O gestor diz acreditar que o sucessor vai traçar um plano de investimentos para o estado, dando continuidade ao trabalho atual.

Ricardo define seis nomes para a comissão de transição do governo

Equipe será comandada por Gilmar Martins e é formada por núcleo duro do governo socialista

João Azevêdo rabalhará com a equipe de transição para o novo governo. Foto: Júlia Karoline/CBN

O governador Ricardo Coutinho (PSB) definiu os cinco nomes que vão compor a comissão de transição do governo. A equipe será coordenada pelo secretário-chefe da Controladoria Geral do Estado, Gilmar Martins. Os outros nomes que integram o grupo fazem parte do núcleo duro do governo socialista. Todos trabalharam de perto com o governador eleito João Azevêdo (PSB), com quem mantém boa relação. A lista inclui o procurador-geral do Estado, Gilberto Carneiro e os secretários Livânia Farias (Administração), Amanda Rodrigues (Finanças), Deusdete Queiroga (Infraestrutura, Recursos Hídricos, Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia) e Waldson de Souza (Planejamento, Orçamento e Gestão.

Durante entrevista à CBN Paraíba, no mês passado, Azevêdo explicou que serão levantados todos os dados da atual gestão. “Vamos coletar todas as informações dos programas em andamento e, depois disso, ver o que deve continuar e o que merecerá correção”, explicou. O futuro governador evita informações precisas sobre as mudanças que serão feitas no secretariado.

João Azevêdo explicou que a nova gestão e o perfil do secretariado será o dele. O socialista foi apoiado pelo governador Ricardo Coutinho na disputa. Apesar disso, tem o entendimento de que o mentor político dele não poderá compor a gestão. “Ele será um grande conselheiro”, pontua. Havia entre os aliados do atual governador a expectativa de que Coutinho se tornasse um super-secretário do governo. A pretensão foi exposta por um dos principais aliados, o deputado estadual Adriano Galdino (PSB). O próprio governador Ricardo Coutinho negou esta possibilidade. O mesmo entendimento foi externado por João.

Na entrevista, Azevêdo prometeu governar para todos os paraibanos. Ele disse que convocaria todos os deputados estaduais e federais, além dos senadores, para reuniões voltadas para a defesa dos interesses do Estado. Dentro deste contexto, serão incluídos os oposicionistas. Questionado sobre convites a prefeitos adversários, como Luciano Cartaxo (PV), de João Pessoa, e Romero Rodrigues (PSDB), de Campina Grande, ele disse que estará disponível para receber a todos. “Quem entrar em contato solicitando audiência, será recebido por mim”, ressaltou.

De saída, Ricardo fará maratona de entrega de obras na Paraíba

Governador vai inaugurar 100 obras entre adutoras, escolas e passarelas até o fim do ano

Ricardo Coutinho anunciou a entrega de obras durante programa radiofônico institucional. Foto: Divulgação

O governador Ricardo Coutinho anunciou, nesta segunda-feira (5), um calendário de inaugurações com 100 obras. Os empreendimentos deverão ser entregues até o último dia do ano, quando o socialista deixará o cargo. O pacote, que representa R$ 210 milhões de investimentos, inclui obras nas áreas da educação, infraestrutura, saúde, cultura, mobilidade urbana, saneamento e abastecimento. O anúncio foi feito durante o programa semanal Fala Governador, transmitido em cadeia estadual pela rádio Tabajara.

“Vamos entregar 100 obras até o fim do ano, as quais representam R$ 210 milhões e ainda deixaremos cerca de 80 obras em execução para serem entregues por João Azevêdo (PSB), no próximo ano. Entre as Escolas Técnicas que faltam ser concluídas, entregaremos as de Itaporanga e Serra Branca e ficarão as escolas de Sousa e Guarabira para João entregar”, disse o governador. Ele acrescentou: “Também teremos a satisfação de inaugurar a grande reforma do Teatro Santa Catarina, em Cabedelo. Já em Campina Grande, vamos entregar as obras do Mutirão do Serrotão”, comentou Ricardo Coutinho.

Segundo o governador, entre as inaugurações previstas, 49 obras são relacionadas às áreas de saneamento e abastecimento d’água. São quase R$ 38 milhões aplicados em obras como o sistema adutor Nova Camará e a adutora de Arara; além do sistema de abastecimento d’água de Paulista; a adutora de Bernardino Batista; o sistema de abastecimento d’água da cidade de Emas; o sistema de abastecimento da área do R21, em João Pessoa, entre outras ações.

Também serão inauguradas, até o final de dezembro, 31 obras de responsabilidade da Superintendência de Obras do Plano de Desenvolvimento do Estado (Suplan), que representam mais de R$ 100 milhões de investimento. Entre elas, 12 são na área da educação; 11 ligadas à infraestrutura; quatro de saúde; três em áreas diversas e uma obra na área da cultura.

Veja a lista de obras:

– Reforma do Teatro Santa Catarina (Cabedelo)
-Construção de Cercas em Estacas Sabiá, no Parque Arqueológico Itacoatiaras do Ingá (Ingá).
– Construção do Ramal de Entrada e Subestação Abrigada de 2.000 KVA do Centro Administrativo do Estado (João Pessoa)
– Reforma e Adequação do Prédio onde Funcionará o Centro de Comercialização Calçadista (Patos)
– Reforma e Ampliação da E.E.E.F.M João Cavalcanti Sula (Boa Ventura)
– Reforma do Ginásio da Escola E.E.F.M. José Guedes (Cabedelo)
– Construção de uma Quadra e Implantação do Sistema de Proteção Contra Incêndio na Escola E.E.F.M. Severino Cabral (Campina Grande)
– Reforma do Complexo Educacional da Escola E.E.F.M. Solon de Lucena (Campina Grande)
– Reforma e Ampliação da E.E.E.F.M. Irineu Joffily (Esperança)
– Construção de uma Escola Profissionalizante (Itaporanga)
– Reforma da E.E.E.F.M. Castro Pinto (João Pessoa)
– Construção de uma Quadra Aberta em Pórtico e Implantação do Sistema de Combate a Incêndio, na Escola E.E.F.M. José Vieira (João Pessoa)
– Construção do Bloco de Salas de Aula – UEPB – Fase 1 – Campus Monteiro (Monteiro)
– Urbanização Interna e Implantação da Subestação da UEPB (Monteiro)
– Construção de uma Escola Profissionalizante (Serra Branca)
– Urbanização e Acesso a Escola Profissionalizante (Serra Branca)
– Construção de Passarela Coberta e Ginásio Padrão na Escola E.E.F.M. Mestre Júlio Sarmento (Sousa)
– Construção de Unidade Escolar com 04 Salas de Aula no Assentamento Nova Vida I (Sousa)
– Construção do Campo de Futebol de Várzea (Borborema)
– Execução do Gramado Esportivo com Sistema de Irrigação do Estádio Ernani Sátiro “O Amigão” (Campina Grande)
– Construção do Campo de Futebol de Várzea (Ibiara)
– Pavimentação na Rua no Sítio Lagoa da Mata (Araruna)
– Conclusão da Urbanização do Loteamento Mutirão do Serrotão (Campina Grande)
– Urbanização do Açude de Bodocongó – 2ª Etapa (Campina Grande)
– Pavimentação e Drenagem do Acesso do Distrito de Ligeiro ao Conjunto da Cinep – Ruas: Leonardo Hélio Cavalcante, Vereador Martins N. Dantas, Joari de Sousa Costa Júnior (continuação) e Projetada do Ligeiro (Campina Grande)
– Terraplenagem, Pavimentação e Drenagem de Diversas Ruas no Bairro do Alto do Mateus (João Pessoa)
– Pavimentação de Diversas Ruas – Rua Arlinda Pessoa Silva, Rua Sebastião Franklin de Sousa, Rua João Alves Barbosa e Rua Projetada 02 (Juru)
– Reforma do Prédio do Campo de Aviação (Monteiro)
– Pavimentação e Drenagem de Vias de Acesso ao Hospital do Município de Queimadas/PB (Acesso a BR 104, Rua Projetada FD, Rua Projetada FR, Rua Projetada LE, Rua Projetada LD, Entrada Da Rua Projetada Le E Pátio).
– Pavimentação da Rua Principal Da Comunidade Taberaba (Rio Tinto)
– Pavimentação de Diversas Ruas – Rua Antonio Vicente, Rua Andrelino Vieira e Rua João Vital de Oliveira (Santa Cruz)
– Recuperação do Aeródromo de Sousa (Sousa)
– Conclusão da Construção da 2ª Etapa da Unidade Mista de Saúde (Cacimba de Dentro)
– Construção de Reservatório Inferior do Hospital de Emergência e Trauma (Campina Grande)
– Ampliação da Ala de Radiologia do Hospital Napoleão Laureano (João Pessoa)
– Conclusão da Ampliação da Ala de Radiologia do Hospital Napoleão Laureano (João Pessoa)
– Construção do Centro em Reabilitação em Sousa
– PB-082: Entr. PB-048/Itabaiana
– Duplicação do acesso ao Aeroporto Castro Pinto, inclusive rua lateral do RECMEC e iluminação
– PB-044: BR-101/Caaporã/Entroncamento (PB-008)
– PB-008:Via Litorânea de Intermares (Cabedelo)
– Requalificação de Vias de Acesso à Cidade de Sousa
– PB-057: Mamanguape/Araçagi/Guarabira- Rua Padre Zé Coutinho em Itapororoca
– PB-034: BR-101/Alhandra/Caaporã
– Passagem Molhada – Coxixola / Congo
– Travessia de Taperoá
– Travessia de São José de Piranhas
– Acesso ao Campus da UFCG em Cuité
– Binário de Lagoa Seca
– Passarela sobre o Rio da Cruz em Patos
– Travessia de Esperança
– Construção de ponte na Baía da Traição – Aldeia São Miguel
– Travessia de Pitimbu e recuperação Pitimbu/Acaú
– Acesso à Comunidade do Grilo – em paralelepípedo
– Travessia de Monteiro e acesso ao aeroporto
– Travessia de Catolé do Rocha e acesso a UEPB
– Travessia Urbana São João do Rio do Peixe
– PB-228: Travessia de Areia de Baraúnas
– Acesso à Escola Técnica de Itaporanga
– Passagem Molhada – Barra de São Miguel / Cabaceiras
– PB-008: Costinha/Lucena. (Rua David Falcão/PB-025)
– Pavimentação da Rua Severino Vicente Amorim – Valentina de Figueiredo (João Pessoa)
– Restauração PB-087: Travessia urbana de Pilões
– Estação de Tratamento de Água do Sistema Adutor Nova Camará (Seirhmact) e Adutora de Arara
– Sistema de Abastecimento D’água Queimadas – Pedra do Sino
– Sistema de Abastecimento D’água Paulista
– Sistema de Abastecimento D’água Bernardino Batista
– Sistema de Abastecimento D’água Araçagi – Santa Lúcia
– Sistema de Abastecimento D’água Emas
– Sistema de Abastecimento D’água da área do R21 – João Pessoa
– Sistema de Esgotamento Sanitário bairro Padre Zé – João Pessoa
– Sistema de Esgotamento Sanitário bairro de José Américo – João Pessoa
– Sistema Adutor Nova Camará – Arara

PROGRAMA ÁGUA DOCE – Sistemas de Dessalinização
– Assent. Fazenda Mata (Recup.) – AMPARO
– Sítio Serrinha – Barra de Santana
– Assent. Quandu – BARRA DE SANTA ROSA
– Sítio Riacho Fechado – BARRA DE SANTA ROSA
– Sítio Barriguda de Frades – CARAÚBAS
– Sítio Curralinhos – CARAÚBAS
– Sítio Passagem – CARAÚBAS
– Sítio Abreu I e Abreu II – CUBATI
– Sede (Recup.) – CUITE
– Sítio Barra/Malhada Vermelha – JUAZEIRINHO
– Sítio Ilha Grande – JUAZEIRINHO
– Sítio Mendonça II (Recup.) – JUAZEIRINHO
– Sede (Recup.) – NOVA PALMEIRA
– Sítio Cedro – OLIVEDOS
– Sítio Pedra D’água dos Nicácios – OLIVEDOS
– Distrito de Nazaré (Recup.) – POCINHOS
– Alagamar – SÃO JOAO DO CARIRI
– Curral do Meio – SÃO JOAO DO CARIRI
– Alagamar dos Paulinos – SÃO VICENTE DO SERIDÓ
– Sítio Lajedo do Timbauba – SOLEDADE
– Sítio Viração – SOLEDADE
– Sítio Algodão – SOSSEGO
– Sítio Bom Sucesso de Baixo – SOSSEGO
– Sítio Bom – TAPEROÁ
– Sítio Girau de Capim – TAPEROÁ
– Sítio Mineiro da Serra – TAPEROÁ
PROGRAMA ÁGUA PARA TODOS – Sistemas de Abastecimento Rural
– INGÁ – Serra Verde
– INGÁ – Pinga
– INGÁ – Pedra D’água
– SUMÉ – Serrote Agudo
– SERTÃOZINHO – Lagoa De Baixo
– SERTÃOZINHO – Sitio Guabiraba II
– SERTÃOZINHO – Pirpiri
– RIACHÃO DO POÇO – Pau Amarelo
– RIACHÃO DO POÇO – Riacho De Serra
– CARRAPATEIRA – Riacho Da Cachoeira
– JUNCO DO SERIDÓ – Várzea Das Vassouras
– JUNCO DO SERIDÓ – Exu
– POMBAL – Bezerros
– POMBAL – São João Dos Produtores