Cartaxo ganha um e pode perder outros sete vereadores na Câmara de João Pessoa

Proximidade das eleições eleva “invasão” sobre a base aliada do prefeito Luciano Cartaxo e pode pesar na eleição de Lucélio

Luciano Cartaxo enfrenta investidas sobre a bancada governista na Câmara de João Pessoa. Foto: Andréa Santana/CBN

A bolsa de apostas anda agitada na Câmara de João Pessoa. Com a proximidade do período eleitoral, a base aliada do prefeito Luciano Cartaxo (PV) tem sofrido ataques de todos os lados. No perde e ganha, o gestor perdeu o apoio da vereadora Raíssa Lacerda (PSD) nesta sexta-feira (15). Até aí, nenhuma novidade. Desde a posse, no ano passado, a parlamentar demonstra insatisfação com o tratamento recebido do Executivo. Nesta sexta, ao comunicar que o pai, o ex-vice-governador José Lacerda Neto apoiaria José Maranhão (MDB), a parlamentar recebeu do prefeito o ultimato de que o grupo dela não poderia ficar pendurada em duas candidaturas. Se o pai estaria com o emedebista, não faria sentido ela ficar no apoio a Lucélio Cartaxo, pré-candidato do PV e irmão de Luciano.

Raíssa deixou a base governista no mesmo momento em que o vereador Eduardo Carneiro (PRTB) anunciou o retorno à base cartaxista. Ele, por tabela, vai apoiar Lucélio Cartaxo nas eleições deste ano. Com isso, partido e parlamentar deixam a base aliada do governador Ricardo Coutinho e, consequentemente, o apoio  João Azevedo (PSB). A bolsa de apostas diz, no entanto, que o movimento de mudanças não para por aí. Há a informação de que pelo menos mais sete vereadores deverão deixar a base aliada de Cartaxo. Eles deverão marchar, por isso, com as candidaturas de João Azevedo ou José Maranhão. Caso a articulação se confirme, pelo menos dois membros da mesa diretora devem engrossar a debandada.

No sentido contrário, no entanto, há informações de que o PSC do deputado federal Marcondes Gadelha está muito próximo de fechar acordo com o PV. Com isso, assumiria a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) de João Pessoa. Já a Secretaria de Trabalho poderá ir para as mãos do PRB, do deputado federal Hugo Motta. Até o período das convenções, as articulações tendem a se intensificar.

Lucélio Cartaxo anuncia escolha de Micheline Rodrigues para candidata a vice

Nome foi referendado pelas siglas que já confirmaram apoio à pré-candidatura do verde ao governo

Lucélio Cartaxo e Micheline Rodrigues devem encabeçar uma das chapas da oposição. Foto: Divulgação

O pré-candidato ao governo da Paraíba, Lucélio Cartaxo (PV), anunciou a escolha nesta sexta-feira (8) da médica Micheline Rodrigues (PSDB) para a vaga de vice na chapa. Ela é mulher do prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), e era cotada para a vaga. A escolha dos dois desenha um quadro bem diferente do representado meses atrás, quando os nomes trabalhados pela oposição eram os dos prefeitos Luciano Cartaxo e do próprio Romero, que comandam, respectivamente, as cidades de João Pessoa e Campina Grande.

O anúncio foi feito junto com uma carta direcionada à população paraibana. O texto fala de “esperança” e de “mudanças” na política estadual. “Esta visão de futuro, com um horizonte de realizações transformadoras, nasce do sentimento de confiança, compartilhado por muitos paraibanos e paraibanas, de que a união com respeito, a conjunção de boas ideias, a soma de experiências exitosas e a capacidade de trabalho podem produzir uma Paraíba melhor para cada paraibano e, sobretudo, para o conjunto da sociedade”, diz um dos trechos da nota.

O documento é assinado pelos dirigentes dos partidos aliados. Entre eles estão Eva Gouveia (PSD), Ruy Carneiro (PSDB), Luciano Cartaxo (PV), João Corujinha (DC) e Fábio José Lins (PTC). O bloco de oposição, além de Lucélio, deverá ter como candidato ao governo o senador José Maranhão (MDB). Eles terão pela frente a postulação governista, que deverá ser encabeçada pelo ex-secretário João Azevedo (PSB).

Confira a nota

Carta ao Povo da Paraíba

Os desafios que o Brasil enfrenta hoje têm exigido de todos um esforço permanente para vencer dificuldades e encontrar possibilidades de superação.

Na Paraíba não é diferente.

Mas aqui a esperança em dias melhores começa a ganhar uma nova força, com perspectiva real de avanço em um novo caminho.

Esta visão de futuro, com um horizonte de realizações transformadoras, nasce do sentimento de confiança, compartilhado por muitos paraibanos e paraibanas, de que a união com respeito, a conjunção de boas ideias, a soma de experiências exitosas e a capacidade de trabalho podem produzir uma Paraíba melhor para cada paraibano e, sobretudo, para o conjunto da sociedade.

Sempre para TODOS, nunca para poucos.

E nesta caminhada, que nos levará juntos a uma Paraíba renovada, com as conquistas sonhadas por cada um que ama e vive o nosso estado, temos hoje mais uma boa nova a anunciar.

É hora de mais um passo na construção do futuro que começa quando tantas vozes ganham espaço e promovem um diálogo franco, que aponta objetivos comuns a uma população inteira.

Uma Paraíba mais Forte, Solidária, Livre, Justa e Feliz é o que queremos.

Um Futuro que traz Esperança é o que propomos.

Uma nova forma de Pensar e Fazer é o que nós praticamos, todos os dias.

Este projeto, representado pelo apoio ao nome de Lucélio Cartaxo, pré-candidato ao governo da Paraíba, amplia suas bases, congrega importantes forças sociais e populares e registra hoje uma decisiva manifestação de unidade e legitimidade.

Ao lado de Lucélio, agora na condição de pré-candidata ao cargo de vice-governadora, temos a alegria de apresentar à Paraíba o nome de Micheline Rodrigues.

A aproximação, movida pelos melhores propósitos, entre dois representantes de uma nova geração de figuras públicas, que consolida a tão esperada afinação entre João Pessoa e Campina Grande, que reafirma a certeza de que a Política pode e deve ser um lugar de convergências, no qual homens e mulheres protagonizam uma trajetória democrática rumo ao novo.

Médica, cidadã, militante, mulher da luta por um mundo mais humano, Micheline Rodrigues está no lugar certo, na hora precisa, com as mãos e o coração abertos para, como sempre fez, cumprir o seu compromisso com a Paraíba

Lucélio e Micheline, mais do que a conexão entre João Pessoa e Campina Grande, simbolizam um novo olhar para o estado inteiro, para cada município do nosso território, para cada criança, cada jovem, cada adulto que nunca desistiu de sonhar e acreditar.

Do Sertão à capital, em todas as regiões, surge uma luz diferente, a luz da Esperança, com a força da Verdade e da Confiança em um Novo Tempo, iluminando uma Paraíba mais Humana que se reencontrará com sua História de Luta e abraçará o seu Futuro de Conquistas.

Assinam,

Eva Gouveia
Presidente Estadual do PSD

Ruy Carneiro
Presidente Estadual do PSDB

Luciano Cartaxo
Presidente Estadual do PV

João Corujinha
Presidente Estadual do DC

Fábio José Lins
Presidente Estadual do PTC

 

 

PV e PSDB dão um primeiro passo, mas união das oposições ainda é complexa

Lideranças dos dois partidos agora partem para a discussão com outras siglas das oposições

Lucélio Cartaxo (C) terá a missão de costurar as alianças que o irmão, Luciano, tentou antes de desistir da disputa. Foto: Reprodução/Youtube

O apoio dos PSDB à pré-candidatura de Lucélio Cartaxo (PV) ao governo foi, sem dúvida, um passo importante no sentido da união das oposições. Agora, convenhamos, existe um terreno árido a ser percorrido para que a teoria se transforme em prática. Digo isso por que até o termo “união das oposições”, largamente usado pelo grupo, encontra pouca base nos fatos atuais. Definida a cabeça de chapa e uma das vagas para o Senado, passa-se à parte mais difícil: negociar espaços para PP, PSC e PSD. Isso sem se falar no arredio MDB, pouco afeito ao enquadramento em um bloco que nunca viu o senador José Maranhão como opção.

Alheio à pressa dos partidos que se contrapõem ao governador Ricardo Coutinho (PSB), Lucélio comemorou a adesão do PSDB. “Fico muito honrado em ver a nossa pré-candidatura crescer e se ampliar. Seguiremos juntos em torno de um objetivo maior: a melhoria da qualidade de vida da população, a união, o trabalho, o respeito com todos os segmentos da sociedade. Faço parte de uma luta histórica, que é a mesma de milhares de paraibanos. O nosso foco é o trabalho que se traduz em resultados reais na vida das pessoas. Como sempre fiz ao longo de toda a minha trajetória, seguirei aberto ao diálogo”, disse o pré-candidato.

Lucélio acabou ocupando na disputa no processo o papel antes atribuído ao irmão, o prefeito de João Pessoa. Terá pela frente os mesmos problemas que se desenhavam para Luciano em relação à união das oposições. As pedras no caminho terão José Maranhão em uma das vertentes. O senador quer se manter na disputa do governo e esperava ser considerado como opção por PSDB e PV. Outra parada, essa menos indigesta, diz respeito ao convencimento do deputado federal Aguinaldo Ribeiro sobre a manutenção do PP na base. Tem também o PSC de Marcondes Gadelha, que filiou recentemente o vice-prefeito da capital Manoel Júnior.

 

Em ato pró-João Azevedo, Ricardo lança Veneziano para o Senado e ironiza desistência de Cartaxo

Encontro realizado no Clube Cabo Branco para fortalecer João reuniu aliados de Ricardo Coutinho, mas vice-governadora não compareceu ao ato

O governador Ricardo Coutinho abraça Veneziano Vital do Rêgo durante encontro. Foto: Laerte Cerqueira

O evento realizado pelo PSB para marcar a pré-candidatura de João Azevedo ao governo do Estado teve de tudo. Ou melhor, quase tudo. O encontro realizado no Clube Cabo Branco, em João Pessoa, reuniu os principais aliados e foi permeado por discursos fortes e gritos da militância. A ausência percebida, no entanto, foi a da vice-governadora Lígia Feliciano (PDT). Ela seria a principal beneficiada em caso de uma eventual desincompatibilização do gestor socialista para disputar vaga no Senado. O prazo para isso acaba neste sábado (7). O tema desincompatibilização, diga-se de passagem, serviu para o gestor ironizar o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV), que desistiu de concorrer ao governo do Estado.

“Alguém já viu alguém dizer que vai desistir por que alguém não confia nele de outro partido? Eu saí em 2010 e não contei conversa meu amigo. Eu disse ‘eu sou candidato para mudar a Paraíba'”, disse Ricardo Coutinho em meio aos aplausos do público que lotou o Clube Cabo Branco. “Eles desistiram porque sabem da força, do perfil, da integridade deste companheiro (João Azevedo) aqui e do projeto que eles vão enfrentar. É por isso que eles desistiram. Quem quiser que venha. Quem não quiser, não venha. Eu não vou esperar por ninguém”, acrescentou o gestor, sem esconder que seu adversário preferido. A maioria das críticas feitas pelo governador, mesmo sem citar nomes, tiveram o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), seu ex-aliado, como endereço.

Ricardo Coutinho disse que todos os partidos da oposição estão esperando que ele defina qual será o seu movimento em relação ao pleito. O governador anuncia nesta sexta-feira (6) se fica no governo até o dia 31 de dezembro ou se renuncia para disputar o Senado. Sem citar no nome de Cássio, alegou que o tucano espera para saber se sai candidato ou se lança o filho, o deputado federal Pedro Cunha Lima, também do PSDB. “Não ficou um em pé. Eles estão lá ainda brigando, esperando para onde eu vou para saber se pai sacrifica filho”, ironizou. “Eles esperam para saber qual é a alternativa. E não adianta dizer que, sinceramente, que desistiram por que discordam entre si. É mentira também. Eles se desmancharam porque não têm história, não têm discurso e, consequentemente, não têm candidato”, acrescentou.

 

Veneziano e João

Vestindo de laranja, o deputado federal Veneziano Vital do Rêgo foi tratado como estrela. Durante vários momentos do discurso, o ex-emedebista foi saudado como a pessoa que vai derrotar Cássio nas eleições deste ano para o Senado. O parlamentar também teve direito a fala e só recebeu menos afagos que João Azevedo. O ex-secretário, diga-se de passagem, teve as características de bom gestor ressaltadas o tempo todo pelo governador. No encontro, Ricardo Coutinho deu todos os sinais de que vai ficar no governo até o fim e prometeu inaugurar todas as obras planejadas.

Luciano Cartaxo anuncia desistência de disputar o governo da Paraíba

Gestor vinha cobrando dos partidos de oposição uma definição sobre o apoio para a disputa do governo

Luciano Cartaxo diz que vai dar continuidade ao trabalho na prefeitura de João Pessoa até o fim do mandato. Foto: Herbert Araújo/CBN João Pessoa

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), divulgou carta, nestaquinta-feira (1°), em que anuncia a sua permanência à frente da administração municipal. Ele assegura que vai completar integralmente os oito anos dos dois mandatos sucessivos. O gestor foi reeleito no pleito de 2016. No documento, gestor agradece as manifestações calorosas recebidas dos paraibanos de todas as regiões do estado, que o colocam como o nome mais bem posicionado para o pleito de 2018, “uma honra”, segundo ele, mas reforça que, como gestor público, tem desafios a concluir. O prefeito recebe a imprensa para se pronunciar sobre o assunto, logo mais, apartir do meio-dia, no Hotel Imperial Nord Class, na Av. Almirante Tamandaré, em Tambaú.

“Conforme me comprometi com a população de João Pessoa, cumprirei na íntegra o meu mandato de prefeito reeleito, reafirmando o compromisso pactuado com este projeto vitorioso, que vem transformando a vida na nossa Capital”, pontuou, na mensagem. O prefeito destacou que a decisão exige coragem e também de responsabilidade, diante da missão que lhe foi confiada. “Vamos seguir dialogando com os municípios, com partilhando experiências, fazendo desse novo jeito de administrar uma referência para o estado, o Brasil e outras cidades do mundo”, disse.

Reeleito para administrar João Pessoa com quase 60% dos votos válidos,  Luciano ponderou que a vida pública exige dos gestores a entrega em todos os desafios. “Sei que isso diverge do senso comum, num ambiente marcado, infelizmente, por vaidades e interesses individuais. Mas, para mim, não é só uma questão de coerência, é de crença”, apontou. Cartaxo, que também já foi vereador, deputado estadual e vice-governador, afirmou não fazer a política da conveniência, mas do trabalho com resultado, “que se alimenta de sonho”. E ressaltou: “Não esperem de mim a ambição eleitoral, meu lema é o dos compromissos assumidos”.

Futuro

Na carta, Cartaxo assegurou estar pronto para continuar debatendo o futuro do estado, na condição de prefeito da capital. “A honra imensa de ser reconhecido pela população como gestor e político capaz de liderar o projeto da Paraíba que querem s é fruto do melhor resultado possível na vida pública: credibilidade e confiança”, mencionou, reforçando, em seguida: “Sei que esta relação de confiança com a população só vai se aprofundar, evoluir, crescer. E o momento certo para novos passos certamente virá”.

Confira a íntegra da carta:

Mensagem ao povo paraibano

João Pessoa, 1o de Março de 2018

A minha vida é pautada por princípios, valores que a vida pública consolidou ainda mais, em todas as oportunidades que a população de João Pessoa e da Paraíba, generosamente, decidiu me conceder. Sou um homem de palavra e um gestor de compromisso. Exerço a política preservando todas as boas práticas nas quais acredito e que regem a minha vida pessoal. Sei que isso diverge do senso comum, num ambiente marcado, infelizmente, por vaidades e interesses individuais. Mas, para mim, não é só uma questão de coerência, é de crença. Não optei por essa trajetória, na qual coloco meu tempo e minha força de trabalho à disposição da população, para fazer o fácil, o conveniente, ou mais do mesmo. Estou, desde sempre, na estrada do que considero certo, justo, ético, mesmo que percorrê-la seja um desafio mais longo e exigente. Fazer parte de um projeto que realiza sonhos coletivos é o que me mobiliza. A coragem e a fé me levam à frente. E estou aqui, hoje, para anunciar mais um passo adiante. Não me furto às decisões, prefiro fazer acontecer a esperar para ver, porque daí nascem as ações realmente transformadoras. E esta é a minha missão.

Assim, depois de uma cuidadosa reflexão, discussões internas, escuta de muitos companheiros de luta, aí incluída a minha família, diálogo com moradores de João Pessoa, e sinceramente honrado pelas manifestações calorosas do povo paraibano, de todas as regiões, que coloca o meu nome em posição de destaque, quando projeta o futuro do nosso estado, venho comunicar uma decisão – serena e amadurecida – que norteará os próximos anos da minha vida pública. Conforme me comprometi com a população de João Pessoa, cumprirei na íntegra o meu mandato de prefeito reeleito, reafirmando o compromisso pactuado com este projeto vitorioso, que vem transformando a vida na nossa capital. Como gestor público, tenho uma missão a concluir.

Sempre defendi que a boa política não pode ser construída pelas circunstâncias, porque isso pode levar a análises distorcidas. Em tempos marcados pelo excesso de individualismo e a falta de bons propósitos, avançarei me distanciando, como sempre, da política antiga – e vencida – que busca colocar os interesses pessoais acima das causas coletivas. A mesquinhez do carreirismo não tem lugar ao meu lado, nem será capaz de fazer curvar minha cabeça erguida, ou ameaçar a minha paz de consciência. Devo isso aos meus pais, como legado. Ofereço isso aos cidadãos e cidadãs da minha terra, onde nasci e escrevo uma História, ao lado da minha mulher e filhos, ao lado da minha gente. Sou do trabalho com resultado, que se alimenta do sonho. Acredito em um mundo melhor e a ele me dedico com as mãos e o coração.

Diante do tamanho da missão que me foi confiada, esta é uma decisão que exige coragem e, acima de tudo, responsabilidade. Vamos seguir dialogando com os municípios, compartilhando experiências, fazendo dessenovo jeito de administrar uma referência para o estado, o Brasil e outras cidades do mundo. É desta maneira que seguirei onde estou, avançando. No tempo devido, da forma correta. Se a população do meu estado me avalia como um gestor competente, que cumpre compromissos, por isso amplamente aprovado, apto a disputar o governo, em primeiro lugar nas pesquisas de opinião, então, efetivamente, venho atendendo às expectativas do meu povo. Se este quadro é decorrente, hoje, do projeto que desenvolvemos na nossa capital, neste momento histórico de mudanças, eu não posso simplesmente desconsiderar esta realidade. Implementamos um programa que planeja a João Pessoa dos próximos 30 anos, a encaminhar irreversivelmente, já com resultados que se somarão a tantos que conquistamos, até aqui.

Tenho 53 anos, muitos planos e bastante experiência, à disposição do meu estado. Equipe, grupo político, população de João Pessoa e todo o povo da Paraíba contam e contarão comigo, sempre -, no que eu puder fazer de melhor. Mas, reafirmo, decisões de tal importância não devem ser inspiradas em circunstâncias, nem motivadas por elementos desconectados de um projeto maior. Não compactuo com esta opção. Foi por isso que sempre explicitei meu entendimento, alertei para a necessidade de traçarmos metas, respeitando prazos, que permitissem a evolução do debate e estruturação de um caminho. Agora o tempo é outro. Nestes últimos meses, foram inúmeras as especulações, insinuações, danosas ao debate maduro da boa política. Eu não faço política por conveniência. Portanto, procuro transcender o imediatismo. Não esperem de mim a ambição eleitoral, meu lema é o dos compromissos assumidos.

A vida pública exige dos gestores a entrega em todas as missões e desafios. Como vereador, deputado estadual, vice-governador e prefeito reeleito de João Pessoa, abri caminhos com a força do que acredito, renovando a confiança depositada em mim. A honra imensa de ser reconhecido pela população como gestor e político capaz de liderar o projeto da Paraíba que queremos é fruto do melhor resultado possível na vida pública: credibilidade e confiança. Não é o único requisito para um projeto avançar. É, certamente, o mais importante. No momento, avançarei em João Pessoa. Sei que esta relação de confiança com a população só vai se aprofundar, evoluir, crescer. E o momento certo para novos passos certamente virá. Porque aqui temos fé, coragem, trabalho, resultado e coração.

Luciano Cartaxo Pires de Sá.

Projetos eleitorais de Cartaxo e Ricardo dependem do efeito Campina Grande

Cidade perdeu protagonismo para encabeçar a chapa, mas não o poder de chancelar as candidaturas para o governo do Estado

Luciano Cartaxo (D) e Cássio (E) participam da entrega de cargos em João Pessoa. Foto: Alexandre Potter/Secom-JP

Não faz muito tempo que o protagonismo na política paraibana passava, necessariamente, por Campina Grande. A força de João Pessoa foi revelada de forma mais forte apenas nos últimos anos, primeiro com o governador Ricardo Coutinho (PSB) e agora com o prefeito da capital, Luciano Cartaxo (PSD). Mesmo assim, nenhum terá ou teve sucesso na empreitada estadual sem o aval da Rainha da Borborema. Entenda-se por aval, a concordância com os projetos eleitorais apresentados. A senha que explica esta matemática foi dada pelo senador Cássio Cunha Lima (PSDB). Citando Cartaxo como exemplo, ele disse que o prefeito ganhando nas eleições na Região Metropolitana e tendo o apoio dele e do prefeito Romero Rodrigues (PSDB) em Campina Grande, tende a ter sucesso no resto do Estado.

O exemplo dado pelo senador foi o do também ex-prefeito de João Pessoa, Ricardo Coutinho, em 2010. O gestor precisou do apoio do grupo Cunha Lima para vencer em Campina Grande e, a partir daí, virar o jogo nas cidades menores. Ele entende, por isso, que se Cartaxo entrar em entendimento com Rodrigues, a possibilidade de reeditar a parceria aumenta. O gesto campinense, no entanto, mantém a disposição de disputar as eleições. Ele, porém, não nega a possibilidade de entrar na composição para o apoio a uma liderança da chapa. Tudo vai depender do aprofundamento das conversas. Os tucanos dizem que há grande possibilidade de Romero indicar a vice na chapa, que seria a mulher dele, Micheline Rodrigues.

Governista

O governador Ricardo Coutinho já não depende tanto de apoio para se lançar em novo projeto eleitoral. Ele poderá disputar o Senado. O problema é que, para isso, vai precisar também renunciar ao cargo, dando espaço para Lígia Feliciano (PDT), sua vice. A dificuldade tem sido convencer a vice a renunciar ao cargo também. Já surgiram todo tipo de proposta mirabolante para compensá-la. Entre elas estão assumir uma eventual vaga no Tribunal de Contas do Estado (TCE) ou mesmo disputar o cargo de suplente de Ricardo Coutinho no Senado. Neste caso, ela ficaria com a vaga em caso de desincompatibilização. Falta menos de um mês para que a novela cheque ao fim.

Com Maranhão em campanha, Olenka antecipará saída da gestão Cartaxo

Secretária do Trabalho ainda não oficializou saída da prefeitura da capital, mas está de malas prontas

A secretária de Trabalho, Produção e Renda da prefeitura de João Pessoa, Olenka Maranhão, está de malas prontas para deixar a gestão. A emedebista ainda não oficializou a saída, mas tem dado sinais claros a aliados de que o fará. A decisão ocorre seis dias antes do prazo limite dado pelo prefeito Luciano Cartaxo (PSD) para a exoneração dos auxiliares que vão disputar as eleições deste ano. O desconforto da ex-deputada vem crescendo, também, desde que o tio dela, o senador José Maranhão (MDB), se lançou como pré-candidato ao governo.

A pré-candidatura de Maranhão, vale ressaltar, vinha causando saias justas para Olenka. Há muito ela não participava das reuniões de monitoramento, convocadas pelo prefeito. Haveria também uma solenidade para a entrega de cheques do programa de concessão de crédito da gestão municipal. Com a saída, a auxiliar não deverá estar presente. Com isso, o evento deve ocorrer com a presença já do substituto dela no cargo.

Olenka chegou à Secretaria do Trabalho em agosto de 2016, quando perdeu o cargo de deputada estadual com a volta do titular. Ela havia assumido vaga na Assembleia Legislativa graças a uma articulação gestada na base governista. O governador Ricardo Coutinho (PSB) determinou a volta do deputado estadual Trócolli Júnior à Assembleia Legislativa depois que Maranhão se recusou à apoiar a candidatura governista na capital. Sem cargo, ela foi convidada por Cartaxo para assumir a missão na prefeitura.

Cartaxo não vai à reunião com Ricardo e prefeitura nega perseguição à Ferreira Costa

Governador marcou encontro para esta quinta-feira para discutir entraves ao investimento

Veja pontos que foram requisitados pela prefeitura para garantir a instalação do empreendimento. Foto: Reprodução

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), não vai à reunião convocada pelo governador Ricardo Coutinho (PSB). O socialista anunciou um encontro para esta quinta-feira (14), às 10h, no Palácio da Redenção, para discutir o embargo do município à implantação do Ferreira Costa Home Center na capital. Ele alegou prejuízo superior a R$ 120 milhões e perda de 500 empregos. O gestor disse querer compreender o que está acontecendo. Alegou que a prefeitura da capital precisa explicar o porquê da retirada da autorização para a construção do empreendimento.

Há especulações de que o senador José Maranhão (PMDB) teria agido nos bastidores para impedir o empreendimento. A medida seria para agradar a direção do Aeroclube da Paraíba, que fica nas imediações de onde será construído o Home Center. A secretária de Planejamento do município, Daniella Bandeira, no entanto, nega perseguição. Ela apontou a necessidade de adequações no projeto. A empresa, de acordo com nota da prefeitura, decidiu mudar o projeto básico para se adequar às exigências. Um novo projeto foi anexado na última quinta-feira e começou a ser analisado pela prefeitura.

Daniella Bandeira alega que se o novo projeto em análise estiver de acordo com a legislação, será liberado. A nota da Secretaria de Planejamento assegura que não existe qualquer obstáculo para a construção do empreendimento do grupo Ferreira Costa e que todos os investimentos serão bem-vindos. Garante, inclusive, que a Prefeitura, através da Secretaria do Meio Ambiente, já concedeu licenças para a construção de muro, supressão vegetal do terreno e terraplanagem do local.  Haveria ainda, segundo a secretária, a necessidade de a empresa requerer alvará para obras de fortalecimento do terreno, que já estariam em execução de forma irregular (Nota anexa).

NOTA À IMPRENSA

Com relação ao projeto de construção de uma unidade do Grupo Ferreira Costa no município, a Secretaria de Planejamento de João Pessoa esclarece que:

1. A administração municipal tem atuado de maneira firme para fomentar o desenvolvimento econômico da Capital, oferecendo estímulos à iniciativa privada, inclusive por meio de incentivos fiscais, da redução de impostos e da oferta de microcrédito. Dessa maneira, vem garantido a geração de emprego e renda na cidade com a chegada de novos empreendimentos;

2. A prefeitura tem procurado ser parceira e facilitadora das atividades empresariais no município, mantendo diálogo permanente com grupos como o Ferreira Costa, cujo projeto, cumpridas as exigências legais, em nenhum momento enfrentará qualquer obstáculo para sua implantação na Capital;

3. As secretarias de Planejamento e do Meio Ambiente já concederam as licenças prévias necessárias para manejo da vegetação, terraplenagem e construção do muro em torno do terreno onde será erguido a loja do grupo;

4. O único problema existente era a inadequação do projeto apresentado inicialmente e executado pela empresa, que descumpria as normas estabelecidas pelo Ministério da Defesa por meio do Comando da Aeronáutica, além da falta de requisição de alvará para obras de fortalecimento do solo;

5. Mais recentemente, a empresa protocolou um novo projeto, supostamente de acordo com a legislação vigente, que agora passa por análise técnica desta secretaria; a Secretaria de Planejamento já apresentou à empresa a relação de incorreções para nova adequeção do projeto;

6. Cumpridas as exigências legais e aprovada a nova versão do projeto, as licenças adicionais serão emitidas e o embargo imediatamente levantado.

Observação anexos:

1 – Capa do primeiro projeto apresentado em 19/09/2017;

2 – Protocolo de novo projeto em 28/11/2017;

3 – Comunicado da Seplan, em 29/09/2017 (dia seguinte), sobre necessidade de correções no projeto;

4 – Lista de pendências, com destaque para duas marcadas que ainda não foram resolvidas pela empresa (autorização do COMAER e recuo frontal).

 

 

Tucano defende aliança de Cartaxo, Cássio, Maranhão e Ricardo para 2018

Presidente da Câmara de João Pessoa diz que unidade “traria desenvolvimento para a Paraíba”

Marcos Vinícius defende que haja entendimento entre as lideranças políticas. Foto: Andréa Santana/CBN

O presidente da Câmara de João Pessoa, Marcos Vinícius (PSDB), vem adotando uma posição que vai gerar muita polêmica. Ele defende estejam no mesmo palanque, em 2018, todas as lideranças de governo e oposição. Difícil de imaginar, não é? Pela configuração, aventada durante entrevista na CBN João Pessoa, nesta terça-feira (14), ex-aliados e atuais adversários iriam para o fronte de batalha unidos. O palanque traria os prefeitos de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), e Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB); os senadores Cássio Cunha Lima (PSDB) e José Maranhão (PMDB), e, imaginem, o governador Ricardo Coutinho (PSB).

“Acho que todos precisariam se unir para o bem da Paraíba”, ressaltou Vinícius, que, apesar de figurar na base aliada de Luciano Cartaxo, foi eleito para a presidência da Câmara de João Pessoa com o apoio também da oposição. O parlamentar, vale ressaltar, também milita em um partido da oposição, o PSDB. A sigla, não por acaso, se posiciona desde 2014 no ponto oposto ao do governador Ricardo Coutinho. O socialista foi aliado de Cássio até a eleição passada, quando houve o rompimento e a consequente disputa do governo do Estado pelo tucano.

Ricardo, curiosamente, foi aliado e é adversário de todas as principais lideranças do bloco das oposições. Era adversário de José Maranhão e houve um alinhamento a partir de 2004. A aliança foi rompida nas eleições de 2010, quando o socialista evitou a reeleição do peemedebista. Em 2014, eles voltaram a se realinhar no segundo turno do pleito que referendou a reeleição de Ricardo. Novo rompimento ocorreu antes das eleições de 2016. De lá para cá, os socialistas insistem em uma aliança na qual o PMDB entraria como linha auxiliar da candidatura do PSB. Maranhão não aceita.

Situação semelhante é vivida pelo prefeito de João Pessoa, também virtual candidato ao governo. Ele foi líder do governo de Ricardo Coutinho na Câmara, quando Ricardo comandava a capital. Rompeu em 2010, quando Coutinho foi eleito para o governo. O alinhamento voltou a acontecer em 2014 e o rompimento ocorreu um ano depois. Um alinhamento agora, vale ressaltar, seria muito difícil de ocorrer. Cartaxo visa a disputa do governo no ano que vem e Coutinho pretende bancar a candidatura do atual secretário de Infraestrutura, João Azevedo. Ou seja, dificilmente a aliança múltipla sairá do papel…

Ruy quer juntar Cartaxo, Romero, Cássio e Maranhão na convenção do PSDB

Dos partidos de oposição, apenas o peemedebista José Maranhão não confirmou presença

Foto: Larissa Ponce/Agência Câmara

O presidente estadual do PSDB, Ruy Carneiro, quer unir na convenção do partido, neste sábado (11), as principais lideranças da oposição. Para o encontro, no auditório da Asplan, em João Pessoa, foram convidados os prefeitos de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), e Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB). São esperados também os senadores Cássio Cunha Lima (PSDB) e José Maranhão (PMDB). Todos são listados como pré-candidatos ao governo contra o nome que será indicado pelo governador Ricardo Coutinho (PSB). O governista na disputa deverá ser João Azevedo.

O outro senador paraibano, Raimundo Lira (PMDB), também foi convidado, mas alegou problemas de agenda. O peemedebista é visto como aliado de primeira hora de Ricardo Coutinho, porém, recentemente, manteve reuniões com oposicionistas. Ele esteve com Romero Rodrigues e com o vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior (PMDB). A ida de José Maranhão também não está certa. “Eu fiz o convite e espero que ele confirme”, disse Carneiro. O tucano destaca afinidades entre os partidos que figuram na oposição e alega que eles poderão contribuir com um novo governo, caso eles consigam vencer o pleito.

Ruy Carneiro diz que a presença dos aliados tende a fortalecer o apelo eleitoral do grupo. “Minha preocupação, com os convites, é prestigiar a convenção e, logicamente, a aliança. Cuido muito disso porque simpatizo com essa tese e minha experiência de vida demonstra a necessidade de uma aliança com essa envergadura para a vitória”, diz o tucano, para quem houve exaustão do modelo socialista. “Minha visão é que o atual governo encerrou o ciclo e tem coisas feitas e muitas malfeitas. Problemas sérios nas áreas de segurança, saúde e na UEPB (Universidade Estadual da Paraíba)”, acrescentou.

 

Desestimulante

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), vem à convenção do partido na mesma semana em que causou desconforto após declarações políticas. Durante entrevista, ele se disse desestimulado com a política. Para justificar, citou os acontecimentos nacionais e locais. Ele gerou polêmica ao afirmar que as candidaturas na Paraíba, no ano que vem, serão registradas na Central de Polícia e não no Tribunal Regional Eleitoral (TRE).