Cartaxo: quando um candidato pode se dividir em dois

Lucéio na Rua

23/08/16 Lucélio Cartaxo faz panfletagem na Avenida Nossa Senhora de Fátima

Não tem motivo para polêmica e nem chega a ser uma novidade, mas o fato de o prefeito de João Pessoa e candidato à reeleição, Luciano Cartaxo (PSD), ter um irmão gêmeo tem ajudado bastante na campanha dele. Na noite desta segunda-feira (22), o gestor participou de um debate na TV Master, encerrado por volta da meia-noite. Na manhã da terça, lá estava Lucélio Cartaxo, presidente municipal do PSD, participando de uma panfletagem no cruzamento das avenidas Nossa Senhora de Fátima com a Rui Barbosa, no bairro da Torre. Para a maioria dos eleitores, não há diferença entre eles.

Luciano-Caratxo-faz-panfletagem-em-Jaguaribe-300x200

18/08/16 Luciano Cartaxo durante panfletagem na Avenida Vasco da Gama. Crédito: Divulgação

A troca de lugares é exercida pelos irmãos Cartaxo desde os tempos em que o atual prefeito era vereador da capital. Eles se posicionavam em pontos distintos da cidade para pedir votos. Após ser eleito, Luciano ia sempre para as ruas de um lado e Lucélio do outro para agradecer aos eleitores. Na manhã desta terça-feira, a agenda de campanha do atual prefeito era a única que apresentava movimentação com panfletagem. E quem foi para a mobilização? Lógico que Lucélio Cartaxo. É inegável que existe uma vantagem natural no fato de eles poderem “se dividir em dois”, apesar de não haver ilegalidade nisso.

No último domingo, durante agenda no Timbó, Lucélio Cartaxo posou para fotos ao lado o candidato a vice de Luciano, Manoel Júnior (PMDB). Quem viu a foto teve dificuldades para entender que são pessoas diferentes.  É importante reconhecer que, nas agendas, Lucélio não se apresenta como Luciano Cartaxo. Nem precisaria. A aparência física, por serem gêmeos idênticos, se encarrega da indução ao erro. Fato é que “a capacidade de estar em dois lugares ao mesmo tempo” desequilibra o jogo democrático.

Professores e alunos fazem protesto contra violência na UFPB

Protesto em MamanguapeA violência no Litoral Norte será o tema do protesto organizado por professores e alunos do Campus IV da Universidade Federal da Paraíba. A concentração vai acontecer a partir das 18h, em frente ao Ginásio Esportivo Irmãozão, em Mamanguape. Eles não descartam interditar a BR-101 com a queima de pneus. O ato é uma reação aos constantes assaltos a alunos e professores dentro da instituição de ensino sediada nas cidades de Rio Tinto e Mamanguape. O grupo diz ter se tornado comum bandidos “invadirem” a universidade armados para assaltar, aproveitando a pouca iluminação e falta de segurança dentro e fora do campus.

Os temas centrais da manifestação são violência e iluminação. O objetivo, dizem os organizadores, é mostrar a indignação, explicitar a violência, cobrar das autoridades as providências já formalizadas para iluminação externa e interna ao campus; e exigir a efetivação de medidas de segurança no entorno e no interior do campus. As cobranças são direcionadas ao governo do estado, à prefeitura municipal e à UFPB. Foram convidados para participar do ato professores, alunos e representantes da comunidade. “É fundamental a participação dos estudantes, funcionários e terceirizados”, diz a convocação.

Todos foram convidados a comparecer ao protesto trajando roupa branca. Em nota recente, assinada pela diretora do Centro de Ciências Aplicadas e Educação, Angeluce Soares, ela lamentou os assaltos ocorridos dentro do Campus. “Mais uma vez a comunidade acadêmica fica vulnerável à ação de assaltantes que coloca em risco a vida de estudantes e trabalhadores do campus IV. Este não é um fato isolado. Muitos assaltos já ocorreram nas imediações e dentro do Campus IV, sobretudo em Mamanguape, e esses fatos se agravam e aumentam a sensação de insegurança”, disse.

 

Multa de R$ 50 mil para crimes de homofobia na Paraíba

Claudio Lima_Herbert ClenteDemorou, mas parece que agora vai sair do papel a aplicação da lei 7.309, de 2003, que estabelece multa de R$ 50 mil para os estabelecimentos comerciais que cometerem crimes de homofobia. O secretário de Segurança Pública do Estado, Cláudio Lima, assumiu compromisso com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e à Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Paraíba (OAB-PB), para criar uma comissão para aplicação da lei. Além disso, as delegacias de todo o Estado coletarão denúncias e encaminharão à comissão para aplicação da penalidade administrativa.

“A Secretaria (de Segurança) entende que se trata de tema da maior relevância e adotará todas as medidas para a implementação da lei 7.309”, garantiu Lima. O projeto, curiosamente, foi apresentado pelo hoje governador Ricardo Coutinho (PSB) quando ele ainda era deputado estadual. Apesar disso, nunca saiu do papel. A lei prevê a aplicação de multa a quem cometa atos de homofobia, ou seja, discriminação de pessoas devido à sua sexualidade ou devido ao afeto entre casais do mesmo gênero. O decreto nº 27.604/2003 regulamentou a lei e está em vigor desde 2003.

Números

Relatório anual sobre o assassinato de homossexuais no Brasil, divulgado em janeiro deste ano pelo Grupo Gay da Bahia (GGB)  mostra que 318 gays foram mortos somente no ano passado, em todo o País. Ou seja, um crime de ódio a cada 27 horas. Do total de vítimas, 52% eram gays, 37% travestis, 16% lésbicas, 10% bissexuais. Os dados mostram que a homofobia mata, inclusive, pessoas não LGBT: 7% eram heterossexuais e foram confundidos com gays e 1% amantes de travestis. Na Paraíba, 88 mortes de homossexuais foram registradas entre 2011 e 2014, conforme dados do movimento LGBT e do Movimento Espírito Lilás (MEL).

Bernardino Batista e São Mamede têm apenas um candidato a prefeito

Reprodução: Site do TSE

Reprodução: Site do TSE

Os eleitores de Bernardino Batista e São Mamende, no Sertão da Paraíba, têm três certezas: todo homem é mortal, haverá seca neste ano e que os dois municípios serão comandados, no próximo ano, respectivamente, por Gervázio Gomes (PSB) e Jefferson Morais (DEM). Não há achismo nisso, nem o desejo de beneficiá-los em detrimento de eventuais adversários. Até por que não haverá concorrentes nas duas cidades.

Crédito: Reprodução/TSE

Crédito: Reprodução/TSE

No caso de Bernardino Batista, o atual prefeito da cidade foi denunciado pelo Ministério Público Federal no âmbito da Operação Andaime por suposto crime de improbidade administrativa. O socialista conseguiu a façanha de cooptar todos os adversários. Concorrência, vale ressaltar, não é uma palavra muito em uso na cidade sertaneja. Ao todo, a Câmara Municipal tem nove vagas de vereador e sabe quantas pessoas se candidataram para concorrer a um dos cargos? Quem pensou em nove errou por muito pouco. Serão 12 postulantes, sendo que dez deles são do mesmo partido do prefeito, o PSB. Os outros dois são do PSDB e do DEM. O candidato a prefeito pela oposição seria o vereador Adriano do Sindicato (PSDB), mas ele desistiu da disputa após conversa com Gervázio Gomes. Resultado: essa eleição vai ser uma barbada.

São Mamede

Já em São Mamede, Jefferson Morais também conseguiu convencer os adversários a abandonar a candidatura. Ele é ligado ao presidente estadual do DEM, o ex-senador Efraim Morais. O postulante tem o apoio do atual prefeito, Francisco das Chagas (DEM). Na Câmara Municipal, ao contrário de Bernardino Batista, haverá uma boa concorrência. Serão 27 candidatos para nove vagas.

 

 

Prefeitura lança licitação para contenção na Barreira do Cabo Branco

Barreira do Cabo Branco

Reprodução: TV Cabo Branco

A prefeitura de João Pessoa lançou neste fim de semana o edital para as obras de contenção na falésia do Cabo Branco. Ao todo, estão sendo disponibilizados quatro lotes independentes, sendo um para a elaboração do Estudo de Impacto Ambiental/Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) e os outros para a execução da obra propriamente dita. A expectativa do poder público é a de que as intervenções tenham início até o próximo ano e a estimativa é que sejam investidos mais de R$ 81 milhões nas obras que visam reduzir a degradação na barreira, um dos pontos turísticos mais importantes do Estado.

A elaboração do EIA/RIMA deve ser iniciada logo após a conclusão do processo licitatório, que poderá durar até 120 dias. O custo estimado para o trabalho, no edital, é de R$ 669 mil. A proposta é que o estudo seja concluído também em quatro meses. Ele vai indicar o nível de impacto que será trazido pelo projeto executivo de intervenção em continente e no mar. A partir daí, com o estudo em mãos, haverá a avaliação sobre eventuais mudanças no projeto original e o pedido de licença à Superintendência de Desenvolvimento do Meio Ambiente (Sudema) para instalação do canteiro e o início das obras.

As empresas que forem habilitadas no processo licitatório poderão concorrer para os quatro lotes ou para lotes específicos. A secretária de Planejamento de João Pessoa, Daniella Bandeira, explicou que ganha quem oferecer o menor preço. As obras preveem a construção de quebra-mares, engorda da praia e drenagem na área continental. As falhas na drenagem, vale ressaltar, são elencadas entre os principais motivos para a degradação. A estimativa é que as obras para a execução dos lotes 2, 3 e 4 custem em torno de R$ 81 milhões.

Ainda durante a elaboração do EIA/Rima serão realizadas pelo menos três audiências públicas para discutir os impactos do projeto. As discussões sobre a contenção na barreira do Cabo Branco já se arrastam há mais de 20 anos. Desde então, vários prefeitos vêm prometendo resolver o problema dos contantes desmoronamentos. O prefeito Luciano Cartaxo (PSD) chegou a decretar estado de emergência no local em duas oportunidades. O tráfego de veículos na área continental mais próxima do mar foi interditado e foram construídos acessos alternativos à Estação Ciência.

 

 

 

 

“Enquadrados” vence o 1° Hackfest Contra a Corrupção em Campina Grande

 

Hackfest Contra a Corrupção reúne mais de 60 participantes. Crédito: Divulgação/MPPB

Hackfest Contra a Corrupção reúne mais de 60 participantes. Crédito: Divulgação/MPPB

Todas as ferramentas desenvolvidas foram fantásticas, mas era preciso um vencedor para o primeiro ‘Hackfest Contra a Corrupção’, promovido pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) em parceria com o laboratório Analytics da Universidade Federal de Campina Grande e a Rede Paraíba de Comunicação, representada pelo Jornal da Paraíba. Os vencedores foram os desenvolvedores do Enquadrados, um aplicativo criado para identificar o número de servidores (efetivos, temporários e comissionados) por metro quadrado das Câmaras Municipais e das Prefeituras de todo o país, em especial na Paraíba. A ideia é mostrar o inchaço das repartições públicas, cujos espaços não seriam suficientes para acomodar tantos servidores (incluindo os cabos eleitorais).

O evento, promovido na sede do Ministério Público, em Campina Grande, teve inicio na sexta-feira (19) e foi concluído neste domingo (21). Na fase de brainstorming, logo no início, foram apresentadas 46 propostas pelos 60 estudantes inscritos para a disputa. Delas, dez foram selecionadas e, depois, com uma nova avaliação, oito passaram a ser desenvolvidas. As ferramentas deverão ser usadas pelo site colaborativo Eu Fiscal, fruto de uma parceria entre Ministério Público da Paraíba (MPPB), Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e o Jornal da Paraíba, representando a Rede Paraíba de Comunicação. O site já está no ar com aplicativos importantes e anteriores ao evento pelo endereço http://eufiscal.jornaldaparaiba.com.br/.

O promotor Octávio Paulo Neto, coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e um dos principais entusiastas do projeto, elogiou as ideias surgidas no Hackfest. Ele ressaltou que o melhor de tudo é a interação dos dois mundos, com o virtual contribuindo para o combate à corrupção. “A juventude, através desses exercícios de programação, pode contribuir bastante para o acesso inteligível dos dados, fazendo com que a população efetivamente possa tomar uma decisão apropriada, não só para as eleições, mas para a sua vida e relação para com o Estado”, disse o promotor durante o evento. Ele destacou ainda que as ferramentas devem contribuir para que as pessoas vigiem a aplicação do dinheiro público.

A expectativa dos organizadores é que todas as ferramentas desenvolvidas possam em breve ser disponibilizadas para a população, através do site Eu Fiscal. “O mais importante é que a gente conseguiu reunir mais de 50 pessoas em um prédio público, para pensar sobre corrupção ou pensar sobre o problema da corrupção e ainda pensar soluções para esse problema”, disse o professor da UFCG João Arthur Brunet Monteiro, que coordenou o evento ao lado do também professor Nazareno Andrade e do promotor Octávio Paulo Neto. “Eu consigo ver duas vertentes dessa iniciativa. Uma é o retorno do pensar, do pensar sobre política, do pensar sobre corrupção. E o outro é o concreto, que é a aplicação. A sociedade vai utilizar essas aplicações para controlar a gestão pública”, acrescentou.

Os participantes são estudantes de cursos de Ciência da Computação (ou áreas afins), Direito, Design ou Arte e Mídia participam da competição. O ‘Hackfest’, também chamado de hack day ou codefest, é uma maratona de programação na qual hackers se reúnem por longos períodos, com o objetivo de explorar dados abertos, desvendar códigos e sistemas lógicos, além de discutir novas ideias e desenvolver projetos de software ou até mesmo de hardware. Por ser um evento público, a maratona dá visibilidade e transparência a essas atividades, além de divulgar os novos produtos gerados.

As equipes da competição

# Ficha Limpa – Pretende criar dispositivo que irá ajudar a população na escolha de seus representantes, propondo uma ferramenta que mostre os políticos com ficha limpa.

# Topa Tudo – A principal da euipe é, por meio de análise de dados de licitações, encontrar empresas potencialmente corruptas, que fornecem serviços incompatíveis com a sua competência ou de competências muito divergentes.

# Corruptômetro – Vai medir a propensão de políticos ou empresas de se tornarem corruptos, baseado em casos conhecidos de corrupção de políticos e empresas.

# Obras GO – A proposta é “capturar” obras públicas para saber se foram realizadas ou não.

# Como Estou? – Será levantado o perfil dos vereadores que atuam na Câmara Municipal de Campina Grande e produzir um ranking levando-se em conta a produção legislativa desses parlamentares.

# Cartão Fidelidade – A proposta dessa equipe é mostrar as empresas que fecham “contrato” com partidos políticos e depois são recompensadas nas gestões públicas.

# Enquadrados – Identificar o número de servidores (efetivos, temporários, comissionados etc.) por metro quadrado das Câmaras Municipais e das Prefeituras de todo o país, em especial na Paraíba.

# Será Dubai?!! – Comparar os gastos das gestões públicas com os tipos de obras que executam, levando-se em conta o metro quadrado.

Ex-secretário de Ricardo anuncia apoio a Cartaxo e alfineta antigo chefe

Crédito: Reprodução/Facebook

Crédito: Reprodução/Facebook

O ex-secretário de Administração Penitenciária da Paraíba e atual secretário de Cidadania e Justiça do Rio Grande do Norte, Wallber Virgolino, manifestou neste domingo (21) apoio à candidatura à reeleição do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD). Ex-auxiliar do governador Ricardo Coutinho (PSB) durante o primeiro mandato do socialista, o delegado de carreira do Estado conheceu o céu e o inferno durante o período em que integrou os quadros da polícia paraibana. De secretário, após vários desentendimentos, foi rebaixado à condição de delegado seccional de Guarabira, no Brejo. Nas redes sociais, ao mesmo tempo que posou para fotos ao lado de Cartaxo, teceu vários elogios ao pessedista e críticas veladas ao governador, que lançou Cida Ramos (PSB) para a disputa na capital.

“Hoje “esbarrei” com o Prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo – 55 – PSD, candidato à reeleição, sempre muito simpático e afável, um político com suas imperfeições (ninguém é perfeito), mas com mais virtudes que defeitos. Luciano se enquadra na minha concepção de político. O meu ideal político é a DEMOCRACIA, onde todo o homem deve ser respeitado e honrado como indivíduo, como iguais, como cidadão e nenhum, jamais, VENERADO, pois político não é DEUS e política não é sacerdócio. Politica é um MÚNUS. Acima de nós: só Ele…”, postou Virgolino no Facebook. O secretário do Rio Grande do Norte chegou a alardear para aliados que disputaria as eleições, em João Pessoa, neste ano.

Novos ares

Enquanto secretário no Rio Grande do Norte, Virgolino foi o responsável pelo endurecimento do trato do Estado com os presídios. Ele instalou bloqueadores de celular na Penitenciária Estadual de Parnamirim e recolheu TVs e sons das celas, provocando a ira dos grupos criminosos comandados a partir da prisão. O resultado foi uma onda de violência com dezenas de ataques a ônibus, que só foi arrefecida com a chegada de forças federais. No Estado vizinho, é subordinado ao governador Robinson Faria, do PSD, o mesmo partido do prefeito de João Pessoa.

Mart’nália puxa ‘Fora Temer’ no Festival de Inverno em Campina Grande

Mart'nália puxou o "Fora Temer" em três oportunidades no show. Crédito: Reprodução/Twitter

Mart’nália puxou o “Fora Temer” em três oportunidades no show. Crédito: Reprodução/Twitter

Quem acompanhou a apresentação da cantora, compositora, instrumentista e atriz, Mart’nália, neste sábado (20), em Campina Grande, pode acompanhar, além de boa música, três manifestações contra o presidente da República interino, Michel Temer (PMDB-SP). A apresentação dela fez parte do 41° Festival de Inverso da cidade e teve início pouco depois das 21h, no palco Caixa, na Praça da Bandeira. O evento neste ano faz uma homenagem aos 100 anos do samba. Em pelo menos três oportunidades, a artista, filha do cantor e compositor Martinho da Vila, puxou o “Fora Temer” e foi acompanhada pelo público. Ela repete um gesto recente do também cantor e compositor Geraldo Azevedo, durante o encerramento de um show no qual cantou “Canção da Despedida”, música que fala em um dos seus trechos sobre “um rei mal coroado”. Em Sergipe, os artistas do Teatro Mágico também repetiram o manifesto, acompanhado pela platéia.  O impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff (PT) será votado no fim deste mês, sob o comando do ministro presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. A gestora prometeu fazer pessoalmente a sua defesa no Congresso. Caso pelo menos 54 senadores decida que a petista cometeu “pedaladas fiscais” e teve responsabilidade pelos créditos suplementares sem autorização do Senado, ela será afastada em definitivo. Com isso, Michel Temer assume o mandato em definitivo e permanece no poder até o fim do mandato, em 31 de dezembro de 2018.

 

Hackfest: hackers desenvolvem aplicativos contra a corrupção na Paraíba

Hakfest

Jovens preparam ferramentas de combate à corrupção. Crédito: Suetoni Souto Maior

O ‘Hackfest Contra a Corrupção’ vai desenvolver pelo menos oito ferramentas para o combate aos desvios de recursos públicos e em defesa das boas práticas de gestão na Paraíba. O evento teve início nesta sexta-feira (20), em Campina Grande, quando, na fase de brainstorming, foram apresentadas 46 propostas pelos 60 estudantes inscritos para a disputa. Delas, dez foram selecionadas e, depois, com uma nova avaliação, oito passaram a ser desenvolvidas. As ferramentas poderão ser usadas pelo site colaborativo Eu Fiscal, fruto de uma parceria entre Ministério Público da Paraíba (MPPB), Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e o Jornal da Paraíba, representando a Rede Paraíba de Comunicação.

Uma comissão técnica irá avaliar os trabalhos – além de uma votação geral entre os participantes – e apontará as equipes vencedoras. Serão entregues troféus para o primeiro e segundo lugares e para a equipe mais criativa. “Formalmente há uma competição, mas, na verdade, o que existe é um espírito colaborativo entre os estudantes. E o nosso melhor produto será reunir mais de 50 pessoas num prédio público para criarmos ferramentas de combate à corrupção”, avalia o professor João Arthur, da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e um dos coordenadores do evento.

O evento, promovido pelo Ministério Público paraibano, em parceria com a UFCG e a Rede Paraíba, está acontecendo na sede do Complexo do Ministério Público em Campina Grande até as 20h deste domingo (21). Os participantes são estudantes de cursos de Ciência da Computação (ou áreas afins), Direito, Design ou Arte e Mídia participam da competição. “A juventude, através desses exercícios de programação, pode contribuir bastante para o acesso inteligível dos dados, fazendo com que a população efetivamente possa tomar uma decisão apropriada, não só para as eleições, mas para a sua vida e relação para com o Estado”, disse o promotor Octávio Paulo Neto, coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Já o coordenador da Controladoria Geral da União (CGU), na Paraíba, Gabriel Aragão, disse que a internet, hoje, é extremamente importante. Ele, inclusive, espera que a população possa ajudar no combate à corrupção, fazendo uso dessas ferramentas. “É muito importante que as pessoas percebam que elas têm que participar do combate à corrupção. O controle social é fundamental. Então, elas não podem dizer que não têm a ver com isso. Se querem um país melhor, têm que participar”, ressaltou.

O ‘Hackfest’, também chamado de hack day ou codefest, é uma maratona de programação na qual hackers se reúnem por longos períodos, com o objetivo de explorar dados abertos, desvendar códigos e sistemas lógicos, além de discutir novas ideias e desenvolver projetos de software ou até mesmo de hardware. Por ser um evento público, a maratona dá visibilidade e transparência a essas atividades, além de divulgar os novos produtos gerados.

O ‘Hackfest Contra a Corrupção’ está sendo realizado por meio do Núcleo de Gestão do Conhecimento do MPPB e com o apoio da Associação Paraibana do Ministério Público (APMP). A parceria do Ministério Público da Paraíba é com o Laboratório Analytics, do Departamento de Sistema e Computação, do Curso de Ciência da Computação da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), e com o Jornal da Paraíba.

As equipes da competição

# Ficha Limpa – Pretende criar dispositivo que irá ajudar a população na escolha de seus representantes, propondo uma ferramenta que mostre os políticos com ficha limpa.

# Topa Tudo – A principal da euipe é, por meio de análise de dados de licitações, encontrar empresas potencialmente corruptas, que fornecem serviços incompatíveis com a sua competência ou de competências muito divergentes.

# Corruptômetro – Vai medir a propensão de políticos ou empresas de se tornarem corruptos, baseado em casos conhecidos de corrupção de políticos e empresas.

# Obras GO – A proposta é “capturar” obras públicas para saber se foram realizadas ou não.

# Como Estou? – Será levantado o perfil dos vereadores que atuam na Câmara Municipal de Campina Grande e produzir um ranking levando-se em conta a produção legislativa desses parlamentares.

# Cartão Fidelidade – A proposta dessa equipe é mostrar as empresas que fecham “contrato” com partidos políticos e depois são recompensadas nas gestões públicas.

# Enquadrados – Identificar o número de servidores (efetivos, temporários, comissionados etc.) por metro quadrado das Câmaras Municipais e das Prefeituras de todo o país, em especial na Paraíba.

# Será Dubai?!! – Comparar os gastos das gestões públicas com os tipos de obras que executam, levando-se em conta o metro quadrado.

Condenados pela Justiça tentam voltar ao poder nas prefeituras da PB

Aluízio Bezerra, coordenador do Mutirão da Improbidade. Crédito: Kleide Teixeira

Aluízio Bezerra, coordenador do Mutirão da Improbidade. Crédito: Kleide Teixeira

Os eleitores de pelo menos 13 cidades paraibanas vão encontrar nas urnas, neste ano, prefeitos e ex-prefeitos condenados recentemente por crimes de improbidade administrativa no âmbito do programa Meta 4, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Mais de 100 gestores paraibanos foram considerados culpados por práticas como fraudes em licitações, desvio de recursos públicos e enriquecimento ilícito e, mesmo assim, estarão livres para a disputa, desde que a condenação não seja confirmada até o dia da eleição pelo Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB).

O juiz Aluízio Bezerra Filho, coordenador da mutirão da improbidade administrativa, ressaltou que como decisão de primeira instância, os candidatos podem recorrer de eventuais impugnações e disputar o pleito. O problema é que, sendo eleitos, eles ficarão sob o risco de ser afastados durante o mandato, trazendo “insegurança e incerteza para a população”. Um exemplo clássico do efeito danoso disso é o de Santa Rita, onde Reginaldo Pereira e Netinho de Várzea Nova (prefeito e vice) protagonizaram uma gangorra, se revezando no poder. Só a população saiu perdendo.

“É preciso considerar que cabe recurso contra a diplomação também. Essa é uma tese que poderá ser adotada pelos adversários”, ressaltou o magistrado. Ele acrescentou, ainda, que há o risco de o prefeito condenado ver o caso transitar em julgado e perder o mandato. Situação semelhante foi verificada no caso do prefeito de Uiraúna, João Bosco Nonato Fernandes. Ele foi afastado e não conseguiu retomar o mandato.

Confira os candidatos condenados no Mutirão da Improbidade:

 

Prefeitos

André Gadelha (PMDB) – prefeito de Sousa

Dr. Bosco (PSDB) – prefeito de Uiraúna

Ronaldo Ramos (PSC) – prefeito de Gurjão

Ex-prefeitos

Nobinho (PSB) – ex-prefeito de Esperança

Alexandre Braga Pegado (PSB), ex-prefeito de Conceição

Adelson Gonçalves (PRB) – ex-prefeito de Areial

Abelardo Coutinho (PRB) – ex-prefeito de Puxinanã

Dedé Pereira (PR) – ex-prefeito de Carrapateira

Zé João (PSD) – ex-prefeito de Caturité

Bolão (PR) – ex-prefeito de Lucena

Capuxim (PSB) – ex-prefeito de Riacho dos Cavalos

Paulo (PSDB) – ex-prefeito de Gado Bravo

Renato Mendes (DEM) – ex-prefeito de Alhandra