Executivo 17:20

O curandeirismo venceu Mandetta na queda de braço com Bolsonaro

Ministro usa redes sociais para comunicar demissão e deixa o comando do Ministério da Saúde

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; participa de coletiva de imprensa no Palácio do Planalto

O obscurantismo venceu a ciência no embate entre o presidente Jair Bolsonaro (Cidadania) e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. O auxiliar usou as redes sociais, na tarde desta quinta-feira (16), para comunicar a sua demissão. A saída de Mandetta do cargo ocorre no momento em que ele tem o dobro da aprovação do presidente em relação às ações de enfrentamento do novo Coronavírus.

“Acabo de ouvir do presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS, de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planejar o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar”, escreveu Mandetta. “Agradeço a toda a equipe que esteve comigo no MS e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país”, prosseguiu.

Ex-deputado federal, Mandetta estava à frente da pasta desde o início do governo, em janeiro de 2019, e ganhou maior visibilidade com a crise provocada pelo novo coronavírus. Na tarde desta quinta, Mandetta foi chamado ao Planalto para uma última reunião com Jair Bolsonaro. O encontro ocorreu horas depois de o mandatário se reunir com o oncologista Nelson Teich, cotado para assumir a vaga. Mandetta tinha dado declarações na manhã desta quinta de que poderia ser demitido hoje ou amanhã.

O clima de estranhamento entre o ministro e o presidente vinha numa crescente nas últimas semanas. Ele ganhou opositores de peso no staff ideológico do Planalto desde que teve a cabeça pedida pelo ideólogo Olavo de Carvalho, próximo aos filhos do gestor. A irritação de Bolsonaro tinha a ver com o posicionamento firme de Mandetta em relação ao isolamento social, mas também à resistência do ministro em apoiar o uso massivo da hidroxocloroquina, defendida por Bolsonaro para o tratamento do Covid-19. O auxiliar insistia na tese de que não há exames suficientes que comprovem a eficiência da droga.

Em coletiva nesta quarta (15), no Palácio do Planalto, o então ministro da Saúde disse que era claro o “descompasso” entre a pasta e as orientações do presidente Jair Bolsonaro. Segundo Mandetta, pessoas cotadas para a sucessão no cargo chegaram a ligar para ele em busca de aconselhamento.

Mais Notícias

COMENTÁRIOS

  1. Avatar for Suetoni
    EDILSON SOBRAL DE MORAIS – ADV. 8475

    Ah! Não me causa nenhum fato novo a demissão do Min. Henrique Mandetta. Basta que um Ministro tenha uma visão acertada de como direcionar uma política pública que esteja diferente do pensamento do retrógrado do Bolsonaro, que logo ele ameaça de demissão. Isto é pensamento de quem não entende do assunto e precisa se sustentar no ego do ciúme de quem está aparecendo mais que ele para logo seus chaleiras de plantão lhe aconselharem que deve demitir o Ministro porque não é este Ministro que tem que ser estrela e sim o BOZO do PLANALTO. O Brasil está entregue a um incompetente administrador e péssimo Gestor que só pensa em bajular os atos do Presidente TRUMP, mesmo sendo ridicularizado por aquele, polis, americano não gosta de ninguém que não seja americano, quanto mais um pouco competente como o nosso Gestor do Brasil que só chegou ao Posto de Capitão para ser reformado pelas inúmeras insurreições que estava causando no seio das Forças Armadas à época. O BRASIL nosso está numa redemoinho e descendo de ladeira a baixo com este Presidente, que os que nele votaram vão começar a se arrepender de tê-lo colocado à frente desta Nação. Ele apenas está brincando de ser Presidente, e não é disto que no momento estamos precisando. Precisamos sim, de um mandatário que veja a vida dos brasileiros como algo que precisa ser respeitada como dom maior que DEUS nos deu e não querer a todo custo soltar a boiada para ser imolada porque ele só pensa que a Hidroxicloroquina vai salvar a todos por um milagre. Esta droga só pode ser administrada por médico e cada paciente tem a dosagem específica, porque em caso de erro na dosagem pode levar a óbito ligeiramente. O Brasil vai sentir falta de Luiz Henrique Mandetta. Que DEUS abençõe o nosso País.
    Como diz o Jornalista Gutembergue Cardoso eu repito: “PELO SIM, PELO NÃO, ESTA É A MINHA OPINIÃO”

  2. Avatar for Suetoni
    Almir Pacheco Lins

    Preclaro Jornalista Suetoni. Como você além de inteligente é por cima de tudo um íntegro jornalista e um democrata por excelência, peço venia ao excelso profissional da imprensa digital para deixar nesse auspicioso e generoso espaço o meu modesto pensamento, respeitando sempre os ilustres e insignes cidadãos que pensam contrários. Eu quero crer na seguinte tese. Quem sempre foi contra em Outubro de 2018 ao Presidente Bolsonaro, não tem como elogiá-lo. Como diria o saudoso Cônsul, o ínclito Dr Raimundo Onofre; ” Não tem jeito que dê jeito àquilo que não tem jeito”. Será eternamente contra a tudo que ele faça ou vier de bom fazê-lo. Eu entendo a preocupação e a louvável coerência dos antagônicos. A democracia é bom pq permite isso. É um direito legítimo. Todavia, os mais 58 milhões da massa de brasileiros que Nele confiou o seu voto – que ninguém se engane – continua essa mesma massa unida e intacta. Existiram defecções? Sim! Mas . . . os que fugiram como o Caiado, o João Dória o Wilson Witzel, etc, esses, não têm o Poder político de Ascensão, que é o poder de subir por si próprio, surfaram no Bolsonaro para galgar ao Poder. São políticos de Assunção, ou seja, precisam de empurrões para alçar o Poder. Basta somente checar as Redes Sociais desses mencionados, atualmente, e compará-los a de Bolsonaro. Então, resumindo: esses 40% de eleitores do Hadadd ou de Lula ou de linha esquerdista sempre e sempre baterão panelas para espantar ou tristeza ou até a saudade. Lembra-me um antigo sucesso: Quem não gosta de samba ou é lelé da cuca ou é doente do pé. Ora! O Presidente não poder substituir um Ministro!? É muito engraçado. O Brasil é uma democracia. Cada pessoa tem um pensamento próprio de ver e dimensionar os fatos cotidianos. Se a esquerda achar que está tudo errado, tudo bem, todavia, procure, em Outubro de 2022, retomar o Poder pelo voto secreto, direto, universal e indevassável nas urnas, não batendo panelas à toa. Só terá o prejuízo mais tarde de repô-las. Nada… mais nada disso mesmo abalará o Presidente J Bolsonaro que tem hoje, hoje, seguramente e comprovadamente nas Redes sociais mais 48 milhões de fiéis seguidores.

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *