Julian Lemos não seguirá Bolsonaro na criação de novo partido

Deputado diz que votará com o governo nas pautas que estiverem em consonância com suas convicções pessoais

Julian Lemos (E) foi dos primeiros a abraçarem a campanha de Jair Bolsonaro. Foto: Divulgação

O deputado federal Julian Lemos (PSL) não vai acompanhar o presidente Jair Bolsonaro na saída do partido. O gestor convocou os aliados mais próximos para uma reunião na tarde desta terça-feira (12), em Brasília. No evento, vai detalhar o projeto de criação de uma nova sigla. O parlamentar paraibano diz que não foi convidado para o evento e, caso fosse, não dá certeza de que mudaria de sigla.

“Para apoiar o presidente (Jair Bolsonaro) eu não preciso estar em outro partido, porque partido é tudo igual segundo a leitura hoje. E no partido PSL eu me encontro muito bem, assim como a grande maioria dos deputados”, ressaltou Lemos. A situação dele é parecida com a de grande parte dos parlamentares da sigla. Apesar de eleitos na mesma onda conservadora que levou o presidente à vitória, em 2018, a briga do bloco bolsonarista pelo comando da agremiação rachou o partido.

Ao todo, não muito mais do que 20 dos 53 deputados seguirão o presidente. A maioria se posicionou ao lado do dirigente nacional da sigla, Luciano Bivar (PSL-PE). Para criar o novo partido, Bolsonaro precisará que sejam recolhidas 500 mil assinaturas em nove estados. O prazo é curto. Tem que fazê-lo até março do ano que vem. Caso a sigla seja efetivamente criada, os deputados poderão migrar sem o risco de perderem o mandato.

Sobre uma eventual mudança de sigla, Julian Lemos diz que ela não faria sentido. “Não fui convidado para estar em outra legenda e se fosse convidado não sei se iria, porque eu preciso compreender qual vai ser a regra do jogo neste partido. Por que no começo tudo é muito bom, mas no decorrer do tempo o partido se torna de fato tudo igual. É poder, interesses e comando”, resumiu.

Votações

Julian Lemos diz que a saída de Bolsonaro da sigla não implicará em mudança de sua postura nas votações. Vai votar nos temas que estiverem em consonância com as suas convicções. “O PSL é um partido de cunho liberal e conservador. É o Partido Social Liberal, não do socialismo, mas do social e do liberalismo mesmo. O próprio presidente Bivar já escreveu livro sobre liberalismo econômico. É um homem muito inteligente, totalmente alinhado com as pautas do governo. Pragmaticamente falando é isso”, ressaltou.

Sobre eventuais discussões em relação à eleição presidencial de 2022, a postura do parlamentar é cautelosa. “É muito cedo para falar. A política, tu sabes, é como as nuvens. Agora está de um jeito, amanhã está de outro. A gente não sabe como vai ficar, mas o partido terá vida própria, não tenha dúvidas disso”, disse Lemos, citando frase do político mineiro Magalhães Pinto.

 

 

 

4 comentários - Julian Lemos não seguirá Bolsonaro na criação de novo partido

  1. Marcio ramos Disse:

    avaliando sem paixão partidária ou de nomes, maia uma vez percebe se que os anseios de gente simples como eu. cidadão que espera cansado por respostas aos seus problemas do dia a dia sem vislumbrar soluções. gostaria de lembrar a este senhor com a tranquilidade de 1uem votou nele que não se torne um tonhinho do sopão que hj não se elege nem pra sindico de condomínio justamente por trair suas bandeiraa

    • Orlando Pereira Disse:

      Disse tudo. Estes caras não estão nem aí para o povo, principalmente o nordestino, explorado pelos coronéis da esquerda e da direita, com o beneplácito da imprensa vendida.

  2. Tiago Vilar Disse:

    Não se elege mais…

  3. juliana Disse:

    ELE NÃO VAI ACOMPANHAR, OU NÃO FOI CONVIDADO AO NOVO PARTIDO!

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *