Em evento sem João, Ricardo diz que ”se alguém não vem, problema de alguém”

Ex-governador propôs comitiva para pedir ao MPF denúncia de Bolsonaro por “crime contra a humanidade”

Ricardo Coutinho acena para a militância durante discurso em Monteiro. Foto: João Paulo Medeiros/Jornal da Paraíba

O ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) deu de ombros, neste domingo (1°), ao ser questionado sobre a ausência do afilhado político, o governador João Azevêdo, do mesmo partido, no ato pela transposição, em Monteiro. O socialista não compareceu ao evento. A posição já havia sido antecipada pelo gestor. Ele viu no ato uma manifestação exclusivamente política.

No discurso, no palanque, no entanto, Coutinho mandou recados para os aliados que não estiveram presentes. “Nós estamos na luta. Se alguém não vem, problema de alguém, porque o povo caminha sozinho. O povo sabe para onde quer ir. Vamos em frente companheiros e companheiras. Eu quero agradecer a todos os prefeitos que estão aqui”, disse.

Antes do evento, informações de bastidores deram conta de que prefeitos teriam recebido ligações para dissuadi-los de participar do ato. Da bancada estadual aliada ao socialista, poucos compareceram. Mesmo assim, o ex-governador comemorou a presença da militância no encontro. Ele jogou várias indiretas para os ausentes.

Ricardo iniciou o discurso dele, no evento, lendo uma carta do ex-presidente Lula. Nela, o petista falou sobre a inauguração popular da obra. O ex-governador, então, passou a descrever o que foi o evento, há dois anos, chamando o ato de “espécie de Woodstock da política”. Disse que aquele evento foi realizado como resposta ao ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB), que na inauguração oficial fez críticas a Lula e a Dilma Rousseff.

Coutinho chamou bancada federal nordestina para provocar os órgãos de controle para que se garanta o retorno das águas à transposição. O bombeamento está parado desde fevereiro. “Convocar e pedir aos deputados federais e senadores que tenham vergonha na cara, meu caro Humberto costa e meu caro Veneziano (Vita do Rêgo), para todos juntos irmos dar entrada numa representação no Ministério Público Federal para que eles acionem o presidente Jair Bolsonaro por crime contra a humanidade”, disse.

comentários - Em evento sem João, Ricardo diz que ”se alguém não vem, problema de alguém”

  1. Cristianno Disse:

    EX-governador ao lado de EX-candidato lendo uma carta de EX-presidente. Só isso já demonstra a dificuldade que essa cambada tem de largar o osso (poder), pra se manterem a todo custo na mídia e não caírem no ostracismo político, carregando a ilusão de acharem que ainda são alguma coisa (síndrome de ex-BBBs). Com isso, eles iludem os coitados que acreditam que eles de fato ainda são alguma coisa. E de fato são… Meros e patéticos EX-alguma coisa.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *