Judiciário 18:44

Ministério Público nega que STJ tenha anulado processo contra Berg

Ex-prefeito de Bayeux foi acusado de extorquir empresário como condição para liberar pagamento de dívidas da prefeitura

Berg Lima foi flagrado em vídeo feito por empresário justamente no momento em que recebia dinheiro supostamente de propina. Imagem: Reprodução

O processo movido pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) contra o ex-prefeito de Bayeux, Berg Lima, não foi extinto pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). A informação sobre a suposta anulação circulou no fim da tarde desta terça-feira (4), após julgamento de recurso impetrado pela defesa do ex-gestor. Os advogados alegavam a necessidade de nova perícia sobre o vídeo que serviu como uma das provas da acusação e isso foi autorizado pelos ministros da 6ª Turma do STJ.

Com a decisão, o advogado do prefeito, Inácio Queiroz, divulgou o entendimento de que o processo voltaria a tramitar na fase de instrução, deixando o STJ. “Sempre tivemos certeza de que tudo foi uma armação. O vídeo divulgado em âmbito Nacional não condiz com a realidade. Foi manuseado e editado para incriminar o senhor Berg Lima. O empresário que aparece no vídeo sempre soube que a valor entregue ao Prefeito se tratava de um empréstimo pessoal”, disse.

No vídeo, Berg Lima recebe R$ 3,5 mil das mãos do empresário João Paulino, do restaurante Sal e Pedra, localizado em Bayeux. De pronto, ele liga para uma funcionária da prefeitura para determinar que ela fizesse o pagamento das faturas devidas ao empresário e que estavam em aberto. O vídeo foi feito sob a supervisão da polícia e do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba.

O coordenador com o coordenador do Gaeco, Octávio Paulo Neto, houve engano no entendimento dos advogados de Berg em relação à decisão do STJ. “Ficou claro que houve a determinação da aplicação do artigo 402 do Código do Processo Penal (CPP), permitindo a realização de uma nova perícia, uma vez que houve por parte do juiz instrutor do processo o entendimento de que as mesmas seriam desnecessárias, já que consta nos autos uma perícia, mantendo-se os atos instrutórios e a íntegra da acusação”, ressaltou.

Paulo Neto acrescentou que o Ministério Público roga pela realização rápida da perícia e a conclusão do julgamento.

Mais Notícias

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *