Operação Calvário: Livânia opta por ficar calada em audiência no Ministério Público

Ex-secretária de Administração do Estado foi presa pelo Gaeco na terceira etapa da operação Calvário, em 16 de março

Livânia Farias durante audiência de custódia, na semana passada, na Câmara Criminal. Foto: Divulgação

A ex-secretária de Administração do Estado, Livânia Farias, optou por ficar calada, nesta quarta-feira (27), durante audiência com promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público da Paraíba (MPPB). Ela foi presa durante a terceira fase da operação Calvário, desencadeada pelo órgão. A ação investiga a suposta participação da ex-auxiliar do governo estadual em esquema de recebimento de propinas pagas pela Cruz Vermelha Brasileira filial Rio Grande do Sul. O esquema foi delatado pelo ex-assessor da Secretaria de Administração, Leandro Nunes Azevedo, preso na segunda fase da operação. O mandatário da Cruz Vermelha, Daniel Gomes, também foi preso na segunda etapa da operação e permanece detido no Rio de Janeiro.

O advogado de Livânia, Solon Benevides, explicou que a decisão de ficar calada, adotada pela ex-secretária, atende a um preceito constitucional. Ela, vale ressaltar, permaneceu em silêncio diante de todas as perguntas formuladas pelos representantes do Gaeco. “Os promotores fizeram o trabalho profissional que cabe ao Ministério Pública de forma muito elegante em relação à minha cliente”, ressaltou Benevides. Livânia foi alvo de dois mandados de prisão cumpridos no bojo da operação Calvário. O primeiro diz respeito à gestão dos contratos com a Cruz Vermelha e ocorreu no último dia 16. A segunda está relacionada com a suposta receptação de R$ 900 mil. O dinheiro seria fruto de caixa dois de campanha para as eleições de 2018, pago pela Cruz Vermelha.

O segundo mandado de prisão foi comunicado à ex-secretária na semana passada, durante audiência de custódia. Os mandados de prisão foram expedidos pelo desembargador Ricardo Vital de Almeida. Ele abrangeu, também, Daniel Dantas, que já havia sido preso na segunda etapa da operação. Livânia foi levada para a 6ª Companhia da Polícia Militar, onde aguarda o julgamento do processo. Ela só pode receber visitas de familiares até o segundo grau e dos advogados. O desembargador também deferiu parcialmente o pedido de sequestro de bens da ex-secretária de Administração do Estado. Foram autorizados os sequestros de uma casa adquirida supostamente com dinheiro de propina, em Sousa, e um veículo modelo BMW/X1, de cor branca.

2 comentários - Operação Calvário: Livânia opta por ficar calada em audiência no Ministério Público

  1. Josenilton Disse:

    Eu acho que não tem nada mais contra ninguém, penso assim pois se ela temese a algo maior contra ela falaria, pois não ia se prejudicar só; logo mais estará solta sem nada contra ela!

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *