Executivo Judiciário 6:39

Polícia Civil e Gaeco deflagram operação contra desvio de dinheiro público em Alhandra

Ação apura denúncia de direcionamento de licitações na prefeitura de Alhandra nas gestões de Renato Mendes

Renato Mendes foi reeleito em 2016, apesar das denúncias e ações na Justiça. Foto: Divulgação

A Polícia Civil, com auxílio do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba, deflagrou operação para desarticular um suposto esquema de corrupção na prefeitura de Alhandra, no Litoral Sul. Segundo as investigações, parentes ligados à gestão abriam empresas para ganhar as contratos com a prefeitura em diversas áreas e posteriormente eram contratadas e os recursos desviados.

Em alguns casos, as investigações apontam que os serviços nem foram prestados. A apuração indica a existência de suposta organização criminosa envolvendo diretamente 15 alvos: 9 pessoas e 6 empresas. As investigações apontam fraudes em contratos de compras superfaturadas de plantas ornamentais, materiais para carteiras escolares e também funcionários fantasmas na prefeituras.

A polícia estima que os desvios cheguem a R$ 2,5 milhões. A investigação é comandada pelo delegado Allan Murilo Terruel, da Delegacia Especializada no Combate à Corrupção. A operação conta com a participação, também, da Policia Militar, Secretaria da Fazenda, Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Controladoria-Geral da União (CGE).

O prefeito de Alhandra, Renato Mendes (DEM), já foi alvo de outras operações policiais no passado. Em março deste ano, uma operação já tinha batido em Alhandra para investigar o suposto desvio de quase R$ 500 mil que seriam utilizados em reformas de carteiras escolares de escolas e creches.

Em 2018, Renato Mendes foi condenado pelo TCE a devolver mais de R$ 350 mil por irregularidades em obras. Em 2017, ele também chegou a ser afastado, mas voltou ao cargo logo depois. Mendes foi condenado por ato de improbidade administrativa com sentença transitada em julgado por não ter efetuado, no exercício de dois mandatos – de 2005 a 2012.

Renato Mendes foi alvo, também, da operação Pão e Circo em 2012. O democrata, na época, comandava a prefeitura da cidade e foi acusado de participação em um esquema de fraudes em licitações e desvio de recursos. Mendes chegou a ser preso durante a operação desencadeada por Polícia Federal, Controladoria Geral da União (CGU) e Ministério Público da Paraíba.

NOTA
A respeito da operação realizada na manhã desta sexta-feira pela Polícia Civil, TCE-PB, CGU e GAECO, a Prefeitura Municipal de Alhandra reitera:

Que sempre trabalhou com seriedade e transparência, obedecendo a Legislação vigente quanto ao uso dos recursos públicos. A gestão defende toda e qualquer apuração a respeito dos supostos fatos e não teme qualquer investigação, uma vez que todos os procedimentos administrativos e licitatórios são realizados obedecendo aos trâmites legais e com reiteradas auditorias realizadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB).

E, a exemplo do que sempre fez, continuará prestando todas as informações requeridas pelos Órgãos fiscalizadores, bem como à população, a fim de esclarecer de forma transparente todos os atos praticados.

Sem ter conhecimento do procedimento de investigação, mas a titulo de exemplo, noticia-se que a citada licitação para compra de plantas ornamentais encontra-se sendo investigada, quando já foi cancelada pela própria gestão que não efetivou a compra, muito menos realizou pagamentos.

E, por fim, espera que todas as denúncias realizadas por vereadores de oposição sejam investigadas como determina a lei e fique comprovado que não houve fraude. Renovando o respeito e reforçando a colaboração com os agentes públicos, prestando toda a assistência devida, aguardando com tranquilidade a elucidação dos supostos fatos após devida apuração.

Prefeitura Municipal de Alhandra

Mais Notícias

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *