Janela da infidelidade provoca rearranjo nos partidos políticos do país

A janela para a transferência de partido fez jus ao apelido conquistado, o de janela da infidelidade. Pois é, houve uma rearrumação completa nos partidos. Interesses pessoais, falta de espaço ou mesmo difícil convivência. De tudo foi alegado para a mudança de partido. E elas foram muitas. E como foram. Na Câmara dos Deputados foram 71 mudanças, o equivalente a 13,8% do total dos parlamentares daquela casa trocaram de cor partidária.

Plenario_votacao_Foto_Gustavo Lima_Camara dos Deputados2

Da Assembleia Legislativa, pelo menos seis deputados trocaram de ares, o equivalente a 16,6% dos 36 parlamentares da Casa. José Aldemir trocou o PEN pelo PP; Gervásio Maia, o PMDB pelo PSB; Lindolfo Pires, o DEM pelo Pros; Zé Paulo, o PCdoB pelo PSB; João Gonçalves o PSD pelo PDT, enquanto Trocolli Júnior rumou em direção ao Pros. Mais mudanças do que o esperado pelas lideranças partidárias.

Mas a mudanças foram mais profundas nos legislativos municipais. Na Câmara de João Pessoa, pelo menos 62,9% trocaram de partido, enquanto que em Campina Grande o número foi mais acentuado, algo em torno de 65%. Filosofia partidária e coisas do gênero, não há a menor possibilidade de isso ocorrer.

Confira as listas de João Pessoa e Campina Grande

JOÃO PESSOA

VEREADOR – PARTIDO ELEITO – MIGRAÇÃO

Benilton Lucena – PT – PSD
Bira – PSB – PT – PSD
Bosquinho DEM – PSC
Chico do Sindicato – PP – PTdoB
Djanilson da Fonseca – PPS – PR
Felipe Leitão – PP –SD – ainda vai anunciar novo partido
Fernando Milanês – PMDB, saiu do partido e não anunciou o novo
Helton Renê – PP – PCdoB
João Almeida – PMDB – SD
Lucas de Brito – DEM – PSL
Marco Antônio – PPS – PHS
Marmuthe Cavalcante – PTdoB – SD – PSD
Pedro Coutinho – PTB – PHS
Professor Gabriel – PDT – SD – PSD
Raoni Mendes – PDT – PTB- DEM
Santino – PTdoB – PMN
Sérgio da Sac – PSL – SD

CAMPINA GRANDE

VEREADORES MUDANÇA DE PARTIDOS

Alexandre do Sindicato PTC PROS PHS
Aragão Júnior PSD PSDB PTB
Cícero Buchada PTN PROS PHS
Galego do Leite PMN PTN
Ivam Batista PMDB PROS PSDB
Ivonete Ludgério PSB PSD
Joia Germano PRP PSDB
Lula Cabral PRB PMB
Miguel Rodrigues PPS PSC
Nelson Gomes PRP PSDB
Pimentel Filho PMDB PROS PSD
Rodrigo Ramos PMN SD PDT
Rodolfo Rodrigues PR PMDB
Sargento Regis PMN PSC
Saulo Noronha DEM (SD ou PSDB)

Trocolli Júnior confirma saída do PMDB e se filia ao Pros

O secretário de Articulação Política do Estado, Trocolli Júnior, trocou o PMDB pelo Pros. A decisão foi confirmada nesta segunda-feira (21) pelo gestor e deputado estadual licenciado. Os peemedebistas nutriam o desejo de manter o parlamentar nas suas bases. Até a manhã desta segunda, o tesoureiro do partido, Antônio Sousa, trabalhava com a informação de que ele não tinha deixado o partido. Apesar de ter mudado de ares, Júnior diz que não vai disputar a prefeitura de Cabedelo, desejo antigo do hoje secretário.

Trocolli Júnior segue o mesmo roteiro do deputado estadual Gervásio Maia, que também deixou o PMDB. Os dois tinham fechado um acordo de tomar decisões em conjunto. Maia foi para o PSB e saiu atirando contra a direção da sigla peemedebista. O parlamentar não aceitou a quebra de acordo com o deputado federal Manoel Júnior, que deveria ter entregue a direção da sigla a ele. Júnior temia ter a sua candidatura rifada caso perdesse a direção municipal, já que Maia tinha se aproximado demais dos socialistas.

O clima ficou mais acirrado com o lançamento da pré-candidatura de Manoel Júnior a prefeito de João Pessoa. Naquele momento, tanto Gervásio quanto Tocolli decidiram costurar a saída do partido. O secretário de Articulação Política vai agora trabalhar dentro do Pros o projeto de reeleição, em 2018, ou um voou mais alto em direção à Câmara dos Deputados. Já Gervásio Maia assume a presidência da Assembleia no último biênio. Muitos acreditam que ele poderá ser o candidato do governador Ricardo Coutinho à sucessão daqui a dois anos.

Associação dos Magistrados divulga nota de poio à Lava Jato

A Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB) divulgou nota de solidariedade ao Supremo Tribunal Federal (STF) e à operação Lava Jato, que tem o juiz Sérgio Moro à frente do processo. A movimentação dos magistrados paraibanos, de acordo com a nota, ocorre por conta dos áudios interceptados pela Polícia Federal e tornados públicos por Moro com o ex-presidente Lula falando que a Suprema Corte está acovardada. O material também apresenta indícios de que o novo ministro chefe da Casa Civil (impedido oficialmente de assumir o cargo por decisão judicial) estaria tentando prejudicar as investigações. Confira a nota na íntegra:

Nota

A Associação dos Magistrados da Paraíba (AMPB), Entidade representativa dos juízes do Estado da Paraíba, e que tem dentre seus objetivos pugnar pela garantia da independência dos membros do Poder Judiciário, preocupada com os recentes episódios noticiados pela imprensa, nos quais atos de desrespeito e menosprezo à mais alta Corte do País atingiram não só aquela Corte, mas todos os membros do Poder Judiciário, vem a público informar que repudia qualquer ataque à magistratura em virtude de decisões judiciais legitimamente prolatadas. Além de considera inadmissível qualquer iniciativa que vise intimidar os juízes, como ameaças de processos disciplinares em decorrência da prática de atos judiciais no exercício de suas funções, a despeito da utilização dos recursos previstos na legislação processual correspondente.

A AMPB seguirá intransigente na defesa de seus associados e ressalta que ninguém está isento à aplicação da lei, reforçando que atitudes de pessoas/instituições locais com ataques à pessoa do juiz que está à frente das investigações da Lava Jato, ou quaisquer outras operações, não servirão de intimidação e que os juízes deste Estado sigam nos âmbitos de sua atuação combatendo a corrupção em nível local.

A AMPB reafirma que, neste grave momento em que os Poderes constituídos estão sofrendo ataques, está vigilante quanto a qualquer tentativa de supressão de garantias da magistratura, que são essenciais à preservação da independência de seus membros, apoiando todo e qualquer trabalho dos membros do Poder Judiciário no combate à corrupção, em todas as suas formas.

 

João Pessoa, 21 de março de 2016.

Juiz Horácio Ferreira de Melo Júnior

Presidente da AMPB

Gilberto Kassab visita obras da Lagoa acompanhado de Luciano Cartaxo

Um dia depois de participar da pré-convenção que definiu Zenildo Oliveira como candidato do PSD a prefeito de Sousa, o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, desembarca em João Pessoa para visita às obras de revitalização da Lagoa do Parque Solon de Lucena. A chegada dele está prevista para o meio-dia deste sábado (19). Kassab estará acompanhado do prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, que disputará a reeleição pelo PSD, nacionalmente comandado pelo ministro. O presidente municipal da sigla, Lucélio Cartaxo, também estará presente.

Kassab na Lagoa

 

A comitiva que visitará as obras da Lagoa será completada pelo secretário de Infraestrutura de João Pessoa, Cássio Andrade. Ele explicou que as obras estão com 70% do seu cronograma concluído. Cartaxo tem dito que a revitalização é a primeira de grandes proporções no parque em 100 anos. “O que estamos fazendo na Lagoa é uma obra histórica para a cidade. Sempre foi tratada como uma espécie de vespeiro, por isso, outros tiveram a oportunidade de fazer, mas optaram por não realizar mudanças significativas”, disse. A obra é ligada ao ministério das Cidades, comandado por Kassab.

As obras foram divididas em três partes. Duas delas já foram finalizadas. Uma delas é a da construção do túnel que leva a água da Lagoa até a tubulação de águas pluviais e, de lá, até o Rio Sanhauá, acabando com os alagamentos que atingiam a área sempre que uma chuva forte caía em João Pessoa. “Depois que finalizamos os períodos de testes e ajustes, já aconteceram duas chuvas fortes e não houve qualquer tipo de problema”, explicou o secretário municipal de Infraestrutura, Cássio Andrade. A outra ação já finalizada é a do muro de contenção que contorna a Lagoa.

As atenções estão todas voltadas agora para a intervenção no Parque Solon de Lucena. A principal alteração já tem sido sentida pela população, com o deslocamento do tráfego de veículos apenas para o anel externo, já que o anel interno será utilizado apenas para a circulação de pedestres. “No começo, foi meio difícil para a população se acostumar com a nova mobilidade na área. Mantivemos o diálogo com as pessoas, fizemos os ajustes necessários, e agora o novo formato começa a fazer parte do dia a dia dos pessoenses”, avaliou o superintendente de Mobilidade Urbana, Carlos Batinga.

O anel interno, na área próxima ao Cassino da Lagoa, já possui duas baterias de quiosques praticamente prontas. Os futuros pontos comerciais já estão todos pintados, com a cerâmica aplicada e com todas as instalações prontas. Falta apenas o acabamento final. No total, serão sete baterias de quiosques, com duas unidades em cada uma delas. Uma das três baterias de banheiros também já está finalizada. Também já foi iniciada a construção do posto policial que vai abrigar a Guarda Municipal e a Polícia Militar.

Na parte de paisagismo, 40% da grama já foi colocada. Com as mudanças na pista do anel interno, cresce a área verde. Para ocupar o novo espaço e reforçar outras áreas do parque, serão plantadas 481 novas árvores, entre espécies nativas da Mata Atlântica e regionais. O novo parque da Lagoa contará com um total de 12 praças, sendo que seis delas já estão finalizadas. O deck que fica em frente ao Cassino, onde serão instaladas mesas e cadeiras para acomodar visitantes, já está 50% pronto. A parte de infraestrutura também está próximo de ser finalizada.

Troca-troca intenso foi estimulado pela ‘janela da infidelidade’

A janela de 30 dias para que detentores de mandato migrassem de partido sem correr o risco de terem seus mandatos contestados, foi “fechada” nesta sexta-feira (18) e deixou na Paraíba expressivas mudanças políticas e alterações nas bancadas das principais casas legislativas. Na Assembleia Legislativa, seis parlamentares migraram para outras legendas, enquanto na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) oito vereadores, incluindo dois que estão licenciados, seguiram o mesmo caminho.

Toca_troca

O PSB que conquistou seis vagas na Assembleia nas eleições de 2014, deverá garantir outras três a partir da janela partidária. Gervásio Maia e Zé Paulo deixaram suas antigos partidos para ingressar na legenda do governador Ricardo Coutinho. Acompanhando Maia, os vereadores de Sertãozinho, Fernando Campelo, Jaciel Vieira, Wanderley Pereira e Messias Ribeiro deixaram o PMDB e também se filiaram ao PSB. O deputado Trocolli Júnior também deixou o PMDB e poderá migrar para o PSB. Se for disputar as eleições deste ano, poderá fazer isso até o dia 2 de abril.

Pré-candidato à prefeitura de Santa Rita, apesar da resistência do presidente estadual do PSB, Zé Paulo deixou o PC do B para se filiar ao partido. Já o deputado licenciado e atual secretário de Estado da Representação Institucional, Lindolfo Pires, deixou o DEM e se filiou ao Pros. Insatisfeitos com as decisões políticas do PEN, José Aldemir, que é pré-candidato a prefeitura de Cajazeiras, se filiou ontem ao PP, após receber convite do deputado federal Aguinaldo Ribeiro.

O PEN também perdeu o ex-presidente da Assembleia, Ricardo Marcelo, que ao deixar a legenda fez duras críticas. Apesar de ter recebido convites de pelo menos três partidos, ele ainda não definiu para qual deles irá migrar. Também insatisfeito com seu atual partido, João Gonçalves (PSD) ainda não anunciou seu ingresso em uma nova sigla.

Na Câmara da capital, alguns parlamentares que apoiam o prefeito Luciano Cartaxo (PSD) aproveitaram a janela partidária. Diante do impasse em relação ao posicionamento do PPS no processo eleitoral da capital, o vereador Marco Antônio, líder da bancada de situação na Câmara da capital, migrou para o PHS, partido da base de apoio ao prefeito Luciano Cartaxo. O vereador licenciado Pedro Alberto Coutinho, atual superintendente do Instituto de Previdência de João Pessoa, deixa o PTB para também se filiar ao PHS. O vereador oposicionista Raoni Mendes, por sua vez, trocou o PTB pelo DEM, partido que perdeu dois vereadores na Casa. Já Helton Renê, licenciado das atividades parlamentares para conduzir a Secretaria de Proteção ao Consumidor, deixou o PP e se filiou ao PC do B.

Apesar de confirmar sua saída do DEM, Lucas de Brito optou por adiar para a próxima semana sua filiação a uma nova legenda. Com a pretensão de disputar a prefeitura da capital, Brito informou que tem conversado com algumas siglas, mas que ainda não tem uma definição. A expectativa é que ele se filie ao PSL. “A janela da lei dos partidos políticos é uma janela que só vale para quem encerra o mandato neste ano”, explicou. Quem também deixou o DEM foi Bosquinho, que preferiu se filiar ao PSC para disputar as eleições deste ano. O partido também deve estar com Cartaxo nas eleições deste ano.

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da janela partidária foi promulgada no dia 18 de fevereiro, dando início a um período de 30 dias para que os políticos mudem de legenda sem punição por infidelidade partidária. Pela legislação atual, os parlamentares só podem mudar de legenda, sem correr risco de perder o mandato, se forem para um partido recém-criado. O entendimento é de que o mandato pertence ao partido que elegeu o candidato. Na Assembleia Legislativa, o troca troca de partidos pode afetar a composição das Comissões Permanentes da Casa, porém as mudanças só devem ocorrer no próximo ano, caso haja interesse dos partidos em alterar a formação dos blocos.

Por Michelle Farias, do Jornal da Paraíba

Justiça condena 36 agentes públicos, entre prefeitos e ex-prefeitos

O Tribunal de Justiça divulgou, nesta sexta-feira (18), o 1º lote de sentenças referente ao julgamento de ações de improbidade administrativa e crimes contra a administração pública, dos processos relacionados pela Meta 4 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), deste ano. De 100 processos julgados, houve a condenação de 41 agentes públicos. Entre eles, a prefeita de Patos, Francisca Motta (PMDB), e o ex-prefeito de Bayeux, Jota Júnior.

A divulgação foi realizada pelo Desembargador Leandro dos Santos, Gestor da Meta 4/CNJ, no Fórum Afonso Campos, em Campina Grande. Um grupo especial de juízes e assessores julgou 100 processos referentes às infrações por ato de improbidade administrativa, crimes contra à administração pública e licitação. Destes, 41 foram pela condenação. Existem acusados com mais de um processo.

A equipe de juízes e assessores, que tem jurisdição cumulada em todo o Estado nessas modalidades de ações judiciais, percorreu todas as comarcas despachando, decidindo e recolhendo processos para sentenças. A meta estabelecida pelo CNJ é que sejam julgados 70% (setenta por cento) do estoque de processos que foram distribuídos até dezembro de 2013.

Na projeção do juiz Aluizio Bezerra a expectativa é que a meta de 70%, ou seja, 100% do fixado pelo CNJ, é um desafio em virtude de muitos processos ainda se encontrarem em fase de tramitação, e que o trabalho no momento é impulsionar esses processos.

 

Dentre os agentes públicos julgados, constam da lista de condenados e absolvidos:

Agentes públicos condenados, dentre outros:

1. FRANCISCA GOMES ARAÚJO MOTA – PREFEITA DE PATOS
2. LÚCIA DE FÁTIMA AIRES MIRANDA – PREFEITA DE PUXINANÃ
3. CLODOALDO BELTRÃO BEZERRA DE MELO – PREFEITO DE SÃO MIGUEL DE TAIPU
4. JOSIVAL JUNIOR DE SOUZA – EX-PREFEITO DE BAYEUX
5. MARIA CLARICE RIBEIRO BORBA – EX-PREFEITA DE PEDRAS DE FOGO
6. THIAGO PEREIRA DE SOUSA SOARES – EX-PREFEITO DE PRINCESA ISABEL
7. ONILDO CÂMARA FILHO – EX-PREFEITO DE ARAÇAGI
8. SAULO ROLIM SOARES – EX-PREFEITO DE CALDAS BRANDÃO
9. PAULO SÉRGIO DA SILVA ARAÚJO – EX-PREFEITO DE MARCAÇÃO
10. EDFRANCE DOS SANTOS SILVA – EX-PREFEITO DE MARCAÇÃO
11. MARIA APARECIDA RODRIGUES DE AMORIM – EX-PREFEITA DE SÃO JOSÉ DOS RAMOS
12. JOSÉ ALBERTO SOARES BARBOSA – EX-PREFEITO DE BOA VISTA
13. RENATO MENDES LEITE – EX-PREFEITO DE ALHANDRA
14. FRANCISCO GILSON MENDES LUIZ – EX-PREFEITO DE NAZAREZINHO
15. FRANCISCO FERREIRA SOBRINHO – EX-PREFEITO DE SANTA CRUZ
16. ANTÔNIO FERNANDES DE LIMA – EX-PREFEITO DE UMBUZEIRO
17. JOSÉ SEVERIANO PAULO BEZERRA DA SILVA – EX-PREFEITO DE TAVARES
18. JOSÉ EDVAN FÉLIX – EX-PREFEIRO DE CATINGUEIRA
19. GERALDO PAULINO TERTO – EX-PREFEITO DE CACIMBAS
20. GILBERTO MUNIZ DANTAS – EX-PREFEITO DE FAGUNDES
21. JOSÉ CARLOS VIDAL – EX-PREFEITO DE GURJÃO
22. JOSÉ GERVÁSIO DA CRUZ – EX-PREFEITO DE CATURITÉ
23. JOSÉ FERREIRA DE CARVALHO – EX-PREFEITO DE SÃO JOSÉ DE PIRANHAS
24. ISAC RODRIGO ALVES – EX-PREFEITO DE ALGODÃO DE JANDAÍRA
25. JOSÉ HERCULANO MARINHO IRMÃO – EX-PREFEITO DE SANTO ANDRE
26. JOSIVALDA M. DE SOUZA – EX-PREFEITA DE PIRPIRITUBA
27. ADAILMA FERNANDES DA SILVA – EX-PREFEITA DE SERRA DA RAIZ
28. ALESSANDRO ALVES DA SILVA – EX-PREFEITO DE PILÕEZINHOS
29. FRANCISCO ROSADO DA SILVA – EX-PREFEITO DE NOVA OLINDA
30. MARIA GALDINO IRMÃ – EX-PREFEITA DE NOVA OLINDA
31. EDUARDO MELO VASCONCELOS – EX-PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE AROEIRAS
32. MARIA DAS DORES FERREIRA – EX-PRESIDENTE DA CÂMARA DE VEREADORES DE CATURITÉ
33. JOAB AURINO BATISTA – EX-PRESIDENTE DA CÂMARA DE VEREADORES DE TENÓRIO
34. VERÔNICA MARIA P. FREIRE – EX-PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE DUAS ESTRADAS
35. GILVANDRO INÁCIO DOS SANTOS – EX-PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA RITA
36. CLEONE RUBENS LOPES NOGUEIRA – PROCURADOR GERAL DO MUNICÍPIO DE SOUSA

Dentre os absolvidos, entre outros:

01. Lúcio Aurélio Braga Matos – ex-presidente do IPEP
02. José Maria de França – ex-Secretário de Saúde do Estado
03. Paulo Roberto de Aquino Nepomuceno – ex-Superintendente do DETRAN
04. José Joácil de Araujo Morais – ex-Secretário de Saúde do Estado
05. Walter Galvão Peixoto de Vasconcelos – ex-Secretário de Educação do Município de João Pessoa
06. Aluisio Vinagre Régis – ex-prefeito do Conde
07. Fernando Antônio Dias – ex-superintendente da EMLUR
08. Lúcia Navarro Braga – ex-presidente da FAC
09. José Morais Souto Filho – Procurador do Estado
10. Livânia Maria da Silva Farias – Secretária de Administração do Estado
11. Francisco Xavier Monteiro da Franca – ex-presidente ARPB
12. Apolinário dos Anjos Neto – ex-prefeito de Salgado de São Félix
13. Francisco Aldeone Abrantes – vereador de Sousa
14. Bevilacqua Matias Maracajá – ex-prefeito de Juazeirinho
15. Júlio Cesar Queiroga de Araujo – prefeito de Aparecida
16. Evandro Sérgio de Azevedo Araujo – ex-presidente da PBTUR
17. Edmilson de Araujo Soares – ex-Secretário deo município de João Pessoa
18. Lucius Fabiani de Vasconcelos Sousa – Ex-Secretário do município de João Pessoa

Manoel Júnior, Wellington Roberto e Aguinaldo estão na comissão do impeachment

Os dois deputados paraibanos que integram a tropa de choque do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foram escolhidos como suplentes para a comissão do impeachment que será instalada nesta quinta-feira (17). Manoel Júnior e Wellington Roberto foram indicados por PMDB e PR, respectivamente. Na primeira comissão eleita, no ano passado e que foi revogada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), os dois surgiam como titulares. O único titular na lista dos escolhidos nesta quinta foi o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP).

reuniao_do_pmdb-_manoel_junior_pag.Pagina_3_cad.Caderno_1_Rizemberg_Felipe_378830

Tanto Manoel Júnior quanto Wellington Roberto ganharam notoriedade no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados pela vigorosa defesa do presidente da Casa, Eduardo Cunha, acusado de quebra do decoro parlamentar por ter mentido na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras. Na época, ele negou manter contas no exterior. As investigações conduzidas pela Procuradoria Regional da República (PGR) comprovaram o contrário com riqueza de provas. Os dois surgem como oposição à presidente Dilma Rousseff. Já Aguinaldo Ribeiro é simpático à gestora.

A comissão do impeachment será instalada às 19h desta quinta-feira. A previsão dos seus membros é que entre 30 e 45 dias os trabalhos sejam concluídos.

A renúncia de Dilma e Lula é o caminho menos traumático para o momento

O clima de instabilidade política no país aponta para um único horizonte neste momento: a renúncia da presidente Dilma Rousseff (PT) e do ex-presidente e agora ministro chefe da Casa Civil, Luiz Inácio Lula da Silva. O ápice desta história melancólica seria completa com as renúncias do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e Renan Calheiros (PMDB-AL), além do vice-presidente Michel Temer (PMDB). A saída do quinteto abriria espaço para que o país seguisse o curso e eleições democráticas decidissem quem assumiria o poder.

Posse de Lula

Posso concordar com uma série de argumentos dos petistas em relação aos métodos do juiz federal Sérgio Moro. O magistrado, que conduzia as investigações com correção até a semana passada, se vislumbrou com o apoio popular nas manifestações do último domingo e passou a se comportar como líder de torcida. A gota d’água foi a liberação das escutas telefônicas no início da noite de quarta-feira (16), envolvendo o ex-presidente e agora ministro e a presidente Dilma Rousseff. Ambos, naquele momento, tinham foro privilegiado.

Moro agiu no episódio como justiceiro, retaliando a presidente Dilma por ter tirado da primeira instância o caso de Lula por causa do foro privilegiado assumido com a posse. Isso fará com que as gravações não tenham valor de provas contra o ex-presidente. Entretanto, a despeito de eventuais ações judiciais que possam ter o juiz como alvo por causa da ilegalidade, as gravações mostram coisa muito série. Deixam claro que Lula foi nomeado com o principal objetivo de livrá-lo da cadeia, coisa que se apresentava como iminente.

Pior, o ex-presidente estava mesmo tentando influir nas investigações e reclamava de figuras que ele ajudou a chegar no poder, como o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ou ministros do Supremo Tribunal de Justiça. Tudo muito longe do que era preconizado pelo antigo Lula, aquele que veio do movimento sindical, prometeu um país melhor, entregou aparentemente o que prometia, mas se locupletou e até permitiu a corrupção no seu governo. Além disso, repassou o mesmo legado para a sucessora, Dilma Rousseff, que vendeu uma falsa aura de credibilidade.

A sensação para os brasileiros, neste momento, é que o governo é conduzido por um bando. Se sai Dilma, entra Michel Temer, que também poderá se tornar alvo de investigações na Operação Lava Jato. Os principais nomes do PMDB estão todos sendo investigados e não são exatamente uma opção de correção para chegar ao poder. Até por que depois de Temer, o terceiro na linha de sucessão é Eduardo Cunha, aquele mesmo carregado de denúncias de corrupção. Sinceramente, é preciso novas eleições e que as coisas comecem a tramitar do zero.

Veja como foi o panelaço em Manaíra pedindo o fora Dilma e Lula

Logo depois das ligações tornadas públicas nesta quarta-feira (16) pela Justiça Federal do Paraná, mostrando que o novo ministro da Casa Civil, Lula, e a presidente Dilma Rousseff (PT) trataram do termo de posse com o indicativo de evitar uma eventual prisão do ex-presidente, houve protestos pelo país. Aqui em João Pessoa houve panelaço em Manaíra. Confira o vídeo:

Lula ministro: “Vamos devolver o país aos índios e pedir desculpas”

O anúncio do ex-presidente Lula (PT) para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil do governo federal, pelos motivos sabidos, fez com que um colega de redação saísse com o desabafo: “vamos devolver o país aos índios e pedir desculpas”. Bem, a frase soa preconceituosa e como agressão à história de dominação branca sobre indígenas e negros, mas em dias nebulosos como esses vividos pela política brasileira, vem bem a calhar. Lula é uma figura que pode ajudar a presidente Dilma Rousseff (PT) a escapar do impeachment, mas o preço para isso é muito alto, até pela condição de investigado dele.

LulaDilma

Tem crescido na população o sentimento de repulsa em relação à política e aos políticos. A máxima de que todos roubam é antiga, apesar de injusta para uma minoria considerada honesta ou menos corrompida. Lula é investigado na Operação Lava Jato por ter recebido mimos de empresários beneficiados com o esquema de corrupção na Petrobras. Tem um tríplex no Guarujá e um sítio em Atibaia na história. Além disso, foi citado na delação do senador Delcídio do Amaral (ex-PT) como responsável pela tentativa de esconder provas e tentar corromper testemunhas.

Não apenas Lula. A própria presidente Dilma Rousseff segue no mesmo rumo, com suspeitas de ter feito nomeações de ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para livrar a cara de grandes empreiteiros investigados. Em uma democracia mais sólida, fatos como este, mesmo em fase de investigação, seriam motivo para pedido de desculpas e até renúncia. Aqui, vira trincheira de fanáticos para a defesa do indefensável. O governo Dilma padece de predicados éticos, tanto quanto o de Lula e de Fernando Henrique ou José Sarney, estes últimos bem menos investigados.

Aí, o que sobra para a população? A quem recorrer? As figuras mais proeminentes da oposição têm histórico enlameado, de acusações de corrupção, mesmo que hoje posem de honestos. O senador Aécio Neves (PSDB-MG), segundo colocado nas eleições de 2014, é citado por Delcídio do Amaral também pelo recebimento de propina vinda de Furnas, isso desde o governo de Fernando Henrique. O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima foi cassado por corrupção eleitoral quando foi governador. E o que falar do senador José Agripino (DEM-RN)? Difícil ouvir essa gente falando em honestidade.

Mas vamos adiante. A ida de Lula para a Casa Civil dará a ele foro privilegiado para se livrar do eficiente trabalho do juiz Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, que tem levado políticos e empresários para as grades. Com foro, Lula vai responder à Procuradoria Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal (STF). Nada impede que outras delações dificultem a sua vida. Mesmo assim, ele terá a possibilidade de unir o governo atuando como um primeiro ministro e puxar o PMDB para o seu lado. Pode, sim. Tem habilidade para isso. Mas o maior risco continua sendo a Lava Jato.

Tem muita delação vindo pela frente. Se Delcídio do Amaral, que era visto como um senador honesto, sequer era investigado pela Lava Jato, revelou tantos esquemas escusos, imagine quando ganhar as ruas a delação do ex-deputado federal Pedro Correa (PP-PE), este sim, conhecido por participar das grandes negociatas a vida inteira. Dizem que ele implica mais de 100 políticos, pegando desde o governo de Fernando Henrique. É de dar um nó na cabeça de qualquer cidadão que paga os seus impostos honestamente.

É por essas e por outras que o discurso da oposição contra o governo não cola e os políticos do PSDB e DEM não conseguem capitalizar a insatisfação das pessoas que participam dos protestos. Vamos aos fatos: os tucanos vão apresentar uma ação contra o ex-presidente Lula, por causa da conquista do foro privilegiado. Ora, logo o PSDB? Lembram o ex-governador de Minas, Eduardo Azeredo, aquele aliado de Aécio Neves? Sim, ele mesmo. O cara renunciou ao mandato para que o mensalão mineiro fosse para a primeira instância, mesmo assim foi condenado a 20 anos.

No caso de Cássio, o pai dele, Ronaldo Cunha Lima, também renunciou ao mandato na Câmara dos Deputados para não ser julgado pelo STF. Ronaldo faleceu sem ser condenado pela tentativa de homicídio contra o ex-governador Tarcísio Burity. Vamos combinar, falta ao PSDB predicados éticos para isso também. Se quisessem mudar a regra, de fato, já teriam apresentado um projeto para que a prática de recorrer ao foro privilegiado fosse proibida. A deles também. Certamente essa ação civil pública prometida será mal fundamentada. Até por que político nenhum quer perder essa boquinha.

Ruim fica a situação do cidadão…