Abandonada, triplicação da BR-230 será tocada pelo Grupamento de Engenharia

Exército espera apenas a assinatura de contrato com o Dnit para dar início às obras

Máquinas paradas e clima de abandono viraram rotina na BR-230. Foto: Walter Paparazzo/G1

O Grupamento de Engenharia e Construção vai assumir as obras de triplicação da BR-230, no trecho entre João Pessoa e Cabedelo. De acordo com o órgão, falta apenas a assinatura do contrato entre o Exército Brasileiro e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para iniciar os preparativos para a retomada das obras. Os trabalhos estão parados desde dezembro do ano passado.

Para o início dos trabalhos, o órgão terá R$ 50 milhões. O dinheiro é fruto de R$ 15 milhões oriundos de emendas de bancada, acertadas pela bancada federal paraibana, e mais R$ 35 milhões do orçamento do Dnit. Os recursos foram definidos em reunião da bancada paraibana com representantes do Dnit, em fevereiro, em Brasília. A entrada do Exército será para concluir, de forma emergencial, os trechos já iniciados.

De acordo com o deputado federal Efraim Filho (DEM), coordenador da bancada federal paraibana, o contrato emergencial é para evitar um prejuízo maior. Depois da conclusão da etapa atual, poderá haver nova licitação para a conclusão do restante da obra. “A questão agora é concluir o que já foi iniciado, para evitar prejuízos para o erário”, disse o parlamentar.

Depois de paralisada a obra, o Dnit chegou a recolher parte do material, para evitar depredação. O trecho paralisado da obra tem cerca de 10 quilômetros de extensão. O projeto completo totaliza 28 quilômetros de extensão, segundo o plano original. A obra tinha ficado sem recursos para a execução desde que o governo cancelou os recursos de Restos a Pagar do orçamento de 2016 e que não tinham sido usados ainda.

A obra

A triplicação da rodovia BR-230 no trecho entre a cidade de Cabedelo e o Viaduto de Oitizeiro foi iniciada em março de 2017. A construção estava orçada inicialmente em mais de R$ 255 milhões. Ela se estende por cerca de 28 km e, além da triplicação, previa a construção de 13 viadutos e reforma de outros três.

Além das novas faixas e dos viadutos, o projeto contemplaria a construção de 14 passarelas para pedestres ao longo dos 28 km do trecho contemplado. Com o alargamento da rodovia, os viadutos de Manaíra, UFPB e Cristo também seriam ampliados para acomodar as novas faixas.

4 comentários - Abandonada, triplicação da BR-230 será tocada pelo Grupamento de Engenharia

  1. Airton Lira Disse:

    Parabéns

    Agora as obras serão concluídas e bem feitas.
    No prazo!

    O País todo deveria ser assim, Governadores, Prefeitos ….

  2. Tenho vergonha de ser paraibano e brasileiro. Nenhuma alma viva (jornalista, etc) pergunta quais as razões para se construir dois viadutos separados por no máximo 200 metros na entrada de Intermares.

  3. José Disse:

    Quando é que a imprensa vai se convencer que a construção de duas novas faixas na BR 230 não é uma triplicação (três vezes mais)? Atualmente são quatro faixas (duas em cada sentido). Se fosse uma triplicação teríamos 12 faixas (4 x 3 = 12) e não seis.

    • Suetoni Disse:

      Obrigado pelo “engraçadismo”. Certamente é um talento natural que pode fazer sucesso na TV. O termo usualmente usado é esse (triplicação) para quando uma rodovia que é duplicada passa a ter três faixas. Vc não é obrigado a aceitar. Grato pela leitura.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *