Legislativo 14:38

No século 21, Câmara de João Pessoa não diferencia política de religião e persegue a cultura

Insensíveis em relação às demandas da população, vereadores destinam tempo e nosso dinheiro para perseguir o cantor Chico César

Eliza Virgínia é autora do voto de repúdio. Foto: Olenildo Nascimento/CMJP

Os vereadores de João Pessoa são uma decepção, tirando, lógico, algumas exceções. Estamos em pleno século 21 e envoltos em uma série de problemas sociais e econômicos. E com o que os nossos parlamentares mirins estão preocupados? Quem pensou em temas relacionados a religião, a moral e aos bons costumes, acertou. Nesta quinta-feira (12), por exemplo, eles aprovaram um voto de repúdio contra o cantor e compositor paraibano Chico César. E por quê? Por pura e simples intolerância cultural.

Tudo por causa de uma música composta e cantada pelo compositor paraibano. A letra em questão associa os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, apelidados de “bolsominios”, a “demônios”. Faz ainda uma referência a “cultos (religiosos)”, lembrando o fato de grande parte dos apoiadores do gestor ser de evangélicos. Agora, cá para nós, o que a Câmara de João Pessoa tem a ver com produção cultural? O cidadão que não gostar da música, mude de estação e faça sua crítica. Vivemos numa democracia.

Agora, usar o Legislativo para isso é um pouquinho demais. Faz com que a província retorne aos tempos da inquisição, da perseguição à Torquemada. A letra que tanto irritou a autora da propositura, Eliza Virgília (Progressistas), diz que os “Bolsominions são demônios que saíram do culto para brincar de amigo oculto com Satan no condomínio”.

A proposta foi votada em bloco e o vereador Milanez Neto revelou que a aprovação foi por unanimidade. Depois disso, incomodados, pediram a declaração do voto e fizeram críticas à propositura. Um deles foi Bruno Farias (Cidadania). Ele disse que mesmo pessoalmente não apreciando a letra da música, não concordava com o voto de repúdio a um artista paraibano. Marcos Henriques também criticou o a votação.

Apesar das críticas, o texto passou. Diferente do que ocorre quando o assunto versa sobre a defesa da saúde, da educação e da qualidade de vida da população como um todo. Os votos de repúdio, vale ressaltar, deveriam ser destinados à crítica à discriminação racial, de gênero e ataques à dignidade humana. Isso, sim, tem fugido aos olhos da Câmara.

Mais Notícias

COMENTÁRIOS

  1. Avatar for Suetoni
    revolta

    essa eliza Virgínia em nome de Deus incentivou suicídio. não propõe nada e faz isso pra aparecer justamente pra sua Clark. vergonha dos nossos vereadores.enquanto a população sofre os efeitos da covid ,passa a boiada um milhão numa praça um milhão numa pena reforma e pasmem a prefeitura ta quebrando calcadas novas em folha na Epitácio pessoa gastando os tubos com um projeto paisagístico q não dura nem um ano os nossos nobres vereadores cuja função primordial é fiscalizar o executivo fica nessa lenga lenga

  2. Avatar for Suetoni
    LUCINALDO LINS

    VEREADORA INÚTIL PARA JOÃO PESSOA!

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *