Pescadores desaparecidos desde quarta-feira são encontrados em Cabedelo

Homens conseguiram chegar à Costa após remar por 50 quilômetros

Pescadores precisaram remar por 50 quilômetros para chegar à Costa. Imagem: Reprodução/TV Cabo Branco

Foi apenas um grande susto. Os três pescadores paraibanos desaparecidos na última quarta-feira (24) foram localizados neste sábado (27), em Cabedelo. Eles haviam saído da praia de Acaú, em Pitimbu, com a pretensão de voltar no mesmo dia. Só que após pescarem, em alto-mar, o motor da embarcação deu problema. Sem outra opção, os profissionais precisaram remar por 50 quilômetros para chegar à Costa. O retorno ocorreu em meio a uma grande operação organizada pela Capitania dos Portos para a busca. A ação contou com a participação do Corpo de Bombeiros, do helicóptero Acauã, do governo do Estado, e ainda de uma embarcação da Marinha que chegou neste sábado para reforçar as buscas.

Mesmo com todo o aparato, eles dependeram apenas dos próprios esforços para se salvar. Os pescadores foram encontrados com vida por volta das 17h30, na praia de Ponta de Matos, em Cabedelo. “A gente pescou, o motor parou e não pegou mais. Tentou ajeitar mas não teve jeito de ele pegar”, contoua José Evaristo da Cunha, de 56 anos, um dos pescadores. A embarcação também transportava o filho dele, José Carlos da Silva, de 39 anos, e um amigo, identificado apenas como José Aloísio. Evaristo informou ainda que não chegou a faltar água ou alimento enquanto estavam à deriva. O pouco suprimento disponível foi racionado pelo grupo.

Em entrevista à TV Cabo Branco, familiares disseram que os três saíram na manhã da quarta-feira levando pouca comida. Além disso, havia apenas três garrafões de água. Eles também não levaram nenhum equipamento de segurança, como colete salva-vidas ou de comunicação, a exemplo de rádios ou celulares. “A família está esperando por a gente e a gente também, esperando por ela”, disse Evaristo, já na Colônia de Pescadores de Cabedelo. Ele relatou ainda momentos de incerteza enquanto estavam à deriva. Durante as noites, eles paravam de remar por falta de orientação. Os pescadores também improvisaram uma vela para a embarcação.

Aflição

Durante os três dias em que os parentes estiveram desaparecidos, a família narrou grande aflição. A Capitania dos Portos só veio se pronunciar sobre  desaparecimento na sexta-feira, narrando o empenho nas buscas. Em Pitimbu, cidade de onde saíram os pescadores, familiares e amigos montaram virgília na praia, de olho no mar. “Esperamos que as buscas não parem, pois, a gente fica impossibilitado, não podemos fazer nada diante desse mar”, diz Maria da Conceição, esposa de José Evaristo, horas antes de o marido ser localizado.

 

Sem ensinar a pescar, prefeituras apostam na doação de peixes

Leto Viana participa da distribuição de peixes em Cabedelo. Foto: Divulgação/PMC

Todo ano é a mesma coisa. Os prefeitos de várias cidades paraibanas criam programas para a distribuição de peixes na Semana Santa, na certa, por ser mais fácil doar do que ensinar a pescar. Alguns, vale ressaltar, estão inovando, com distribuição de ovos ou mesmo de “kits jejum”. O exemplo mais tradicional do assistencialismo é o da prefeitura de Cabedelo, onde o prefeito Leto Viana (PRP) manda ver na distribuição. Nesta semana, na última terça-feira (11), ele participou da entrega de 15 toneladas de pescado tipo Corvina, com um investimento de R$ 147 mil, beneficiando mais de 7 mil famílias. Ao todo, foram disponibilizados 23 pontos de distribuição.

Em Bayeux, a distribuição é um pouco mais tímida. O prefeito Berg Lima (Podemos) marcou para esta quinta-feira (13) a distribuição de 5 toneladas de peixe para a população carente da cidade, conhecida pela atuação na atividade pesqueira e na coleta de crustáceos. Ao contrário de Leto, este é o primeiro ano de mandato do gestor da “Cidade Francesa”.

Contemplada recentemente com as águas da transposição, a cidade de Monteiro presenciou nesta quarta-feira (12) a distribuição de 3 toneladas de peixes, segundo a prefeitura, e ainda ovos de páscoa para a população. Tudo foi acompanhado de perto pela prefeita da cidade, Anna Lorena (DEM). Os ovos, vale ressaltar, serão distribuídos apenas no sábado (15).

A prefeitura de Parari surpreendeu pela criatividade, com a criação, acreditem, do “kit jejum”. O prefeito da cidade, José Josemar, abriu a programação de distribuições na quarta-feira e ela se estende por esta quinta-feira, com a entrega de 2 toneladas de peixe, além de um quilo de arroz, um quilo de fubá e um leite de coco.

O prefeito de Cuité, Charles Camaraense (PSL), procurou ser mais cuidadoso na “graça” feita com os eleitores. Ele vai distribuir nesta quinta-feira 5 toneladas de peixes com os moradores da cidade que comprovem baixa renda, porém, deixa claro que não haverá custo para a prefeitura. Ele alega que o produto está sendo doado por amigos. Os beneficiados terão que apresentar o cartão do Bolsa Família acompanhado de documento com foto para receber os peixes.

Em decreto, prefeito de Cabedelo admite pagar confraternizações e presentes

Leto Viana participa da distribuição de peixes em Cabedelo. Foto: Divulgação/PMC

O prefeito de Cabedelo, Leto Viana (PRP), é o que pode ser chamado de brincante quando o assunto diz respeito às contas públicas. O gestor publicou um decreto, assinado no dia 15 deste mês, no qual suspende até o dia 31 de junho o patrocínio, pelo poder público municipal, de festividades, eventos culturais, solenidades e, acreditem, festas, confraternizações e presentes. Isso mesmo, festas, confraternizações e presentes, despesas que não deveriam sequer constar na relação dos custos do erário público.

A medida, no entanto, não se aplica aos investimentos estruturais e logísticos como o espetáculo da Paixão de Cristo, nem à distribuição tradicional de peixes na Semana Santa. O decreto também não atinge as festividades de São João da cidade. Ou seja, são ressalvados os casos relacionados às ações governamentais. O decreto também deixa claro que a redução não vale para  serviços públicos essenciais das áreas de saúde, segurança e educação, mas a sua execução depende da “disponibilidade orçamentária e financeira”.

O documento será publicado no próximo Quinzenário Oficial da Prefeitura. “Medidas como essas podem soar impopulares, mas são de extrema importância para mantermos as contas públicas em ordem, honrando nossos compromissos com o povo e com os servidores, e com a cidade funcionando de forma responsável. Ao priorizarmos obras em detrimento de festas, mostramos respeito com a população e com o dinheiro público. Estamos contendo os gastos para podermos investir em infraestrutura e saúde”, disse Leto Viana.

Sobre o eleitoreiro programa de distribuição de peixes na Semana Santa, Leto Viana diz que teve o cuidado de “não incluir nesse decreto os investimentos com a distribuição de peixes e com a estrutura com o espetáculo da Paixão de Cristo, nem com as festividades juninas, que já viraram tradição e são ansiosamente aguardadas pela população”. O decreto deixa uma brecha para que “situações especiais, de caráter urgente necessária e inadiável, configuradas em despesas públicas” poderão ser autorizadas pelo prefeito.

 

Bolsonaro grava mensagem para eleitores de Campina Grande

Jair Bolsonaro (PSC-RJ) posa para fotos com o ex-vereador Santino durante visita a João Pessoa em 2016. Foto: Rizemberg Felipe

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) gravou mensagem para os seus eleitores de Campina Grande. No vídeo, ele diz que os paraibanos que comparecerem ao evento, na cidade, assim como ele, colocam “o Brasil acima de tudo”. O parlamentar, polêmico pelas suas posições conservadoras, desembarca no Aeroporto João Suassuna às 14h, nesta quarta-feira (8). Guindado à condição de presidenciável, ele vem ao estado para uma agenda de dois dias, com eventos em Campina Grande e em Cabedelo.

Na agenda estarão a abordagem de temas como a família como prioridade nacional, economia e segurança. Os temas, inclusive, têm sido recorrentes nas entrevistas concedidas pelo parlamentar durante agendas pelo país afora. Bolsonaro tem viajado o Brasil desde o ano passado para pavimentar o seu projeto eleitoral, iniciado com a migração do PP para o PSC. Ele esteve pela última vez na Paraíba no ano passado, quando foi recebido por uma militância numerosa no Aeroporto Castro Pinto, em Bayeux.

De acordo com a presidente da Direita Paraíba, Morgana Macena, o convite para a vinda do parlamentar foi feito ainda no ano passado. O evento é organizado por Direita Paraíba, Ordem dos Conservadores, Foro Campina Grande, Legítima Defesa e Juliam Lemos. “Vamos ter a participação de juízes, promotores e líderes cristãos”, reforçou Morgana. Bolsonaro é conhecido por defender o período da ditadura militar (1964-1985) e o combate à união entre casais do mesmo sexo. Ganhou ao lutar contra a distribuição nas escolas de cartilhas que tratavam sobre orientação sexual, tratadas por ele como “Kit Gay”.

Em Campina Grande, depois da recepção no Aeroporto, ele participará de uma conferência no Centro de Convenções do Hotel Gardem, às 19h30. Na quinta, em Cabedelo, o encontro será no Forte Santa Catarina, às 19h.

 

Festa na direita: Bolsonaro virá a Campina Grande e a Cabedelo nesta semana

Os militantes da direita paraibana estão organizando caravanas para receber o deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que virá nesta semana à Paraíba. Ele vai a Campina Grande, na quarta-feira (8), e Cabedelo, na quinta (9). Na agenda, conferências sobre família, como prioridade nacional, economia e segurança. Os temas, inclusive, têm sido recorrentes nas entrevistas do parlamentar durante agendas pelo país afora. O grupo promete uma grande festa para recepcionar o parlamentar, nos moldes da registrada ano passado em João Pessoa. No desembarque no Aeroporto Castro Pinto, em Bayeux, ele posou para fotos, foi carregado nos braços e, depois, deu palestra na Câmara de Vereadores da capital.

De acordo com a presidente da Direita Paraíba, Morgana Macena, o convite para a vinda do polêmico parlamentar foi feito ainda no ano passado. O evento é organizado por Direita Paraíba, Ordem dos Conservadores, Foro Campina Grande, Legítima Defesa e Juliam Lemos. “Vamos ter a participação de juízes, promotores e líderes cristãos”, reforçou Morgana. Bolsonaro é conhecido pela defesa de uma pauta mais conservadora no Congresso e, vez por outra, defender o período da ditadura militar (1964-1985). Ele ganhou notoriedade nacional principalmente após o embate para impedir a distribuição nas escolas de cartilhas que tratavam sobre orientação sexual, tratadas por ele como “Kit Gay”.

A recepção em Campina Grande será no Aeroporto João Suassuna, às 14h. A conferência vai acontecer no Centro de Convenções do Hotel Gardem, às 19h30 da quarta-feira. Na quinta, em Cabedelo, o encontro será no Forte Santa Catarina, às 19h.

 

Em baixa no PSB, Ricardo Barbosa diz que não será candidato em Cabedelo

O deputado estadual Ricardo Barbosa (PSB) fez discurso emocionado na Tribuna da Assembleia Legislativa, nesta quarta-feira (30), para dizer que não será mais pré-candidato a prefeito de Cabedelo. A notícia surge no momento em que o parlamentar enfrenta dificuldades internas no partido, em virtude de desentendimentos com os colegas. O governador Ricardo Coutinho (PSB), por exemplo, mandou recado via imprensa para o parlamentar, dizendo que é preciso demonstrar interesse para ser mantido na base aliada.

Barbosa deixou claro em seu discurso que a disputa da prefeitura era um sonho nutrido por ele há muito tempo e justificou o desejo com o argumento de que a cidade tem histórico de ser mal gerida. Sem fazer referência ao fato de o seu partido ter nos planos lançar como pré-candidato o vereador Wellington Brito, o deputado disse que “não dá para sonhar sozinho” e que, sem apoio e sem dinheiro, não teria como bancar uma campanha eleitoral na cidade. Por fim, disse que devia muito aos prefeitos que o apoiaram e que, por isso, permaneceria na Assembleia Legislativa.

Petrobras faz testes em Suape para atender o mercado paraibano

O que antes não passava de especulação, vem, a cada dia, ganhando contornos de realidade quando o assunto é a transferência da operação de cabotagem da Petrobras em Cabedelo para o Porto de Suape, no vizinho Estado de Pernambuco. Os entendimentos, para isso, andam bem adiantados e o primeiro teste ocorreu há três semanas, quando aportou no Estado vizinho o navio de bandeira liberiana Sestrea, um Suezmax com 274 metros de comprimento.

Navio Suape

Isso ocorreu lá pelo dia 15 de dezembro, quando misteriosamente começaram a rarear nos navios no Porto de Cabedelo. A operação antes era feita da seguinte forma: o navio aportava em Suape, descarrega e trazia o restante para Cabedelo. Embarcações menores, capazes de aportar em águas paraibanas por causa do baixo calado do porto. Não é o caso do Suezmax. Resultado, no fim de dezembro faltou combustíveis por aqui e os donos de postos tiveram que ir buscar em Suape.

Tudo conforme o planejado. O que mudou o curso foi a elevação do tom político do governador Ricardo Coutinho (PSB) contra a Petrobras, inclusive ameaçando ir à presidente Dilma Rousseff (PT) para cobrar uma solução. Afinal, a operação de cabotagem da companhia na cidade responde por 40% do faturamento do porto. A saída também representa um desastre para o município de Cabedelo, que perderá ICMS com destino carimbado repassado pelo Estado, além do ISS.

Mas a operação vai acontecer mais cedo ou mais tarde. Notícia publicada nesta quinta-feira (7) pelo Diario de Pernambuco confirma a informação. Ao periódico, o secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado vizinho e presidente do Complexo de Suape, Tiago Norões, revelou os planos da Petrobras. “Têm sido realizados testes com navios maiores para ver a viabilidade do projeto. Suape se tornou um hub, com recorde de movimentação de granéis líquidos”, disse.

Norões acrescenta: “Já conhecendo nossa infraestrutura, a Petrobras estuda se é mais viável realizar o envio do combustível para estados vizinhos por ferroviária ou por cabotagem”. No ano passado, até o dia 15 de dezembro, o Porto de Suape movimentou 14,18 milhões de toneladas de granéis líquidos. O consumo anual na Paraíba não chega a 800 mil toneladas. Ou seja, pelo montante, não seria difícil a operação em Pernambuco para atender à Paraíba.

Bem, acabou o mistério.

Pressão política faz Petrobras liberar combustíveis para Cabedelo

A pressão do governador Ricardo Coutinho (PSB) surtiu o efeito esperado. No fim da tarde desta quarta-feira (6), a Petrobras prometeu a regularização do fornecimento de combustíveis para o Porto de Cabedelo. À vice-governadora, Lígia Feliciano (PDT), o diretor de abastecimento da companhia, Jorge Celestino Ramos, prometeu a liberação de 58 toneladas para este mês, que seria o montante já requisitado pelas distribuidoras do Estado. Desde o fim de dezembro, os postos de combustíveis sofrem com a intermitência no abastecimento.

reuniao petrobras e gov do estado vice gov ligia feliciano (2)

A movimentação da Petrobras, com a redução nos repasses de combustíveis, tem endereço certo: a migração da operação de cabotagem do Porto de Cabedelo para o Porto de Suape, em Pernambuco. Enfrentando dificuldades financeiras, a Transpetro iniciou no mês passado um teste com um navio da categoria SuezMax, no porto pernambucano. O objetivo, com isso, era concentrar toda a distribuição dos combustíveis lá, para onde deveriam seguir os caminhões-tanques da Paraíba. A lógica é a de que a operação em Cabedelo é cara, por conta do baixo calado do porto e da demanda.

IMG-20160106-WA0006

O governador primeiro entrou em contato com o ministro chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, para fazer chegar à presidente Dilma Rousseff (PT) o seu descontentamento. Mais cedo chegou até a circular a informação de ameaça de rompimento, que foi posteriormente negada pelo gestor paraibano. Ricardo Coutinho, no entanto, condenou qualquer justificativa meramente tecnicista para a transferência da operação de cabotagem e cobrou da Transpetro que ela abra o monopólio. Assim os empresários paraibanos poderiam contratar o transporte.

Ricardo prometeu procurar o superintendente da Petrobras, Aldemir Bendine, e ainda a presidente Dilma Rousseff (PT) para resolver a questão. Não chegou a ser necessário, ao menos não se a promessa for cumprida. Além da vice-governadora, estiveram na sede da Petrobras, no Rio, nesta quarta, o secretário executivo de Desenvolvimento Econômico, Wilbur Holmes Jácome, e a diretora presidente da Companhia Docas da Paraíba, Gilmara Temóteo. Nesta quinta, a bancada paraibana se reúne com o ministro das Minas e Energia, Eduardo Braga.

Quando o diálogo econômico não dá jeito, resta apelar para a pressão política. A lógica vem dando certo há pelo menos seis meses. Resta saber até quando o remédio demonstrará eficácia.

 

Efeitos da crise na Paraíba vão além do bate-boca de Ricardo e Cássio

Enquanto as duas maiores lideranças políticas do Estado estão usando a imprensa para bater-boca, a Paraíba corre o risco de perder duas grandes fontes de investimento. E não falo aqui de dinheiro novo, não. Me refiro ao fechamento do Terminal de Logística de Carga (Teca) do Aeroporto Castro Pinto, bem como o fim das operações de cabotagem da Transpetro em Cabedelo.

O tema é tratado em matéria publicada nesta terça-feira (25) no Jornal da Paraíba. A matéria da repórter Larissa Claro mostra um risco de o estado perder R$ 3 bilhões por ano só com o fim da estocagem de combustíveis no Porto de Cabedelo, segundo estimativas do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Derivados de Petróleo da Paraíba (Sindipetro).

Mas não para por aí. A ideia da Petrobras, buscando economia, é transferir toda a operação para o Porto de Suape, em Pernambuco. Resultado: além de a arrecadação de impostos ficar no estado vizinho, a distância e o frete fariam com que o preço do litro de gasolina vendido na Paraíba crescesse cerca de R$ 0,06. A entrega do produto também demoraria 12 horas a mais.

Coutinho anunciou nesta segunda-feira que vai procurar o superintendente da Infraero, Antônio Gustavo Matos, nesta quarta-feira, para pedir a manutenção dos serviços no Castro Pinto. Vai um pouquinho atrasado, já que quarta é o dia previsto para o fim das operações. As chances seriam maiores se a procura tivesse ocorrido há dois meses, quando houve o anúncio do fechamento.

Em relação à Petrobras, a reunião com a direção ainda não tem data marcada. Mas há a intenção. O momento seria para o governador reunir toda a bancada, incluindo o senador Cássio Cunha Lima (PSDB), para “ocupar” a Petrobras e a Infraero, pelo menos fingindo unidade em prol do Estado. Em vez disso, continua o clima belicoso entre tucanos e socialistas quase um ano após a última eleição.

Ricardo na manhã desta terça-feira acuou o senador de ter “aura golpista” e querer derrubar um governo legitimamente eleito, fazendo referência ao dele próprio e ao da presidente Dilma Rousseff. Cássio por outro lado respondeu ao governador dizendo que ele tenta tirar o foco dos efeitos da crise econômica na Paraíba. Ele ainda jogou para a Justiça Eleitoral a responsabilidade por dar respostas à sociedade.

Se a energia desperdiçada dos dois fosse usada para defender a Paraíba…

Moradores de Manaíra fazem “panelaço” durante programa do PT

O programa nacional do PT gerou protestos em vários estados do país, na noite desta terça-feira. Em João Pessoa, moradores do bairro de Manaíra fizeram um “panelaço” durante a propaganda, que teve duração de 10 minutos. A partir dos prédios, foram vistas pessoas batendo panelas e acendendo e apagando as luzes. Foram ouvidas buzinas também no mesmo momento. Os protestos foram registrados também em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Florianópolis, Porto Alegre e Salvador.

Confira como foi o protesto

Durante o programa, o Partido dos Trabalhadores falou das melhorias das condições de vida da população e prometeu a expulsão dos petistas que forem condenados por envolvimento em casos de corrupção. O ex-presidente Lula também apareceu e fez discurso contrário à aprovação do projeto que regulamenta a terceirização da atividade-fim na contratação de trabalhadores.

Confira o programa do PT