Cabedelo economiza R$ 3 milhões por mês com demissão de ‘fantasmas’, diz prefeito

Prefeito de Cabedelo diz que dinheiro que sobrou deu para calçar várias ruas e construir praças

Vítor Hugo promete solução para a construção de shopping em Cabedelo. Foto: Suetoni Souto Maior

Ainda interino no cargo, o prefeito eleito de Cabedelo, Vítor Hugo (PRB), já faz planos para as eleições de 2020. Empolgado com a vitória na eleição suplementar, ele antecipou, durante entrevista à CBN, nesta sexta-feira (12), que será candidato à reeleição. Para isso, espera contar com a concretização de alguns pontos do planejamento eleitoral. Quer elevar o índice de ruas calçadas dos atuais 50% para 75%, por exemplo. O gestor lembra que, para isso, conta com sobra de caixa. A demissão dos servidores fantasmas rendeu uma economia de R$ 3 milhões por mês. Isso quer dizer que, por ano, são quase R$ 40 milhões para investimentos.

E isso dá para quê? Ele responde que foram mais de 40 ruas calçadas em um ano. Estão sendo construídas praças e equipamentos de saúde também. A operação Xeque-Mate, que acabou resultado na prisão do ex-prefeito Leto Viana (PRP) e de cinco vereadores da Câmara, além do afastamento do vice e de outros cinco vereadores, mostrou o tamanho do problema. As câmaras instaladas pela Polícia Federal em postes mostraram que vários servidores recebiam os salários e levavam para a casa de Leto ou para a sede do PRP. Pelo menos 85 deles foram afastados por determinação da Justiça.

O prefeito detalhou a iniciativa que visa o impedimento da desapropriação em casas próximas às obras da terceira faixa na BR-230. A construção de uma ciclovia será abandonada pelo Dnit. Com isso, as casas e muros da localidade serão poupadas. Um dos viadutos também será retirado do projeto. “É bom para a cidade e mais econômico também para a obra do governo federal”, ele pontua. A ciclovia vai contemplar a orla da cidade.

Shopping

Vítor Hugo também prometeu entendimento com a empresa Marquise para a construção do Shopping Parque Intermares. A obra esteve no centro de uma discussão que envolveu interesses empresariais e ingerência política na cidade. Por conta desta discussão e das consequência dela, muita gente foi presa na cidade. “Tivermos várias reuniões e o projeto vai sair do papel”, disse o prefeito, que espera a construção já para o fim deste ano. A perspectiva é a de que a obra esteja concretizada em dois anos. Ou seja, até 2021, segundo as projeções do prefeito. A efetivação dele no cargo deve ocorrer em 1º de maio.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *