Executivo 10:58

Em carta, governadores pedem ao Senado aprovação de projeto que prevê auxílio a estados e municípios

Apenas dois gestores não assinaram a carta encaminhada aos senadores

João Azevêdo demonstra preocupação com a falta de medidas emergenciais para os estados. Foto: Divulgação/Secom-PB

O Fórum de Governadores encaminhou carta ao Senado pedindo a aprovação do projeto que prevê a recomposição de receitas de estados e municípios durante o período de vigência dos efeitos do novo Coronavírus. Ao todo, 25 gestores assinaram o documento, incluído o governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania). Os únicos que silenciaram foram os mandatários de Roraima, Antônio Danarium, e Rondônia, Marcos Rocha.

No documento, eles dizem reconhecer o empenho dos parlamentares na adoção de medidas sociais, sanitárias e federativas no momento de crise. “A esse respeito, enfatizamos nosso apoio à aprovação integral do Projeto de Lei Complementar – PLP no 149-B de 2019, que estabelece auxílio financeiro da União aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios para mitigar os efeitos da pandemia de Covid- 19, possibilitando a recomposição temporária de receitas dos entes subnacionais”, diz o documento.

Os gestores dizem que estão “dedicados à salvaguarda da população contra o novo coronavírus e contra as implicações econômicas decorrentes da atual emergência sanitária”. Os governadores dizem que têm “compromisso com a proteção da vida e, igualmente, com a defesa de empresas e empregos, o que somente será possível com a manutenção do adequado funcionamento do Estado”.

A carta é uma tentativa de anular o trabalho do governo federal para que o Senado reverta o texto aprovado na Câmara dos Deputados. O ministro Paulo Guedes (Economia) defende um montante máximo de R$ 40 bilhões para o socorro aos Estados e Municípios. A Câmara, no entanto, aprovou um texto com o dobro deste custo. O dinheiro pretendido é para repor perdas nas arrecadações de ICMS e ISS.

“Efetivamente, não haverá reconstrução nacional e retomada econômica se permitirmos o colapso social que adviria da interrupção de serviços públicos essenciais, como saúde, segurança, educação, sistema penitenciário, iluminação e limpeza pública. A imediata aprovação do referido projeto constitui, assim, forma eficiente de evitar uma perturbação generalizada e salvar numerosas vidas. Afinal, a demora na apresentação de soluções concretas é o nosso maior inimigo depois do vírus”, diz o documento.

Mais Notícias

COMENTÁRIOS

  1. Avatar for Suetoni
    Airton Lira

    Tudo se volta para a politica e pela ganancia $$$$$$$
    Só Jesus na CAUSA!!

  2. Avatar for Suetoni
    Maria Bernadete Oliverira

    Isso é um absurdo, estão tentando a todo custo acabar com o governo de Bolsonaro, essa doença virou troca de moeda política, não poderia ter vindo em pior momento, pois é ano de eleição, e eles são uns abutres, não fiquem pensando que eles estão preocupados com nossa saúde, que não estão, estão pensando em como ficar com parte desse dinheiro que está vindo para os estados, para gastar nas próximas eleições. Se pensassem na população como alardeiam , não teriam roubado tanto dinheiro da saúde, hj nós teríamos uma situação boa para enfrentar essa pandemia sem precisar trancar as pessoas em casa ou até prendê-las na cadeia como está acontecendo.

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *