Ludgério se lança para disputa da prefeitura de Campina Grande

Deputado diz que se houver reciprocidade, ele terá o apoio dos tucanos para a disputa

Manoel Ludgério faz planos para disputar a prefeitura de Campina Grande. Foto: Roberto Guedes

Nem bem terminou o primeiro turno das eleições na Paraíba e já tem deputado fazendo planos para disputar a prefeitura de Campina Grande, em 2020. O nome de Manoel Ludgério (PSD) foi colocado na mesa como opção para o pleito por ele mesmo. O parlamentar, inclusive, vai buscar o apoio dos tucanos para a disputa. Ele alega que se houver reciprocidade, esta é a hora de ele ser o apoiado para a disputa. O pessedista diz que foi eleito vereador da cidade três vezes, deputado estadual duas vezes e agora entende que é a hora da disputa municipal.

“Todos da minha geração, que iniciaram a vida política, a vida pública no final da década de 1980 e permanecem até os dias atuais, apenas Manoel Ludgério não teve a iniciativa do grupo político do qual faz parte, de ter o nome lembrado para uma disputa majoritária em Campina Grande. Félix Araújo foi prefeito, fui líder do governo de Félix; Cássio (Cunha Lima) foi prefeito três vezes e fui líder de governo e presidente de Câmara; Rômulo (Gouveia) tentou duas vezes e infelizmente não foi eleito; Romero (Rodrigues) é prefeito duas vezes. Então, eu entendo que chegou a nossa hora”, ressaltou.

O parlamentar não aceita o argumento de que essa é a vez de Cássio disputar o governo, já que ele não conseguiu se reeleger. “As pessoas perguntam: e se não houver essa reciprocidade? Vamos construir dentro do nosso campo político o caminho”, ressaltou, acrescentando que o PSDB tem muitos jovens valores, mas alega que eles terão muito tempo para galgar espaços. Sobre a possibilidade de o senador decidir disputar a prefeitura, ele alega que Cássio é do PSDB e ele do PSD. “Se entender que vai bater chapa, vamos bater chapa”, ressaltou.

Primeiro suplente de Veneziano renuncia e Ney Suassuna é inserido na chapa

Ex-senador paraibano está fora da política desde janeiro de 2007, quando o mandato dele no Senado se encerrou

O ex-senador Ney Suassuna foi escalado de última hora para substituir suplente de Veneziano Vital. Foto: Divulgação

O ex-senador Ney Suassuna (PRB) está de volta à política depois de 11 anos. Ele foi escolhido para substituir João Teodoro (DEM) na vaga de primeiro suplente do deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PSB), na disputa por uma vaga no Senado. A substituição foi protocolada no início da noite desta segunda-feira (17), prazo final para a troca de candidatos. O novo suplente do socialista havia tentado, em outras oportunidades, voltar à vida pública, mas se sucesso. Em várias oportunidades ele colocou o nome para a disputa, sempre para o Senado, mas acabava desistindo posteriormente.

Ney foi eleito senador em 1998, na chapa encabeçada pelo então governador José Maranhão (MDB), que, na época, disputava a reeleição. Antes disso, no entanto, ele já ocupava uma cadeira na Casa Alta. Ele foi eleito em 1990 como primeiro suplente de Antônio Mariz. Em 1994, acabou herdando a vaga com a renúncia do titular para assumir o governo do Estado. Mariz faleceu poucos meses depois de tomar posse, deixando o cargo para o vice-governador, José Maranhão. Durante o período que esteve no Senado, ele ocupou vaga de ministro da Integração Nacional, no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Após o rompimento de Ricardo com Maranhão, em 2010, ele ficou do lado do socialista. Desde então, está na base de apoio, mas não disputava cargos eletivos.

Ao blog, Veneziano explicou que a desistência de Teodoro foi comunicada pelo DEM. O postulante alegou questões pessoais para a saída do pleito. “Diante do quadro, a opção por Ney Suassuna foi um caminho natural. Lá atrás, o PRB já havia colocado o nome dele para a disputa. Só que o DEM, que pleiteava a vaga de vice na chapa, pediu preferência. Com a desistência de Teodoro, (o deputado federal) Hugo Motta (PRB) consultou Ney Suassuna sobre a possibilidade de ele disputar. Ney topou e foi escolhido”, ressaltou.

Manoel Júnior rompe com Cartaxo e anuncia apoio a Zé Maranhão

Vice-prefeito tem alegado a pessoas próximas quebra de compromisso do prefeito Luciano Cartaxo

Luciano Cartaxo acompanha obras em Mangabeira ao lado do vice, Manoel Júnior. Foto: Alessandro Potter SECOM-JP

O vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior (PSC), anuncia nesta quarta-feira (5) o rompimento com o prefeito Luciano Cartaxo (PV). Ele vai apoiar candidato do MDB ao governo, José Maranhão, na disputa deste ano. O comunicado vai acontecer durante entrevista coletiva, às 10h, na Associação Paraibana de Imprensa (API), em João Pessoa. Júnior tem alegado a pessoas próximas quebra de compromisso do gestor pessoense com o projeto dele, de disputa de vaga na Câmara dos Deputados. Ele decidiu disputar o cargo após ver frustrado o desejo de assumir a prefeitura de João Pessoa, já que Cartaxo desistiu da disputa do governo.

O movimento de Manoel Júnior em direção a José Maranhão não é recente. Durante a pré-campanha, quando o PSC demonstrava indecisão sobre com quem ficar, ele colocou o nome à disposição para a disputa de uma vaga no Senado na chapa do emedebista. O partido, no entanto, fechou a coligação com o PV de Lucélio Cartaxo, que disputa a eleição para o governo. O descontentamento do vice-prefeito começou dentro do próprio partido. Com as portas fechadas para a disputa do Senado, foi colocado internamente em segundo plano na disputa da vaga na Câmara dos Deputados. A prioridade do partido é a eleição de Leonardo Gadelha.

O vice teve uma reunião nesta terça-feira (4) com o prefeito Luciano Cartaxo. A pessoas próximas narrou a insatisfação com a suposta falta de apoio que estaria amargando. Por conta disso, decidiu romper e apoiar o candidato do MDB. A relação de Manoel Júnior com José Maranhão, vale ressaltar, é feita de altos e baixos. Os dois eram muito próximos na sigla emedebista, mas se distanciaram em 2014. De lá para cá, se alinharam em 2016 e se afastaram em seguida, neste ano, quando Maranhão insistiu na candidatura ao governo. Mesmo assim, tentou a reaproximação para disputar o Senado. Agora, ele entra na base de apoio.

 

Pesquisa Ibope para o governo: José Maranhão lidera rejeição entre os candidatos com 41%

Senador é seguido entre os mais rejeitados por Rama Dantas, com 33%, e Lucélio e Tárcio, com 30%

O senador José Maranhão (MDB) é o mais rejeitado entre os candidatos ao governo da Paraíba, segundo o apurado na primeira pesquisa Ibope realizada após a confirmação dos nomes para a disputa. Ele aparece na sondagem com 41% das respostas dos eleitores à pergunta sobre em que candidato eles não votaria de jeito nenhum. Ele é seguido por Rama Dantas (PSTU), com 33%. Empatados tecnicamente, considerada a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, aparecem Lucélio Cartaxo (PV) e Tárcio Teixeira, com 30%, e João Azevêdo (PSB), com 28%. Disseram que poderiam votar em qualquer um deles 2% dos eleitores consultados e 16% não sabem ou preferiram não opinar.

O levantamento foi realizado entre dos dias 21 e 23 de agosto, pelo IBOPE Inteligência a pedido da TV Cabo Branco. Ao todo, 812 votantes foram entrevistados pelo instituto. A margem de erro estimada é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra. O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral. A consulta foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba sob o protocolo Nº PB-08079/2018 e no Tribunal Superior Eleitoral sob o protocolo Nº BR-02889/2018.

Liderança

Apesar da alta rejeição, a pesquisa estimulada mostrou o senador José Maranhão (MDB) à frente dos outros candidatos na disputa pelo governo da Paraíba. Ele aparece com 31% das intenções de voto na primeira consulta. A pesquisa aponta, na sequência, os candidatos Lucélio Cartaxo (PV) e João Azevêdo (PSB) empatados tecnicamente com 18% e 17% das menções, respectivamente, considerando a margem de erro da pesquisa, que é de 3 pontos percentuais. Tárcio Teixeira, do PSOL, é citado por 3% do eleitorado paraibano, enquanto Rama Dantas, do PSTU, teve seu nome apresentado no disco de estímulo, mas não alcança 1% das menções.

Menções aos candidatos

A proporção de menções a Zé Maranhão é maior entre os eleitores que cursaram até a 4ª série do ensino Fundamental (37%) e entre os mais jovens, de 16 a 24 anos (35%). Além disso, quanto menor a renda familiar do eleitor, maior as citações ao emedebista (chega a 35% na faixa de até 1 salário mínimo – SM, contra 22% na faixa acima de 2 SM). O candidato tem mais intenções de voto nos Demais Municípios do estado (33%), se comparado à Capital (23%).

Já as intenções de voto em Cartaxo são mais expressivas na Capital (29%), entre eleitores na faixa de renda familiar acima de 2 SM (23%) e entre os Evangélicos (23%).
• João é mais citado entre eleitores com escolaridade Superior (27%) e entre os que tem 25 a 34 anos de idade (22%). Além disso, quanto maior a renda do respondente, mais menções o candidato do PSB recebe – vai de 11% entre quem tem renda familiar até 1 SM e chega a 26% na faixa acima de 2 SM. Neste momento, o desempenho do candidato também é melhor na Capital do estado (23%).

Os demais candidatos são citados de forma homogênea nos segmentos analisados.

 

 

 

Daniella Ribeiro anuncia Diego Tavares e Nailde Panta para suplentes

Deputada estadual vai disputar a vaga de senadora na chapa encabeçada por Lucélio Cartaxo

Diego Tavares foi escolhido por Daniella Ribeiro para a disputa da primeira suplência no Senado. Foto: Divulgação/PP

A deputada estadual Daniella Ribeiro (PP) revelou nesta segunda-feira (6) os nomes dos suplentes na chapa para a disputa do Senado. O primeiro suplente será Diego Tavares, um empresário de João Pessoa ligado ao prefeito Luciano Cartaxo (PV). Ele ocupou vários cargos na gestão municipal e vinha coordenando a campanha de Lucélio Cartaxo (PV) para a disputa do governo do Estado. A segunda suplência ficará com a pedagoga Nailde Panta (PP). Ela já disputou cargo de vereadora em João Pessoa e tem militância em Santa Rita. Daniella justificou a escolha com o argumento de que os nomes agregam representatividade à chapa na Região Metropolitana. “São nomes que vêm para somar com o nosso projeto”.

 

Lígia Feliciano retira candidatura e será vice na chapa de João Azevêdo

Pedetista era cortejada por lideranças da oposição e trabalhava para ser a candidata governista em faixa própria

João Azevêdo oficializou o nome de Lígia Feliciano na chapa após reunião na noite desta sexta-feira. Foto: Divulgação/PSB

Deu o esperado. A vice-governadora Lígia Feliciano (PDT) retirou a postulação ao Palácio da Redenção e será a candidata a vice na chapa do pré-candidato do PSB ao Governo da Paraíba, João Azevêdo. O anúncio foi feito, na noite desta sexta-feira (3). A pedetista será apresentada, oficialmente, neste sábado (3), durante a convenção estadual da legenda socialista, que homologará ainda as candidaturas dos deputados federais Veneziano Vital do Rêgo (PSB) e Luiz Couto ao Senado Federal. Lígia tentava construir uma candidatura ao governo em faixa própria, se inserindo como candidata de continuidade do governo de Ricardo Coutinho (PSB). Ela, no entanto, não conseguiu viabilizar a proposta.

A definição do nome de Lígia como vice de João aconteceu durante reunião que contou, ainda, com a participação do governador Ricardo Coutinho, do deputado federal Damião Feliciano (PDT) e do presidente estadual do PSB na Paraíba, Edvaldo Rosas. Além de anunciar Lígia como sua vice, João Azevêdo revelou que a pedetista coordenará a campanha da chapa na cidade de Campina Grande. “Vamos contar com o trabalho e dedicação de Lígia na nossa chapa e na coordenação da campanha em Campina Grande, cidade em que ele tem inúmeros serviços prestados”, disse. No dia anterior, o governador Ricardo Coutinho tinha se referido a Lígia e ao PDT como aliados, lembrando que nunca ouviu críticas dela ou de Damião ao governo.

Luiz Couto (E) e Veneziano Vital do Rêgo (D) foram escolhidos anteriormente para ocupar as vagas para a disputa do Senado. Foto: Divlgação/PSB

Sucesso

João Azevêdo destacou que, ao longo dos últimos quatros em que esteve exercendo o cargo de vice-governadora, Lígia Feliciano contribuiu de forma decisiva para o sucesso da gestão do governador Ricardo Coutinho. “Não tenho a menor dúvida do sucesso da nossa chapa. A Paraíba vai optar por dar continuidade ao projeto que tem mudado, para melhor, a face deste Estado; agora com João, Lígia, Veneziano e Luiz Couto”, enfatizou. Já a vice-governadora Lígia Feliciano destacou a parceria firmada com o governador Ricardo Coutinho, em 2014. “Agora com João, vamos dar sequência a esse trabalho reconhecidamente aprovado pela população paraibana”, pontou.

Convenção

O Partido Socialista Brasileiro realiza, neste sábado (4), a convenção estadual para homologar o nome de João Azevêdo como candidato a governador da Paraíba nestas eleições. Além dele, o partido apresentará a chapa majoritária socialista e referendar os deputados federais Veneziano Vital do Rêgo (PSB) e Luiz Couto (PT) como candidatos ao Senado na composição girassol.

O evento, que acontece a partir das 14h, na casa de shows Forrock, contará com a participação do presidente de honra do PSB, Ricardo Coutinho, e de caravanas dos 223 municípios paraibanos, que querem a continuidade da gestão que revolucionou a forma de se fazer política no Estado.

De acordo com o presidente do PSB, Edvaldo Rosas, a legenda e os partidos aliados estão trabalhando para realizar um grande ato político em prol das pré-candidaturas majoritárias e dos postulantes a mandatos na Assembleia Legislativa da Paraíba e Câmara dos Deputados.

“Estamos ultimando os detalhes da nossa convenção, já que é um evento que está sendo organizado a várias mãos. A cada minuto, recebemos confirmações da vinda de caravanas de todas as partes do Estado”, destacou Edvaldo Rosas.

Com informações de Josusmar Barbosa, do jornaldaparaiba.com.br

Carlos Batinga recebe apoio da prefeita de Monteiro para as eleições

Anna Lorena troca grupo liderando por João Henrique pelo comandado por Batinga

Batinga recebeu apoio em encontro que contou com a participação de João Azevêdo e Ricardo Coutinho. Foto: Divulgação

Após anunciar apoio à candidatura de João Azevedo (PSB) ao governo da Paraíba, a prefeita de Monteiro, Anna Lorena, anunciou o apoio do seu grupo político à pré-candidatura de Carlos Batinga (PTB) a deputado estadual. O apoio foi confirmado nesta semana, após reunião com os vereadores de sua base aliada na Câmara de Vereadores e com o vice-prefeito Celecileno Alves. A gestora era aliada do deputado João Henrique (PSDB), mas rompeu com o antigo grupo.

Segundo Anna Lorena, a opção pelo nome de Carlos Batinga representa um projeto em defesa dos interesses administrativos de Monteiro. “Batinga foi prefeito por dois mandatos no nosso município, foi deputado estadual e ocupou funções relevantes no Estado. Tenho certeza que juntos poderemos trabalhar ainda mais por Monteiro, pois esse tem sido o nosso principal foco”, disse Anna Lorena.

Anna Lorena disse ainda, que a decisão de apoiar a pré-candidatura de Carlos Batinga a deputado estadual aconteceu após vários dias de consultas aos seus amigos e ao seu grupo político. “O apoio a pré-candidatura de Carlos Batinga parte da necessidade de Monteiro fortalecer sua representatividade na Assembleia Legislativa e o nome dele une o nosso município com o propósito da paz e do bem de nossa população”, disse a prefeita Lorena.

O pré-candidato Carlos Batinga disse que se sente muito feliz e que a partir dessa união Monteiro passará a viver um novo momento, de diálogo, respeito e muito trabalho. “Estou muito feliz e essa parceria é muito importante para Monteiro, pois a partir de agora Monteiro viverá um novo tempo, com diálogo, respeito e união, e nossos conterrâneos só tem a ganhar! Fico grato por tamanha confiança e feliz por poder contar com essas parcerias”, disse Carlos Batinga.

 

Frei Anastácio é aposta do PT para herdar espólio de Luiz Couto

Nome foi escolhido durante reunião com dirigentes e bancada do partido na Assembleia Legislativa

Frei Anastácio não disputará mais o mandato de deputado estadual. Foto: Roberto Guedes/ALPB

O deputado estadual Frei Anastácio é a aposta do Partido dos Trabalhadores para a disputa na Câmara dos Deputados. A esperança da sigla é que ele consiga herdar o espólio eleitoral de Luiz Couto. O petista vai disputar a vaga de senador na chapa encabeçada por João Azevêdo (PSB) nas eleições deste ano. Ele recebeu mais de 65 mil votos no pleito passado. O entendimento é o de que assim como Couto, que é padre, o frei tenderá a capitalizar votos do eleitor católico. Anastácio também já cumpriu cinco mandatos de deputado federal.

O frei vai para a disputa, mas não sozinho. O vereador Marcos Henriques, de João Pessoa, também colocou o nome à disposição. O ex-presidente do PT, Charliton Machado, é outro que brigará pelo espólio de Luiz Couto. Todos vão tentar herdar também os votos que poderão vir dos eleitores do ex-presidente Lula. O petista é o primeiro colocado nas pesquisas de opinião pública nos estados nordestinos. Mesmo assim, terá dificuldades para manter a candidatura, por conta da condenação em segunda instância. Lula tende a ser alcançado pela Lei Ficha Limpa.

Luiz Couto foi guindado à condição de candidato ao Senado nesta semana após várias idas e vindas. No primeiro momento, o nome foi colocado, mas não houve avanços. Ele chegou, depois disso, a rejeitar vários pedidos para integrar a chapa. O tema voltou à pauta na semana passada depois de uma reunião do governador Ricardo Coutinho (PSB) com o coordenador da campanha nacional de Lula, Sérgio Gabrielli. A chapa governista será encabeçada por João Azevêdo e terá como candidatos ao Senado Luiz Couto e Veneziano Vital do Rêgo (PSB).

Petistas tiram pecha de golpista de Veneziano e pedem voto para socialista

Votações contra reformas e pró-investigação de Michel Temer contribuíram para fundamentar reaproximação

Veneziano e João Azevedo devem contar com a participação de Luiz Couto na majoritária. Foto: Divulgação

Nada como um dia atrás do outro, diriam os aliados do deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PSB). O parlamentar passou de golpista, ao olhos dos petistas, a companheiro e digno de voto. A moderação do discurso vem se moldando aos poucos, nos últimos dias, e ganhou impulso com a possibilidade palpável do deputado federal do PT, Luiz Couto, dividir palanque com o ex-cabeludo. Veneziano foi um dos paraibanos que votaram a favor do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016. De lá para cá, era alvo constante dos ataques da militância petista. O clima mudou, literalmente, a ponto do presidente estadual do Partido dos Trabalhadores, Jackson Macedo, pedir voto para o parlamentar.

Jackson explica os motivos. Ele lembra que Veneziano votou contra todos os projetos apresentados por Michel Temer e que tiveram oposição do PT, a exemplo das reformas trabalhista e sindical. Também votou a favor da autorização para que o Supremo Tribunal Federal (STF) investigasse o presidente no episódio em que teria negociado pagamento de propina com a JBS, dos irmãos Joesley e Wesley Batista. Outro ponto colocado como justificativa para o apoio é fortalecer a pré-candidatura de João Azevedo para a disputa do governo nas eleições deste ano. O discurso será reafirmado durante o Encontro de Tática Eleitoral do partido, marcado para acontecer nesta quinta-feira (2), em João Pessoa.

“Temos que ter a compreensão da importância de estar unificados em nome do projeto de João Azevedo e votando na chapa completa. E Veneziano tem feito movimentos e gestos de aproximação a este campo, ao campo democrático e popular. Não só nas votações no Congresso, quando pós impeachment ele sinalizou e votou contra as reformas de Temer, quando votou duas vezes nas denúncias contra o presidente Michel Temer e também na Paraíba ele faz parte de um campo político liderado pelo PSB e que o PT também faz parte. Então, para nós é fundamental que nesta semana decisiva das convenções e no nosso Encontro de Tática Eleitoral, que está marcado para a próxima quinta-feira, às 19h, no Sindicato dos Bancários, o PT apoie a candidatura de Veneziano”, disse Macedo.

Com DEM, PP e PT, chapas de João e Lucélio caminham para consolidação de nomes

Faltando menos de dez dias para o fim do prazo das convenções, composição das chapas está sendo desenhada

João Azevedo, Lígia Feliciano, Lucélio Cartaxo, Tárcio Teixeira, José Maranhão e Rama Danas são os nomes colocados para encabeçar as chapas para o governo nas eleições deste ano. Foto: Montagem

Cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, diz o dito popular. Na política é assim também. Mas algumas coisas já podem ser pontuadas em relação às chapas que vão disputar as eleições deste ano, na Paraíba. Com o caminho aberto para solucionar as pendências com DEM, PP e PT, já dá para esboçar uma composição possível para as chapas encabeçadas por João Azevedo (PSB) e Lucélio Cartaxo (PV). Os casos de José Maranhão (MDB) e Lígia Feliciano (PDT) são complexos, pela dificuldade enfrentada por eles para agregarem aliados. Maranhão definiu apenas o nome de Bruno Roberto (PR) na vice e pode ter o ex-governador Roberto Paulino (MDB) na disputa pelo Senado. Manoel Júnior (PSC) também é esperado. Já Lígia ainda não tem ninguém.

Se prosperarem as discussões internas, João poderá ter como vice na chapa o ex-senador Efraim Filho. O DEM fazia mistério sobre a coligação na Paraíba, porque dependia do aval nacional. Nesta quarta-feira (25), o partido decidiu nacionalmente liberar as alianças nos Estados. Ou seja, mesmo na base de apoio a Geraldo Alckmin, no contexto nacional, não será exigida verticalização dos aliados. Outro ponto que pode ser definido é a escolha do deputado federal Luiz Couto (PT) para a disputa do Senado. Ele impõe condições ao próprio partido para aceitar o desafio. Cobra estrutura e o batismo de candidato de Lula. A outra vaga já definida é a de Veneziano Vital do Rêgo para a disputa do Senado. Ele, vale dizer, já está em campanha há meses.

Já Lucélio Cartaxo tem as composições praticamente definidas. Tem Cássio Cunha Lima (PSDB) na disputa pela reeleição para o Senado. Tem também Micheline Rodrigues (PSDB) como nome posto para vice na chapa. A vaga restante na majoritária deve ficar com Daniela Ribeiro, do PP. As conversas avançaram bastante desde o fim da semana entre as siglas e falta pouco para o fechamento. O próprio governador Ricardo Coutinho (PSB) deu declarações nesta semana falando que o Partido Progressista está onde sempre esteve, na oposição.

No Psol, as coisas estão todas definidas desde o dia 21. O candidato ao governo será Tárcio Teixeira e a vice será Adjany Simplicio. Para o Senado, a sigla terá Nelson Júnior e Nivaldo Mangueira. Todos são do mesmo partido. A pré-candidata ao governo, Rama Dantas (PSTU), ainda não apresentou os outros nomes que vão compor a chapa para as eleições deste ano.