Pós-cloroquina: Galdino defende Ivermectina e Azitromicina para tratar Covid-19, mas deputados médicos rebatem

Deputados com formação na área médica advertem presidente da Assembleia Legislativa sobre riscos da automedicação

Durante sessão na Assembleia, Galdino defendeu o uso preventivo de medicamentos. Foto: Reprodução/Youtube

Os deputados estaduais paraibanos perderam boa parte da sessão deliberativa desta quarta-feira (27) com uma discussão curiosa: receitas para tratar a Covid-19. A discussão foi iniciada por que o presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino (PSB), recomendou que as pessoas que tenham sintomas gripais análogos aos do novo Coronavírus tomem Ivermectiva e Azitromicina. Ele alega ter pelo menos cem amigos que usaram as duas medicações e se curaram das complicações do Coronavírus.

A Ivermectina é um medicamento utilizado para o tratamento de problemas e infecções causadas por vermes e parasitas. Como o advertido pela deputada estadual Dra. Paula (PP), durante a sessão, serve para o reatamento de piolho. Já a Azitromicina é indicada para o tratamento de infecções do trato respiratório inferior, incluindo bronquite e pneumonia. Não há evidências de cura dos sintomas do novo Coronavírus com o uso das duas drogas.

Mesmo assim, Adriano Galdino disse ter mais de 100 amigos que conseguiram se curar do novo Coronavírus após combinar as duas medicações. “Eu venho estudando o assunto e meu irmão que é funcionário do Banco do Brasil aposentado vem estudando mais ainda. As pessoas que tomam estão sendo curadas. A informação dele foi elogiada pela deputada Dra. Jane Panta, mulher do atual prefeito de Santa Rita, Emerson Panta. Ela disse que os medicamentos têm se mostrado efetivos na cidade metropolitana.

Outros deputados com formação médica, no entanto, tiveram posições divergentes. A Doutora Paula (PP) alertou o presidente sobre a indicação de uso para os tratamento de piolho e sarna. Já Taciano Diniz (Avante) criticou o estímulo para que as pessoas tomem o medicamento sem receita médica. “Procurem um médico”, disse.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *