Buega Gadelha retoma comando da Fiep após afastamento na operação Fantoche

Retorno ao cargo ocorreu após o fim do prazo de 90 dias determinado pela Justiça

Buega Gadelha negou todas as acusações decorrentes da operação Fantoche. Foto: Reprodução

O empresário Buega Gadelha voltou ao comando da Federação das Indústrias da Paraíba (Fiep). Ele estava afastado do cargo por decisão judicial desde o dia 20 de fevereiro, por decisão da Justiça Federal de Pernambuco. O afastamento fez parte das medidas previstas pela operação Fantoche, desencadeada pela Polícia Federal e que teve como alvos empresários e dirigentes do Sistema S. Gadelha comandou uma das mesas de evento promovido pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa (Sinduscon-JP), nesta quinta-feira (23). O retorno ao cargo foi confirmado pela assessoria.

O afastamento cautelar teve duração de 90 dias e, inicialmente, havia o entendimento de que ele não se estenderia à Fiep. Abrangeria apenas as funções no Sistema S. A medida foi extensiva também a outros dirigentes regionais. Além de Gadelha, a lista de incluiu Ricardo Essinger e José Carlos Lyra de Andrade, todos com funções diretivas no Senai, no Sesi ou na Federação Nacional da Indústria. A Polícia Federal investiga esquema de superfaturamento em contratos firmados pelo Sistema S e pelo Ministério da Saúde com a empresa Aliança Comunicação.

Os contratos firmados entre a Aliança Comunicação e as instituições ligadas à CNI teriam movimentado R$ 400 milhões de 2002 até agora. Parte destes recursos teriam sido desviados. Foram presos, na época, os empresários Luiz Otávio, Luiz Antônio Gomes Vieira da Silva, da Aliança Comunicação, além de Jorge Tavares Pimentel Junior, sócio da Neves e Silva Produção, e Júlio Ricardo Rodrigues Neves, da Idea Locação de Estruturas e Iluminação.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *