Luzenira Linhares assume presidência do PT de João Pessoa nesta quarta

Presidente foi eleita com 55,04% dos votos no PED

Lezenira Linhares é a segunda mulher a assumir o comando do partido. Foto: Dani Rabelo

O Partido dos Trabalhadores (PT) empossa nesta quarta-feira (21) a nova presidente da sigla, em João Pessoa. Luzenira Linhares foi eleita com 55,04% dos votos (491) através do Processo de Eleições Diretas (PED). Ela será a segunda mulher a presidir o partido na capital. A primeira foi Aparecida Diniz. A nova dirigente irá assumir a função junto com os novos membros da Direção Municipal, que foram escolhidos através do que determina a Resolução do partido, respeitando as quotas de mulheres, negros e jovens.

Com uma forte atuação dentro do Partido dos Trabalhadores, movimentos de mulheres e sindicais, Luzenira Linhares destacou que “é um orgulho muito grande, mas também um enorme desafio dirigir o PT”: “Mesmo diante de tudo o que está posto, sabemos que é possível, com o compromisso e o comprometimento dos companheiros e companheiras que ao longo da história construíram o nosso partido, e demonstram diariamente sua capacidade de superação nos momentos difíceis”.

“Muito já foi feito pelo PT, mas podemos fazer ainda mais, e destaco o fortalecimento da democracia interna e a preparação do partido para os enfrentamentos que estão sendo apresentados. É nossa prioridade, numa conjuntura totalmente adversa a classe trabalhadora, colocar em amplo funcionamento as nossas secretarias e setoriais, fortalecer as alianças com os movimentos sociais e sindicais, pois somente com a união poderemos enfrentar o desejo de retrocesso da Direita brasileira”, acrescentou.

 

 

Frente Brasil Popular fará ato pedindo o “fora Temer” em frente ao Liceu

Os representantes da Frente Brasil Popular agendaram para as 15h desta quinta-feira (18), em frente ao Lyceu Paraibano, um ato público pedindo o a saída do presidente Michel Temer (PMDB) do poder. O grupo, ligado ao PT e aos movimentos sociais, cobra também a realização de eleições diretas em caso de vacância na Presidência da República. O peemedebista foi gravado pelo empresário Joesley Batista, da JBS, acertando o pagamento de propina para manter o ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), calado. O ex-parlamentar vinha fazendo ameaças veladas em relação ao presidente, dando sinais de que poderia fazer delação premiada.

Na convocação feita nas redes sociais, a Frente Brasil Popular diz que luta há mais de um ano “contra o golpe na democracia brasileira que retirou uma presidente eleita e esmaga direitos históricos dos trabalhadores. Da rua não sairemos, é preciso defender nossa democracia, nosso país e nossos direitos”. Caso o presidente renuncie, seja cassado ou alvo de impeachment, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), assumirá o comando do país e terá que convocar eleições indiretas dentro de 30 dias. Maia também é acusado de ter recebido dinheiro de caixa 2 pago pela empreiteira Odebrecht e foi denunciado pela Procuradoria Geral da República (PGR).

Vai ter protesto também em Campina Grande.

Lula x Moro: relembre as cinco ações penais que pesam contra o ex-presidente

Ex-gestor é réu em cinco ações penais na primeira instância

Lula será ouvido nesta quarta por Sérgio Moro. Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estará frente a frente com o juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba, nesta quarta-feira (10). O clima, o que não é o desejável, é de guerra, com policiais fortemente armados. Tudo por que a militância ligada ao ex-gestor estará por lá para protestar e há o grupo simpático à operação Lava Jato ao lado de Moro. As imagens divulgadas mostram a chegada de policiais que vão ocupar as ruas. O depoimento do petista está marcado para acontecer às 14h, no prédio da Justiça Federal em Curitiba. Lula é o último ouvido em uma série de sabatinas relacionadas ao processo relativo ao tríplex do Guarujá, no litoral de São Paulo, além do armazenamento de bens do ex-presidente em um depósito pago pela empreiteira. LEIA MAIS

Justiça vai decidir quem será o novo presidente do PT na Paraíba

Jackson Macedo e Anísio Maia se dizem novo presidente do PT

Jackson Macedo comemorou a eleição para a presidência. Foto: Dani Rabelo

Não tem nada tão ruim que não possa piorar um pouquinho mais. Esse ditado, muito dito por nossos pais, se aplica em justa posição ao PT, especificamente na Paraíba. A sigla, que tenta se reerguer após os escândalos nacionais, conseguiu a façanha de eleger dois presidentes neste fim de semana. De um lado, numa eleição oficial, Jackson Macedo foi aclamado como novo mandatário da agremiação. Do outro, reforçado pelo bloco dissidente, o deputado estadual Anísio Maia também foi escolhido para o cargo de presidente. LEIA MAIS

Alvo de escândalos de corrupção, PT tenta ressurgir das cinzas

Partido vai escolher o novo presidente estadual

Congresso Estadual vai eleger o novo presidente do PT. Foto: Dani Rabelo

O Partido dos Trabalhadores (PT) dá o segundo passo, neste sábado (6), para tentar ressurgir das cinzas. A sigla, construída sob os pilares do combate à corrupção, é acusado de locupletação dos “malfeitos” durante os anos de poder. Depois de eleger as direções municipais, em abril, a sigla agora promove um congresso para escolher o novo presidente estadual e os membros do Diretório Estadual. Do encontro, também serão definidos os delegados que vão escolher a direção nacional do partido. O partido tenta se reestruturar para as eleições de 2018.

O PT chegou ao poder em 2003, com a posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O gestor enfrentou logo nos primeiros anos de mandato acusações de pagamento de mesada para os parlamentares aprovarem projetos de interesse do governo no Congresso. Apesar do escândalo conhecido por Mensalão, o petista foi reeleito em 2006 e conseguiu fazer a sucessora, Dilma Rousseff, em 2010. A presidente viveu momentos de grande popularidade até o início do primeiro mandato, mas foi alvo de impeachment após um início desastroso de governo após a reeleição.

Em João Pessoa, neste sábado, os 240 delegados escolhidos através das sete chapas que disputaram o Processo de Eleições Diretas (PED) no início do mês de abril participam do Congresso Estadual. “Iremos aprovar uma tese guia que vai falar sobre as diretrizes do partido, debater sobre as eleições de 2018, sobre a organização partidária e aprovar resoluções e moções. O momento final será para a escolha dos novos membros do diretório estadual, a definição dos delegados que irão participar do Congresso Nacional do PT e a eleição do novo presidente estadual do PT da Paraíba”, disse o o secretário estadual de Organização do PT da Paraíba, Jackson Macêdo.

São esperados no evento deputados, vereadores, prefeitos eleitos e lideranças políticas ligadas ao partido.

Confira abaixo a programação

8h – Credenciamento

9h – Inscrição das chapas para o Diretório Estadual, delegados nacionais e presidente estadual

9h30 – Leitura e aprovação do Regimento

10h – Debate das Teses

11h – Fim do credenciamento de titulares e a abertura do credenciamento de delegados e delegadas suplentes

12h – Encerramento do credenciamento dos suplentes

12h30 – Almoço

13h30 – Encerramento do prazo de inscrições das chapas para o diretório estadual, delegados nacionais e presidente estadual

13h30 – Plenária para votação de resoluções, moções e destaques a tese guia

14h30 – Eleição para o Diretório Estadual, presidência estadual e delegação

17h – Encerramento

Lista de Fachin: veja no gráfico como PMDB, PT e PSDB lideram denúncias

Quatro paraibanos aparecem entre os denunciados

Veja a participação dos partidos na relação dos denunciados

Os três maiores partidos do Brasil em número de parlamentares são também os que mais darão trabalho à Procuradoria Geral da República (PGR). PMDB, partido que atualmente comanda a Presidência da República, seguida de PT e PSDB, as duas antecessoras no poder central, respondem por quase 60% das lideranças a serem investigadas.

Da Paraíba, integram as lista o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Vital do Rêgo Filho, e o senador paraibano, mas eleito pelo Rio de Janeiro, Lindbergh Farias (PT). O ex-deputado federal Inaldo Leitão também aparece entre os que serão investigados, mas, sem foro privilegiado, o caso dele será apreciado na primeira instância.

Os nomes foram revelados em delação premiada pelos executivos e ex-executivos da empreiteira Norberto Odebrecht e incluem políticos, arrecadadores de campanha e ministros. Ao todo, foram autorizadas pelo ministro Edson Fachin, relator da operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), 83 inquéritos.

Confira a lista e o gráfico

PMDB

1. Senador da República Romero Jucá Filho (PMDB-RR)
2. Senador da República Renan Calheiros (PMDB-AL)
3. Governador do Estado de Alagoas Renan Filho (PMDB)
4. Ministro da Casa Civil Eliseu Lemos Padilha (PMDB-RS)
5. Ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República Wellington Moreira Franco (PMDB)
6. Ministro de Estado da Integração Nacional, Helder Barbalho (PMDB)
7. Senador da República Edison Lobão (PMDB-PA)
8. Senadora da República Marta Suplicy (PMDB-SP)
9. Senadora da República Kátia Regina de Abreu (PMDB-TO)
10. Senador da República Eduardo Braga (PMDB-AM)
11. Senador da República Valdir Raupp (PMDB-RO)
12. Senador Eunício Oliveira (PMDB-CE)
13. Senador da República Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN)
14. Deputado Federal Jarbas de Andrade Vasconcelos (PMDB-PE)
15. Deputado Federal Pedro Paulo (PMDB-RJ)
16. Deputado federal Lúcio Vieira Lima (PDMB-BA)
17. Deputado Federal Daniel Vilela (PMDB-GO)
18. Ministro do Tribunal de Contas da União Vital do Rêgo Filho (ex-senador do PMDB-PB)
19. Eduardo Paes (PMDB), ex-prefeito do Rio de Janeiro
20. Márcio Toledo, arrecadador das campanhas da senadora Suplicy
21. Moisés Pinto Gomes, marido da senadora Kátia Abreu, em nome de quem teria recebido os recursos
22. Luís Alberto Maguito Vilela, ex-Senador da República e Prefeito Municipal de Aparecida de Goiânia entre os anos de 2012 e 2014
23. João Carlos Gonçalves Ribeiro, que então era secretário de Planejamento do Estado de Rondônia
24. Ulisses César Martins de Sousa, à época Procurador-Geral do Estado do Maranhão
25. Rodrigo de Holanda Menezes Jucá, então candidato a vice-governador de Roraima, filho de Romer Jucá

PT
1. Deputado Federal Marco Maia (PT-RS)
2. Deputado Federal Carlos Zarattini (PT-SP)
3. Senador da República Paulo Rocha (PT-PA)
4. Senador Humberto Sérgio Costa Lima (PT-PE)
5. Senador da República Jorge Viana (PT-AC)
6. Senador Lindbergh Farias (PT-RJ)
7. Deputado Federal Vander Loubet (PT-MS)
8. Deputado Federal Nelson Pellegrino (PT-BA)
9. Deputado Federal Vicente “Vicentinho” Paulo da Silva (PT-SP)
10. Deputada Federal Maria do Rosário (PT-RS)
11. Deputado Federal Zeca Dirceu (PT-SP)
12. Deputado Federal Zeca do PT (PT-MS)
13. Deputado Federal Vicente Cândido (PT-SP)
14. Deputado Federal Décio Lima (PT-SC)
15. Deputado Federal Arlindo Chinaglia (PT-SP)
16. Governador do Estado do Acre Tião Viana (PT)
17. Cândido Vaccarezza (ex-deputado federal PT)
18. Guido Mantega (ex-ministro)
19. Paulo Bernardo da Silva, então ministro de Estado
20. José Dirceu
21. Deputada Estadual em Santa Catarina Ana Paula Lima (PT-SC)

PSDB
1. Senador Aécio Neves da Cunha (PSDB-MG)
2. Ministro das Cidades Bruno Cavalcanti de Araújo (PSDB-PE)
3. Ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes Ferreira (PSDB)
4. Senador da República Cássio Cunha Lima (PSDB-PB)
5. Senador da República Dalírio José Beber (PSDB-SC)
6. Senador da República José Serra (PSDB-SP)
7. Senador da República Eduardo Amorim (PSDB-SE)
8. Senador da República Ricardo Ferraço (PSDB-ES)
9. Deputado Federal Jutahy Júnior (PSDB-BA)
10. Deputado Federal João Paulo Papa (PSDB-SP)
11. Deputada Federal Yeda Crusius (PSDB-RS)
12. Deputado Federal Betinho Gomes (PSDB-PE)
13. Senador Antônio Anastasia (PSDB-MG)
14. Paulo Vasconcelos, marqueteiro de Aécio
15. Napoleão Bernardes, Prefeito Municipal de Blumenau/SC
16. Oswaldo Borges da Costa, ex-presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais/Codemig
17. Humberto Kasper
18. Marco Arildo Prates da Cunha

PP
1. Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Blairo Borges Maggi (PP)
2. Senador da República Ciro Nogueira (PP-PI)
3. Senador da República Ivo Cassol (PP-RO)
4. Deputado Federal Mário Negromonte Jr. (PP-BA)
5. Deputado Federal Paulo Henrique Lustosa (PP-CE)
6. Deputado Federal Dimas Fabiano Toledo (PP-MG)
7. Deputado Federal Cacá Leão (PP-BA)
8. Deputado Federal Júlio Lopes (PP-RJ)
9. Prefeita Municipal de Mossoró/RN Rosalba Ciarlini (PP), ex-governadora do Estado

DEM
1. Deputado Federal Rodrigo Maia (DEM-RM), presidente da Câmara
2. Senador da República José Agripino Maia (DEM-RN)
3. Senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE)
4. Deputado Federal José Carlos Aleluia (DEM-BA)
5. Deputado Federal Felipe Maia (DEM-RN)
6. Deputado Federal Ônix Lorenzoni (DEM-RS)
7. Deputado Federal Rodrigo Garcia (DEM-SP)
8. César Maia (DEM), vereador e ex-prefeito do Rio de Janeiro e ex-deputado federal

PSD
1. Ministro da Ciência e Tecnologia Gilberto Kassab (PSD)
2. Senador Omar Aziz (PSD-AM)
3. Deputado Federal Fábio Faria (PSD-RN)
4. Deputado Federal Heráclito Fortes (PSB-PI)
5. Deputado Federal Antônio Brito (PSD-BA)
6. Governador do Estado do Rio Grande do Norte Robinson Faria (PSD)

PR
1. Deputado federal João Carlos Bacelar (PR-BA)
2. Deputado federal Milton Monti (PR-SP)
3. Deputado Federal Alfredo Nascimento (PR-AM)
4. Valdemar da Costa Neto (PR)

PCdoB
1. Senadora da República Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM)
2. Eron Bezerra, marido da senadra Grazziotin
3. Deputado Federal Daniel Almeida (PCdoB-BA)
4. Vado da Famárcia, ex-prefeito do Cabo de Santo Agostinho

PSB
1. Senador da República Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE)
2. Senadora da República Lidice da Mata (PSB-BA)
3. Deputado Federal José Reinaldo (PSB-MA), por fatos de quando era governador do Maranhão

PRB
1. Ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Marcos Antônio Pereira (PRB)
2. Deputado Federal Celso Russomano (PRB-SP)
3. Deputado Federal Beto Mansur (PRB-SP)

PTB
1. Deputado Federal Paes Landim (PTB-PI)
2. Edvaldo Pereira de Brito, então candidato ao cargo de senador pela Bahia nas eleições 2010

PPS
1. Ministro da Cultura Roberto Freire (PPS)
2. Deputado Federal Arthur Oliveira Maia (PPS-BA)

SD
Deputado Federal Paulinho da Força (SD-SP)

PTC
Senador da República Fernando Afonso Collor de Mello (PTC-AL)

PMN
José Feliciano

 

Presidente do PT diz que Ministério Público tem obsessão por Lula

Lula com Dilma durante solenidade em Monteiro. Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

O presidente do Partido dos Trabalhadores na Paraíba, Charliton Machado, reagiu nesta quinta-feira (23) à abertura da investigação do Ministério Público Federal para apurar suposto crime eleitoral praticado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em Monteiro, no último domingo (19). Na oportunidade, o ex-gestor participou da “Inauguração Popular da Transposição”. Para o dirigente partidário, a medida mostra apenas que a Procuradoria Geral Eleitoral (PGE) tem obsessão pelo ex-presidente.

“Eu vejo uma profunda obsessão política do Ministério Público e de setores da Justiça com o presidente Lula. Daqui a pouco, vão proibi-lo de andar pelo Brasil, porque se o presidente andar, vão ocorrer atos e declarações de voto. Isso é impossível de não acontecer. Um evento que você tem 100 mil pessoas e recebe uma pessoa como o presidente Lula, será impossível não ter manifestação de Lula 2018“, ressaltou Machado, que relativizou os discursos dos petistas com referências à disputa eleitoral.

“O próprio Lula chegou a dizer que não sabe nem se estará vivo em 2018”, acrescentou Charliton Machado, que prevê uma grande movimentação e mais manifestações de apoio ao ex-presidente durante o ato programado para acontecer no dia 31 deste mês, na Avenida Paulista, em São Paulo, que também contará com a presença de Lula. Para dar início à apuração, a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) na Paraíba instaurou de ofício procedimento e coletou áudios e imagens do evento realizado em Monteiro.

Cassação de registro

O material foi reunido e encaminhado à Procuradoria Geral Eleitoral (PGE), em Brasília, em virtude da atribuição para a análise ser da PGE. Em caso de condenação, poderá ser aplicada multa e, dependendo do caso, quando iniciado o processo eleitoral, em 2018, poderá haver representação por abuso de poder econômico com cassação de registro, mesmo por fatos cometidos em 2017. “A PRE na Paraíba está vigilante a todos os casos”, alertou o procurador regional eleitoral, Marcos Queiroga.

Durante o evento, o ex-presidente Lula fez referência à disputa eleitoral de 2018, dizendo que “queira Deus” que ele não seja candidato, porque se for, será para vencer as eleições. As referências a 2018 foram feitas também por outros políticos presentes, a exemplo da ex-presidente Dilma Rousseff e do governador Ricardo Coutinho (PSB). Todos cobraram a paternidade das obras da transposição, atribuída a Lula.

Em relação à investigação, Charliton Machado apontou dois pesos e duas medidas na avaliação da Procuradoria Regional Eleitoral, em 2016. “Vimos ao longo da campanhacrimes que saltaram aos olhos e o Ministério Público Federal perdeu a oportunidade de apurar”, criticou. “O MPF tem que arranjar algo mais substantivo para se preocupar”, acrescentou o dirigente petista.

 

 

PT rebate tesoureiro do PMDB sobre vandalismo

Giucelia FigueiredoA presidente estadual do PT, na Paraíba, Giucélia Figueiredo, não gostou nada das acusações feitas pelo tesoureiro do PMDB, Antônio Souza, contra a sigla petista. O peemedebista acusou o Partido dos Trabalhadores pelo novo ataque à sede da sigla, a terceira só neste ano. A ação ocorreu neste domingo (4). Houve pichação da fachada do prédio e foram arremessadas pedras contra as estruturas de vidro no acesso principal. Figueiredo, ao tomar conhecimento das acusações, disse que o partido não ira admitir esse tipo acusação por parte do PMDB.

“Em primeiro lugar exigimos respeito, principalmente de um partido que articulou o Golpe. Não iremos admitir essa política de criminalização aos partidos de esquerda, dos movimentos sociais e das manifestações livres que o PMDB, e outros partidos facistas e de direita, tenta implantar. Não fazemos apologia a qualquer ato de violência ou de vandalismo, mas entendemos que as manifestações são legítimas. O que aconteceu foi uma reação de indignação da população, afinal, vocês achavam que diante de um Golpe o povo brasileiro, o povo de João Pessoa, iria ficar calado?”, rebateu Giucélia Figueiredo.

A petista destacou ainda que, na visão dela, “as pessoas estão revoltadas diante de tanta injustiça e da perspectiva de tantos retrocessos”. “Os dias vão passando e a população está percebendo que esse golpe foi instalado apenas para beneficiar aqueles que pouco estão se importando com o povo. Está em curso a retirada de direitos sociais garantidos na nossa Constituição, o uso da força contra manifestações legítimas, no entanto, assim como em 64, não vamos nos calar. Somos milhões nas ruas, e não iremos nos calar”, acrescentou.

TRE livra Benilton da cassação do mandato por infidelidade

Benilton Lucena durante sessão na Câmara: Crédito: Olenildo Nascimento/CMJP

Benilton Lucena durante sessão na Câmara: Crédito: Olenildo Nascimento/CMJP

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) livrou o vereador pessoense Benilton Lucena (PSD) da cassação do mandato por infidelidade partidária. O mandato dele era requerido pelo PT, partido do qual se desfiliou em outubro do ano passado, para seguir o prefeito Luciano Cartaxo rumo à sigla pessedista. O relator do processo, Emiliano Zapata, votou contra o parlamentar e foi seguido pela desembargadora Maria das Graças Morais Guedes. A sorte de Lucena começou a mudar a partir do voto divergente do juiz Ricardo da Costa Freitas. Ele pediu a improcedência da ação, por entender que caberia ao diretório municipal e não ao estadual a ação movida contra o ex-petista.

O voto de Freitas, pelo arquivamento da ação, foi seguido por Antônio Carneiro, José Augusto Meirelles e Breno Wanderley. Benilton conquistou 3.596 votos nas eleições de 2012 e durante o mandato se colocou na linha de frente na defesa do prefeito Luciano Cartaxo. No ano passado, o hoje pessedista acompanhou Cartaxo na troca do PT pelo PSD. Na oportunidade, o argumento usado foi o de que os escândalos de corrupção enfrentados pela sigla, no contexto nacional, colocaria em perigo a reeleição dos seus filiados na capital. Insatisfeita, a direção do PT cobrou o mandato de Benildon na Justiça. Lucena alegou, em sua defesa, que o partido mudou radicalmente as suas diretrizes partidárias.

 

Candidato a vereador do PT morre em acidente em João Pessoa

Sargento Guido 02

Sargento Guido Romero (C) ao lado de Charliton Machado e Nelson Lira

Dois dias antes do início oficial da campanha eleitoral, os petistas de João Pessoa acordaram, neste domingo (14), com uma notícia triste. Faleceu durante a madrugada, em decorrência de um acidente de moto na BR 230, o candidato a vereador a vereador pelo partido, Sargento Guido Romero. O episódio mereceu muitas homenagens e mensagens de apoio aos familiares do militar foram feitas através das Redes Sociais.

A presidenta municipal do PT da Paraíba, Aparecida Diniz, lamentou a morte do militante. “Hoje, nós petistas, estamos muito tristes. O nosso companheiro de luta, que estava tão contente em participar da disputa eleitoral deste ano, que tanto acreditava que poderia fazer mais pelo povo de João Pessoa na Câmara, se foi. Fica aqui os meus pêsames para a sua esposa, a companheira Luzimar, seus filhos, parentes e amigos”.

Candidato a prefeito do PT, Professor Charliton, destacou o compromisso que o Sargento Guido tinha com o partido: “O companheiro Guido chegou com muita garra na nossa campanha. Sempre muito participativo e alegre. Realmente não existem palavras que descrevam o que estamos sentindo agora, mas tenho certeza que cada companheira, cada companheiro, irá trazer Guido em seu coração durante toda a campanha, e depois dela também. Sargento Guido Romero deixará saudades não apenas entre seus familiares e amigos, mas também entre a militância petista de João Pessoa. Sargento Guido Romero, presente!”.

Sobre o acidente

O acidente de moto ocorreu nas nas proximidades do Forrock. Ele teria sido socorrido no local do acidente, levado para o Hospital de Emergência e Trauma, porém, não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade hospitalar. Além do sonho se ser vereador da cidade de João Pessoa, o Sargento Guido Romero desenvolvia um trabalho com jovens dependentes químicos, apresentando uma nova perspectiva de vida para esses adolescentes. A família ainda não informou o horário e o local do velório.