Tárcio quer criar Casa de Partos com doulas aprovadas por concurso público

Candidato foi sabatinado nesta segunda-feira na CBN.

Tárcio Teixeira foi o primeiro entrevistado entre os candidatos ao governo. Foto: Aline Oliveira

Por Angélica Nunes, do jornaldaparaiba.com.br

O candidato ao governo da Paraíba pelo PSOL, Tárcio Teixeira, propôs investir na construção e funcionamento das casas de parto nas diferentes regiões da Paraíba como forma de amenizar o déficit de maternidades no estado. “Outros candidatos, inclusive o atual governo, prometeram colocar uma maternidade em cada cidade, mas sabemos que isso seria inviável”, afirmou. O candidato foi entrevistado nesta segunda-feira (17) pela equipe da CBN Paraíba.

Tárcio Teixeira disse que para efetivar ainda mais a humanização do parto, sua proposta de governo inclui inserir doulas, por meio de concurso público, no serviço de saúde da Paraíba, nas unidades já existentes e nas Casas de Parto que serão criadas, como forma de aperfeiçoar os serviço e fortalecer a soberania da mulher.

O candidato ao governador também foi questionado sobre temas polêmicos no formato de pingue-pongue com a âncora da CBN, Patrícia Rocha. Tárcio Teixeira disse se posicionar favorável a descriminalização do aborto, “pela vida das mulheres”, da legalização da maconha, da discussão da identidade de gênero, como forma de combater a violência sexual contra os jovens, e da taxação de igrejas; e contrário à reforma da previdência e da terceirização para atividades-fins, já em vigor; à flexibilização do porte de arma e à taxação de igrejas. Também se posicionou sobre o uso das forças armadas para segurança pública. “A morte de Marielle, nossa companheira do PSOL, é parte desse processo”, disse.

UEPB

Às vésperas de participar de uma reunião com sindicalistas da Universidade Estadual da Paraíba, Tárcio Teixeira disse que tem propostas efetivas para recompor a instituição. Além do repasse integral do duodécimo, que teria sido reduzido pelo atual governo, o candidato do PSOL disse que quer investir ainda mais na UEPB cobrando contrapartidas de auxílio ao desenvolvimento econômico e social da Paraíba.

“Tem questões imediatas que precisam ser tratadas. Primeiro o repasse integral do duodécimo para que não precise acontecer o que esta acontecendo agora, prejudicando os estado, já que metade dessas pessoas é por cota de escola pública. Mas não é simplesmente repassar, tem autonomia, mas queremos dialogar a pesquisa voltada para agricultura e saúde, na Paraíba, a formação de professore, o zoneamento cultural e turístico, de forma que UEPB possa colaborar diretamente com o governo da Paraíba”, pontuou.

Mobilidade urbana

Com relação à pauta da mobilidade urbana, Tárcio Teixeira defendem uma regulamentação mais ampla dos transportes alternativos, sobretudo na região metropolitana da Paraíba.”Os outros candidatos pensam em coisas e não pessoas, não querem enfrentar o monopólio. Entendemos que a regulamentação que aconteceu é um verdadeiro engodo. Ela não permite que os alternativos, por exemplos, circulem em João Pessoa. Caso eles não existissem a população de Bayeux e Santa Rita não conseguiriam chegar ao trabalho e escolas na capital. A gente entende que tem que ampliar a quantidade de ônibus e regulamentar o transporte alternativo de forma que ela atenda a população dessas cidades”, destacou.

Para Tárcio Teixeira, não há um enfrentamento ao monopólio se também não se discute a possibilidade de regulamentação também do mototaxista e de criação de ciclofaixa em outras cidades, assim como já tem em João Pessoa. “Temos umas das malhas rodoviárias mais preservadas do país. O que a gente percebe muito hoje é uma briga entre prefeitura e governo para ver quem calça mais ruas e faça o maior viaduto, mas se não faz um transporte publico de qualidade você coloca mais carros na rua. Queremos um consórcio para que eles criem alternativas, mas sem deixar de manter a sua responsabilidade”, completou.

Entrevistas

A série de entrevistas com os candidatos seguem nesta terça-feira (18) com a candidata ao governo da Paraíba pelo PSTU, Rama Dantas. A sabatina começa sempre a partir das 10h. O conteúdo será transmitido pela CBN João Pessoa e CBN Campina Grande, em rede. A entrevista contará com a participação de jornalistas da CBN, do Jornal da Paraíba e do G1. Haverá também a participação dos ouvintes.

A ordem dos entrevistados foi definida por meio de sorteio, com a presença de representantes de todos os partidos. Será uma grande oportunidade para que os eleitores paraibanos possam conferir as propostas dos postulantes. As sabatinas com os candidatos ao governo ocorre dias depois do fim da rodada de entrevistas com os postulantes ao Senado.

Veja a ordem das entrevistas dos candidatos ao Governo:

Dia 17 – Tárcio Teixeira (PSOL)
Dia 18 – Rama Dantas (PSTU)
Dia 19 – José Maranhão (MDB)
Dia 20 – Lucélio Cartaxo (PV)
dia 24 – João Azevêdo (PSB)

Veja a ordem dos candidatos ao Senado já entrevistados

Dia 3 – Cássio Cunha Lima (PSDB)
Dia 4 – Roberto Paulino (MDB)
Dia 5 – Nelson Júnior (PSOL)
Dia 6 – Nivaldo Mangueira (PSOL)
Dia 10 – Luiz Couto (PT)
Dia 11 – Veneziano Vital do Rêgo (PSB)
Dia 12 – Daniella Ribeiro (PP)

PT indica Haddad no lugar de Lula na disputa presidencial

Manuela d’Ávila, do PCdoB, será vice na chapa encabeçada pelo candidato petista

Fernando Haddad participou de inauguração de comitê em Campina Grande ao lado de Ricardo Coutinho e João Azevêdo. Foto: Josusmar Barbosa

A Executiva Nacional do PT confirmou, no começo da tarde desta terça-feira (11) em Curitiba, o nome de Fernando Haddad, ex-ministro e ex-prefeito de São Paulo, em substituição ao do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na disputa pela Presidência este ano. Lula está detido na Superintendência da Polícia Federal, na capital paranaense, desde abril, após condenação em segunda instância pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex de Guarujá (SP). O ex-presidente teve o registro de candidatura indeferido no início do mês pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A substituição foi definida por unanimidade em reunião da cúpula do partido. O deputado José Guimarães (PT-CE), que participou do encontro, afirmou que a ex-deputada federal Manuela d’Ávila (PCdoB) será confirmada como vice na chapa de Haddad. Manuela desistiu de se candidatar à Presidência após decisão do seu partido de apoiar o PT.

O TSE determinou que o PT deveria anunciar até hoje a substituição do nome de Lula na chapa presidencial, sob risco de o partido não poder lançar candidatura ao Palácio do Planalto.

Propaganda
A Justiça Eleitoral definiu também que o PT retire do ar as inserções e programas eleitorais em que o ex-presidente aparece como candidato. Se a medida for descumprida, há o risco de a coligação ter a propaganda suspensa pelos integrantes da Corte.

A expectativa é que ainda hoje seja lida uma carta redigida por Lula para “o povo brasileiro”. Nela, o ex-presidente deve afirmar que apoia a indicação de Haddad à Presidência da República e que ele o representa.

De acordo com José Guimarães, Lula pede que a população apoie o PT e Haddad à frente da chapa.

Da Agência Brasil

Candidatos ao Senado: Veneziano é o sexto sabatinado pela CBN Paraíba

Parlamentar trocou o MDB pelo PSB para disputar as eleições deste ano na Paraíba

Veneziano vai falar sobre as propostas como candidato ao Senado. Foto: Reprodução

O deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PSB) é o entrevistado desta terça-feira (11) da CBN Paraíba. Ele é o sexto entre os candidatos ao Senado a ser sabatinado. O primeiro foi o senador Cássio Cunha Lima (PSDB). Ele foi seguido por Roberto Paulino (MDB), Nelson Júnior (Psol), Nivaldo Mangueira (Psol) e Luiz Couto (PT). A ordem dos entrevistados foi definida por meio de sorteio, com a presença de representantes de todos os partidos. Será uma grande oportunidade para que os eleitores paraibanos possam conferir as propostas dos postulantes. As entrevistas ocorrem em rede, a partir das 10h, e são transmitidas pela CBN João Pessoa e pela CBN Campina Grande, com perguntas formuladas por âncoras e colunistas. Há também a participação dos ouvintes.

Veja a ordem das entrevistas dos candidatos ao Senado:

Dia 3 – Cássio Cunha Lima (PSDB);
Dia 4 – Roberto Paulino (MDB);
Dia 5 – Nelson Júnior (Psol);
Dia 6 – Nivaldo Mangueira (Psol);
Dia 10 – Luiz Couto (PT);
Dia 11 – Veneziano Vital do Rêgo (PSB);
Dia 12 – Daniella Ribeiro (PP);

Assim como os senadores, a CBN vai sabatinar também os candidatos ao governo do Estado. Vamos saber o que cada um tem de propostas para a Paraíba, bem como questionar a viabilidade delas. Serão 40 minutos de entrevista, descontados os intervalos.

Veja a ordem das entrevistas dos candidatos ao Governo:

Dia 17 – Tárcio Teixeira (Psol)
Dia 18 – Rama Dantas (PSTU)
Dia 19 – José Maranhão (MDB)
Dia 20 – Lucélio Cartaxo (PV)
dia 24 – João Azevêdo (PSB)

 

Candidatos ao Senado: Luiz Couto é o quinto sabatinado pela CBN Paraíba

Parlamentar é o único do Partido dos Trabalhadores na disputa pelo Senado

Luiz Couto será o sabatinado desta segunda-feira na CBN Paraíba. Foto: Kleide Teixeira

O deputado federal Luiz Couto (PT) é o entrevistado desta segunda-feira (10) da CBN Paraíba. Ele é o quinto entre os candidatos ao Senado a ser sabatinado. O primeiro foi o senador Cássio Cunha Lima (PSDB). Ele foi seguido por Roberto Paulino (MDB), Nelson Júnior (Psol) e Nivaldo Mangueira (Psol). A ordem dos entrevistados foi definida por meio de sorteio, com a presença de representantes de todos os partidos. Será uma grande oportunidade para que os eleitores paraibanos possam conferir as propostas dos postulantes. As entrevistas ocorrem em rede, a partir das 10h, e são transmitidas pela CBN João Pessoa e pela CBN Campina Grande, com perguntas formuladas por âncoras e colunistas. Há também a participação dos ouvintes.

Veja a ordem das entrevistas dos candidatos ao Senado:

Dia 3 – Cássio Cunha Lima (PSDB);
Dia 4 – Roberto Paulino (MDB);
Dia 5 – Nelson Júnior (Psol);
Dia 6 – Nivaldo Mangueira (Psol);
Dia 10 – Luiz Couto (PT);
Dia 11 – Veneziano Vital do Rêgo (PSB);
Dia 12 – Daniella Ribeiro (PP);

Assim como os senadores, a CBN vai sabatinar também os candidatos ao governo do Estado. Vamos saber o que cada um tem de propostas para a Paraíba, bem como questionar a viabilidade delas. Serão 40 minutos de entrevista, descontados os intervalos.

Veja a ordem das entrevistas dos candidatos ao Governo:

Dia 17 – Tárcio Teixeira (Psol)
Dia 18 – Rama Dantas (PSTU)
Dia 19 – José Maranhão (MDB)
Dia 20 – Lucélio Cartaxo (PV)
dia 24 – João Azevêdo (PSB)

 

Troca de Lula por Haddad dá start em nova fase da campanha eleitoral

Substituição permitirá que o eleitor brasileiro saiba, efetivamente, quem são as opções para a disputa

Fernando Haddad participou de inauguração de comitê em Campina Grande ao lado de Ricardo Coutinho e João Azevêdo. Foto: Josusmar Barbosa

Durante entrevista na Globo News, semana passada, o atual candidato a presidente pelo PT, Fernando Haddad, disse que assumiria até esta terça-feira (11) a cabeça de chapa petista. Não há nenhum fato novo nisso. O script estava pronto desde antes do registro da candidatura do ex-presidente Lula. Condenado em segunda instância no caso do tríplex do Guarujá (SP), não haveria como o ex-gestor não ser abarcado pela Lei Ficha Limpa. O ex-prefeito de São Paulo, portanto, foi escolhido para vice sabendo que seria titular. Assim como Manuela D’Ávila (PCdoB) sabia que seria candidata a vice na chapa. A nova formatação será oficializada nesta semana. O que não estava previsto foi atendado ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Principal antagonista dos petistas, Bolsonaro foi esfaqueado na última quinta-feira (6), um dia antes do aniversário da Independência. O fato retirou dos petistas a primazia do domínio do noticiário. Antes do atentado ao candidato do PSL, o destino de Lula era o principal assunto nas rodas de conversa. Os petistas contavam com isso para inflar a imagem de Fernando Haddad, que apesar de ser ex-prefeito de São Paulo, é pouco conhecido. Os detalhes da mudança e das circunstâncias de como ela se dará não foram divulgados ainda. A aposta dos partidários de Lula é a de que o ex-presidente, preso desde abril em Curitiba (PR), vai transferir votos para o afilhado. Lula, se pudesse ser candidato, poderia ser eleito no primeiro turno.

A situação de Fernando Haddad é bem mais complicada. O petista sofre com o desconhecimento, tem menos de um mês para conseguir construir a ida ao segundo turno e contará com menos projeção de mídia que o esperado. Os candidatos que colocaram o nome para a disputa eleitoral já fazem a conta de que haverá um candidato de direita, provavelmente Bolsonaro, no segundo turno. Haverá também um de esquerda. Neste rol correm soltos Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede), ambos com margem de 12%, segundo o Ibope. Estão bem atrás do ex-capitão do Exército, que tem 22% da preferência do eleitor na pesquisa. Neste contexto, por enquanto, Haddad patina com 4%.

Para ser eleito, Haddad precisa começar a crescer rápido, já que o tempo é muito curto…

 

Roberto Paulino é contra o aborto e a legalização da maconha

Durante entrevista à CBN, candidato evitou fechar questão sobre votação contra os dois temas caso seja eleito

Roberto Paulino foi o segundo entre os candidatos ao Senado a participar de sabatina da CBN. Foto: Julia Carolyne

O ex-governador Roberto Paulino (MDB) assumiu postura contra a descriminalização do aborto e a legalização da maconha. Ele foi o segundo entre os candidatos ao Senado a participar da sabatina promovida pela CBN Paraíba. O primeiro foi o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), candidato à reeleição. Durante a entrevista, no geral, o postulante emedebista exalou bom humor. O semblante mudou ao abordar os dois temas, hoje discutidos no Supremo Tribunal Federal (STF). As matérias deverão ser debatidas de forma mais incisiva no Congresso.

Sem fechar posição a respeito de voto, caso seja eleito, Paulino se mostrou contrário às duas propostas. Sobre o aborto, se disse contra, mesmo admitindo casos em que a interrupção da gravidez deveria ser permitida. Sobre uma abertura mais significativa da lei, permitindo a interrupção até o sexto mês de gestação, ele se mostrou cético. Disse que era católico, o que dificultava a sua concordância. Deixou claro que isso será tema de discussão ainda e que avaliaria as propostas.

Em relação à maconha, deixou claro que também é contra. Mesmo assim, se mostrou aberto à discussão do tema. Demonstrou preocupação com a legalização da droga por ela, nas palavras dele, ser porta de entrada para outra. Ele disse que as pessoas começam com a canábis e depois partem para coisa mais forte, como cocaína e crack.

Temer

Roberto Paulino demonstrou desconforto ao ser questionado a respeito de Michel Temer (MDB). A pergunta era se ele se sentia envergonhado por ser do partido do presidente mais impopular da história. O emedebista disse ter alertado o gestor sobre as companhias e sabia que isso ocorreria, devido à aproximação dele dos partidos do centrão. Fez críticas também ao ex-presidente da Câmara, hoje preso, Eduardo Cunha (MDB-RJ).

Maranhão é o mais velho entre os candidatos ao governo no Brasil

Existem apenas 12 postulantes no estado com idade mais avançada que o parlamentar paraibano

José Maranhão diz que a experiência compensa a idade avançada. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

O senador José Maranhão (MDB) tem dito pelo estado afora que pode ser velho na idade, mas suas ideias são novas. A frase é usada no marketing político como resposta à histórica cobrança por renovação. O parlamentar paraibano, hoje com 85 anos, é, de fato, o mais velho entre os candidatos ao governo no Brasil. Apesar disso, fica atrás no ranking quando se leva em consideração os postulantes a outros cargos. Ele é dez anos mais jovem que José Frejat (Rede), de 95 anos, candidato a deputado federal pelo Rio de Janeiro. O parlamentar carioca é o mais velho do país, apesar de aparecerem outros com idades mais avançadas nas estatísticas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nestes casos, os registros estão virtualmente errados, já que as pessoas aparentam idade menor.

O senador José Maranhão é o 13° mais velho entre os candidatos a cargos eletivos no pleito deste ano. Do alto dos dois mandatos no Senado, o parlamentar tenta chegar pela quarta vez ao Palácio da Redenção. Ele foi eleito vice-governador na chapa encabeçada por Antônio Mariz, em 1994. A morte do titular, poucos meses após a posse, fez com que o emedebista assumisse o cargo. Não demorou para ele, três anos depois, em 1998, conquistar a reeleição após uma conturbada convenção partidária. Nela, o então senador Ronaldo Cunha Lima viu as portas se fecharem ao tentar encabeçar a disputa pelo MDB. Depois disso, foi derrotado em 2006, contra Cássio Cunha Lima (PSDB), e conquistou o mandato depois de três anos através de uma penosa disputa judicial.

Maranhão foi derrotado novamente em 2010, quando disputou a reeleição e foi vencido pelo governador Ricardo Coutinho (PSB). Ele voltou a disputar eleições dois anos depois e amargou nova derrota, desta vez para o prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PV). Em 2014, com uma campanha desacreditada, conquistou um mandato de senador, cargo exercido até hoje.

Aliados de Manoel Júnior criticam postura dos Gadelha

Vice-prefeito de João Pessoa não conseguiu indicação para o Senado e vai disputar o cargo de deputado federal

Manoel Júnior teve frustrados os planos de assumir a prefeitura ou disputar o Senado. Foto: Divulgação/Câmara dos Deputados

O vice-prefeito de João Pessoa, Manoel Júnior (PSC), virou case insucesso e do que não fazer na política. Era deputado federal, renunciou ao cargo para assumir a vaga de vice-prefeito de João Pessoa e agora tenta voltar à Câmara dos Deputados. E o que há de errado neste círculo? A dificuldade do quadro eleitoral atual. Tudo deu errado para Manoel nos últimos anos. A disputa da prefeitura da capital, na condição de vice, trazia uma expectativa de poder. Afinal, ele poderia assumir a titularidade caso o prefeito Luciano Cartaxo (PV) deixasse a prefeitura para disputar o governo do Estado. Mas não aconteceu.

Sem espaço, Manoel nutriu a esperança de ser candidato ao Senado na eleição atual. Esperava faturar o segundo voto na chapa de Lucélio Cartaxo (PV), com Cássio Cunha Lima (PSDB) na disputa da outra vaga do Senado. A vinda de Daniella Ribeiro (PP) para a coligação fechou esta porta também. Restava o PSC fechar com o apoio a José Maranhão (MDB). Assim, sobraria espaço na chapa para ele disputar a vaga no Senado. O problema é que as contas feitas pelo deputado federal Marcondes Gadelha (PSC) visava a eleição proporcional (Câmara e Assembleia). Tinha a pré-candidatura do filho, Leonardo Gadelha, para concretizar.

Nesta conta pela sobrevivência no partido, Manoel Júnior sobrou na curva. Vai disputar um cargo para deputado federal. Aliados próximos a ele têm reclamado, mas o leite já escorreu pelo chão…

Governistas e petistas já comemoram “sim” de Luiz Couto para a disputa do Senado

Deputado federal petista deve figurar numa das vagas para a disputa do Senado na chapa de João Azevêdo

Luiz Couto é o nome mais forte para integrar segunda vaga para a disputa do Senado na chapa de João Azevêdo. Foto: Kleide Teixeira

Onde há fumaça, há fogo, diz o ditado popular. E é mais ou menos isso o que vem acontecendo em relação à pré-candidatura do deputado federal Luiz Couto (PT) para o Senado. De um lado, a postura cautelosa do parlamentar. Por outro, o otimismo da chapa encabeçada pelo socialista João Azevêdo e pelos petistas. O que era especulação e torcida, agora, ganha ares de comemoração na base governista. Tudo apesar de o parlamentar assegurar que só vai para a disputa se houve compromisso, por parte do PT, de que ele terá estrutura de campanha e a marca de “senador de Lula”. O prazo ao partido para que haja garantias termina nesta quarta-feira (31). Pessoas que conversaram com o governador Ricardo Coutinho (PSB), no entanto, garantem estar tudo fechado.

Reprodução/Twitter

O professor do curso de Jornalismo da UFPB, Edônio Alves, diz ter ouvido a garantia do próprio governador Ricardo Coutinho. A mesma expectativa foi externada nas redes sociais pelo também professor da UFPB e ex-presidente estadual do PT, Charliton Machado.

Reprodução/Facebook

O nome de Luiz Couto para a disputa da vaga para o Senado na chapa de João Azevêdo havia perdido força. Há dua semanas, a expectativa era a de que a deputada estadual Daniella Ribeiro (PP) fizesse dobradinha com Veneziano Vital do Rêgo (PSB) na disputa pelo cargo. Uma sequência de intercorrências, fogo-amigo e negociações com a chapa encabeçada por Lucélio Cartaxo (PV), no entanto, praticamente inviabilizaram a articulação. Com isso, o caminho ficou aberto para Couto. Faltava o aval nacional. Ele veio depois da visita do ex-presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, na semana passada. Desde então, restou como condição imposta pelo parlamentar a garantia de estrutura para a disputa.

O PT cobra também do governador Ricardo Coutinho a garantia de apoio ao ex-presidente Lula. O assédio é comum em todo o Brasil, para garantir o apoio do partido ao ex-presidente, que disputará a reeleição. Lula está preso em Curitiba, por causa da condenação no caso do tríplex do Guarujá, em São Paulo. Mesmo assim, o petista mantém a pré-candidatura. O PSB está dividido em todo o Brasil. Parte apoia Ciro Gomes (PDT), outra Lula e já um grupo significativo defendendo o não fechamento de uma aliança nacional. Uma reunião será realizada nesta segunda-feira (30) em Brasília para discutir o caminho do partido.

Roberto Paulino deve figurar como candidato do MDB ao Senado

Ex-governador colocou o nome à disposição do partido para a disputa eleitoral neste ano

Foto: Roberto Paulino

O ex-governador Roberto Paulino (MDB) colocou o nome à disposição do partido para a disputa do Senado neste ano. A sigla tem encontrado dificuldades para atrair partidos para a composição da chapa de José Maranhão para a disputa do governo. Até agora, o único nome confirmado para integrar a majoritária, além de Maranhão, é de Bruno Roberto (PR). O nome dele foi indicado para a vaga de vice na chapa.

De nomes para o Senado são esperados também Manoel Júnior (PSC) e Daniella Ribeiro (Progressitas). O problema é que ambos estão mais próximos de fechar com outras coligações. O primeiro poderá fechar com o PV de Lucélio Cartaxo, enquanto que a outra tende a compor com João Azevedo (PSB). Com isso, a chapa encabeçada por Maranhão poderá buscar em suas fileiras um nome para a disputa do Senado.

O deputado estadual Raniery Paulino (MDB), filho de Roberto, explicou que o nome está à disposição. As discussões políticas vão indicar quem preencherá os espaços. A convenção do MDB estão previstas para o dia 5 de agosto. Até lá, outros nomes poderão ser apresentados. Paulino é um dos principais defensores de um projeto eleitoral próprio do partido. Ele foi vice de José Maranhão entre 1999 e 2002 e assumiu o comando do governo após a renúncia do hoje senador.