Judiciário 7:31

Coriolano Coutinho é preso em nova fase da operação Calvário

Irmão do ex-governador Ricardo Coutinho teria violado a tornozeleira eletrônica em diversas oportunidades

Coriolano Coutinho teria tentado violar a tornozeleira eletrônica. Foto: Divulgação

 

O alvo da décima fase da operação Calvário, nesta quarta-feira (9), é Coriolano Coutinho. O irmão do ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) foi preso preventivamente no Bessa, em João Pessoa, e é acusado de quebra das regras de uso da tornozeleira eletrônica. Além da prisão dele, foram apreendidos documentos no cumprimento de dois mandados de busca e apreensão em João Pessoa e em Bananeiras.

A ação é coordenada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba, em parceria com a Controladoria-Geral da União (CGU). O trabalho conta com a participação de 2 auditores da CGU e de 12 servidores do GAECO/MPPB. Coriolano cumpre medidas cautelares que incluem o monitoramento eletrônico.

Fazenda pertencente a Coriolano Coutinho foi alvo de mandados de busca em Bananeiras. Foto: Divulgação

 

O objetivo da ação, segundo o Gaeco, é dar continuidade às investigações inerentes à atuação de organização criminosa, por meio da contratação fraudulenta de Organizações Sociais (OS), para gerir os serviços essenciais da saúde e da educação no Estado.

A defesa de Coriolano demonstrou surpresa com o fato e chamou a prisão de retaliação do Ministério Público. O advogado Francisco Leitão diz que todas as intercorrências ligadas à tornozeleira eletrônica foram justificadas nos autos. 

Ele disse que foram duas as intercorrências. A primeira, no retorno para casa, Coriolano tomou o caminho que segue por Intermares para chegar ao Bessa. O outro foi problema na tornozeleira que, segundo o advogado, houve comunicação deste caso à Secretaria de Administração Penitenciária e o equipamento foi trocado.

Francisco Leitão alega que houve retaliação por causa de denúncia protocolada por Coriolano Coutinho contra o Gaeco, por causa de uma fiscalização feita na propriedade rural dele. Coutinho disse, na denúncia, que a ação se tratou de invasão de propriedade.

Investigação

As investigações da Operação Calvário, iniciadas em 2018, buscavam apurar irregularidades praticadas na Paraíba por organização criminosa composta por Organizações Sociais (OS), empresas comerciais e agentes públicos e políticos. Os trabalhos investigativos são conduzidos por diversos órgãos de combate à corrupção no Estado, que atuam em fases específicas da Operação, conforme a origem dos recursos públicos envolvidos.

Os levantamentos apontaram que, no período de 2011 a 2019, somente em favor das OS contratadas para gerir os serviços essenciais da saúde e da educação, o Governo da Paraíba empenhou R$ 2,4 bilhões, tendo pago mais de R$ 2,1 bilhões, dos quais estima-se um dano ao erário de mais de R$ 134 milhões.

A décima fase da Operação Calvário tem por objetivo robustecer o conjunto probatório de situações detectadas nas fases anteriores, principalmente no tocante aos crimes de ocultação patrimonial e de lavagem de dinheiro.

Impacto social

As irregularidades praticadas pela organização criminosa impactaram fortemente a qualidade do atendimento prestado à população carente nos hospitais públicos estaduais gerenciados pelas Organizações Sociais, bem como a qualidade do ensino público estadual prestado à população da Paraíba.

 

Mais Notícias

COMENTÁRIOS

  1. Avatar for Suetoni
    rfm

    Isto é cabra muito ordinário

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *