Coronavírus: denunciado por deputado, empresário nega envolvimento na Calvário

Documentos relacionados à investigação do Gaeco mostram que o Júnior citado por Wallber Virgolino não é o delatado por Leandro

Uma denúncia muitos grave foi apresentada nas redes sociais pelo deputado estadual Wallber Virgolino (Patri). Segundo ele, uma empresa investigada na operação Calvário, do Ministério Público da Paraíba, teria sido contratada pelo governo do Estado para montar o hospital de campanha, em Santa Rita. A unidade servirá de apoio ao combate aos efeitos do Coronavírus.

A denúncia indicava que o proprietário, popularmente conhecido por Júnior Santa Luzia, seria o mesmo que teria recebido dinheiro do ex-assessor da Secretaria de Administração do Estado, Leandro Nunes. O recurso, de acordo com a investigação do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), seria dinheiro de propina, pago pela Cruz Vermelha Brasileira. Só que apesar da confusão muito comum, o Júnior citado por Leandro é outro. Trata-se do Júnior do Carro de Som.

A HWJ Locações e Serviços (Júnior Produções) é comumente lembrada entre as fornecedoras mais antigas do governo, por ser responsável pela montagem de estruturas para órgãos públicos há pelo menos três décadas. O contrato para a montagem do hospital de campanha é de R$ 389 mil por mês, firmado através da Secretaria de Comunicação. A estrutura está sendo montada na área externa do Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires.

 

Reprodução

O caso foi denunciado pelo deputado estadual Wallber Virgolino (Avante) nas redes sociais com o argumento de que estava havendo “perpetuação do esquema criminoso” da gestão passada, do ex-governador Ricardo Coutinho. “O governador (João Azevêdo) não acabou com as irregularidades”, disse o parlamentar em contato telefônico com o blog. Os documentos apresentados como prova induziam ao erro, por causa da confusão entre os dois fornecedores do governo do Estado.

Procurado pelo blog, o empresário apresentou documentos que comprovam a confusão entre os nomes.

O secretário de Comunicação do Estado, Nonato Bandeira, também procurado pelo blog, negou que haja irregularidades e disse que Wallber Virgolino tem se esforçado para criar fake news com muita frequência. Ele assegura que esta mesma empresa presta serviço para Tribunal de Justiça, Ministério Público, Prefeitura de João Pessoa e Tribunal de Contas do Estado. “Ela venceu a licitação por que apresentou um preço abaixo do mercado”, assegurou.

Hospital de Campanha está em construção. Foto: Divulgação/Secom-PB

Bandeira também rebateu informação do deputado de que estaria sendo usado dinheiro da Comunicação para o pagamento das tendas. Ele lembra que quem tem licitação para este tipo de demanda é a Secretaria de Comunicação, mas com verba específica para isso. O secretário explica que há previsão legal de R$ 2,4 milhões para a instalação de tendas, que são destinados para eventos como as festas dos Caminhos do Frio.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *