Conteúdo 10:32

Operação Calvário: veja qual era o papel de cada um dos investigados no esquema

Ex-governador Ricardo Coutinho é citado como o cabeça da suposta organização criminosa

A denúncia do Ministério Público da Paraíba que resultou em 17 mandados de prisão e 45 de busca e apreensão divide os suspeitos em núcleos que comporiam a suposta organização criminosa. A relação inclui os grupos político, administrativo e econômico, além dos responsáveis pela operacionalização do esquema. O ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), alvo de mandado de prisão, é apontado como o cabeça na suposta organização criminosa.

Os levantamentos apontaram que, no período de 2011 a 2019, somente em favor das OS contratadas para gerir os serviços essenciais da Saúde e da Educação, o Governo da Paraíba empenhou 2,4 bilhões de reais, tendo pago mais de 2,1 bilhões, sendo que destes, 70 milhões de reais teriam sido desviados para o pagamento de propina aos integrantes da Organização Criminosa.

Na área da saúde, as irregularidades eram executadas notadamente por meio de direcionamento de contratos de prestação de serviços, aquisição de materiais e equipamentos para as unidades hospitalares junto a empresas integrantes do esquema e indicação de profissionais para trabalharem nas unidades de saúde.

Veja a cobertura completa da Operação Calvário

No que diz respeito às fraudes nos procedimentos de inexigibilidades de licitação e de pregões presenciais investigados na área da Educação, que totalizaram cerca de R$ 400 milhões, o dano estimado resultante dos valores de propinas pagas aos membros da Organização Criminosa totalizam R$ 57 milhões.

Não obstante, foram detectados ainda diversos crimes ligados a superfaturamentos em processos licitatórios relacionados à aquisição de laboratório de ciências para escolas da rede estadual com estimativa de superfaturamento é de R$ 7,2 milhões. Desse modo, estima-se que o dano total ao erário causado corresponde a mais de R$ 134 milhões.

Os crimes investigados são relativos à fraude licitatória, falsificação de documentos, corrupções ativa e passiva, lavagem de dinheiro, entre outros.

O que dizem os citados

O advogado de Ricardo Coutinho não soube confirmar se o ex-governador está fora do país, porque não fala com ele há alguns dias, mas disse que “como a operação foi deflagrada agora de manhã, ainda estamos tomando ciência do conteúdo e acompanhando as medidas que estão sendo executadas agora”.

O diretório nacional do PSB confirmou às 10h desta sexta-feira que ainda não emitiu nota sobre o assunto.

O advogado da deputada Cida Ramos disse que ela está tranquila e contribuindo com as investigações, que cumpriram mandado de busca e apreensão em seu endereço, onde ela deve permanecer o resto do dia nesta terça-feira.

A assessoria da prefeitura do Conde disse às 10h20 que ainda não tinha posicionamento sobre o envolvimento da prefeita Márcia Lucena nas investigações.

O Tribunal de Contas do Estado disse, através da assessoria de imprensa, que ainda não tem um posicionamento sobre a investigação. Após sessão da câmara do órgão, os conselheiros vão se reunir e uma nota pode ser divulgada ainda nesta terça. A outra possibilidade é a de que a corte se manifeste oficialmente na sessão do Pleno, na quarta.

Em nota, o advogado Francisco Ferreira disse que está “tranquilo quanto aos indícios” imputados a ele, pois jamais cometeu “qualquer conduta ilícita na minha história de vida”. “Meu patrimônio é totalmente compatível com minhas rendas, o que comprovarei com tranquilidade e que já está em todas as minhas declarações de Imposto de Renda”, disse.

Resposta de Tatiana Domiciano:

Na condição de Diretora Presidente da PBGás e cidadã, venho, por meio desta, informar:

1 – quanto à medida cautelar inominada sob o nº 0000835-33.2019.815.000 , que deflagrou mais uma fase da Operação Calvário, apenas tive ciência hoje, via imprensa estadual, razão pela qual estou buscando o acesso integral aos termos do processo;

2 – A Companhia de Desenvolvimento da Paraíba – CINEP possuía assento no Conselho de Administração do LIFESA/PB, por designação estatutária, não tendo a pessoa física Tatiana Domiciano qualquer relação societária com aquele laboratório;

3 – Enquanto Diretora Presidente da Companhia de Desenvolvimento da Paraíba – CINEP e demais órgãos onde atuei, sempre busquei agir com honra e competência, visando atender ao interesse público e coletivo;

4 – que nenhum mandado foi expedido em meu nome e que me coloco à disposição para quaisquer esclarecimentos que se fizerem necessários .

Tatiana da Rocha Domiciano

 

 

 

 

Mais Notícias

COMENTÁRIOS

  1. Avatar for Suetoni
    Antônio Soares

    Essa lista num está nem na metade, ainda têm os policiais que faziam à escolta da propina – dizem que usavam até o Helicóptero acauã????

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *