Lira está de malas prontas para deixar o MDB, garantem aliados

Lideranças revelam que o líder do MDB no Senado prevê dificuldades eleitorais na sigla caso José Maranhão mantenha a candidatura ao governo

José Maranhão, Raimundo Lira e Cássio Cunha Lima durante sessão no Senado. Foto: Divulgação

O senador Raimundo Lira ainda não tornou oficial a decisão, porém, é dada como certa a saída dele do MDB até o dia 7 de abril. A data é o limite para a mudança de sigla pelas pessoas dispostas a disputar as eleições deste ano. A mudança já ganha destaques nas conversas de lideranças governistas e da oposição. O motivo seria o risco eleitoral de ir para uma disputa tendo o senador José Maranhão, presidente estadual da agremiação, na cabeça da chapa. O parlamentar vinha mantendo entendimentos com a área governista, mas decidiu mudar de ares recentemente. Ele trocou as eventuais reuniões com o governador Ricardo Coutinho (PSD) por uma aproximação mais firme com o bloco das oposições.

Entre tucanos e pessedistas, Raimundo Lira é visto como player para a disputa por uma vaga de senador na chapa das oposições. No cenário de uma chapa que poderá ser encabeçada pelos prefeitos de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), ou de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), a presença dele é tida como certa. Os candidatos previstos para o Senado pelo campo oposicionista são justamente Cássio Cunha Lima e Raimundo Lira, ambos tentando a reeleição. Esta é uma chapa praticamente alinhavada. Agora, para ela se tornar viável, o entendimento é o de que Lira deverá ser deixar o MDB. O cenário está sendo trabalhado justamente pelo fato de o José Maranhão não abrir mão da disputa.

Lira chegou a manifestar o desejo de votar em José Maranhão no início do ano, caso o emedebista mantivesse a disposição de disputar a eleição. As declarações foram dadas, inclusive, durante entrevista à rádio CBN João Pessoa. A ideia, no entanto, foi perdendo força ao longo deste mês. Primeiro o parlamentar buscou o afastamento do campo governista. Apesar da boa relação com Ricardo Coutinho, os elogios do governador a Veneziano Vital do Rêgo (MDB) tiraram de Lira as esperanças de apoio. O abrigo veio da oposição, com reuniões e declarações do parlamentar de que pretende disputar no campo oposicionista.

O tema foi um dos vários que dominaram as rodas de conversas políticas durante o bloco Tambiá Folia, que tem o presidente da Câmara de João Pessoa, Marcos Vinícius (PSDB), como um dos organizadores.

Alexandre de Moraes libera MP que permite privatização da Eletrobras

Decisão põe por terra liminar que derrubava privatização dos serviços pela União

Alexandre de Moraes atendeu recurso protocolado pela Câmara dos Deputados. Foto: Nelson Jr./SCO/STF (20/06/2017)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes derrubou, nesta sexta-feira (2), a liminar da Justiça Federal em Pernambuco que suspendeu o trecho de uma medida provisória (MP) que autorizou a União a privatizar a Eletrobras. Com a decisão, o processo de privatização da empresa fica liberado. Moraes atendeu a um recurso da Câmara dos Deputados. A decisão ainda não foi divulgada.

Na decisão, Alexandre de Moraes entendeu que o juiz de primeiro grau usurpou a competência do Supremo ao analisar a legalidade da MP. “Entretanto, se a decisão do juiz ou tribunal declarando a inconstitucionalidade do ato normativo em face da Constituição Federal retirá-lo do ordenamento jurídico haverá usurpação da competência do Supremo Tribunal Federal por ser o único tribunal em cuja competência encontra-se a interpretação concentrada da Carta Magna”, argumentou o ministro.

A suspensão de parte da MP 814 foi determinada no início do mês passado pelo juiz Carlos Kitner, da 6ª Vara Federal do Recife. Em liminar, o juiz suspendeu o Artigo 3º da medida provisória, editada em 29 dezembro do ano passado, que retirava de uma das leis do setor elétrico a proibição de privatização da Eletrobras e de suas subsidiárias. O magistrado atendeu a uma ação popular protocolado pelo advogado Antônio Accioly Campos.

Da Agência Brasil

O blog errou

O blog publicou, com base em informação de uma fonte, sobre encontro entre os deputados Veneziano Vital do Rêgo e Hugo Motta. Ambos são do MDB e traçam planos para deixar o partido. A confusão da fonte se deu em relação ao personagem. Na verdade, o encontro de Veneziano foi com André Amaral, tradicional aliado do parlamentar. Amaral também deve deixar a sigla emedebista. Enquanto Veneziano vai para o Podemos, André Amaral deve ir para o Pros.

Venziano durante almoço com André Amaral. Foto: Silas Batista/CBN

Ministro dos Transportes estará em CG segunda para liberar duplicação da BR-230

Obra terá 31,7 quilômetros de extensão e custo estimado de R$ 367,9 milhões

Maurício Quintella virá à Paraíba para autorizar obra de duplicação.
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O ministro dos Transportes, Maurício Quitella, estará em Campina Grande segunda-feira (2). Ele vai assinar a ordem  de serviço para o início das obras de duplicação de trecho da BR-230, entre a Rainha da Borborema e a Praça do Meio do Mundo. A extensão total será de 31,7 quilômetros e o investimento previsto é de R$ 367,9 milhões. Uma coisa que não vai faltar no evento, na Federação das Indústrias da Paraíba (Fiep) é político. E da oposição. Já confirmaram presença os senadores Cássio Cunha Lima (PSDB), Raimundo Lira (MDB) e José Maranhão (MDB) é aguardado.

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues (PSDB), também vai estar presente. Os parlamentares, vale ressaltar, têm dividido as atenções na briga para dizer quem contribuiu mais para a liberação dos investimentos.

Defensor da reforma da Previdência, Temer tem aposentadoria cortada

Presidente deixou de fazer o recadastramento que comprova que o pensionista está vivo

Michel Temer teve a pensão paga pelo INSS suspensa por não ter comprovado que está vivo. Foto: Divulgação/PR

O presidente Michel Temer (MDB) teve o pagamento da aposentadoria cortado pela Previdência Social por falta de recadastramento. O gestor, maior defensor da reforma previdenciária, não procurou o Banco do Brasil para comprovar que está vivo. O cadastro anual e troca de senhas é obrigatório há vários anos, para evitar fraudes. Temer se aposentou aos 55 anos, em 1999, como Procurador do Estado de São Paulo ganhando o teto do funcionalismo. Para voltar a receber o benefício, o presidente precisa procurar, presencialmente, uma agência do Banco do Brasil.

Por meio de nota, a Presidência da República informou à Globo News que o presidente não fez o recadastramento por falta de tempo. Ele prometeu regularizar a situação. Temer tem 77 anos e, segundo o contra-cheque de outubro de 2017, tem vencimentos de R$ 45 mil. Por conta do teto do funcionalismo, no entanto, o montante pago cai para R$ 22 mil. Além da pensão, o presidente também recebe salários de presidente da República. Estes também com descontos por causa do teto do funcionalismo.

Entenda o que é a prova de vida:

A prova de vida e a renovação de senha bancária dos beneficiários do INSS são obrigatórias e devem ser realizadas anualmente. Quem não fizer este procedimento poderá ter o benefício suspenso até regularizar a prova de vida.

Como fazer?
O beneficiário deve ir até sua agência bancária, levando um documento de identificação com foto (carteira de identidade, carteira de trabalho, carteira de habilitação, entre outros).

Para tornar o processo de recebimento mais seguro, alguns bancos que possuem sistemas de biometria estão usando essa tecnologia para realizar a comprovação de vida nos próprios terminais de autoatendimento.

Quem não puder ir até as agências bancárias por motivos de doença ou dificuldade de locomoção pode realizar a prova de vida por meio de um procurador, que deve ser previamente cadastrado no INSS.

 

Cartaxo põe interinos na vaga de secretários após exonerações

Quatro secretários pediram para sair após ultimato do prefeito sobre virtuais candidatos no pleito deste ano

Luciano Cartaxo orientou secretários dispostos a disputar cargos eletivos a deixarem o cargo. Foto: Andréa Santana/CBN

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, definiu, no fim da manhã desta quinta-feira (1°), que apenas secretários interinos irão ocupar as secretarias cujos gestores optaram pela desincompatibilização para disputar as eleições deste ano. Adjuntos e diretores irão ocupar a titularidade das pastas a partir deste mês.

Na Secretaria de Segurança Urbana, o secretário adjunto Assis Freire vai responder pela pasta que era ocupada por Geraldo Amorim. No lugar de Olenka Maranhão, na Secretaria do Trabalho e Renda, quem assume interinamente é Paulo Roberto Fernandes Vieira, diretor de Operações. Já o secretário adjunto da Juventude e Esportes, Rodrigo Fagundes de Figueiredo Trigueiro, responde pelo posto antes ocupado pelo deputado Jutahy Meneses.

O único espaço ainda não preenchido é o de secretário de Mobilidade Urbana. O cargo era ocupado por Carlos Batinga, que pretende disputar vaga na Assembleia Legislativa. As nomeações interinas têm o objetivo de preservar o funcionamento pleno dos projetos, programas e ações que estão em execução nas secretarias. A intenção é garantir o cumprimento das metas pactuadas, assegurando o ritmo de entregas e de novos resultados apresentados à população.