Ruy Carneiro recebe apoio do PSC para a disputa em João Pessoa

Deputado federal busca apoios para a disputa da prefeitura da capital

Ruy Carneiro é o pré-candidato do PSDB a prefeito da capital. Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O deputado federal Ruy Carneiro (PSDB) oficializou nesta segunda-feira (29) a adesão do PSC à pré-candidatura dele à prefeitura de João Pessoa. O tucano foi um dos primeiros nomes lançados para a disputa municipal. De acordo com o tucano, a adesão aconteceu após a promessa de garantir aos novos aliados, caso seja eleito, um modelo de gestão eficaz e inovador, comprometido com o desenvolvimento sustentável do município. Este é o primeiro apoio partidário a um pré-candidato para as eleições de 2020 da capital paraibana.

“Ruy tem o perfil ideal para conduzir João Pessoa nos próximos anos, quando vamos precisar reconstruir a economia da Capital após os efeitos da pandemia da Covid-19”, afirma Marcondes Gadelha, presidente do PSC na Paraíba, lembrando que o tucano já foi vereador da capital, além de ser votado para os cargos de deputado estadual e deputado federal.

Dos integrantes do PSC, a adesão à postulação do PSDB foi elogiada pelo ex-deputado federal Leonardo Gadelha. “Ruy é jovem, mas já acumula uma grande experiência administrativa e política. Tem apontado caminhos sintonizados com um grande projeto de desenvolvimento para João Pessoa”, afirma.

Paraíba: políticos bolsonaristas lamentam saída de Moro, mas ficam com o presidente

Grupo se mantém fiel ao presidente, apesar das denúncias feitas por Sérgio Moro

Os deputados estaduais mais fiéis às bandeiras bolsonaristas, na Paraíba, sentiram um abalo com a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça. Apesar disso, Wallber Virgolino (Patri) e Cabo Gilberto (PSL) ficarão com o capitão reformado do Exército. Ambos, mesmo assim, se mostraram tristes com a saída do dx-juiz, que deixou o governo acusando o presidente de ter tentado influir politicamente na Polícia Federal.

Wallber Virgolino usou as redes sociais para demonstrar o apoio a Bolsonaro. Foto: Reprodução

Sérgio Moro formalizou o pedido de exoneração na sexta-feira da semana passada. A gota d’água para a saída do governo foi a demissão, pelo presidente, do delegado-geral da PF, Maurício Valeixo. Nas palavras do agora ex-ministro, há muito o presidente tentava intervir na corporação com o objetivo de prejudicar investigações que tinham como alvos os filhos dele e pessoas do círculo pessoal bolsonarista, entre eles, deputados federais.

Entre os paraibanos, o Cabo Gilberto é o mais resiliente. Em conversa com o blog, ele disse que a saída de Moro não abalou nem um pouco suas convicções. O deputado reconhece que, em todo o Brasil, houve perdas na base do presidente, de pessoas que ficaram tristes com o episódio. “Vou torcer pelo próximo (ministro)”, disse. O nome mais forte para o cargo é o Jorge Oliveira, hoje ocupando o cargo de secretário-geral da Presidência.

Reprodução

Já Wallber Virgolino foi duro com o agora ex-ministro. Ele diz reconhecer a importância de Moro para o combate à corrupção, no Brasil, porém, acha que o ex-juiz da Lava Jato errou. “Deveria esperar a crise do novo Coronavírus passar para criar outra crise”, disse, alegando que a demissão de Moro foi a maior perda até agora para um governo que tem menos de um ano e meio de mandato. “Espero que Moro mantenha os mesmos valores”, acrescentou.

A vereadora de João Pessoa, Eliza Virgínia (PP), usou as redes sociais para dizer que permanece ao lado do presidente. Disse que a luta dela é, imaginem, com o “comunismo” e o “socialismo”. A parlamentar integra o grupo mais conservador no Legislativo.

Mas nem tudo são flores para o bolsonarismo raiz no Estado. Eleito pelo PSL, na época ocupando posição de destaque ao lado do presidente, o deputado federal Julian Lemos tem feito críticas a várias decisões do governo. Em relação à saída de Sérgio Moro, ele criticou nas redes sociais a interferência política do presidente na PF. Criticou também a influência dos filhos de Bolsonaro nas decisões do governo.

 

 

 

Moro chega a João Pessoa e manifestará apoio ao trabalho do Gaeco

Ministro da Justiça foi o responsável pela Operação Lava Jato no primeiro grau

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, faz visita à Paraíba. Foto: Divulgação

O ministro Sérgio Moro (Justiça) faz visita à Paraíba nesta segunda-feira (17). O evento não consta na agenda oficial do auxiliar do governo de Jair Bolsonaro (sem partido). A vinda à Paraíba tem entre os seus objetivos manifestar apoio ao trabalho do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba (MPPB). Uma entrevista coletiva foi marcada para as 11h e será acompanhada pelo procurador-geral do Estado, Seráphico da Nóbrega.

A vinda de Moro à Paraíba ocorre um dia antes de o Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgar o recurso do Ministério Público contra decisão que resultou na soltura do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), no ano passado. Ele, junto com outras 16 pessoas, foram alvos de mandados de prisão na operação Calvário. Ocorre também dias depois da autorização para a formação do Gaeco do Ministério Público Federal, na Paraíba.

Em relação ao Gaeco do MPPB, o órgão tem entre as operações mais recentes a Calvário,  que tem contratos do governo do estado e da prefeitura de João Pessoa, durante gestões do PSB, entre os alvos. Ela conta com a participação também da Polícia Federal, que está sob o comando da pasta dirigida por Sérgio Moro.

Conheça o perfil desejado por Romero para sucessor na prefeitura de Campina Grande

Romero diz que aliado precisa, entre outras coisas, demonstrar de capacidade técnica e política para gerir a prefeitura

Romero Rodrigues ao lado da deputada federal Joice Hasselmann no São João de Campina Grande. Foto: Divulgação/Codecom-CG

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSD), tem corrido longe das discussões sobre a sucessão na cidade. Ele brinca ao ser questionado sobre o assunto, dizendo que está “inválido”, inelegível para disputar nova eleição municipal. Isso pelo fato de já ter sido reeleito uma vez. O gestor diz que essa pode até ser a hora de se discutir política, mas não para ele.  “Estou focado nisso, na administração, tentando cuidar das minhas atribuições”, diz. Mas provocado pelo blog, ele aceitou descrever o perfil ideal de quem vai disputar as eleições, no ano que vem, com o apoio dele.

As capacidades técnica e política foram as mais citadas. “(Precisa) ser uma pessoa de um bom conceito, ter o respeito da cidade, ter capacidade técnica e administrativa e também é importante que tenha uma relação política, porque, afinal de contas, a cidade vive de gestos. Alguém que tenha esse caráter político também, para sendo eleito manter uma boa relação com a cidade é importante. Mas capacidade técnica é fundamental, porque, afinal de contas, precisa dar sequências às obras e ações e, para isso, é preciso que tenha uma noção boa de gestão. E a tecnicidade é super importante nisso”, pontuou Romero Rodrigues.

O número de pré-candidatos tem se avolumado. Mais recentemente, o nome do ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB) passou a ser ventilado. Tudo por causa de uma foto postada nas redes sociais. O chefe de Gabinete da prefeitura, Bruno Cunha Lima, é outro que poderá se filiar ao PSD. Há convite de filiação, também, para o deputado estadual Tovar Correia Lima, hoje no PSDB. Ele demonstra interesse na disputa da prefeitura. Outro que quer disputar as eleições é o deputado estadual Manoel Ludgério (PSD), bem como o deputado federal Pedro Cunha Lima (PSDB). Outros nomes, no entanto, vêm ganhando força nos bastidores.

O prefeito diz que é possível buscar um entendimento na base aliada. Quem for preterido, precisa entrar no apoio do colega. “Bom seria se a gente pudesse discutir de forma desprendida, sem vaidade nenhuma. Poder discutir o processo eleitoral compreendendo que no caso, a lógica, a sugestão e a ideia, é sair com um candidato, compreendendo que após a escolha todos saiam unidos. A escolha não será fácil, é verdade, bom porque também temos muitas opções”, ressaltou.

Sindicatos que compõem a Fiep manifestam apoio a Buega Gadelha

Entidades dizem confiar na inocência de Gadelha, que foi afastado do comando da Federação

Nota foi divulgada por entidades que compõem o sistem aindústria. Foto: Divulgação

Vinte e cinco sindicatos que compõem a Federação das Indústrias da Paraíba (Fiep) divulgaram nota, nesta quarta-feira (20), com manifestação de apoio a Buega Gadelha. O dirigente da entidade foi alvo de mandado de prisão temporária, na última terça-feira (19), no bojo da operação Fantoche. A Polícia Federal, na ação, investiga o suposto envolvimento de membros do “Sistema S” com a empresa Aliança Comunicação. As suspeitas são de que recursos do Serviço Social da Indústria (Sesi) e do Ministério do Turismo foram desviados através de empresas de fachada. Ao todo, R$ 400 milhões teriam sido movimentados pelo grupo em 17 anos.

Buega foi solto ainda na terça-feira. A Justiça Federal em Pernambuco, no entanto, determinou também o afastamento cautelar dele do cargo por 90 dias. Os dirigentes sindicatos, na nota divulgada nesta quarta, se dizem confiantes de que as investigações irão inocentar Gadelha.

Confira a nota na íntegra:

NOTA À IMPRENSA

Nós, Presidentes dos Sindicatos que compomos a Federação das Indústrias do Estado da Paraíba, sentimo-nos no dever de vir a público para informar a toda a população e às autoridades constituídas que depositamos plena confiança no trabalho e condução do Presidente da FIEP, Francisco de Assis Benevides Gadelha, à frente dos destinos do Sistema Indústria da Paraíba, sobretudo pela administração séria, e competente que consolida sua liderança.

A história de vida de Buega é de um homem bom, humilde no trato e foi construída com competência, dignidade e caráter, predicados que são penhores da sua hombridade. Somos, portanto, solidários a ele neste momento, confiantes de que os fatos já estão sendo esclarecidos com a maior rapidez e transparência possível, ressaltando nossa crença nas instituições e no esclarecimento dos fatos para o bem da verdade e da honra das pessoas.

SINDIAÇÚCAR – PB
SINDIÁLCOOL – PB
SINDIARROZ – PB
SINDIBEBIDAS – PB
SINDIBENTONITA – PB
SINDICALÇADOS – PB
SINDICER – PB
SINDOCES – PB
SINDUSCON – PB
SINDUSCON – JP
SINDOCOUROS – PB
SINDOFIBRAS – PB
SINDIMINERAIS – PB
SINDITÊXTIL – PB
SINDIGRÁFICA – PB
SINDISEGURANÇA – PB
SINDIPLAST – PB
SINDICAFÉ – PB
SINDIMETALÚRGICA – PB
SINDIPAN – PB
SINDIPAN – CG
SINDISABÃO – PB
SINDIVEST – PB
SINDIVIDROS – PB
SINDIREPA – PB

Dia do professor: paraibanos usam redes sociais para se posicionar politicamente

Atendendo desafio, professores universitários empregados durante gestões do PT apresentam voto em Haddad

Um grupo de professores paraibanos, ligados a instituições federais de ensino, divulgou vídeos nesta segunda-feira (15) de apoio ao presidenciável Fernando Haddad (PT). A maioria deles foi admitida através de concurso público durante o período em que o petista era ministro da Educação. Em todos os discursos, eles atribuem à gestão do postulante a ampliação da oferta de vagas no ensino superior. Eles ressaltam também como fator importante a interiorização do ensino.

Um deles, o professor de Letras da Universidade Federal da Paraíba, Erivaldo Pereira, diz que o trabalho de interiorização do ensino superior favoreceu regiões com baixo índice de desenvolvimento humano na Paraíba. O movimento aproveita o Dia do Professor para distribuir as mensagens que visam o fortalecimento do candidato petista.

Fernando Haddad foi o segundo colocado no primeiro turno das eleições deste ano. O primeiro colocado foi o capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL). Bolsonaro é deputado federal e lidera as pesquisas para o segundo turno com grande vantagem sobre o petista. A última pesquisa divulgada pelo Datafolha, na semana passada, apresentou o parlamentar com 58% das intenções de voto contra 42% do ex-ministro da Educação.

Em coletiva, PT revela carta de Lula aos paraibanos e apoio a João Azevêdo

Ex-presidente teve o projeto de eleição frustrado por decisão do Tribunal Superior Eleitoral

Jackson Macedo leu a carta de apoio de Lula a João, Luiz e Veneziano. Foto: Reprodução/Facebook

Os petistas paraibanos leram, durante entrevista coletiva, na manhã desta quinta-feira (6), carta do ex-presidente Lula aos paraibanos. O petista teve o registro de candidatura negado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e tenta, por meio de recurso, voltar à disputa. No documento, em linhas gerais, o ex-gestor fala de obras e serviços destinadas à Paraíba durante os governos petistas. Aproveita também para pedir votos para o candidato governista João Azevêdo (PSB), que disputará o governo. Há pedido também de apoio para Luiz Couto (PT) e Veneziano Vital do Rêgo (PSB), que disputam vaga para o Senado. A fórmula de divulgação da carta é mesma usada em outros estados brasileiros. Lula deverá ser substituído na disputa pelo atual candidato a vice na chapa, Fernando Haddad (PT).

Confira o texto na íntegra

 

Coletiva de Maranhão não será para anunciar desistência

Emedebista aproveita especulações na imprensa para anunciar adesão à campanha

José Maranhão dará entrevista coletiva nesta quinta. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

A política tem as suas graças e estratégias traçadas nos bunkers de campanha. Desde a noite desta quarta-feira (15) campeia nas rodas políticas a informação de que um dos candidatos ao governo da Paraíba encontra-se muito doente. Não demorou para que as especulações ligassem o caso ao senador José Maranhão (MDB). Teleguiada ou não, a especulação tem como base a idade avançada do parlamentar/candidato. São 85 anos. As especulações cresceram ainda por que o postulante convocou uma entrevista coletiva para as 15h desta quinta-feira. Mas quem espera por uma renúncia, pode desistir.

A coletiva convocada pelo senador José Maranhão, segundo o apurado pelo blog, é para o anúncio de um apoio. Esta adesão, não revelada pelos aliados do parlamentar, terá grande impacto nas eleições deste ano, segundo os emedebistas. Há quem diga ser o senador Raimundo Lira. O parlamentar chegou a migrar do MDB para o PSD para disputar a reeleição. Depois, diante das dificuldades eleitorais, decidiu renunciar à disputa. Apesar de estar em partido da base aliada de Lucélio Cartaxo (PV), não fez qualquer movimento de apoio à postulação. A entrevista coletiva será às 15h, na sede do partido, em João Pessoa.

Carlos Batinga recebe apoio da prefeita de Monteiro para as eleições

Anna Lorena troca grupo liderando por João Henrique pelo comandado por Batinga

Batinga recebeu apoio em encontro que contou com a participação de João Azevêdo e Ricardo Coutinho. Foto: Divulgação

Após anunciar apoio à candidatura de João Azevedo (PSB) ao governo da Paraíba, a prefeita de Monteiro, Anna Lorena, anunciou o apoio do seu grupo político à pré-candidatura de Carlos Batinga (PTB) a deputado estadual. O apoio foi confirmado nesta semana, após reunião com os vereadores de sua base aliada na Câmara de Vereadores e com o vice-prefeito Celecileno Alves. A gestora era aliada do deputado João Henrique (PSDB), mas rompeu com o antigo grupo.

Segundo Anna Lorena, a opção pelo nome de Carlos Batinga representa um projeto em defesa dos interesses administrativos de Monteiro. “Batinga foi prefeito por dois mandatos no nosso município, foi deputado estadual e ocupou funções relevantes no Estado. Tenho certeza que juntos poderemos trabalhar ainda mais por Monteiro, pois esse tem sido o nosso principal foco”, disse Anna Lorena.

Anna Lorena disse ainda, que a decisão de apoiar a pré-candidatura de Carlos Batinga a deputado estadual aconteceu após vários dias de consultas aos seus amigos e ao seu grupo político. “O apoio a pré-candidatura de Carlos Batinga parte da necessidade de Monteiro fortalecer sua representatividade na Assembleia Legislativa e o nome dele une o nosso município com o propósito da paz e do bem de nossa população”, disse a prefeita Lorena.

O pré-candidato Carlos Batinga disse que se sente muito feliz e que a partir dessa união Monteiro passará a viver um novo momento, de diálogo, respeito e muito trabalho. “Estou muito feliz e essa parceria é muito importante para Monteiro, pois a partir de agora Monteiro viverá um novo tempo, com diálogo, respeito e união, e nossos conterrâneos só tem a ganhar! Fico grato por tamanha confiança e feliz por poder contar com essas parcerias”, disse Carlos Batinga.

 

PSB da Paraíba vai defender na convenção nacional apoio à candidatura de Lula

Partido está dividido nacionalmente entre os apoios a Lula ou a Ciro Gomes ou ainda a adoção de neutralidade

Lula (D) conversa com Ricardo Coutinho e com a ex-presidente Dilma Rousseff durante uma das últimas agendas cumpridas na Paraíba. Foto: Divulgação

O Partido Socialista Brasileiro (PSB), na Paraíba, decidiu apoiar a candidatura do ex-presidente Lula (PT) ao Planalto. A decisão foi tomada em reunião nesta segunda-feira (30) e vai ser levada para a convenção nacional, no dia 5 de agosto. O entendimento ocorre no mesmo momento em que o Partido dos Trabalhadores formalizam apoio à pré-candidatura de João Azevedo (PSB) ao governo. Nesta segunda-feira, também, o presidente estadual do PT, Jackson Macedo, divulgou áudio pedindo que os coletas de partido votem e peçam voto para o deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PSB), pré-candidato ao Senado. Ele deve dividir espaço na chapa com o petista Luiz Couto, também deputado federal. Veneziano era tratado por golpista pelos petistas, por ter votado pró-impeachment de Dilma Rousseff (PT).

A convenção nacional do PSB vai acontecer em Brasília, no dia 5, o último para as convenções partidárias. O partido, nacionalmente, está dividido. Uma parte significativa quer votar no ex-presidente Lula, outra torce por uma aliança com Ciro Gomes (PDT) e há ainda um grupo bastante representativo que defende a neutralidade. Neste caso, os arranjos locais indicariam com quem haveria a aliança nos Estados. A proximidade do petista é mais forte entre os nordestinos e no Norte do país. O posicionamento do governador Ricardo Coutinho segue no mesmo sentido do governador de Pernambuco, Paulo Câmara. No estado vizinho, o gestor quer apoiar Lula e espera que o partido, lá, retire a candidatura de Marília Arraes (PT).

A resolução, resultante da reunião do PSB, justifica a adesão com a defesa da “democracia e, principalmente, em nome da esperança no restabelecimento das garantias sociais, tão duramente atacadas neste País, durante o atual e ilegítimo governo, bem como da recuperação da economia com a superação das desigualdades”. Outro ponto ressaltado é a suposta perseguição ao ex-presidente Lula.

“O dia 8 de julho passado produziu (mais) uma cena lamentável do completo desmonte do Estado Democrático de Direito em que o Brasil passou a experimentar sistematicamente desde que aqueles que perderam as eleições de 2014 resolveram atentar contra à escolha popular. Um juiz de primeira instância, sob a anuência de parte dos sistemas nacionais de comunicação de massa, em pleno abuso de autoridade, resolve confrontar publicamente a decisão de um desembargador de instância
superior, deixando mais do que evidente que não há nem haverá limites na manutenção da nova velha ordem que se estabeleceu no Brasil, onde só há espaço para abusos e violências antidemocráticas, e, pior, onde a justiça tem sido seletiva em diversos procedimentos. Reerguer os pilares do Estado Democrático de Direito é uma tarefa de todos os setores comprometidos com a democracia no Brasil”, diz a nota.