Executivo 10:34

Apesar da pressão dos deputados, João Azevêdo descarta “orçamento impositivo”

Governador cita efeitos da crise econômica para negar apoio à proposta do Legislativo

Adriano Galdino (C) vai buscar . Foto: Divulgação/ALPB

A Assembleia Legislativa não vai conseguir emplacar a proposta de orçamento impositivo sem, com isso, contrariar o governador João Azevêdo (PSB). O socialista garante que não há como implantar o programa desejado pelos deputados estaduais. A proposta é das poucas unanimidades entre os deputados. Talvez seja a única, vale ressaltar. Por ela, os parlamentares ganham o direito de indicar como querem que uma parcela do orçamento seja aplicada.

O montante destinado para as emendas impositivas é de 1,2% da Receita Corrente Líquida (RCL). Isso representaria perto de R$ 150 milhões. Para João Azevêdo, quem pegar os números da economia estadual, assim como os do país como um todo vai perceber que não há possibilidade.

“Estamos com uma economia do país em que houve uma estagnação este ano. Basta se verificar os números. A quantidade de desempregados se mantém. As receitas não sobem e não há como fazer transferências, efetivamente, de recursos novos para os Estados. Ou seja, é muito difícil. E a emenda impositiva não traz nenhum tipo de benefício porque ela poderá prejudicar outros tipos de programa do Estado”, disse Azevêdo.

O presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino (PSB), disse ao blog recentemente que o caminho será uma solução negociada. Essa possibilidade não é cogitada pelo governador. Para ele, a proposta de reduzir o repasse para 0,8% da Receita Corrente Líquida também prejudicará as contas do Estado. Ou seja, apesar da disposição dos deputados, eles não poderão fazer o omelete sem quebrar os ovos. Eles têm maioria para aprovar o projeto, mas terão que comprar briga com o governo.

Mais Notícias

Comente
O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados com *