Deputados paraibanos debatem implantação do programa Future-se

Proposta do deputado Raniery Paulino é fomentar o debate sobre os prós e contras do projeto do governo federal

Raniery Paulino apresentou proposta para o debate na Assembleia. Foto: Roberto Guedes/ALPB

Os deputados estaduais paraibanos abrem espaço, nesta segunda-feira (12), para um debate sobre o programa Future-se. A proposta apresentada pelo Ministério da Educação visa abrir espaço para o financiamento externo de projetos das universidades públicas. A audiência vai acontecer às 15, na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB). Estão sendo convidados professores e alunos da instituição.

O projeto, de acordo com a descrição do governo, visa criar um fundo  para atrair investimentos privados nas instituições de ensino superior do país. A iniciativa, no entanto, reforça o deputado, tem causado “mal-estar e preocupação dentro de setores da comunidade acadêmica”.

De acordo também com o projeto, a ideia central é diminuir a participação do Estado na manutenção das universidades federais. O plano de financiamento permitirá que Organizações Sociais (OSs) compartilhem a gestão das universidades. O Future-se também permitirá a contratação de professores sem concurso público.

” Gostaria de convidar todos os docentes, discentes e servidores da educação para discutirmos as consequências do “Future-se”, um projeto de financiamento privado do Ensino Superior proposto pelo Governo Federal e que pode impactar diretamente na autonomia financeira das universidades públicas do estado. Contamos com a presença de vocês!”, diz Raniery Paulino no convidou.

Paulino analisa que o projeto abre espaço para o fim da democratização das universidades.  “Esse projeto expressa nitidamente o fim da democratização das universidades, processo que nós temos tido nos últimos anos. Podemos dizer que as  universidades, 60% dos alunos são oriundos de escola pública” finalizou.

O debate servirá para que os parlamentares, caso entendam necessário, pressionem os deputados federais e senadores que votarão a matéria no Congresso.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *