Raimundo Lira se filia ao PSD durante solenidade em Brasília

Parlamentar pretende disputar a reeleição no pleito deste ano e deve reforçar chapa das oposições

Raimundo Lira vai disputar a reeleição no pleito deste ano com o apoio da oposição. Foto: Divulgação

O senador Raimundo Lira teve a filiação abonada, nesta terça-feira (3), pelo presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab. Ele deixou o MDB após discordâncias com o senador José Maranhão, que preside o partido no Estado. O parlamentar, com a saída da sigla emedebista, engrossou a debandada da agremiação. Junto com ele deixaram o partido os deputados federais André Amaral, Veneziano Vital do Rêgo e Hugo Motta, além do vice-prefeito da capital, Manoel Júnior. Todos manifestaram contrariedade com a pré-candidatura de Maranhão ao governo.

Além do ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab, a filiação de Lira, na sede nacional do PSD, foi acompanhada por lideranças estaduais e nacionais. Estavam lá o deputado Hugo Motta, agora no PRB, e o presidente estadual da sigla pessedista, o deputado federal Rômulo Gouveia. O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), também compareceu à solenidade. A expectativa é que o senador dispute a reeleição para o cargo em chapa comandada pela oposição. O outro nome do bloco que deverá compor a aliança é o do senador Cássio Cunha Lima (PSDB).

A decisão de deixar o partido foi confirmada por Lira nesta segunda-feira (2), após reunião com o presidente Michel Temer (MDB). Na oportunidade, o paraibano entregou a liderança do partido no Senado. Na conversa, o gestor emedebista ainda tentou demover Raimundo Lira da ideia de deixar a sigla. A queixa do agora pessedista com o antigo partido foi motivada pela disposição do senador José Maranhão de disputar o governo do Estado. A debandada de lideranças do partido, na avaliação dele, enfraqueceria seu projeto de reeleição.

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *