Atores cantam “I Will Survive” para Trump e vídeo viraliza na rede

A ousadia de um grupo de atores norte-americanos em protesto contra o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, viralizou na nas redes sociais nos últimos dias. Eles cantaram (alguns apenas recitaram) a música “I Will Survive” (eu vou sobreviver, em tradução livre), de Gloria Gaynor. O ato ocorreu depois de a atriz consagrada Meryl Streep, durante discurso na premiação do Globo de Ouro, criticar Trump publicamente. O futuro homem mais poderoso do mundo, com posse marcada para o dia 20, se defendeu atacando Streep através das redes sociais, a quem chamou de atriz “superestimada”.

Ao todo 21 atores participaram do protesto. A gravação foi dirigida pela revista W Magazine e foi vista por milhares de internautas. “Embora a canção já tenha sido interpretada durante muito tempo através de uma consciente lente social, é o tipo de hino que precisamos, agora mais do que nunca, com esta posse. Com a iminente chegada de Donald Trump à Presidência”, disse a publicação em nota. Entre os artistas estão Emma Stone, Natalie Portman, Matthew McConaughey, Andrew Garfield, Felicity Jones, Dakota Fanning, Amy Adams, Chris Pine, Hailee Steinfeld, Taraji P. Henson e Michelle Williams.

 

Reajuste dos vereadores de Campina Grande deu em “merda”

Estudantes jogam esterco em frente à Câmara de Campina Grande. Foto: Josusmar Barbosa

É preciso iniciar este artigo pedindo desculpas ao leitor, pela informalidade da expressão, mas é inegável que o reajuste dos salários aprovado nesta quarta-feira (14) pelos vereadores de Campina Grande para eles próprios “deu em merda”. Na manhã desta quinta, um grupo de estudantes compareceu à sede do Legislativo municipal e despejou 100 quilos de esterco de gado no hall de acesso ao prédio. A iniciativa ocorre um dia depois de o colegiado ter aprovado também o pagamento do 13º salário para a categoria.

Os manifestantes cobram a revogação da decisão dos vereadores. O aumento definido com a fixação dos subsídios que passam a valer na próxima legislatura é de 26,3%. Eles aprovaram também o reajuste dos salários do prefeito Romero Rodrigues (PSDB) e do vice, Enivaldo Ribeiro (PP), porém, o chefe do Executivo anunciou que vai vetar os aumentos destinados ao Executivo. Atualmente o salário do prefeito é de R$ 20 mil, porém, ele publicou um ato reduzindo os patamares para R$ 14 mil enquando durar a crise econômica. Caso aceitasse o novo reajuste, o salário dele iria para R$ 22,5 mil.

O reajuste e a implantação do 13º terá um impacto de R$ 900 mil por ano. O estudante de direito Luiz Felipe Nunes disse acreditar que a decisão dos parlamentares é absurda se for levado em consideração o atual cenário de crise econômica que vive o país. Ele foi candidato a vereador em Campina Grande, pelo DEM, nas eleições deste ano, mas não obteve êxito. Outro manifestante, Deyvison André, também foi postulante ao cargo de vereador pelo PTN, mas também não obteve votos suficientes para se eleger.

Outro lado

Por sua vez, o presidente da Câmara, Pimentel Filho (PSD), disse que vai entrar na justiça contra os manifestantes por depredação ao patrimônio público. Pimentel informou, ainda, que não vai revogar o reajuste salarial que, segundo ele, foi inferior à inflação dos últimos quatro anos. Em relação à implantação do 13º, Pimentel explicou que várias Câmaras espalhadas pelo país já implantaram o benefício e que também não vai revogar.

Com informações de Josusmar Barbosa, do www.jornaldaparaiba.com.br

Acompanhe julgamento do recurso de Renan Calheiros no STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) julga o afastamento Renan Calheiros (PMDB), do cargo de presidente do Senado, por ser réu em processo na maior corte do país. O ministro relator da Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), Marco Aurélio Mello, decidiu na última terça-feira (7) liminarmente pelo afastamento do parlamentar do cargo, por estar na linha sucessória do presidente da República. O Senado recorreu. Acompanhe o resultado:

O secretário de Segurança da Paraíba manda muito bem… na música

O secretário de Segurança e Defesa Social (Seds) da Paraíba, Cláudio Lima, pode até enfrentar dificuldades na tarefa de manter o Estado mais seguro. Afinal, não tem sido fácil reduzir os índices de criminalidade e combater, por exemplo, as explosões em bancos pela Paraíba afora, apesar de algumas ações bem-sucedidas na área. Mas uma coisa ninguém pode negar: o auxiliar do governador Ricardo Coutinho (PSB) manda muito bem na área musical – como amador, lógico. No fim de semana, ele fez um “cover” do cantor e compositor pernambucano Alceu Valença e arrancou muitos aplausos da platéia presente na festa de confraternização dos delegados da Polícia Civil.

Cláudio Lima interpretou a música “Como dois animais”, do álbum Cavalo de Pau, lançado em 1982 pelo artista pernambucano. O secretário tocou guitarra e cantou, sendo acompanhado na canção por delegados e familiares que participaram da festa ocorrida no fim de semana, em João Pessoa. O vídeo foi divulgado pelo site Cariri Ligado e gentilmente cedido ao blog.

O flagrante envolvendo os dotes artísticos de Cláudio Lima fez muitos colegas de redação lembrarem do deputado federal Manoel Júnior (PMDB), eleito vice-prefeito de João Pessoa neste ano. No ano passado, um vídeo mostrou ele cantando “Dia Branco” durante o aniversário do ex-presidente da Câmara dos Deputados, ex-deputado federal e ex-aliado de Júnior, Eduardo Cunha (PMDB). Curiosamente, a música é também de um cantor e compositor pernambucano. Neste caso, de Geraldo Azevedo. Se não estivessem em trincheiras distintas na política, não seria difícil imaginar um “dueto” com a participação do secretário e do deputado.

Renan ataca Marco Aurélio após Mesa do Senado rejeitar liminar

Brasília, DF, Brasil: Renan Calheiros e Jorge Viana chegam ao Senado para reunião com a mesa diretora. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Brasília, DF, Brasil: Renan Calheiros e Jorge Viana chegam ao Senado para reunião com a mesa diretora. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), deu entrevista à imprensa lodo depois da decisão da Mesa Diretora da Casa decidir não cumprir a liminar do ministro Marco Aurélio Mello que determinava o afastamento do peemedebista do cargo. Os senadores vão esperar a deliberação do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a questão. Calheiros usou de ironia ao comentar o que chamou de afastamento injustificado de um presidente a nove dias do término do seu mandato, alegando que “já cumpriu decisões piores de Mello”.

O ministro do Supremo decidiu sobre o afastamento de Renan Calheiros nesta segunda-feira (6) quando acatou pedido formulado pela Rede Solidariedade. O argumento usado para a decisão foi a maioria formada na corte, em processo ainda não concluído, que proíbe réus em processo de ocupar cargo na linha de sucessão do presidente da República. O presidente da Casa é o segundo na linha de sucessão, opção seguinte ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A “decisão pior” de Marco Aurélio Mello citada por Renan Calheiros foi uma que impediu o presidente da Casa de acabar com os supersalários no Legislativo. “Toda vez que ele ouve falar em acabar com supersalários, ele treme na alma”, ironizou o presidente do Senado. O ministro liberou seu voto nesta tarde para que a matéria seja colocada em pauta no plenário do STF. A previsão é que o julgamento ocorra nesta quarta-feira (7). O julgamento da ação que barraria réus em ações no Supremo foi suspensa após pedido de vista do ministro Dias Toffoli.

Para que o plenário do Supremo possa analisar a matéria, é preciso que a presidente do STF, ministra Carmén Lúcia, paute para ser discutida a decisão liminar que determinou o afastamento de Renan. Na manhã desta terça-feira, ela disse que daria “urgência” à matéria, tão logo o processo chegasse a seu gabinete. Além do julgamento diretamente da liminar, há outros dois caminhos abertos pelo Senado Federal para tentar reverter o afastamento de Renan.

O primeiro recurso foi um agravo regimental, no qual os advogados do Senado pedem que Marco Aurélio reveja sua decisão. O ministro deu prosseguimento ao pedido, abrindo prazo para que o partido Rede, autor do pedido de afastamento, se manifeste. O segundo recurso, de teor semelhante, foi um mandado de segurança, desatrelado da ação original que resultou no afastamento. Por ser uma nova ação, este pedido foi distribuído automaticamente a um novo relator, a ministra Rosa Weber, que ainda não se manifestou.

 

Durante a Black Friday, juiz lembra que descontentes podem buscar a Justiça

O juiz José Ferreira Ramos Júnior, titular da 2ª Câmara Recursal do Tribunal de Justiça, fez um alerta aos consumidores que se sentirem lesados durante a Black Friday, que ocorre nesta sexta-feira (25). Eles podem recorrer aos juizados especiais, caso achem que foram enganados na aquisição dos produtos. O magistrado explicou que os casos são resolvidos de forma muito célere e o direito é dado, desde que o cliente tenha razão na queixa. “São questões, em geral, pequenas, mas que têm grande importância no dia a dia das pessoas”, ressaltou o magistrado. Ferreira Júnior lembrou ainda que em eventual descontentamento com a decisão judicial, as pessoas podem ainda recorrer às turmas recursais. Ele ressalta que a 2ª Câmara foi criada em junho em caráter permanente, deixando a condição de provisória. “E tem tido um resultado muito satisfatório”, disse.

Confira no vídeo as dicas do magistrado:

Tumulto marca ato contra a PEC-55 (ex-PEC-241) na Câmara de Campina Grande

protesto

Sindicalistas, professores e estudantes, que participaram da mobilização nacional que pede o “Fora Temer” e a rejeição da “PEC-55 (numeração da PEC-241 no Senado)”, geraram tumulto na manhã desta sexta-feira (11) ao tentar ocupar a Câmara de Vereadores de Campina Grande. A concentração ocorreu na Praça da Bandeira, de onde os manifestantes seguiram para o Legislativo, com faixas e cartazes com cobranças direcionadas aos senadores paraibanos.

A manifestação ocorreu momentos antes de uma sessão especial destinada à concessão de títulos de Cidadania Campinense aos desembargadores Marcos Cavalcanti, presidente do Tribunal de Justiça; Fátima Bezerra Cavalcanti, ex-presidente do TJPB, e José Aurélio da Cruz, ex-presidente do Tribunal Regional Eleitoral Eleitoral (TRE). Os três já foram juízes em Campina Grande. A solenidade também contou com a participação do prefeito reeleito da cidade, Romero Rodrigues (PSDB), e do presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino (PSB).

Os seguranças da Câmara Municipal impediram a entrada dos manifestantes, dentre eles, David Lobão, ex-candidato a prefeito pelo Psol, e o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Municipais do Agreste da Borborema (Sintab), Nazito Pereira. A Polícia Militar foi chamada. Os manifestantes saíram pelas ruas centrais de Campina Grande, dentro da manifestação nacional. A sessão marcada para 11 horas só começou às 12 horas. Os manifestantes cobra que os senadores Cássio Cunha Lima (PSDB), Raimundo Lira (PMDB) e José Maranhão (PMDB) votem contra a PEC.

Com informações de Josusmar Barbosa, do jornaldaparaiba.com.br

 

Cássio divulga vídeo para negar AVC e diz que teve “surdez súbita”

cassioO senador Cássio Cunha Lima (PSDB) divulgou vídeo nas redes sociais para tranquilizar os eleitores e, mais uma vez, esclarecer os mal-entendidos a respeito da equivocada polêmica sobre um suposto Acidente Vascular Cerebral (AVC). Na verdade, não existe nada disso. O parlamentar explica que foi acometido de uma “surdez súbita”, ocasionada por um espasmo. As interpretações equivocadas sobre o problema surgiram depois de uma outra postagem feita por ele, também nas redes sociais, na qual explica um diagnóstico inicialmente de labirintite registrado na semana passada. O parlamentar revela que depois de exames realizados, “o diagnóstico foi mudado para surdez subida. Para mim uma novidade, algo desconhecido. O que é então? No meu caso foi  uma isquemia ou espasmo, um acidente vasculhar”. Estas duas últimas palavrinhas motivou a polêmica, que ele precisou publicar o vídeo para dirimir.

Confira o vídeo:

Confira a nota:

Boa tarde.Semana passada recebi, após náuseas, tontura, vomito e sudorese, um diagnóstico de labirintite. Ontem, após a realização de exames mais acurados, o diagnóstico foi mudado para surdez subida. Para mim uma novidade, algo desconhecido. O que é então? No meu caso foi  uma isquemia ou espasmo, um acidente vasculhar, enfim. Já estou com a nova medicação, e espero recuperar a audição parcialmente afetada. Agradeço penhoradamente ao Dr Marcos Franca e toda a sua equipe, Dr Felipe Gadelha e a Dra Sheila.E Agradeço igualmente ao Dr. Giovanni Gomes e toda a equipe Nova Diagnóstico por Imagem. Nunca é demais repetir Osmar de Aquino: raramente morro. Estou bem, já livre dos desagradáveis sintomas.

Vídeo mostra que Alexia Dechamps realmente ataca nordestinos

alexia-dechampsTem posturas de algumas pessoas que só depõem contra elas. A atriz Alexia Dechamps decidiu voltar atrás dos comentários preconceituosos contra os nordestinos em sessão ocorrida na última terça-feira (25), na Câmara dos Deputados, para debater a legalização da vaquejada. Na oportunidade, olhando para os vaqueiros, ela teria dito em tom de irritação: “Calem a boca que nós já pagamos o Bolsa Família de vocês”. O caso foi denunciado no mesmo instante com pedido de repúdio pelo deputado federal alagoano Pedro Vilela (PSDB). A atriz negou tudo, ameaçou processar o deputado e garantiu que não havia um único vídeo no qual ela falasse de forma desrespeitosa contra os nordestinos. A máscara caiu.

Neste fim de semana, sites e redes sociais começaram a trazer um vídeo, com som ruim, é verdade, mas no qual é possível ver que a atriz argentina radicada no Brasil vocifera contra o público na sala, gritando que o dinheiro dela paga o Bolsa Família de muita gente no Nordeste e que muito brasileiro sabe disso. Um caso flagrante de preconceito, racismo e culto à eugenia. A atriz demonstra desconhecer as bases históricas em que se deu a formação do povo nordestino, a luta da região contra a seca e a pobreza e, sobretudo, os princípios básicos da economia. Afinal, Bolsa Família não é meio de vida, mas um socorro emergencial que todos prefeririam não receber. Confira o vídeo:

 

 

Em vídeo, atriz nega ataques a nordestinos e pede desculpas. Tire suas conclusões

A atriz Alexia Dechamps divulgou vídeo nas redes sociais no qual nega ataques aos nordestinos e pede desculpas. Ela diz ter sido mal interpretada pelo deputado alagoano Pedro Vilela (PSDB), que, na última terça-feira (25), durante sessão na Câmara dos Deputados para discutir a legalização das vaquejadas, fez discurso denunciando preconceito da artista. O parlamentar atribuiu a Dechamps, que estava no evento como convidada, a frase: “Calem a boca que nós já pagamos o Bolsa Família de vocês”. A agressão teria sigo dirigida aos vaqueiros que assistiam à discussão. Segundo ela, nada disso aconteceu, apesar de ter divulgado nota também nesta semana na qual não consegue disfarçar o preconceito com a população nordestina. Tire suas conclusões: