Operação Calvário: exoneração de Livânia será publicada no Diário Oficial desta terça

Secretária de Administração pediu exoneração, por meio de carta, no último sábado, horas após ser presa no bojo da operação Calvário

Livânia Farias é alvo de acusações de recebimento de propinas. Foto: Divulgação

A exoneração da secretária de Administração da Paraíba, Livânia Farias, deve ser publicada na edição desta terça-feira (19) do Diário Oficial do Estado (DOE). Esta é a aposta de setores próximos ao governador João Azevêdo (PSB). Ela pediu exoneração do cargo no último sábado (16), horas após ser presa no bojo da Operação Calvário. O pedido foi aceito pelo gestor, que divulgou nota em seguida, via Secretaria de Comunicação, comunicando a decisão. Na nota, o governo manifestou perplexidade com o ocorrido. “Causa estranheza que tenham cerceado a liberdade da secretária apesar dela possuir domicílio certo, ter se colocado publicamente à disposição da Justiça ou de quaisquer órgãos de investigação e, principalmente, sem que tenha sido facultada uma única palavra de defesa ao longo de todo o processo investigatório”.

Livânia é acusada do recebimento de propinas pagas por dirigentes da Cruz Vermelha Brasileira filial Rio Grande do Sul. A instituição, em conjunto com o Instituto de Psicologia Clínica, Educacional e Profissional (IPCEP), administrou recursos da ordem de R$ 1,1 bilhão entre 2011 e 2018. Elas são responsáveis pela gestão dos hospitais de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, Metropolitano Dom José Maria Pires e o Regional de Mamanguape. Depoimento do ex-assessor da secretaria de Administração, Leandro Nunes de Azevêdo, preso na segunda etapa da operação Calvário, indicou que Livânia teria recebido mensalão de R$ 80 mil ao longo dos últimos anos.

 

Livânia pede exoneração do Estado após ser presa no bojo da operação Calvário

Secretária de Administração foi presa após desembarcar na Paraíba vinda de viagens a Brasília e a Minas Gerais

Livânia Farias é alvo de acusações de recebimento de propinas. Foto: Divulgação

A secretária de Administração do Estado, Livânia Farias, encaminhou carta com pedido de exoneração destinada ao governador João Azevêdo (PSB). A decisão ocorreu após a prisão dela, ocorrida quando desembarcava na Paraíba, neste sábado (16), vinda de viagens a Brasília e a Minas Gerais. Em uma nota, com cópia da carta assinada pela secretária em anexo, o governo do Estado manifestou perplexidade com o ocorrido. “Causa estranheza que tenham cerceado a liberdade da secretária apesar dela possuir domicílio certo, ter se colocado publicamente à disposição da Justiça ou de quaisquer órgãos de investigação e, principalmente, sem que tenha sido facultada uma única palavra de defesa ao longo de todo o processo investigatório”.

Livânia é acusada do recebimento de propinas pagas por dirigentes da Cruz Vermelha Brasileira filial Rio Grande do Sul. A instituição, em conjunto com o Instituto de Psicologia Clínica, Educacional e Profissional (IPCEP), administrou recursos da ordem de R$ 1,1 bilhão entre 2011 e 2018. Elas são responsáveis pela gestão dos hospitais de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, Metropolitano Dom José Maria Pires e o Regional de Mamanguape. Depoimento do ex-assessor da secretaria de Administração, Leandro Nunes de Azevêdo, preso na segunda etapa da operação Calvário, indicou que Livânia teria recebido mensalão de R$ 80 mil ao longo dos últimos anos.

Momento em que a prisão foi efetuada no desembarque da secretária na Paraíba. Foto: Divulgação

O mandado de prisão foi assinado pelo desembargador Ricardo Vital de Almeida, atendendo pedido do Grupo de Atuação Especial de Combate à Corrupção (Gaeco). A decisão do magistrado resultou em contestações do governo, registrado em nota: “A presunção de inocência, mandamento constitucional, deve ser respeitada e uma investigação, qualquer que seja ela, precisa estar em consonância com as normas fundamentais que asseguram a ampla defesa. É devido a uma postura responsável que o Governo da Paraíba tem adotado, em todos os níveis de gestão, medidas regulares e constantes do contínuo aprimoramento da legalidade e lisura de todos os atos administrativos, e relações institucionais deles decorrentes.”

O governo diz ainda que especificamente em se tratando dos contratos com as Organizações Sociais, dentre diversas medidas, criou-se a Superintendência de Coordenação e Supervisão de Contratos de Gestão (SCSCG); determinou-se formalmente, de acordo com o decreto publicado no Diário Oficial do Estado em 25 de janeiro de 2019, a Intervenção em algumas unidades hospitalares do Estado geridas por OSs; e, mais recentemente, assinado Termo de Acerto de Conduta com os Ministérios Públicos Federal, Estadual, do Trabalho e de Contas para continuar aperfeiçoando  os contratos de gestão com as entidades do terceiro setor.

“Tudo com o objetivo de continuar avançando em todas as esferas da administração pública estadual, assegurando à Paraíba todas as transformações que mudaram concretamente o perfil econômico e social do povo paraibano, fortalecendo nossas vocações e elevando a patamares históricos a autoestima do nosso Estado”, ressalta.

Confira a carta de exoneração assinada por Livânia Farias:

CARTA EXONERAÇÃO

Exmo. Sr.

Governador João Azevedo.

         No dia de hoje (16) fui surpreendida com o cumprimento de um mandado de prisão expedido pelo nos autos de medida cautelar que tramita no Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba.

         Tenho absoluta convicção de minha inocência e de que não cometi qualquer irregularidade ou ilícito à frente dos cargos públicos que exerci ao longo de minha vida profissional.

         O momento exige integral dedicação à minha defesa jurídica. Provarei minha inocência e a verdade será restabelecida.

         Desse modo, ao tempo em que agradeço a confiança sempre dispensada, solicito à V. Exa. minha exoneração do cargo de Secretária de Estado da Administração.

Livânia Maria da Silva Farias

 

 

Operação Calvário: governo reafirma lisura dos atos administrativos

Secretário de Comunicação diz que o foco da gestão tem sido fazer “o Estado andar para frente”

Luiz Torres, secretário de Comunicação do Estado. Crédito: Rizemberg Felipe

O secretário de Comunicação do Estado, Luís Tôrres, disse nesta quinta-feira (14) que o governo da Paraíba “reafirma a lisura e a legalidade em todos os atos administrativos” da gestão. A declaração foi dada em resposta às acusações do Ministério Público da Paraíba (MPPB) sobre indícios de irregularidades em contratos da Cruz Vermelha Brasileira filial Rio Grande do Sul (CVB) com hospitais públicos paraibanos. O órgão desencadeou, nesta quinta, a terceira etapa da operação Calvário, com o cumprimento de mandados de busca e apreensão contra a secretária Estadual de Administração, Livânia Farias, o marido, Elvis Farias, e mais oito outras pessoas, entre familiares da secretária e servidores públicos estaduais. Diante das acusações, Tôrres diz que o governo estará à disposição para colaborar com a Justiça, mas a prioridade tem sido entregar obras à população.

“O Governo tem a obrigação institucional de continuar trabalhando pela Paraíba, fazendo o Estado andar para a frente. Esta é a nossa pauta. E é o que o Governo está fazendo”, disse Tôrres. Ele cita como exemplo deste trabalho a ida de João Azevêdo (PSB) para Brasília, nesta semana, para a assinatura de empréstimo do Estado com o Banco Mundial. A iniciativa vai permitir a injeção de 50 milhões de dólares (R$ 192 milhões) no Projeto Cooperar até 2024. “Agora mesmo estamos em São Luís, no Maranhão, no Encontro dos Governadores do Nordeste discutindo medidas emergenciais para combater o déficit previdenciário dos Estados”, ressaltou.

Ministério Público de Contas quer que Estado inclua organizações sociais na lista de gastos com pessoal

Pedido de emissão de alerta ao governo do Estado foi encaminhado ao conselheiro André Carlo Torres

Pedido formulado pelo Ministério Público de Contas deve ser analisado pelo Pleno do TCE. Foto: Reprodução

O Ministério Público de Contas (MPC) entrou com uma representação no Tribunal de Contas do Estado (TCE) com questionamento sobre a não inclusão das Organizações Sociais na lista de gastos com pessoal declarada pelo governo da Paraíba. O órgão cobra que a corte de contas emita um alerta direcionado ao governador João Azevêdo (PSB). A alegação feita pelo subprocurador-geral Bradson Tibério Luna e pelo procurador-geral Luciano Andrade Farias é a de que estaria havendo burla à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Por ela, há a exigência de o governo do Estado não ultrapaasse com o pagamento de pessoal mais que 49% da Receita Corrente Líquida (RCL).

A solicitação de alerta foi encaminhada ao conselheiro André Carlo Torres, responsável pelo acompanhamento da gestão. O  MPC quer que o alerta seja encaminhado a João Azevêdo “a fim de que se abstenha de excluir os gastos com a força de trabalho das organizações do Terceiro Setor11 – relacionados a empregados/contratados que exercem atividades finalísticas ou atividades permanentes ordinárias – do âmbito das despesas com pessoal, para fins de cálculo dos limites previstos na LRF, sob pena
de responsabilização no âmbito desta Corte de Contas”. Há ainda o pedido para que a recomendação seja encaminhada à Procuradoria-Geral da República e à Procuradoria-Geral de Justiça da Paraíba, “com vistas à adoção das medidas cabíveis para fins de controle  concentrado de constitucionalidade”.

Ouvido pelo blog, André Carlo Torres disse que ainda não foi notificado da representação protocolada pelo Ministério Público de Contas. Ele alega que quando isso ocorrer, vai encaminhar o pedido para análise da auditoria e requisitar a defesa do Estado. Depois disso, fará análise da defesa e solicitará parecer do próprio Ministério Público de Contas. A decisão final sobre o alerta caberá ao Pleno do Tribunal de Contas do Estado. Atualmente, o Estado compromete 61,6% do que arrecada com o pagamento de pessoal. O limite permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal é de 60%. Em relação ao Executivo, o gasto não pode ultrapassar a cada dos 49%. As organizações sociais, na Paraíba, atuam nos setores da educação e da saúde desde a gestão do hoje ex-governador Ricardo Coutinho (PSB).

Galdino exonera todos servidores comissionados da Assembleia

Ato assinado pelo presidente da Casa tem efeitos retroativos ao 1° de fevereiro

Adriano Galdino diz que os critérios para o preenchimento dos cargos ainda estão sendo discutidos. Foto: Divulgação/ALPB

O presidente da Assembléia Legislativa, Adriano Galdino (PSB), determinou a exoneração de todos os servidores comissionados da Casa. O ato foi publicado no Diário do Poder Legislativo (DPL) desta segunda-feira (4), com efeito retroativo ao dia 1° deste mês. A medida retira do cargo os profissionais nomeados pelo antecessor, Gervásio Maia (PSB). O parlamentar não divulgou, ainda, quantos servidores terão que deixar o cargo. A Assembleia, historicamente, não divulga corretamente os dados referentes às contratações, como o exigido de todos os órgãos públicos.

Em conversa com o blog, Galdino disse que a transparência será uma prioridade do seu governo. Ele promete, a partir de agora, dar transparência a todas as contratações e gastos do Legislativo. “Essa vai ser uma das minhas prioridades”, ressaltou o parlamentar, que foi eleito para comandar o Poder nos dois biênios. A publicação desta terça traz ainda a devolução dos servidores de outros órgãos que prestam serviço na Assembleia Legislativa.

Em relação aos cargos em aberto, bem como o número de exonerados, Galdino diz que os dados ainda estão sendo analisados.

Reprodução

João deixa definição dos secretários de Segurança e Cultura para a última semana

Ao menos cinco secretarias importantes ainda não tiveram definidos os mandatários das respectivas pastas

João Azevêdo pretende definir todos os ocupantes de secretarias antes de dar posse à equipe. Foto: Divulgação

O governador eleito João Azevêdo (PSB) deixou para a última semana o complemento da equipe de secretários. Para o grupo que assumirá com ele, em 1° de janeiro de 2019, falta a definição dos representantes da Segurança e Desenvolvimento Social, Desenvolvimento Humano, Esporte e Lazer, Articulação Municipal e Cultura. A primeira chamada, com os nomes dos representantes, foi anunciada em uma live nas redes sociais ainda no dia 7 de dezembro. De lá para cá, houve pouco avanço na definição dos outros nomes. O senso comum é o de que os secretários atuais das pastas vagas dificilmente permanecerão no cargo. O próprio Azevêdo disse em entrevistas anteriores que algumas peças serão mudadas, por decisão própria deles ou questão estratégica.

O atual secretário de Segurança, Cláudio Lima, é uma das peças consideradas uma incógnitas. Apesar de bem conceituado durante a gestão do governador Ricardo Coutinho (PSB), padrinho político de João, não foram poucas as vezes que ele entregou o cargo. Teve que ser convencido a ficar. Em público, o governador eleito não dá pistas sobre o futuro da pasta. Sobram, no entanto, especulações sobre nomes. O caso da Cultura não é muito diferente. Lau Siqueira é lembrado como uma referência no setor, mas tem sinalizado para a grande possibilidade de deixar a pasta. Recentemente ganhou repercussão nas redes sociais desabafo atribuído a ele sobre as dificuldades vividas por quem ocupa o posto. Na postagem, o secretário diz que fica no cargo apenas até o dia 31 deste mês.

Não há informações oficiais também sobre os nomes que vão ocupar as pastas de Desenvolvimento Humano, Esporte e Lazer, Articulação Municipal. Os titulares na atual gestão são Gilvaneide Nunes, José Marco e Rubens Germano, respectivamente. A partir desta segunda-feira (24), com a ampulheta virada, restarão poucos dias para que tudo esteva definido. Nesta semana também, a Assembleia Legislativa vota a Lei Orçamentária Anual (LOA) que será administrada por João Azevêdo, junto com matérias de interesse do Executivo. Não causará surpresa se algum dos deputados não eleitos passe a figurar na lista dos secretários escolhidos pelo governador eleito e diplomado. Seja quem for, eles serão confirmados ainda nesta semana.

Veja a lista dos espaços já definidos

Administração Direta

Procuradoria-Geral do Estado – Gilberto Carneiro

Procurador adjunto – Paulo Márcio

Controladoria Geral do Estado – Gilmar Martins

Secretaria de Comunicação Institucional – Luís Tôrres

Secretaria Executiva da Comunicação Institucional – Sebastião Lucena

Secretaria da Administração – Livânia Farias

Secretaria das Finanças – Amanda Rodrigues

Secretaria do Planejamento – Waldson Sousa

Secretaria Executiva do Planejamento – Fábio Maia

Secretário Chefe de Governo – Nonato Bandeira

Chefe de Gabinete – Ronaldo Guerra

Secretaria da Receita – Marialvo Laureano

Secretaria Executiva da Receita – Bruno Frade

Secretaria da Infraestrutura, Recursos Hídricos e Meio Ambiente – Deusdete Queiroga

Secretaria Executiva da Infraestrutura, Recursos Hídricos e Meio Ambiente
Virgiane Melo

Secretaria do Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca – Efraim Morais

Secretaria da Agricultura Familiar e Desenvolvimento do Semiárido- Luiz Couto

Secretaria do Desenvolvimento Econômico – Gustavo Feliciano

Secretaria Executiva do Turismo – Ivan Burity

Secretaria da Educação – Aléssio Trindade

Secretaria Executiva da Ciência e Tecnologia – Cláudio Furtado

Secretaria Executiva de Administração de Suprimentos e Logística da Educação– Artur Viana

Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana – Gilberta Soares

Secretaria da Administração Penitenciária – Tenente Coronel Sérgio Fônseca

Casa Militar – Tenente Coronel Anderson

Casa Civil – Iris Rodrigues

Secretaria da Saúde – Cláudia Veras

Secreataria Executiva da Saúde – Renata Nóbrega

Secretaria Executiva de Gestão Hospitalar – Geraldo Medeiros

Órgãos da Administração Indireta

DER (Departamento de Estradas e Rodagem) – Carlos Pereira

Suplan – Simone Guimarâes

PBGás- Tatiana Domiciano

PBPrev – Yuri Nogueira

Na diplomação, João elogia Ricardo e diz que a Paraíba “não vai retroceder”

Governador eleito diz que, em 2010, a Paraíba votou na esperança. “Hoje estou aqui para falar de uma nova Paraíba”

João Azevêdo recebeu o diploma e discursou para os eleitos em solenidade. Foto: Reprodução/YouTube/TRE-PB

O governador eleito João Azevêdo (PSB) lançou mão de um discurso com tom poético durante a cerimônia de posse dos eleitos, nesta terça-feira (18). A solenidade ocorreu no Teatro Pedra do Reino, em João Pessoa. A obra foi uma das entregues pelo padrinho político, o governador Ricardo Coutinho (PSB). Durante a fala, o socialista lembrou da trajetória de professor, que trilhou em grande parte da vida. Daí, falou da tarefa dos mestres paraibanos que conduziram aos postos atuais os detentores de cargos públicos. “Hoje nos formamos”, disse, exibindo o diploma recebido para a platéia, numa referência todos os políticos diplomados nesta terça, entre aliados e adversários.

O discurso, em muitos momentos, reforçou elogios ao legado de Coutinho e críticas aos adversários, mas estes sem citar nomes no caso destes últimos. “Setores atrasados (da política) insistem em tumultuar. Aqui a liberdade é plena, patrimônio inalienável”, enfatizou. João Azevêdo falou sobre conquistas do governo, sempre enfatizando que elas já deveriam existir no passado. Neste rol, falou do ensino integral nas escolas públicas e do programa que permite que estudantes paraibanos façam intercâmbio. “Em 2010, a Paraíba votou na esperança. Hoje estou aqui para falar de uma nova Paraíba”, disse, reforçando o discurso de gratidão ao atual governador. Em clara alusão aos adversários, disse que o Estado não vai retroceder.

O governador diplomado, João Azevêdo, acompanhou Ricardo Coutinho desde a gestão na Prefeitura de João Pessoa. No atual governo, ocupou vários cargos, sempre com destaque dentro da equipe. Em 2016, chegou a ter o nome cogitado para disputar a prefeitura da capital. O momento de crise econômica, no entanto, segundo justificativa dos governistas, fez com que o governador tirasse ele da disputa pelo pleito. Com isso, voltou para a Secretaria de Infraestrutura, Recursos Hídricos, Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia. No pleito deste ano, foi lançado como candidato pouco conhecido. Aos poucos, foi ganhando espaço e venceu as eleições ainda no primeiro turno.

João não define nomes para Segurança, Cultura, Esporte e Desenvolvimento Humano

Governador usou as redes sociais para tornar pública a lista com a maioria dos novos secretários

João Azevêdo anunciou a primeira relação dos auxiliares que estarão no governo a partir de janeiro. Foto: José Marques

O anúncio do governador eleito João Azevêdo (PSB), dos novos secretários, deixou de fora os nomes para pastas importantes. O destaque fica por conta da Secretaria de Segurança e Desenvolvimento Social, ocupada atualmente por Cláudio Lima. O gestor, apesar do bom retrospecto à frente da pasta, deu vários sinais de que não quer permanecer no cargo. Há espaços vazios também nas secretarias de  Desenvolvimento Humano, Esporte e Lazer,  Articulação Municipal e Cultura. Ocupam as pastas, atualmente, Gilvaneide Nunes, José Marco, Rubens Germano e Lau Siqueira, respectivamente.

João Azevêdo, durante pronunciamento, prometeu apresentar os outros nomes até o fim do ano. “Todo esse trabalho que vem sendo feito tem o objetivo de buscar manter a unidade de um time que jogou muito bem e, sob o comando do governador Ricardo Coutinho, deu os resultados que a Paraíba esperava e reconheceu nas eleições a força do trabalho. Dar continuidade a esse trabalho é uma missão de um conjunto de pessoas que se envolveu nesse projeto”, destacou. Ao todo, cinco novos nomes apareceram na relação, em substituição a outros que ocupam os cargos atualmente.

O destaque fica por conta do novo titular da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento do Semiárido (SEAFDS). Para a vaga, entra Luiz Couto no lugar de Lenildo Morais. Ambos são do PT. Para a Casa Civil, entra Íris Rodrigues e sai Paula Laís de Oliveira Santana. Na Secretaria de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca entra Efraim Moraes no lugar de Rômulo Araújo Montenegro. Para a Secretaria de Estado da Receita, volta Marialvo Laureano, em substituição de Marconi Marcos Frazão. Outra mudança vai ocorrer na Secretaria de Turismo e Desenvolvimento Econômico, com Gusvavo Feliciano substituindo Lindolfo Pires.

Confira a relação dos auxiliares:

Administração Direta

Procuradoria-Geral do Estado – Gilberto Carneiro

Procurador adjunto – Paulo Márcio

Controladoria Geral do Estado – Gilmar Martins

Secretaria de Comunicação Institucional – Luís Tôrres

Secretaria Executiva da Comunicação Institucional – Sebastião Lucena

Secretaria da Administração – Livânia Farias

Secretaria das Finanças – Amanda Rodrigues

Secretaria do Planejamento – Waldson Sousa

Secretaria Executiva do Planejamento – Fábio Maia

Secretário Chefe de Governo – Nonato Bandeira

Chefe de Gabinete – Ronaldo Guerra

Secretaria da Receita – Marialvo Laureano

Secretaria Executiva da Receita – Bruno Frade

Secretaria da Infraestrutura, Recursos Hídricos e Meio Ambiente – Deusdete Queiroga

Secretaria Executiva da Infraestrutura, Recursos Hídricos e Meio Ambiente
Virgiane Melo

Secretaria do Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca – Efraim Morais

Secretaria da Agricultura Familiar e Desenvolvimento do Semiárido- Luiz Couto

Secretaria do Desenvolvimento Econômico – Gustavo Feliciano

Secretaria Executiva do Turismo – Ivan Burity

Secretaria da Educação – Aléssio Trindade

Secretaria Executiva da Ciência e Tecnologia – Cláudio Furtado

Secretaria Executiva de Administração de Suprimentos e Logística da Educação– Artur Viana

Secretaria da Mulher e da Diversidade Humana – Gilberta Soares

Secretaria da Administração Penitenciária – Tenente Coronel Sérgio Fônseca

Casa Militar – Tenente Coronel Anderson

Casa Civil – Iris Rodrigues

Secretaria da Saúde – Cláudia Veras

Secreataria Executiva da Saúde – Renata Nóbrega

Secretaria Executiva de Gestão Hospitalar – Geraldo Medeiros

Órgãos da Administração Indireta

DER (Departamento de Estradas e Rodagem) – Carlos Pereira

Suplan – Simone Guimarâes

PBGás- Tatiana Domiciano

PBPrev – Yuri Nogueira

Lígia Feliciano assume o governo após viagem de Ricardo Coutinho

Comando do Estado será repassado ainda para o presidente da Assembleia Legislativa na proxima terça-feira

Lígia Feliciano assumiu o comando do governo por motivo de viagem de Ricardo Coutinho. Foto: Júnior Fernandes

O governador Ricardo Coutinho (PSB) vai prestigiar dois dos seus principais aliados neste fim de ano. A primeira é a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT). Ela assumiu o comando do governo do estado nesta sexta=feira (23). Na sequência, na próxima terça-feira (27), o cargo será transmitido para o presidente da Assembleia Legislativa, Gervásio Maia (PSB). Os dois vão se revezar no comando do Executivo Estadual até a quinta-feira (29), quando o socialista retorna ao cargo. Eles vão atuar no comando do Estado durante viagem do titular do cargo. O motivo da viagem e o destino não foram revelados, até o momento, pela assessoria do governador paraibano.

Depois de vários meses de desentendimentos, a vice-governadora se reaproximou de Ricardo em abril. Ela ensaiou movimento de candidatura própria neste ano, mas acabou recuando da decisão após o governador decidir permanecer no cargo. Com isso, ela se lançou como candidata a vice do governador eleito João Azevêdo (PSB).

Ricardo define seis nomes para a comissão de transição do governo

Equipe será comandada por Gilmar Martins e é formada por núcleo duro do governo socialista

João Azevêdo rabalhará com a equipe de transição para o novo governo. Foto: Júlia Karoline/CBN

O governador Ricardo Coutinho (PSB) definiu os cinco nomes que vão compor a comissão de transição do governo. A equipe será coordenada pelo secretário-chefe da Controladoria Geral do Estado, Gilmar Martins. Os outros nomes que integram o grupo fazem parte do núcleo duro do governo socialista. Todos trabalharam de perto com o governador eleito João Azevêdo (PSB), com quem mantém boa relação. A lista inclui o procurador-geral do Estado, Gilberto Carneiro e os secretários Livânia Farias (Administração), Amanda Rodrigues (Finanças), Deusdete Queiroga (Infraestrutura, Recursos Hídricos, Meio Ambiente e Ciência e Tecnologia) e Waldson de Souza (Planejamento, Orçamento e Gestão.

Durante entrevista à CBN Paraíba, no mês passado, Azevêdo explicou que serão levantados todos os dados da atual gestão. “Vamos coletar todas as informações dos programas em andamento e, depois disso, ver o que deve continuar e o que merecerá correção”, explicou. O futuro governador evita informações precisas sobre as mudanças que serão feitas no secretariado.

João Azevêdo explicou que a nova gestão e o perfil do secretariado será o dele. O socialista foi apoiado pelo governador Ricardo Coutinho na disputa. Apesar disso, tem o entendimento de que o mentor político dele não poderá compor a gestão. “Ele será um grande conselheiro”, pontua. Havia entre os aliados do atual governador a expectativa de que Coutinho se tornasse um super-secretário do governo. A pretensão foi exposta por um dos principais aliados, o deputado estadual Adriano Galdino (PSB). O próprio governador Ricardo Coutinho negou esta possibilidade. O mesmo entendimento foi externado por João.

Na entrevista, Azevêdo prometeu governar para todos os paraibanos. Ele disse que convocaria todos os deputados estaduais e federais, além dos senadores, para reuniões voltadas para a defesa dos interesses do Estado. Dentro deste contexto, serão incluídos os oposicionistas. Questionado sobre convites a prefeitos adversários, como Luciano Cartaxo (PV), de João Pessoa, e Romero Rodrigues (PSDB), de Campina Grande, ele disse que estará disponível para receber a todos. “Quem entrar em contato solicitando audiência, será recebido por mim”, ressaltou.