Discursando em inglês, na ONU, Sérgio Queiroz cita Marielle Franco

Paraibano ocupa o cargo de secretário de Proteção Global do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

O secretário de Proteção Global do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Sérgio Queiroz, discursou nesta quinta-feira (28) na 40ª Conferência da ONU sobre Direitos Humanos, em Genebra. Falando sempre em inglês, o paraibano citou os casos de duas mulheres afrodescendentes, brasileiras, mortas no ano passado. Os casos citados foram os da vereadora do Rio, Marielle Franco, e da policial Juliane dos Santos Duarte, ambas “membros da comunidade LGBTI”.

No discurso, ele falou sobre o comprometimento do Brasil para elucidar os assassinatos. Lembrou o trabalho de Marielle na área de direitos humanos, bem como do combate ao crime feito por Juliane. “Em 2018, o governo brasileiro alocou quase US$ 4 milhões para o programa nacional de proteção dos defensores dos direitos humanos. Existem vários orçamentos justos desde sua criação. Hoje, o programa protege cerca de 420 pessoas, das quais aproximadamente 30% são mulheres”, disse.

Em entrevista ocorrida após o pronunciamento, Sérgio Queiroz disse ter ficado claro para a alta comissária das Nações Unidas para os direitos humanos, Michelle Bachelet, que “somos uma nação democrática, temos um presidente eleito democraticamente (Jair Bolsonaro), que está disposto a levar à frente todas as proteções necessárias para que o Brasil seja respeitado como nação que está atenta à proteção dos direitos humanos”.

Confira a tradução do pronunciamento

“Obrigado Sr. Forst pelo seu relatório.

Violência Política e crimes de ódio contra minorias ainda são um desafio. Ano passado, duas corajosas brasileiras afrodescendentes e membros da comunidade LGBT foram assassinadas.

Marielle Franco, vereadora da cidade do Rio de Janeiro, que lutou pelos direitos humanos; e Juliane dos Santos Duarte, uma policial comprometida que protegia os cidadãos da criminalidade. Ambas foram vítimas de intolerância e merecem nossa atenção e respeito.

Desde o assassinato de Marielle Franco, as autoridades brasileiras mostraram seu máximo compromisso na investigação deste crime com o objetivo de levar os responsáveis à justiça.

Em 2018, o governo brasileiro destinou quase US $ 4 milhões ao Programa Nacional de Proteção aos Defensores dos Direitos Humanos, o maior orçamento desde a sua criação.

Hoje, o programa protege cerca de 420 pessoas, das quais aproximadamente 30% são mulheres.

O Brasil também agradece ao Sr. Melzer por seu relatório. Corrupção e tortura são formas de abuso que têm natureza sistêmica e requerem medidas estruturais para serem erradicada.

Um projeto de lei abrangente para combater o crime e a corrupção está atualmente no Congresso brasileiro. Estamos comprometidos em combater a corrupção e a tortura a todo tempo e em todos os níveis.

Obrigado”

3 comentários - Discursando em inglês, na ONU, Sérgio Queiroz cita Marielle Franco

  1. Maria de Fátima Silveira de Vasconcelos Disse:

    Parabéns Secretário, pelo seu trabalho!
    Confiamos e acreditamos muito que o Brasil vai mudar, especialmente com relação ao respeito e direito do outro, pois temos a frente deste ministério uma pessoa integra, cristã, que sempre lutou para diminuir a desigualdade social.

  2. Fatima santana Disse:

    Cremos que Deus lhe botou neste lugar de honra p representá-lo ! É isso é só o começo! Grandes coisas o Senhor Ainda fará através do seu ungido

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *