Delegado paraibano integra grupo que apura tentativa de Bolsonaro interferir na PF

Fabiano Emídio é o delegado responsável por operações como a Xeque-Mate, na Paraíba

Fabiano Emídio foi escalado para acompanhar depoimentos das testemunhas. Foto: Divulgação/CBN

O delegado federal paraibano Fabiano Emídio foi escalado para uma parada duríssima. Ele foi incluído entre os seis delegados que apuram as acusações do ex-ministro Sérgio Moro (Justiça) de que teria havido, por parte do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), tentativas de interferir na Polícia Federal. Ele participou, nesta semana, da oitiva do diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem. Emídio é o responsável por operações importantes, na Paraíba, a exemplo da Xeque-Mate, em Cabedelo.

Durante a audiência, Ramagem fez acusações contra o ex-ministro e defendeu de forma incondicional o presidente Bolsonaro. O diretor da Abin, que também é delegado da PF, em certo ponto da audiência, chegou a ser advertidos pelos delegados da condição de testemunha. As audiências foram autorizadas pelo ministro do Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele acatou pedido da Procuradoria-Geral da República, feitos após as denúncias de Sérgio Moro.

A lista de pessoas que serão ouvidas na condição de testemunha inclui a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) e os ministros Augusto Heleno (GSI), Walter Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo). Todos foram arrolados como testemunhas de ameaças feitas por Bolsonaro caso Moro não aceitasse a mudança de comando na PF.

Ramagem, o último ouvido pelo delegado federal paraibano, Fabiano Emídio, se tornou o pivô da crise que resultou na exoneração de Sérgio Moro. Amigo dos filhos de Bolsonaro, o diretor da Abin era o preferido do presidente para assumir o cargo de diretor-geral da PF. Após discordar da demissão de Maurício Valeixo para dar lugar a Ramagem, Moro anunciou a saída dele do Ministério da Justiça.

A nomeação de Ramagem para a vaga de Valeixo chegou a ser publicada por Jair Bolsonaro, mas ela foi anulada por decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. Ramagem, então, voltou a ocupar o cargo de diretor da Abin.

comentários - Delegado paraibano integra grupo que apura tentativa de Bolsonaro interferir na PF

  1. Maria Bernadete Oliverira Disse:

    Se o delegado Fabiano for sério mesmo e imparcial, nada tem a temer o Presidente que está no seu direito de escolher seus assessores.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *