Lista de Fachin: veja no gráfico como PMDB, PT e PSDB lideram denúncias

Quatro paraibanos aparecem entre os denunciados

Veja a participação dos partidos na relação dos denunciados

Os três maiores partidos do Brasil em número de parlamentares são também os que mais darão trabalho à Procuradoria Geral da República (PGR). PMDB, partido que atualmente comanda a Presidência da República, seguida de PT e PSDB, as duas antecessoras no poder central, respondem por quase 60% das lideranças a serem investigadas.

Da Paraíba, integram as lista o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Vital do Rêgo Filho, e o senador paraibano, mas eleito pelo Rio de Janeiro, Lindbergh Farias (PT). O ex-deputado federal Inaldo Leitão também aparece entre os que serão investigados, mas, sem foro privilegiado, o caso dele será apreciado na primeira instância.

Os nomes foram revelados em delação premiada pelos executivos e ex-executivos da empreiteira Norberto Odebrecht e incluem políticos, arrecadadores de campanha e ministros. Ao todo, foram autorizadas pelo ministro Edson Fachin, relator da operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), 83 inquéritos.

Confira a lista e o gráfico

PMDB

1. Senador da República Romero Jucá Filho (PMDB-RR)
2. Senador da República Renan Calheiros (PMDB-AL)
3. Governador do Estado de Alagoas Renan Filho (PMDB)
4. Ministro da Casa Civil Eliseu Lemos Padilha (PMDB-RS)
5. Ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República Wellington Moreira Franco (PMDB)
6. Ministro de Estado da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB)
7. Senador da República Edison Lobão (PMDB-PA)
8. Senadora da República Marta Suplicy (PMDB-SP)
9. Senadora da República Kátia Regina de Abreu (PMDB-TO)
10. Senador da República Eduardo Braga (PMDB-AM)
11. Senador da República Valdir Raupp (PMDB-RO)
12. Senador Eunício Oliveira (PMDB-CE)
13. Senador da República Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN)
14. Deputado Federal Jarbas de Andrade Vasconcelos (PMDB-PE)
15. Deputado Federal Pedro Paulo (PMDB-RJ)
16. Deputado federal Lúcio Vieira Lima (PDMB-BA)
17. Deputado Federal Daniel Vilela (PMDB-GO)
18. Ministro do Tribunal de Contas da União Vital do Rêgo Filho (ex-senador do PMDB-PB)
19. Eduardo Paes (PMDB), ex-prefeito do Rio de Janeiro
20. Márcio Toledo, arrecadador das campanhas da senadora Suplicy
21. Moisés Pinto Gomes, marido da senadora Kátia Abreu, em nome de quem teria recebido os recursos
22. Luís Alberto Maguito Vilela, ex-Senador da República e Prefeito Municipal de Aparecida de Goiânia entre os anos de 2012 e 2014
23. João Carlos Gonçalves Ribeiro, que então era secretário de Planejamento do Estado de Rondônia
24. Ulisses César Martins de Sousa, à época Procurador-Geral do Estado do Maranhão
25. Rodrigo de Holanda Menezes Jucá, então candidato a vice-governador de Roraima, filho de Romer Jucá

PT
1. Deputado Federal Marco Maia (PT-RS)
2. Deputado Federal Carlos Zarattini (PT-SP)
3. Senador da República Paulo Rocha (PT-PA)
4. Senador Humberto Sérgio Costa Lima (PT-PE)
5. Senador da República Jorge Viana (PT-AC)
6. Senador Lindbergh Farias (PT-RJ)
7. Deputado Federal Vander Loubet (PT-MS)
8. Deputado Federal Nelson Pellegrino (PT-BA)
9. Deputado Federal Vicente “Vicentinho” Paulo da Silva (PT-SP)
10. Deputada Federal Maria do Rosário (PT-RS)
11. Deputado Federal Zeca Dirceu (PT-SP)
12. Deputado Federal Zeca do PT (PT-MS)
13. Deputado Federal Vicente Cândido (PT-SP)
14. Deputado Federal Décio Lima (PT-SC)
15. Deputado Federal Arlindo Chinaglia (PT-SP)
16. Governador do Estado do Acre Tião Viana (PT)
17. Cândido Vaccarezza (ex-deputado federal PT)
18. Guido Mantega (ex-ministro)
19. Paulo Bernardo da Silva, então ministro de Estado
20. José Dirceu
21. Deputada Estadual em Santa Catarina Ana Paula Lima (PT-SC)

PSDB
1. Senador Aécio Neves da Cunha (PSDB-MG)
2. Ministro das Cidades Bruno Cavalcanti de Araújo (PSDB-PE)
3. Ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes Ferreira (PSDB)
4. Senador da República Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
5. Senador da República Dalírio José Beber (PSDB-SC)
6. Senador da República José Serra (PSDB-SP)
7. Senador da República Eduardo Amorim (PSDB-SE)
8. Senador da República Ricardo Ferraço (PSDB-ES)
9. Deputado Federal Jutahy Júnior (PSDB-BA)
10. Deputado Federal João Paulo Papa (PSDB-SP)
11. Deputada Federal Yeda Crusius (PSDB-RS)
12. Deputado Federal Betinho Gomes (PSDB-PE)
13. Senador Antônio Anastasia (PSDB-MG)
14. Paulo Vasconcelos, marqueteiro de Aécio
15. Napoleão Bernardes, Prefeito Municipal de Blumenau/SC
16. Oswaldo Borges da Costa, ex-presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais/Codemig
17. Humberto Kasper
18. Marco Arildo Prates da Cunha

PP
1. Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Blairo Borges Maggi (PP)
2. Senador da República Ciro Nogueira (PP-PI)
3. Senador da República Ivo Cassol (PP-RO)
4. Deputado Federal Mário Negromonte Jr. (PP-BA)
5. Deputado Federal Paulo Henrique Lustosa (PP-CE)
6. Deputado Federal Dimas Fabiano Toledo (PP-MG)
7. Deputado Federal Cacá Leão (PP-BA)
8. Deputado Federal Júlio Lopes (PP-RJ)
9. Prefeita Municipal de Mossoró/RN Rosalba Ciarlini (PP), ex-governadora do Estado

DEM
1. Deputado Federal Rodrigo Maia (DEM-RM), presidente da Câmara
2. Senador da República José Agripino Maia (DEM-RN)
3. Senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE)
4. Deputado Federal José Carlos Aleluia (DEM-BA)
5. Deputado Federal Felipe Maia (DEM-RN)
6. Deputado Federal Ônix Lorenzoni (DEM-RS)
7. Deputado Federal Rodrigo Garcia (DEM-SP)
8. César Maia (DEM), vereador e ex-prefeito do Rio de Janeiro e ex-deputado federal

PSD
1. Ministro da Ciência e Tecnologia Gilberto Kassab (PSD)
2. Senador Omar Aziz (PSD-AM)
3. Deputado Federal Fábio Faria (PSD-RN)
4. Deputado Federal Heráclito Fortes (PSB-PI)
5. Deputado Federal Antônio Brito (PSD-BA)
6. Governador do Estado do Rio Grande do Norte Robinson Faria (PSD)

PR
1. Deputado federal João Carlos Bacelar (PR-BA)
2. Deputado federal Milton Monti (PR-SP)
3. Deputado Federal Alfredo Nascimento (PR-AM)
4. Valdemar da Costa Neto (PR)

PCdoB
1. Senadora da República Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)
2. Eron Bezerra, marido da senadra Grazziotin
3. Deputado Federal Daniel Almeida (PCdoB-BA)
4. Vado da Famárcia, ex-prefeito do Cabo de Santo Agostinho

PSB
1. Senador da República Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE)
2. Senadora da República Lidice da Mata (PSB-BA)
3. Deputado Federal José Reinaldo (PSB-MA), por fatos de quando era governador do Maranhão

PRB
1. Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Marcos Antônio Pereira (PRB)
2. Deputado Federal Celso Russomano (PRB-SP)
3. Deputado Federal Beto Mansur (PRB-SP)

PTB
1. Deputado Federal Paes Landim (PTB-PI)
2. Edvaldo Pereira de Brito, então candidato ao cargo de senador pela Bahia nas eleições 2010

PPS
1. Ministro da Cultura Roberto Freire (PPS)
2. Deputado Federal Arthur Oliveira Maia (PPS-BA)

SD
Deputado Federal Paulinho da Força (SD-SP)

PTC
Senador da República Fernando Afonso Collor de Mello (PTC-AL)

PMN
José Feliciano

 

Presidente do PT diz que Ministério Público tem obsessão por Lula

Lula com Dilma durante solenidade em Monteiro. Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

O presidente do Partido dos Trabalhadores na Paraíba, Charliton Machado, reagiu nesta quinta-feira (23) à abertura da investigação do Ministério Público Federal para apurar suposto crime eleitoral praticado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em Monteiro, no último domingo (19). Na oportunidade, o ex-gestor participou da “Inauguração Popular da Transposição”. Para o dirigente partidário, a medida mostra apenas que a Procuradoria Geral Eleitoral (PGE) tem obsessão pelo ex-presidente.

“Eu vejo uma profunda obsessão política do Ministério Público e de setores da Justiça com o presidente Lula. Daqui a pouco, vão proibi-lo de andar pelo Brasil, porque se o presidente andar, vão ocorrer atos e declarações de voto. Isso é impossível de não acontecer. Um evento que você tem 100 mil pessoas e recebe uma pessoa como o presidente Lula, será impossível não ter manifestação de Lula 2018“, ressaltou Machado, que relativizou os discursos dos petistas com referências à disputa eleitoral.

“O próprio Lula chegou a dizer que não sabe nem se estará vivo em 2018”, acrescentou Charliton Machado, que prevê uma grande movimentação e mais manifestações de apoio ao ex-presidente durante o ato programado para acontecer no dia 31 deste mês, na Avenida Paulista, em São Paulo, que também contará com a presença de Lula. Para dar início à apuração, a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) na Paraíba instaurou de ofício procedimento e coletou áudios e imagens do evento realizado em Monteiro.

Cassação de registro

O material foi reunido e encaminhado à Procuradoria Geral Eleitoral (PGE), em Brasília, em virtude da atribuição para a análise ser da PGE. Em caso de condenação, poderá ser aplicada multa e, dependendo do caso, quando iniciado o processo eleitoral, em 2018, poderá haver representação por abuso de poder econômico com cassação de registro, mesmo por fatos cometidos em 2017. “A PRE na Paraíba está vigilante a todos os casos”, alertou o procurador regional eleitoral, Marcos Queiroga.

Durante o evento, o ex-presidente Lula fez referência à disputa eleitoral de 2018, dizendo que “queira Deus” que ele não seja candidato, porque se for, será para vencer as eleições. As referências a 2018 foram feitas também por outros políticos presentes, a exemplo da ex-presidente Dilma Rousseff e do governador Ricardo Coutinho (PSB). Todos cobraram a paternidade das obras da transposição, atribuída a Lula.

Em relação à investigação, Charliton Machado apontou dois pesos e duas medidas na avaliação da Procuradoria Regional Eleitoral, em 2016. “Vimos ao longo da campanhacrimes que saltaram aos olhos e o Ministério Público Federal perdeu a oportunidade de apurar”, criticou. “O MPF tem que arranjar algo mais substantivo para se preocupar”, acrescentou o dirigente petista.

 

 

PT rebate tesoureiro do PMDB sobre vandalismo

Giucelia FigueiredoA presidente estadual do PT, na Paraíba, Giucélia Figueiredo, não gostou nada das acusações feitas pelo tesoureiro do PMDB, Antônio Souza, contra a sigla petista. O peemedebista acusou o Partido dos Trabalhadores pelo novo ataque à sede da sigla, a terceira só neste ano. A ação ocorreu neste domingo (4). Houve pichação da fachada do prédio e foram arremessadas pedras contra as estruturas de vidro no acesso principal. Figueiredo, ao tomar conhecimento das acusações, disse que o partido não ira admitir esse tipo acusação por parte do PMDB.

“Em primeiro lugar exigimos respeito, principalmente de um partido que articulou o Golpe. Não iremos admitir essa política de criminalização aos partidos de esquerda, dos movimentos sociais e das manifestações livres que o PMDB, e outros partidos facistas e de direita, tenta implantar. Não fazemos apologia a qualquer ato de violência ou de vandalismo, mas entendemos que as manifestações são legítimas. O que aconteceu foi uma reação de indignação da população, afinal, vocês achavam que diante de um Golpe o povo brasileiro, o povo de João Pessoa, iria ficar calado?”, rebateu Giucélia Figueiredo.

A petista destacou ainda que, na visão dela, “as pessoas estão revoltadas diante de tanta injustiça e da perspectiva de tantos retrocessos”. “Os dias vão passando e a população está percebendo que esse golpe foi instalado apenas para beneficiar aqueles que pouco estão se importando com o povo. Está em curso a retirada de direitos sociais garantidos na nossa Constituição, o uso da força contra manifestações legítimas, no entanto, assim como em 64, não vamos nos calar. Somos milhões nas ruas, e não iremos nos calar”, acrescentou.

TRE livra Benilton da cassação do mandato por infidelidade

Benilton Lucena durante sessão na Câmara: Crédito: Olenildo Nascimento/CMJP

Benilton Lucena durante sessão na Câmara: Crédito: Olenildo Nascimento/CMJP

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) livrou o vereador pessoense Benilton Lucena (PSD) da cassação do mandato por infidelidade partidária. O mandato dele era requerido pelo PT, partido do qual se desfiliou em outubro do ano passado, para seguir o prefeito Luciano Cartaxo rumo à sigla pessedista. O relator do processo, Emiliano Zapata, votou contra o parlamentar e foi seguido pela desembargadora Maria das Graças Morais Guedes. A sorte de Lucena começou a mudar a partir do voto divergente do juiz Ricardo da Costa Freitas. Ele pediu a improcedência da ação, por entender que caberia ao diretório municipal e não ao estadual a ação movida contra o ex-petista.

O voto de Freitas, pelo arquivamento da ação, foi seguido por Antônio Carneiro, José Augusto Meirelles e Breno Wanderley. Benilton conquistou 3.596 votos nas eleições de 2012 e durante o mandato se colocou na linha de frente na defesa do prefeito Luciano Cartaxo. No ano passado, o hoje pessedista acompanhou Cartaxo na troca do PT pelo PSD. Na oportunidade, o argumento usado foi o de que os escândalos de corrupção enfrentados pela sigla, no contexto nacional, colocaria em perigo a reeleição dos seus filiados na capital. Insatisfeita, a direção do PT cobrou o mandato de Benildon na Justiça. Lucena alegou, em sua defesa, que o partido mudou radicalmente as suas diretrizes partidárias.

 

Candidato a vereador do PT morre em acidente em João Pessoa

Sargento Guido 02

Sargento Guido Romero (C) ao lado de Charliton Machado e Nelson Lira

Dois dias antes do início oficial da campanha eleitoral, os petistas de João Pessoa acordaram, neste domingo (14), com uma notícia triste. Faleceu durante a madrugada, em decorrência de um acidente de moto na BR 230, o candidato a vereador a vereador pelo partido, Sargento Guido Romero. O episódio mereceu muitas homenagens e mensagens de apoio aos familiares do militar foram feitas através das Redes Sociais.

A presidenta municipal do PT da Paraíba, Aparecida Diniz, lamentou a morte do militante. “Hoje, nós petistas, estamos muito tristes. O nosso companheiro de luta, que estava tão contente em participar da disputa eleitoral deste ano, que tanto acreditava que poderia fazer mais pelo povo de João Pessoa na Câmara, se foi. Fica aqui os meus pêsames para a sua esposa, a companheira Luzimar, seus filhos, parentes e amigos”.

Candidato a prefeito do PT, Professor Charliton, destacou o compromisso que o Sargento Guido tinha com o partido: “O companheiro Guido chegou com muita garra na nossa campanha. Sempre muito participativo e alegre. Realmente não existem palavras que descrevam o que estamos sentindo agora, mas tenho certeza que cada companheira, cada companheiro, irá trazer Guido em seu coração durante toda a campanha, e depois dela também. Sargento Guido Romero deixará saudades não apenas entre seus familiares e amigos, mas também entre a militância petista de João Pessoa. Sargento Guido Romero, presente!”.

Sobre o acidente

O acidente de moto ocorreu nas nas proximidades do Forrock. Ele teria sido socorrido no local do acidente, levado para o Hospital de Emergência e Trauma, porém, não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade hospitalar. Além do sonho se ser vereador da cidade de João Pessoa, o Sargento Guido Romero desenvolvia um trabalho com jovens dependentes químicos, apresentando uma nova perspectiva de vida para esses adolescentes. A família ainda não informou o horário e o local do velório.

PT sairá sozinho para a disputa em dez capitais do país

Convenção do PTO PT de João Pessoa não é um ponto fora da curva na organização da sigla para a disputa das eleições municipais nas capitais. O partido terá candidatura própria em 20 das 26 capitais. Só que, delas, dez terão candidatura puro-sangue, por falta de aliados, revela levantamento da Folha de São Paulo. Por aqui, o professor Charliton Machado terá Nelson Lira na vice. Machado diz que o grande esforço da militância, neste caso, é pelo resgate do legado dos governos do ex-presidente Lula e da presidente afastada Dilma Rousseff, ambos petistas. A exceção é o prefeito de Rio Branco (AC), Marcus Alexandre, que terá 14 partidos na sua base. No caso da Paraíba, a direção estadual do partido proibiu as coligações com partidos que votaram a favor do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.

 

Cartaxo é tratado como golpista e enganador na convenção do PT

Convenção do PTO prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), não foi esquecido durante a convenção do seu ex-partido, o PT. O evento foi realizado para homologar, respectivamente, os nomes de Charliton Machado e Nelson Lira para prefeito e vice de João Pessoa, representando o Partido dos Trabalhadores. Discurso após discurso, o tom foi o mesmo: ataque ao pessedista, que trocou de partido no ano passado, e aos seus novos aliados, notadamente as lideranças do PMDB e do PSDB.

O tom crítico foi apresentado pelo professor Charliton Machado, o primeiro a discursar. A fala dele foi iniciada com o tradicional “fora Temer” e seguiu com a convocação da militância para enfrentar o que ele chamou de “partidos golpistas”, com atenção especial para o PSD de Luciano Cartaxo, o PMDB de José Maranhão e Manoel Júnior e o PSDB de Cássio Cunha Lima. Cartaxo, vale ressaltar, foi tratado por ele como “enganador da militância petista”, que o apoiou em 2012.

Tom ácidoConvenção do Pt 2
Temas muito peculiares permearam os três primeiros discursos. O de Charliton, o de Aparecida Diniz, presidente municipal do partido, e o de Giucélia Figueiredo, presidente estadual. Todos deixaram clara a necessidade de defesa do legado petista na área social, sem descuidar do crescimento da economia. Outro ponto destacado neste sábado e que terá lugar na campanha é a tese de que todas as obras em andamento na capital têm o DNA do PT.

Aparecida Diniz, que era vice-presidente do PT e assumiu a titularidade logo após Lucélio Cartaxo seguir o irmão rumo ao PSD, acusou o prefeito de ter perdido recursos federais por “incompetência”. Entre os exemplos disso, ela citou o hospital da mulher, prometido durante a campanha. Giucélia disse que a campanha servirá, também, para evitar que “os golpistas” escondam da população a importância e as conquistas dos 13 anos do governo petista.

Charliton Machado inclui o ex-presidente Lula como atração para convenção

Convenção PT JPO ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será uma das atrações da convenção do PT, em João Pessoa, neste sábado (30), às 15h, mas não presencialmente. Ele gravou mensagem para o professor Charliton Machado, que terá seu nome confirmado no evento para encabeçar a chapa majoritária, ao lado do empresário Nelson Lira, também do PT, que ocupará a vice.  “Claro que o nosso ex-presidente não deixaria de estar na nossa Convenção, se não poderemos ter a sua presença física, pois já existia uma agenda prévia, teremos a sua imagem e a sua mensagem gravada especialmente para este momento”, destacou Aparecida Diniz, presidenta municipal do PT de João Pessoa.

Diniz explicou que o espaço da área de lazer do Sesc Centro será toda adaptada para receber os pré-candidatos a prefeito e a vereador, além de áreas específicas para as crianças, pessoas com deficiência e idosos: “Será uma grande festa, a largada inicial do que eu acredito ser uma das campanhas mais importantes e bonitas do PT de João Pessoa. O PT chega unido e forte”. São esperados para o evento as principais lideranças do PT, a exemplo do deputado federal Luiz Couto e dos deputados estaduais Anísio Maia e Frei Anastácio, membros do diretório estadual, além da militância do partido.

Lava Jato

A pré-candidatura de Machado, em João Pessoa, tem como principal objetivo resgatar o legado do PT na capital. O partido elegeu o atual prefeito, Luciano Cartaxo, mas ele migrou para o PSD por causa dos escândalos de corrupção que respingaram até nas principais estrelas nacionais da sigla. O ex-presidente Lula, inclusive, se tornou réu nesta sexta-feira (30) em processo que o acusa de tentar obstruir a Justiça comprando o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró, um dos delatores do esquema de corrupção que atuava na estatal do petróleo. Junto com Lula, foram indiciados o ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS), o ex-chefe de gabinete de Delcídio Diogo Ferreira, o banqueiro André Esteves, o advogado Édson Ribeiro, o pecuarista José Carlos Bumlai e o filho dele, Maurício Bumlai.

 

 

PT mantém veto a parte dos “partidos golpistas”

Depois do puxão de orelha da direção nacional, o PT da Paraíba decidiu rever os vetos a alguma das alianças com os partidos considerados golpistas pela sigla, por terem votado a favor do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. A Executiva Estadual da agremiação deliberou nesta segunda-feira (25) sobre o caso de várias cidades e suas possíveis alianças para a participação nas Eleições de 2016. Na Resolução aprovada pelos membros da Executiva foram vetadas alianças do PMDB nas cidades de Teixeira, Pedras de Fogo e Cabedelo. Na justificativa foi colocado que nessas cidades o PMDB recebe forte influência de personagens que atuaram ativamente no processo contra a gestora petista no Congresso Nacional.

É o caso de Teixeira, no Sertão, onde o prefeito Nego de Guri, do PMDB, é aliado do deputado federal Hugo Motta, que, segundo os petistas, “faz parte da chamada tropa de choque de Eduardo Cunha”; Pedras de Fogo recebeu veto por causa da forte influência do deputado federal Manoel Júnior, que, reforça a Executiva do PT, também possui relações pessoais com Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ex-presidente da Câmara dos Deputados. Júnior é apontado ainda como um dos grandes adversários do PT no estado e nacionalmente. Finalizando, em Cabedelo, na visão dos petitas, o PMDB local possui vínculos com figuras estaduais do partido que foram signatários e apoiadores do afastamento de Dilma. Outra determinação é que está impedido o apoio do PT a candidatura do PSC na cidade de Araçagi.

Continuam proibidas alianças com PSDB, DEM, PPS e Solidariedade por estes serem partidos que fazem parte do bloco histórico de adversários do PT nacionalmente, e que desde o 4º Congresso Nacional do PT tais alianças estão vetadas.

Giucélia diz que partido não vai “aliviar” com “lideranças golpistas”

Giucelia FigueiredoA Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores desautorizou os dirigentes da sigla, na Paraíba, a manterem a resolução aprovada pela agremiação, no Estado, na qual restringe a aliança nos municípios com os partidos que votaram pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). A lista dos vetos é encabeçada pelo PMDB, partido do presidente interino Michel Temer (PMDB). A presidente estadual do partido, Giucélia Figueiredo, falou ao blog que a recomendação será seguida, apesar de ela, pessoalmente, ser “contrária a qualquer tipo de aliança com qualquer partido golpista”.

O PT vai promover na próxima segunda-feira (25) uma nova reunião para definir como será atendida a recomendação assinada pelo secretário Nacional de Organização do partido, Florisvaldo Raimundo de Souza. O entendimento da Executiva Nacional é o de que a postura restritiva do partido provocaria o seu isolamento. O PT havia decidido na última segunda-feira vetar as alianças com PSDB, DEM, PPS, SD, PMDB, PP, PTB, PSC, PSD e PRB nas eleições 2016. Foram consideradas como possíveis apenas as composições com  PDT, PSB, PCdoB.

Só para se ter uma ideia, as alianças com o PSB, na Paraíba, são consideradas por Giucélia Figueiredo uma excepcionalidade. Ela disse que as composições nos municípios levarão em consideração com quem o prefeito que quiser o apoio do PT tiver alinhamento entre os deputados federais. Se ele for apadrinhado de qualquer um dos parlamentares que votou contra Dilma Rousseff , a aliança será descartada. Ou seja, haverá uma flexibilização, “pero no mucho”.