#200diasdevergonha: Bolsonaro chama governadores nordestinos de “paraíba” e revela perseguição à região

O governador João Azevêdo repudiou virtual discriminação do presidente nos bastidores de reunião com a imprensa estrangeira

Jair Bolsonaro demonstra preconceito típico dos detentores de déficit de inteligência ao se referir aos nordestinos. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) nunca foi bem visto pelo eleitor nordestino, em sua grande maioria. Apesar disso, está obrigado constitucionalmente a respeitar a região. O episódio desta sexta-feira (19), quando se referiu à região de forma jocosa, sinalizando perseguição aos seus governadores, é inadmissível em uma democracia. Sem perceber que os microfones estavam ligados, durante café da manhã com a imprensa estrangeira, ele disse que “daqueles governadores de ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão; tem que ter nada com esse cara”. A postura preconceituosa e xenofóbica mereceu manifestação pública dos governadores do Nordeste e um silêncio sepulcral e vergonhoso do Palácio do Planalto.

O diálogo não salta aos olhos por causa do uso do termo “paraíba”, que muito orgulha a sua gente. Causa indignação a forma jocosa do emprego, digna dos fascistas que pregavam (e pregam) uma superioridade injustificada. Uma concepção calcada no nanismo intelectual de quem a emprega. A fala do presidente foi durante uma conversa informal com o ministro Onyx Lorenzoni (Casa Civil) assim que se sentou à mesa para dar início a um café da manhã com jornalistas da imprensa estrangeira no Palácio do Planalto, em Brasília. Ocorreu no mesmo evento em que a miopia do gestor fez ele dizer que não existia fome no Brasil. O que não é de estranhar, vindo de quem disse na campanha eleitoral que não houve escravidão no país que mais tempo demorou para extirpar aquela mazela.

Os governadores do Nordeste reagiram com firmeza ao desrespeito do presidente. Fizeram questão de lembrar o papel institucional das representações estaduais e federais. E não deixaram de repudiar a postura mesquinha e inconsequente do mandatário. “Recebemos com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais, durante encontro com a imprensa internacional. Aguardamos esclarecimentos por parte da presidência da República e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia”, disse a nota divulgada no início da noite. O Nordeste foi a região do país onde o presidente recebeu as menores votações proporcionais. Ele perdeu a disputa em todos os estados da região.

Os governadores do Maranhão e da Paraíba também se manifestaram nas redes sociais. João Azevêdo (PSB) disse condenar “qualquer postura que venha ferir os princípios básicos da unidade federativa e as relações institucionais deles decorrentes. A Paraíba e seu povo, assim como o Maranhão e os demais estados brasileiros, existem e precisam da atenção do governo federal independentemente das diferenças políticas existentes. Estaremos, neste sentido, sempre dispostos a manter as bases das relações institucionais junto aos entes federativos, vigilantes à garantia de tudo aquilo a que tem direito”.

O do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), lembrou as garantias constitucionais. “Como conheço a Constituição e as leis do Brasil, irei continuar a dialogar respeitosamente com as autoridades do governo federal e a colaborar administrativamente no que for possível. Eu respeito os princípios da legalidade e impessoalidade (artigo 37 da Constituição)”. A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto informou que não irá comentar.

Leia a íntegra da carta:

“Carta dos Governadores do Nordeste

19 de Julho de 2019

Nós governadores do Nordeste, em respeito à Constituição e à democracia, sempre buscamos manter produtiva relação institucional com o Governo Federal. Independentemente de normais diferenças políticas, o princípio federativo exige que os governos mantenham diálogo e convergências, a fim de que metas administrativas sejam concretizadas visando sempre melhorar a vida da população.

Recebemos com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais, durante encontro com a imprensa internacional. Aguardamos esclarecimentos por parte da presidência da República e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia.”

17 comentários - #200diasdevergonha: Bolsonaro chama governadores nordestinos de “paraíba” e revela perseguição à região

  1. Naldo Silva Disse:

    Essa # mostra que esse jornal imundo não têm nada de imparcial, sempre ataca o governo de todas as formas, não sou cpntra esse tipo de jornal desde qie assuma seu lado coisa que o Jornal e seus blogueiros de merda não tem coragem de fazer

  2. Cavalcanti Disse:

    Resta agora cada estado demonstrar indignação indo para as ruas em protesto ao que disse esse elemento

    • Gerardo Mascareno Disse:

      “esse elemento” é o presidente da república, queira você ou não. Se você se sente ofendido de ser chamado de “paraiba” de duas uma: ou você é preconceituoso ou você é vitimista, sem falar que ele nem sequer chamou os governadores da região de “paraíba”.

  3. João Cavalcanti Ribeiro Junior Disse:

    O Nordeste é Brasil, o presidente Bolsonaro foi eleito democraticamente. Tal fato, ocorre com qualquer dirigente, se pesquisarmos, vamos encontrar dezenas de fatos. Agora, a imprensa, na sua grande maioria no país, trabalho contra o governo, isso é um fato, portanto quem não gosta de Bolsonaro, vai ter se adequar o novo modelo de governar.

    • Ana Beatriz Disse:

      Senhor, é importante salientar que, em uma democracia pressupõe- se que exista a liberdade de expressão, sendo assim, ninguém tem que se adequar ao modelo de governar de ninguém. Importante frisar também que, blogs são espaço de fala e expressão, tendo isso em vista, não procure se informar de maneira imparcial em um ambiente como este.

  4. JOAO MIGUEL DA SILVA Disse:

    Uma boa parte da imprensa da Paraiba como o resto do pais,esta sempre dando as informações erradas para a nossa população#impressalixo

    • Suetoni Disse:

      Amigo, com todo respeito, mas essa postura na forma de tratar a imprensa é característica de países ditatoriais. Que eu saiba, vivemos em uma democracia. Ou não? Um dos princípios mais básicos de qualquer democracia é estar aberto às críticas. Um presidente foi eleito e precisa de apoio para governar. Isso é fato. Agora, governar não quer dizer impor suas vontades a todos. Isso tem nome: ditadura. As democracias pressupõem e presam pelos sistema de freios e contrapesos. Eles, sim, ajudam a por as coisas em ordem.

  5. Daniel Oliveira Disse:

    Todo mundo chama nordestino de “paraiba”. A imprensa faz de tudo para derrubar o presidente. Sou “Paraíba” e estou com ele.

    • Aldo Disse:

      Ledo engano, meu caro. Não é “todo mundo que chama nordestino de ‘paraíba”. Apenas os desinformados ou preconceituosos. Informe-se melhor. Em São Paulo, onde moro, usa-se “baiano” para todos os nordestinos; fala-se preconceituosamente em “fazer baianada” ou “isso é coisa de baiano”. Já no Rio, onde morei, vindo de Natal, onde nasci, era chamado pejorativamente de “paraíba”, e ouvia coisas do tipo: “fazer paraíbada” ou “isso é coisa de paraíba”. O sr. presidente é do Rio, e carrega esse ranço deplorável. Alguém já disse que “a boca fala do que o coração está cheio” (Jesus de Nazaré). É seu direito estar “com ele”, mas não é direito justificar o injustificável. Postura lamentável!

      • Aldo Disse:

        Errata: “O sr. Presidente, que viveu no Rio de Janeiro, onde serviu como vereador e pelo qual foi deputado federal, ainda carrega esse ranço deplorável.”

      • Joel Fagundes Ribas Disse:

        Esse bolsonaro só abre a boca pra fala merda, um presidente de uma grande nação como ele fala teria q dar exemplo de respeito, de democracia, de cultura, de paz, de tolerancia, de paciência , mas o q esse idiota e sua família inteira faz é o contrário disso, pregando sempre a desunião do povo

  6. Não entendo dizerem que a imprensa é contra o Governo, só pode ser pensamento de gente com mania de perseguição, a maior parte das mídias está comprada , restam umas poucas independentes que querem silenciar.

  7. O Mestre da sanfona, Luiz Gonzaga, de saudosa memória, também o nosso eterno Rei do Baião no seu clássico melódico, em parceria com o grande Zé Dantas na década de 50, compuseram o sucesso por nome (MEU PAJEÚ), e essa canção já retratara em sua letra um sinal de protesto ou preconceito do Sul para com o Nordeste donde se diz : : ” … Paulista é gente boa mas é de lascar o cano, … eu nasci no Pajeú e só me chamam de baiano, ai hum hum!. Ai Meu Deus o que é que e eu vou fazer, … longe do meu Pajeú não poderei viver. Lembrando que o Pajeú é uma região do semiárido pernambucano no alto do sertão onde fica a cidade de Exu, lugar o ilustre filho de seu Januário nascera. Esse moído é muito antigo.

  8. Jaime L.Rodrigues Disse:

    A afirmação preconceituosa do presidente Bolsonaro contra governadores do Nordeste e nordestinos é inaceitável e tem que ser contestada. As falas de Bolsonaro são na sua maioria fruto de um impulso emocional descontrolado, não de alguém sensato e que assumiu a responsabilidade de governar um país que precisa ser tratado de forma digna, em seu todo, não valorizando algumas regiões em detrimento de outras.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *