Berg Lima “confina” aliados para evitar cassação na Câmara de Bayeux

Prefeito enfrenta processo de cassação por pagamento indevido de adicional noturno à guarda municipal

O prefeito de Bayeux, Berg Lima (PL), não deverá ser cassado nesta quinta-feira (23) pela Câmara Municipal. O processo de cassação foi posto na pauta de votação pelo presidente da Casa, Jefferson Kita (PSB), mas a Casa não conseguiu sequer notificar os vereadores governistas. Ao todo, sete deles simplesmente “desapareceram” e estão incomunicáveis há dias.

Prefeito de Bayeux é acusado de pagamentos ilegaisbr; Foto: Secom/Bayeux

O presidente da Casa acusa o atual prefeito de ter “confinado” os parlamentares para que eles não sejam convencidos a votar a favor da perda do mandato. Berg é acusado de ter pago gratificações por trabalho noturno a guardas municipais que atuam durante o dia. O caso foi denunciado à Câmara e um processo de cassação foi aberto. O relatório da Comissão Processante, no entanto, foi pela rejeição. A sessão terá início às 9h.

Ao todo, a Câmara tem dez vereadores oposicionistas e sete governistas. Apesar do número menor de aliados, a quantidade é mais que o suficiente para livrar o pescoço de Berg Lima. Para quer ele seja cassado, são necessários pelo menos 12 votos. Para que isso fosse conseguido, seria necessário o convencimento de dois governistas. O cenário não parece ser fácil.

Caso haja decisão de cassação, o presidente da Câmara assume o comando da prefeitura até que, através de eleição suplementar, seja escolhido o novo prefeito. A Lei Orgânica do Município proíbe a realização de eleição indireta no município mesmo no segundo biênio.

Há pelo menos mais duas denúncias contra o gestor em tramitação na Casa. Uma diz respeito a suposto pagamento ilegal para o recolhimento de lixo na cidade. O outra está relacionada à compra de cones de trânsito, que só teriam sido entregues após denúncia ser protocolada na Câmara. O gestor já venceu um processos de cassação na Câmara, o que o acusada cobrança de propinas para fazer pagamentos a fornecedores.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *