Fórum de Governadores: João Azevêdo demonstra frustração após reunião com Paulo Guedes

Gestores esperavam medidas emergenciais para socorrer os estados e ouviram apenas promessas para depois da Reforma da Previdência

João Azevêdo demonstra preocupação com a falta de medidas emergenciais para os estados. Foto: Divulgação/Secom-PB

O governador da Paraíba, João Azevêdo (PSB), deixou a reunião do Fórum de Governadores, em Brasília, com o sentimento de frustração. Ele, assim como os outros governadores do Nordeste, esperava uma posição mais firme do governo federal no socorro aos estados. Diante do ministro Paulo Guedes (Economia), foram postos na mesa temas como securitização das dívidas, a questão da cessão onerosa, o bônus por assinatura de petróleo e o déficit das previdências estaduais. Todos temas voltados para a melhoria das condições econômicas das Unidades da Federação. O representante do governo federal, no entanto, não apresentou qualquer medida conclusiva que venha beneficiar os estados. O foco externado pelo auxiliar do presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi apenas a Reforma da Previdência.

“Os governadores colocaram questões com relação à securitização, à Lei Kandir, à cessão onerosa, bônus por assinatura de petróleo. Isso que vinha sendo tratado desde a última reunião”, enfatizou Azevêdo, sem esconder a decepção com o resultado do encontro. Na ocasião, o ministro Paulo Guedes informou que dois eixos serão tratados com os estados: a possibilidade de antecipação de um crédito para os estados que aderirem à recuperação fiscal de 50% do valor previsto e que a cessão onerosa poderia vir a partir de setembro ou outubro. As propostas, no entanto, não foram vistas como suficientes para atender os anseios dos paraibanos.

“Essas propostas não resolvem os problemas do estado. A Paraíba tem questões emergenciais que precisam também ter uma resposta muito mais rápida. Não podemos vincular, porque já está em tramitação no Congresso a questão da cessão onerosa com a aprovação da Previdência. Como foi colocado pelo ministro Paulo Guedes, as coisas podem andar em paralelo, independente da aprovação de uma ou outra. Ou seja, as questões que esperávamos ver definitivamente resolvidas ficaram para o futuro. Isso nos preocupa porque cada estado continua com seu déficit e seus problemas”, ponderou o governador.

Ainda segundo João Azevêdo, a Paraíba tem que enfrentar um ponto comum a todos os estados, que é a questão do déficit previdenciário. “Existe um déficit da previdência estadual que precisa ser enfrentado com medidas objetivas, com a criação de um fundo de compensação para que este déficit possa ser minimizado e indicando quais são as fontes para alimentar este fundo. O Estado precisa ter também, com indicação do governo federal, onde fazer captação de recursos para investimentos”, afirmou o governador.

João Azevêdo ainda relatou que foi criada uma comissão dentro do próprio fórum. O grupo ficou encarregado de levar em outra oportunidade para o governo federal os pleitos que entendem que são possíveis de serem atendidos com mais agilidade, porque não impactam o orçamento federal. “A questão da securitização das dívidas, a questão da cessão onerosa, do bônus por assinatura de petróleo, são coisas que precisam estar definidas”, observou.

3 comentários - Fórum de Governadores: João Azevêdo demonstra frustração após reunião com Paulo Guedes

  1. Tiago vilar Disse:

    Quer dizer que existe déficit da previdência estadual ??? Mas a esquerda não alarmava que o déficit era uma ficção do governo ???

  2. Ronald Disse:

    Oh Tiago, procure saber o que é e como funcionam o RGPS e o RPPS. Nas Constituições Federal e Estaduais estão definidos os financiamentos dessas duas distintas modalidades. É um tema complexo e tratar dessa maneira rasa como você colocou nada contribui.

  3. Quem tem competência, trabalha e gadta nem o dinheiro público que é de todos, sem apelar para terceirizar a saúde, como foi feito na Paraíba.
    Dizem que os prejuízos paea o Estado pode ser medidos por malas e caixas de sapato de dinheiro…!!

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *