Folia política ganha as ruas nas prévias carnavalescas de João Pessoa

Ronaldo Barbosa (D), presidnete do PSB de João Pessoa, no bloco Fala Sério. Imagem/Reprodução Facebook

A tirar pelas eleições do ano passado, a mistura de política com eleições não é exatamente uma combinação perfeita. A maioria dos vereadores de João Pessoa que banca ou apoia blocos pré-carnavalescos foi derrotada nas urnas. Os únicos vitoriosos foram Marcos Vinícius (PSDB), atual presidente da Câmara de Vereadores de João Pessoa e fundador do Tambiá Folia, e João dos Santos (PR), que comanda a festa no bloco Vaca Morta. O ex-vereador Fuba, puxador oficial do Muriçocas do Miramar, o maior bloco pré-carnavalesco da capital, não foi reeleito. Ele é o idealizador também do Acorda Miramar.

Fuba, vale ressaltar, não é o único neste barco de insucessos políticos registrado em 2016. A lista, na verdade, é bem grande. No time dos ex-vereadores sem mandato e que bancam blocos estão Marmuthe Cavalcanti (PSD), que apoia o Peruas do Valentina; Bira Pereira (PSD), com o Pira na Folia; Geraldo Amorim, com o Amoringa dos Bancários, e Tavinho Santos (PTdoB), conhecido pelo apoio aos blocos que desfilam no bairro do Roger. O Muriçocas do Miramar, vale lembrar, gerou uma “franquia” para o PSB do governador Ricardo Coutinho (PSB), com a promoção da Girassoca – o bloco é usado com efeito eleitoral.

Mas quem gosta de política vai encontrar também alguns blocos alternativos. Um exemplo é o Fala Sério, formado pelos militantes do PSB de João Pessoa. Tem também o Traíras Fora, idealizado pelo deputado estadual Anísio Maia (PT) e que se reuniu pela primeira vez no ano passado. Outra opção, neste caso para os adversários do governador Ricardo Coutinho, é o Quero Morar na Granja, uma sátira alusiva à compra das lagostas para abastecer as dispensas da Granja Santana, residência oficial do governador, anos atrás. O bloco, no entanto, não vai sair às ruas neste ano.

Sem licitação, coleta de lixo fica ‘a peso de ouro’ em Santa Rita

Jhonathan Oliveira

Assim que assumiu a prefeitura de Santa Rita, Emerson Panta (PSDB) deixou claro que uma das suas principais preocupações era com o lixo que tomava conta da cidade. Inicialmente, o gestor fez um acordo de cooperação com a prefeitura de João Pessoa para a coleta imediata, mas depois usou o decreto de situação de emergência, editado nos primeiros dias do mandato, e contratou sem licitação duas empresas para a execução do serviço. Juntas elas vão receber R$ 5.995.057,00 por cinco meses. A questão é que se compararmos os valores pagos por outras cidades na coleta e sem esquecer do fato de que a cidade se encontra em crise, o lixo de Santa Rita está custando caro, muito caro.

Empresas já estão fazendo a coleta nas ruas de Santa Rita.

O contrato de Santa Rita foi dividido entre a Servicol-Serviços de Coleta e Construções LTDA ME e a Geo Limpeza Urbana LTDA EPP. Elas vão receber ‘módicos’ R$ 599, 5 mil por mês, o que ao término do contrato vai resultar em R$ 2,9 milhões para cada uma delas.

A mesma Geo Limpeza Urbana que já está colhendo o lixo de parte da cidade de Santa Rita também atua em outros municípios. De acordo com dados do Sistema Sagres, do Tribunal de Contas do Estado, durante o ano de 2016, a prefeitura de Sapé, por exemplo, empenhou R$ 2,3 milhões e pagou R$ 1,9 milhões pelos serviços de coleta da empresa. Os números, inferiores aos de Santa Rita , são referentes ao período entre janeiro e novembro. Já em Mari, a Geo recebeu R$ 404, 6 mil pelo mesmo serviço no ano passado.

Na segunda-feira (17), a prefeitura de Campina Grande, gerida pelo também tucano Romero Rodrigues (PSDB), anunciou que vai acabar com a terceirização da coleta do lixo na cidade. Segundo informações da administração da Rainha da Borborema, atualmente o município gasta com a empresa responsável pelo serviço, a Light, um montante de R$ 900 mil por mês, o que representa uma soma de R$ 10,8 milhões ao ano. Se compararmos estes valores com os contratados por Santa Rita, mais uma vez teremos uma disparidade, já que esta vai gastar cerca de R$ 1,2 milhão ao mês e mais da metade da despesa anual de Campina, em apenas cinco meses.

O blog tentou falar com o prefeito Emerson Panta e com o procurador da administração municipal, Luciano Alvino, que deu parecer favorável ao contrato, para entender a escolha pelas empresas e o que balizou os valores, mas nenhum dos dois atendeu as ligações telefônicas.

Secretário da Saúde de João Pessoa entrega cargo após uma semana

José Carlos Evangelista deixa cargo. Fotos: Angélica Nunes

Angélica Nunes

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), aceitou na manhã desta sexta-feira (13) o pedido de demissão do novo secretário de saúde da capital, José Carlos Evangelista. O gestor, que estava a apenas sete dias no cargo, era indicação do vice-prefeito, Manoel Junior (PMDB). Para a vaga, Cartaxo reintegra o ex-secretário de saúde e atual gestor da articulação política, Adalberto Fulgêncio. A odontóloga Ana Geovana será a nova adjunta. Ela integra  a equipe da Secretaria como diretora de distrito.

Segundo informações de uma fonte da prefeitura, que pediu sigilo, em apenas umas semana no cargo, José Evangelista estaria causando uma série de problemas ao prefeito, dentre eles o de se negar a assinar a ordem de pagamento da folha do mês de dezembro dos servidores do Samu da capital. Mesmo com o dinheiro em caixa, segundo a fonte, ele teria resistido a liberar o ordenado porque as despesas haviam sido gerada ainda na gestão do ex-secretário Adalberto Fulgêncio.

Adalberto Fulgêncio afirmou que deixou R$ 89 milhões em caixa e que não deixou heranças de dívidas para com a gestão da saúde. “Terminamos o ano de 2016 com R$ 89 milhões em caixa e R$ 12 milhões de superávit. A Secretaria de Saúde de João pessoa fechou com superávit, mas dívida não. Toda a rede foi abastecida”, disse.

Outro problema, segundo a fonte, ainda mais grave, é que ele teria convidado um advogado “amigo”, com diversos processos contra a prefeitura, para realizar acordos extrajudiciais diretamente com ele, o que teria provocado irritação de Cartaxo.

A reportagem entrou em contato com José Carlos Evangelista, através de sua assessoria, para que ele deve sua versão sobre as acusações, mas ele estava em reunião. Logo em seguida ao anúncio da decisão as ligações não foram atendidas.

Vereadores não viram ‘casaca’ e continuam no bloco de oposição a Cartaxo

Vereadores se reuniram com o presidente do PTdoB, Genival Matias

Jhonathan Oliveira

Quebrando as expectativas da base do prefeito Luciano Cartaxo (PSD) na Câmara de João Pessoa, dois vereadores da oposição garantiram nesta quarta-feira (4) que não vão mudar de lado. Chico do Sindicato e Humberto Pontes, ambos eleitos pelo PTdoB, disseram que a possível mudança de lado nunca passou de boato.

O anúncio de que não iriam virar ‘casaca’ veio após uma reunião de Chico e Humberto com o deputado estadual Genival Matias, presidente do PTdoB e aliado do governador Ricardo Coutinho (PSB). “Continuo mantendo minha postura de oposição responsável e comprometida com projetos voltados para a população de João Pessoa”, disse Humberto Pontes.

“Eu fui eleito para fazer oposição e ficarei na oposição. Boatos sempre existirão, mas a verdade é que não temos o menor interesse em mudar de posicionamento na Câmara Municipal”, declarou Chico do Sindicato.

O líder da oposição na Câmara, vereador Bruno Farias (PPS), disse que sabe que a base governista está conversando com parlamentares do bloco e que o prefeito “tem como cooptar”, mas disse ter confiança que a bancada vai seguir unida e sem novas baixas. Além de Bruno, Chico e Humberto, o grupo conta com Marcos Henriques (PT), Léo Bezerra (PSB), Tanilson Soares (PSB), Tibério Limeira (PSB), Sandra Marrocos (PSB), Eduardo Carneiro (PRTB) e João dos Santos (PR).

 

 

Em discurso, Marcos Vinícius fará agradecimento a Cartaxo e a Ricardo

A postura não é convencional, mas é adequada a uma eleição que também foge do convencional na Câmara Municipal de João Pessoa. O vereador Marcos Vinícius (PSDB), candidato único ao cargo, fará um agradecimento especial, neste domingo (1º), no seu discurso, ao prefeito Luciano Cartaxo (PSD) e ao governador Ricardo Coutinho (PSB). Apesar de aliado do pessedista e adversário histórico do socialista, o tucano vai ressaltar no seu discurso a importância de as duas lideranças, que não têm se bicado, não terem interferido no processo.

A maioria conquistada pelo tucano foi construída através de uma composição que envolveu vereadores governistas, ligados a Cartaxo, e oposicionistas, ligados a Ricardo. “O importante mesmo é que os dois deixaram que a Câmara Municipal, no seu papel soberano, decidisse por si, sem influências externas, o nome de consenso para a disputa”, ressaltou Marcos Vinícius, momentos antes da posse. O outro pré-candidato, Duval Ferreira (PP), que concorreria à reeleição, abandonou a disputa em nome da unidade.

Haverá agradecimento do tucano, também, a Durval Ferreira, “pelo desprendimento dele”. O tucano também fará reverência aos ex-vereadores Hervázio Bezerra (PSB), Fernando Milanez (PMDB) e Edmilson Lucena (PSB), além de uma homenagem póstuma a Potengi Lucena. Todos foram colegas de Marcos Vinícius na Câmara e agora veem os filhos ocuparem o mesmo cargo. Os filhos em questão são os vereadores Milanez Neto, Léo Bezerra, Thanilson Soares e Thiago Lucena.

Câmara deve votar nesta terça projeto que dá mais transparência à Casa

 

Marco Antônio diz ter o apoio da direção da Câmara para por o projeto em pauta. Foto: Olenildo Nascimento

O vereador pessoense Marco Antonio (PHS) quer deixar o mandato na Câmara de João Pessoa, para o qual não foi reeleito, com a aprovação de um projeto de resolução fruto de mobilização social. A matéria propõe a transcrição dos votos dos parlamentares em atas da Casa e divulgação em até 24h. O texto deverá constar na pauta de votação da sessão ordinária desta terça-feira (27).

O projeto propõe a inclusão de dispositivos em dois artigos (119 e 127) do Regimento Interno da CMJP. De acordo com o vereador Marco Antonio, o presente projeto pretende fortalecer as ações já realizadas pela Câmara Municipal na área da transparência pública, “tendo em vista que a população de João Pessoa deve possuir cada vez mais ferramentas para acompanhar o trabalho de seus representantes”.

A proposta foi colocada em discussão depois de uma reunião do vereador com os integrantes do grupo Minha Jampa, que cobrou mais transparência nas votações registradas na Câmara de João Pessoa. Marco Antonio disse ter recebido garantias dos vereadores postulantes ao comando da próxima Mesa Diretora de que, além do seu projeto, outras ferramentas de transparência pública serão inseridas no processo legislativo da Casa de Napoleão Laureano.

“Além da divulgação e transcrição dos votos dos vereadores, a população terá disponível ferramentas de participação efetiva, que garantirão o acompanhamento da tramitação do que está sendo proposto na Câmara, com canais de interação direta com os vereadores, inclusive, para sugerir alterações ou emendas. Esse foi um pedido pessoal nosso, com o aval positivo dos colegas que comporão as próximas Mesas”, garantiu o vereador.

“Minha Jampa”

A apresentação do referido Projeto de Resolução significa o cumprimento de um compromisso assumido pelo vereador Marco Antonio, durante audiência pública proposta por ele próprio, em setembro deste ano, com as presenças de especialistas em transparência pública, e de representantes do Instituto Soma Brasil e da Rede de Ação e Mobilização “Minha Jampa”.

Na oportunidade, destacaram-se sugestões como o retorno da utilização do painel de votação eletrônica, com a descriminação dos votos de cada parlamentar; e a disponibilização online das atas das sessões da Casa com o posicionamento dos vereadores nas votações.

Painel eletrônico

O vereador ainda informou que vai requerer formalmente à Mesa Diretora da CMJP o retorno do funcionamento do painel eletrônico do plenário Senador Humberto Lucena, que se encontra momentaneamente desativado. “É de suma importância que o painel do plenário esteja em funcionamento, assim as pessoas que acompanham as sessões pela galeria da Casa ou pela TV Câmara, poderão visualizar quais são os vereadores presentes, bem como a opinião de cada um nas votações realizadas por este parlamento”, concluiu.

 

Marcos Vinícius recebe novos apoios e tem 20 votos para presidente da Câmara

O vereador Marcos Vinícius (PSDB) anunciou o apoio de mais três vereadores à sua candidatura a presidente da Câmara Municipal. Com isso, o número de apoiadores da postulação do tucano sobe para 20, dentro de um colegiado de 27 votos. O outro postulante na disputa é o atual presidente, Durval Ferreira (PP), que vem sofrendo com a defecção de eleitores. Ele revelou que deve anunciar o seu posicionamento em entrevista coletiva, por volta do meio-dia. O pepista está no cargo há 10 anos, se equilibrando no poder independente de quem esteja no comando do Executivo.

Os apoios anunciados nesta quinta-feira (22) foram dos vereadores Dinho (PMN), Thiago Lucena (PMN) e Damásio Neto (PP), do mesmo partido de Durval Ferreira. “Tenho que reconhecer que Marcos Vinícius conseguiu construir uma maioria. Temos uma longa história conjunta na Câmara e será um grande presidente”, ressaltou Dinho, durante o café da manhã que confirmou a adesão. Ele disse ter comunicado a posição a Durval durante reunião na tarde desta quarta-feira (21).

Relação de apoiadores

Marcos Vinícius (PSDB)

João Corujinha (PSDC)

Bruno Farias (PPS)

Thiago Lucena (PMN)

Milanez Neto (PTB)

Eliza Virgínia (PSDB)

Damásio Neto (PP)

Dinho (PMN)

Bispo Zé Luiz (PRB)

Luiz Flávio (PSDB)

Raíssa Lcerda (PSD)

Thanilson Soares (PSB)

Sandra Marrocos (PSB)

Léo Bezerra (PSB)

João dos Santos (PR)

Humberto Pontes (PTdoB)

Lucas de Brito (PSL)

Marcos Henriques (PT)

Chico do Sindicato (PTdoB)

Eduardo Carneiro (PRTB)

 

 

Marcos se encontra com Durval e anuncia novo apoio neste domingo

Eduardo Carneiro (C) é o 17º vereador a fechar apoio ao projeto de Marcos Vinícius. Foto: Divulgação

O encontro entre os dois pré-candidatos a presidente da Câmara de João Pessoa, Marcos Vinícius (PSDB) e Durval Ferreira (PP), foi adiado para este domingo (18). Os dois receberam do prefeito Luciano Cartaxo (PSD) a orientação para que haja entendimento e, se possível, formem uma chapa de consenso. Uma tarefa que, pela disposição de ambos, dificilmente acontecerá. Durval, que busca a reeleição, tenta um acordo para que ele comande a Casa por mais dois anos e Marcos assuma no segundo biênio. O tucano não aceita.

Com uma maioria de apoios já construída, Marcos Vinícius recebeu neste sábado o adesão do vereador eleito Eduardo Carneiro (PRTB) e promete para este domingo, mesma data em que se encontrará com Durval, o anúncio de mais um aliado. Atualmente, ele tem 16 na sua base e pode chegar a 17. Contando o próprio voto, o tucano soma 18 dos 27 votos possíveis. Durval diz ter uma carta na manga e acredita que pode sair vitorioso da disputa. Ele comanda a Câmara de João Pessoa há 10 anos.

O encontro será na Padaria Pão e Companhia, em Manaíra, às 9h, neste domingo. O cálculo do prefeito Luciano Cartaxo é o de que a maioria formada pela bancada governista, que tem 16 vereadores, garantiria a presidência da Câmara Municipal sem que se recorresse à oposição. Acontece que há dois candidatos da base governista, o que inviabilizaria qualquer projeto eleitoral sem a necessidade de composição. “Não vamos mexer no que já está definido e acertado”, ressalta Vinícius, para evitar especulações sobre mudanças na chapa.

Cartaxo pede entendimento e Marcos Vinícius e Durval se reúnem neste sábado

A reunião convocada pelo prefeito Luciano Cartaxo (PSD) com sua base aliada para discutir a sucessão na Câmara de João Pessoa terminou sem acordo entre as partes. Os vereadores Marcos Vinícius (PSDB) e Durval Ferreira (PP), ambos com candidaturas postas, descartaram a possibilidade de abrir mão da disputa. Os dois postulantes, a pedido do gestor, voltam a se encontrar neste sábado (17), para tentar um acordo. Durante o encontro desta sexta-feira, encerrado por volta das 21h, o prefeito deixou claro que quer a unidade da base governista, mas esboçou pouca disposição de interferir no processo.

Em desvantagem em relação aos apoios, o atual presidente da casa, que disputa a reeleição, Durval Ferreira, aposta na subtração de parlamentares que declararam apoio a Vinícius. Seus aliados, inclusive, garantem que a virada vai acontecer. O tucano, por outro lado, demonstra confiança na fidelidade do bloco criado por ele, com a participação de governistas e oposição. Marcos Vinícius apresentou uma relação com 15 apoiadores, o que lhe dá 16 votos, contando o dele. É mais que o suficiente para sacramentar a vitória, caso o compromisso assumido por eles seja mantido. Ao todo, são 27 votos possíveis.

Ouvido pelo bog, após a reunião, o vereador Marcos Vinícius demonstrou serenidade em relação à discussão. Disse ter confiança na condução do prefeito Luciano Cartaxo. “É o nosso líder e entende os nossos argumentos de que há compromissos que foram assumidos e precisam ser honrados. A base aliada está unida e a disputa na Câmara não vai causar cizânia, já que todos são republicanos e saberão assimilar o resultado das urnas”, ressaltou, garantindo que continuará havendo diálogo entre as partes.

Em nota, após a reunião, o prefeito disse considerar que a reunião foi muito proveitosa e manifestou sua crença de que a bancada se manterá unida e contribuindo com o crescimento da capital. Todos os 16 vereadores eleitos na coligação do prefeito Luciano Cartaxo participaram da reunião.

IPTU e TCR de João Pessoa para 2017 terão reajuste de 6,99%

No ano de crise, Adenilson Ferreira diz que a prefeitura pretende manter arrecadação. Foto: Olenildo Nascimento/CMJP

Os contribuintes de João Pessoa vão receber os boletos de pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e Taxa de Coleta de Resíduos (TCR) de 2017 com um reajuste de 6,99%. O aumento tem como base o acumulado dos últimos 12 meses do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), aferido pelo IBGE. De acordo com o secretário da Receita Municipal, Adenilson Ferreira, a consulta e o pagamento das taxas pelos contribuintes poderá ser feita já a partir da primeira semana de janeiro, através da internet.

A meta da Secretaria da Receita é manter a arrecadação do município. Neste ano, a estimativa é a de que o montante pago pelos contribuintes chegue perto dos R$ 80 milhões. Dinheiro que, ele garante, é revertido em obras para a cidade de João Pessoa. A expectativa é que a arrecadação com IPTU supere a marca de R$ 58 milhões. Já com o TCR, a estimativa é que se supere a cada dos R$ 19 milhões. Os dados são referentes a 2016. A inadimplência também é uma barreira a ser vencida. Atualmente, ela gira em torno de 30%.

Ferreira explicou que os carnês devem chegar às casas dos contribuintes no início de fevereiro, com a opção de pagamento parcelado ou em quota única. A data de vencimento ficará para o mês de março. A novidade para este ano é que os boletos não serão mais impressos em forma de carnê. Eles chegarão em folhas de A4, com todas as opções de pagamento, nos moldes do que ocorre atualmente com o licenciamento dos veículos. A impressão e a entrega será feita pelos Correios e não mais pelo Banco do Brasil, como em anos anteriores.

As medidas, segundo Adenilson Ferreira, estão sendo adotadas para economizar e, com isso, reverter os recursos para a gestão municipal no ano de crise.