Fabiano Gomes teria usado nome de delegado da PF para extorquir sócio do Paraíba de Prêmios

Delegado citado na investigação foi o responsável pela prisão do radialista no bojo da Operação Xeque-Mate

Por Larissa Claro

O radialista Fabiano Gomes, preso na 8ª fase da Operação Cavário, teria usado o nome do delegado Fabiano Emídio de Lucena Martins para extorquir o sócio-majoritário do Paraíba de Prêmios, Denylson Oliveira Machado. De acordo com as investigações, o radialista ameaçou Denylson afirmando ter acesso a degravações do delegado supostamente prejudiciais ao empresário. O delegado citado por Denylson, inclusive, foi o responsável pela prisão de Fabiano Gomes, em agosto de 2018, no bojo da Operação Xeque-Mate. Fabiano foi solto um mês depois.

A pressão e as ameaças apontadas pelo sócio-majoritário do Paraíba de Prêmios teriam começado a partir da recusa do pagamento de anúncio publicitário ao programa jornalístico do radialista. Denylson teria considerado o valor exigido “exagerado”. Em troca do anúncio, Fabiano teria prometido “blindar” o empresário na Justiça e na imprensa quanto as denúncias envolvendo a Operação Calvário.

“Ele prometeu me blindar que ele tinha informações, inclusive do Doutor Fabiano Emilio, ele tinha informações sobre a delação, sobre a… toda a operação que estava acontecendo” (sic), disse em depoimento à Polícia Federal em fevereiro do ano passado.

Na ocasião, Denylson afirmou que Fabiano Gomes “desconheceria limites”, já que chegou a envolver o nome de uma autoridade pública em suas ameaças.

O pedido de prisão preventiva do radialista também é fundamentado em áudios de uma conversa entre o operador da Cruz Vermelha, Daniel Gomes, e o ex-procurador do Estado, Gilberto Carneiro. No diálogo extraído das gravações entregues por Daniel no acordo de delação premiada, Carneiro fala da pressão feita pelo radialista para fazer a campanha do então candidato ao Senado Veneziano Vital do Rêgo.

Ainda segundo Carneiro, Fabiano teria dito que sabia de muita coisa e que as pessoas estariam brincando com ele. O radialista chegou a dizer que seria uma espécie de Roberto Jefferson, fazendo referência ao deputado envolvido no esquema do Mensalão.

A 8ª fase da Operação Calvário foi deflagrada na manhã desta terça-feira (10) pela Polícia Federal na Paraíba e pelo Gaeco, com apoio da Controladoria Geral da União – CGU. A operação culminou na prisão do radialista Fabiano Gomes e no cumprimento de nove mandados de busca e apreensão nas residências dos investigados, e no Tribunal de Contas do Estado da Paraíba. A última fase da operação aponta o envolvimento da Lotep no esquema criminoso de desvio de recursos.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *